DE RODAPÉS E DE ACHADOS

Domingos Matos, 27/02/2011 | 11:55
Editado em 27/02/2011 | 21:13

Adylson MachadoQuando o tema se esgota em si mesmo, um rodapé pode definir tudo e ir um pouco além.  

Adylson Machado

                                                                              

Derrotado também “véve” I

Amigo comum, já falecido, ficou famoso nos rincões de Itororó pela forma como administrava a fazenda de cacau, lá para as bandas de Itati. Nunca se deixou envolver pelo tecnicismo ceplaqueano e com isso – louve-mo-lo – ajudou o meio ambiente não tão olhado naqueles idos. O cancerígeno BHC – execrado lá fora – era comercializado pela Ceplac, depositado no centro das cidades, asfixiando a saúde alheia, para atender as ordens do controle cientista que imperava a partir do CEPEC. Ainda que alimentasse o avanço dos ratos, com a morte do predador natural (cobras) sem falar no sacrifício das minhocas.

Mas, voltando ao cacauicultor. Um dia chegou-lhe um trabalhador para denunciar a gravidade da situação: as lagartas estavam tomando conta da roça e precisava de um veneno para matá-las. A reação de Júlio “Véi” – como conhecido – não deixou dúvida: – Deixa prá lá, as lagarta também “véve”.

Derrotado também “véve” II

Temos acompanhado a disputa por cargos no segundo escalão de estatais várias. O espólio – assim o denominamos, porque não pode ser diferente em país onde o patrimonialismo é da essência da política – é pretendido em maior parte por integrantes do PMDB que cobram a “dívida” do tempo partidário concedido, do vice-presidente ofertado etc. Nesse diapasão a Caixa Econômica Federal seria menina dos olhos para dois políticos que não alcançaram resultados positivos para suas propostas eleitorais em 2010: o baiano Geddel Vieira Lima e o paraibano José Maranhão.

Para não aprofundarmos o tema – até porque a pretensão aqui não é de articular mas de rodapear – os feudos pretendidos (diretorias), além de outras sinecuras, alimentariam o bolso de cada um com R$ 28,75 mil “mais participação nos lucros e resultados do banco”, segundo Carlos Newton na Tribuna da Imprensa on line de 20 de fevereiro.

Nada a reclamar, cá na planície. Como diria Júlio “Véi”, derrotado também véve.

Conversa de arrumação

Famosa a expressão “freio de arrumação” para explicar a freada brusca do coletivo quando superlotado, como meio de arrumar uma vaguinha para mais um passageiro e alimentar as burras da empresa.

Considerando o quadro político no município de Itororó, onde imagem razoável do prefeito Adroaldo Almeida só existe em programa de rádio custeado pelo erário ou em blog itabunense, possível declaração do deputado Rosemberg Pinto de apoio ao alcaide soa tão somente como semântica itororoense para “arrumação”.

Afinal, uma das pessoas mais ligadas a Rosemberg, o escritor e artista plástico Milton Marinho, ex-aliado de Adroaldo, tem até programa de rádio só para espicaçar o prefeito.

Do jeito que a coisa anda, haja “arrumação”. E semântica!

Título nada lisonjeiro

Dizíamos na edição anterior que Itabuna como notícia nacional ou era dengue ou erro de impressão. Chega-nos outro pódio: o 3º lugar no ranking de homicídios entre jovens de 15 e 24 anos. No geral, estaríamos em 13º.

Azevedo em campanha

Azevedo em campanhaAs últimas ações vinculam fortemente a imagem do gestor a obras em andamento. Rodapeando observamos que envolvem periferias. Temos ouvido, ainda que escassamente – mas temos ouvido – que a máquina do município está neste ou naquele bairro.

A “Prefeitura Móvel” é uma iniciativa interessante se bem utilizada. (A propósito, Geraldo Simões certamente não lembra de que um determinado comissionado lhe sugerira um instrumento de fixação de sua ação administrativa no imaginário da população, por ele não levada a sério, e que se assemelhava à iniciativa ora empreendida por Azevedo).

Azevedo está em campanha. E pode ter a máquina sob seu controle(!).

Campanha para Azevedo

Circula a existência de pesquisa – não temos informação de quem a encomendou e dificilmente alguém trabalha no ramo por amor à informação – que avalia a gestão Azevedo com quase 80% de ruim e péssimo, bem como sua imagem pessoal também ladeira abaixo, superando os 75% de ruim ou péssimo. Justamente quando o prefeito demonstra começar efetivamente a sua campanha (como acima observamos).

Caso próximas pesquisas apresentem redução nos índices de rejeição, pode contar pontos a favor de Azevedo. Se não piorar e alcançar 70% de ruim ou péssimo, depois 65% e por aí, parecerá, para a opinião pública, reversão do quadro negativo.

Assim, temos que a divulgação ocorreu em instante mais para ajudar do que para prejudicar Azevedo.

Uma forma de campanha a favor.

Transporte alternativo

Comentamos sobre a realidade dos mototaxistas. Avançaríamos pelo caminho da realidade do transporte coletivo em si, vexame que alimenta a possibilidade de ingresso da motocicleta (para nós veículo indequado para o mister) no âmbito da oferta.

Cabendo ao município a regulamentação da matéria, quando vier a ocorrer, por que não pensar em vans circulares?

São muito mais seguras. 

Iniciativa louvável

erundinaFoi objeto de discussão na terça 22, “a criação da Frente Parlamentar pela Liberdade de Expressão e o Direito à Comunicação com Participação Popular” na Câmara dos Deputados, articulada pela deputada Luíza Erundina e que depende da assinatura de pelo menos 171 deputados. Visa estabelecer um canal direto entre a sociedade organizada e o parlamento para melhor entender o conteúdo do que seja “democratização da comunicação”. Maiores detalhes em http://www.advivo.com.br/blog/luisnassif (“A frente parlamentar pela democratização da comunicação”) e no próprio manifesto lançado pela frente: http://www.vermelho.org.br/noticia.php?id_secao=1&id_noticia=148370

Antecipamos o primeiro grande inimigo da anunciada Comissão: a Comissão de Tecnologia, Comunicação e Informática – a quem compete a discussão do tema, o que inclui o controle de convocações, deferimento ou indeferimento de requerimentos etc. – sob cutelo do PSDB, que pode emplacar o tucano Eduardo Azeredo.

Trocando em miúdos: o PSDB – ao lado do DEM – é o lobby do grande empresariado da mídia. Sem falar nos muitos parlamentares que são donos de redes de rádio e televisão.

E para essa gente “democratização” é sinônimo de censura.

Detalhes I

O PT baiano não encabeça, como presidente, qualquer das Comissões da Câmara dos Deputados. O único baiano, até agora, é o deputado Sérgio Brito, do PSC, irmão do ex-prefeito de Itororó Marco Brito (PMDB) – que anda freqüentando reuniões do PSB – que assumiu a Comissão de Fiscalização Financeira e Controle da Câmara Federal.

Detalhes II

O Deputado estaria cotado para assumir vaga no Tribunal de Contas da União - TCU, segundo http://www.jusbrasil.com.br/politica que extraiu a pérola do Bahia Já.

Considerando que o deputado é filho de Henrique Brito (morto na queda do helicóptero na Serra da Muquiba, em 1º de outubro de 1982) e não chega aos pés da atuação do pai, temos que essa nota é digna de anedotário político.

Ou insinuação de que o TCU não anda lá essas coisas.

FEB I

FEBNo 21 de fevereiro completaram-se 64 anos da tomada de Monte Castelo, tida como heróica ação da Força Expedicionária Brasileira, na Itália, envolvendo forças do exército e da aeronáutica. Poucos meses depois a guerra na Europa acabava.

Registre-se que mais de 400 Pracinhas – como chamados os expedicionários – morreram na Itália e durante muito tempo estiveram sepultados no cemitério de Pistoia.

Hoje os restos mortais encontram-se no Aterro do Flamengo, no Monumento do Expedicionário.

Alguns dos que sobreviveram à guerra ainda estão vivos e participam orgulhosos dos desfiles na Semana da Pátria.

E muitos que os veem nem sabem o que eles representaram para nossa História.

FEB II

A presença dos brasileiros na Itália ainda hoje é rememorada e exaltada. Depoimentos dão a dimensão de quão queridos. Conquistaram os italianos menos como combatentes e mais pela generosidade.

Enquanto as sobras do rancho (refeição) eram incineradas pelos ingleses e ofertadas como “caridade” pelos americanos o soldado brasileiro – dizem os testemunhos – dividia o que possuía com os sofridos nativos, preferindo as crianças, que todas as manhãs iam para comer com ele o mingauzinho, dividido mesmo que a ração estivesse escassa.

Para nós, que pouco conhecemos nossos heróis, uma singela homenagem de um brasileiro que, como tantos, não conheceu de perto a guerra em seu território. Fazemo-lo através de “Pracinha”, cururu de Teddy Vieira, na interpretação de Zico e Zeca no programa Viola, Minha Viola, da Inezita Barroso!

Primeiras e Melhores

A conceituada e reconhecida premiação PRIMEIRAS & MELHORES, dentre muitas atividades empresariais pesquisadas como as que se encontram no imaginário do povo, na categoria pizzaria para a premiação 2010 destaca Della Mama, Sabore d’Italia e Sabattini (íntegra em http://agenorgasparetto.zip.net/).

Uma delas pode não estar na entrega do prêmio se não resolver suas pendengas financeiras. Correndo o risco de perder um de seus cartões, a loja no Shoping.

Sucessão

O PCdoB, em nome de um projeto próprio, não tem nada a perder se não se coligar com o PT em 2012. Leia-se aí, aderir à cabeça de chapa do PT. E não poderá ser chamado de laranja – a circunstância agora é inteiramente diversa daquela que marcou a candidatura de Davidson em 1996 ou a de Renato em 2004 – e tem uma meta clara e definida, com possibilidades concretas: 2016.

Antes o PCdoB itabunense dependia dos outros; agora tem asas. E quer voar.

Davidson

Anunciando recursos – que dispõe no orçamento da BAHIAGÁS, por ele dirigida – se situa melhor que o deputado que os insere no Orçamento da União, mas fica a mercê dos humores e contingenciamentos do Planejamento.

Em outras palavras: o que Davidson anuncia pode cumprir, depende dele. O deputado depende das “negociações” e sazonalidades.

Obsolescência programada I

Nos tempos de estudo na ainda FESPI gostávamos de conversar com a professora Valdelice Pinheiro, tanto que deixávamos a sala do curso de Direito para buscar a dos professores de Filosofia. Certo dia, enquanto desenhava, em nanquim, uma catedral – que certamente ilustraria um de seus poemas – a querida mestra enveredava conosco pelos caminhos que teriam justificado a Segunda Guerra mundial.

Discorremos sobre o que fizeram os aliados com a Alemanha, a partir do Tratado de Versalhes – impondo pesada dívida de guerra – e a situação imediata quando da ascensão de Hitler em janeiro de 1933 – um dólar equivalia a 1 trilhão de marcos alemães (lembranças de “Ascensão e queda do III Reich”, de William Shirer) – com a contraposição entre miséria e opulência (abordada por Ingmar Bergman em “O Ovo da Serpente”) até que a professora, ao concluirmos, deixou-nos uma provocação sobre a qual ela tinha como certeza: – Meu filho, a segunda guerra foi a guerra do descartável contra o durável.

Obsolescência programada II

Nunca nos saiu da cabeça – e até tomamos a lição como assertiva – observando que o aço e produtos dele derivados, se alemães, não acabavam nunca (tesouras, alicates etc.) em contraposição aos similares americanos, que eram o “paraguai” de hoje.

O que dizemos é para recomendar o vídeo “Comprar, Descartar, Comprar”, dirigido por Cosima Dannoritzer e co-produzido pela TV espanhola, cuja ação transita pela cínica observação posta em uma revista de publicidade estadunidense nos idos de 1928: “Um artigo que não se deteriora é uma tragédia para os negócios”.

Para ver e encher os olhos com uma verdade que escondem e que faz desta civilização uma tragédia para o Homem.

E aí concordamos com um personagem de nosso “Amendoeiras de Outono”: “O progresso me traz comodidade, não felicidade”.

Jornal Itabuna, Cultura & Arte

Em sua 5ª edição – ampliada para cinco páginas – o eletrônico Jornal Itabuna, Cultura & Arte, além do já tradicional “Dedo de Prosa”, com Eva Lima, traz novos colunistas e ansiadas colunas: “Janela Indiscreta”, de Antônio Naud Junior e “Sobre Leituras”, de Geny Xavier.

E considerações sobre uma tradição no Baixo Sul e Recôncavo baiano: a zambiapunga. E muito mais!

Carnaval I

Aproveitando a recente experiência e iniciativa dos blocos que arrastaram com sua tradição o povo para as ruas na lavagem do Beco do Fuxico nos permitimos – antes que o mundo da produção se aproprie da realidade – sugerir: a LAVAGEM DO BECO DO FUXICO passa a ser a festa carnavalesca oficial do município de Itabuna. Nome e marca do Carnaval itabunense, cabendo fixar no calendário municipal a semana em que anteceda ao oficial.

Dispensando fórmulas financeiras “milagrosas” que só alimentam a indústria de abadares (quem quiser os faça), do monopólio desta ou daquela cerveja, terá como tema eterno a espontaneidade, o povo como condutor.

Carnaval II

Uma comissão será definida, com a participação necessária dos blocos tradicionais e do poder público, a quem caberá, pura e simplesmente, cumprir com sua função institucional (garantir a segurança, a limpeza, a assistência médica etc.).

Nada de fortunas do erário municipal para alimentar cantores famosos, trios milionários (o que costuma alimentar a corrupção). Duas lições imediatas: o povo faz a festa e o Poder Público economiza financeira e eticamente.

Fica aqui lançada a proposta: o Carnaval oficial de Itabuna se chamará LAVAGEM DO BECO DO FUXICO.

A propósito da Lavagem do Beco do Fuxico, uma iniciativa de Roberto Carlos Goodgrover – o Malaca – e Abelardo Brandão Moreira – o Bel –, há detalhes de sua história relatados no “O ABC do Cabôco” (p. 33).

Controle de indicações

O Prefeito José Nilton Azevedo, se ainda pretende continuar com a reforma administrativa – precisa definir cargos que lhe pertencem, aqueles denominados de cota pessoal – dispensando indicações políticas.

A FICC bem que poderia ser um deles.

“O cordão cada vez aumenta mais”

Acompanhamos uma entrevista, ao vivo, do secretário José Alencar a TV Santa Cruz, às margens do Lava-Pés na Amélia Amado. Mais parecia garoto-propaganda, tanto o lugar-comum: “Por determinação do Prefeito Azevedo”..., “Como determinou o Prefeito...”, prefeito prá lá, prefeito prá cá, etc. Mais citou o prefeito que as ações de sua secretaria.

Não nos causou boa impressão. Não pela possível competência – ainda por comprovar – mas pela ridícula subserviência.

Estivesse viva minha avó Tormeza lembraria da marchinha carnavalesca.

Hedonismo ao extremo

A notícia policial dá conta de que namorada de traficante foi presa em flagrante por portar tabletes de maconha na vagina.

Considerando a natureza da “mercadoria” e o tipo de “veículo” de transporte é o que se pode chamar de inusitada forma de prazer.

PT e a sucessão

Sabido e consabido que não há unidade entre militantes do PT, mormente no seio de alguns formadores de opinião, no que diz respeito à candidatura de Juçara. Alguns entendem ser o seu nome não um reconhecimento aos méritos demonstrados como Secretária do Município, mas imposição de Geraldo Simões. Aí reside o conflito. Parte dessa turma trabalha contra a candidatura de Juçara por entender que ela não traduziria a imperiosa necessidade de unir as forças partidárias.

Ouvíamos de um crítico à indicação de Juçara que somente um nome dentro do PT poderia unir todas as tendências e se apresentar bastante forte a vários setores da comunidade, inclusive – segundo o crítico – com grande penetração em segmentos populares: Humberto Barreto, médico e ex-secretário de Saúde (primeira gestão de Geraldo).

Rodapeando: se lançado o desafio pela unidade não custa perguntar a Geraldo Simões o que dele acha!

Do baú de serenatas

Trazemos hoje uma música que marcou gerações românticas no início dos anos 60, com uma de suas mais perfeitas intérpretes: Amália Rodrigues. Não esquecendo que Ângela Maria também a interpreta divinamente. Trata-se da bela composição de Alberto Janes, “Foi Deus”.

_________

Cantinho do ABC da Noite

cabocoInsere-se dentre as idiossincrasias de Cabôco Alencar o respeito ao horário de abrir e fechar o estabelecimento. Com o que todos (contrariados) concordam. Os mais espertos, no entanto, descobriram uma saída: política internacional como tema e Estados Unidos como Judas.

Até que o filósofo percebe e dispara:

– Esse assunto está muito longo, Cabôco, vamos dividir em capítulos.

Toca o sino e passa a fechar as portas.

_________________

Adylson Machado é escritor, professor e advogado, autor de "Amendoeiras de outono" e " O ABC do Cabôco", editados pela Via Litterarum

Deixe seu comentário


Acesse com seus dados:

ou
Ainda não tem acesso?
Registre-se em nosso Blog.