Setran - uma secretaria ou uma sereia?

Domingos Matos, 09/01/2017 | 23:02

Por Domingos Matos

O magnetismo que a Secretaria de Trânsito exerce sobre políticos, especialmente os com pretensões eleitorais, ainda está para ser explicado. Deve ser algo tão irresistível quanto o canto de uma sereia. Se não, vejamos.

O trânsito de Itabuna foi municipalizado sob a gestão de Geraldo Simões, entre 2001 e 2004. Ali, teve dois secretários, Ilton Cândido e Iruman Contreiras. Foi das poucas vezes que teve secretários que não tentaram se aventurar em candidaturas a cargos eletivos -- a outra exceção foi no governo Azevedo, como veremos adiante.

Voltemos à nossa linha do tempo.

No quarto governo de Fernando Gomes, entre 2005 e 2008, o secretário foi o vice-prefeito Capitão Azevedo. Candidato a prefeito na eleição de 2008, no qual saiu vencedor.

Governo Azevedo (2009-2012), o secretário Wesley Melo não tentou uma candidatura, assim como os dois na gestão Geraldo Simões #2.

Mas aí chegamos à administração de Claudevane Leite, de triste memória, que começou no longínquo ano de 2013 e se encerrou em dezembro último. Ia tudo bem na Settran, comandada pelo delegado Clodovil Soares, até que o bichinho da eleição picou o então diretor da FICC, Roberto José. Vane queria fazer frente ao PCdoB e permitiu que seu fiel escudeiro acumulasse duas funções tão díspares no governo: diretor de uma fundação que fometava(?) a cultura e a gestão do Trânsito e do Transporte. Em comum nesses setores, talvez, só a queda pelo ramo da serralheria, fosse para fabricar pontos de ônibus ou para distribuir parques infantis pelas praças da cidade. Mas isso é outro assunto.

Roberto José, todos sabem, levou a cabo o racha no governo Vane, que tinha um acordo -- declarado pelo PCdoB e nunca desmentido pelo prefeito -- de que em 2016 seria dele, PCdoB, a vez de disputar a prefeitura. Para bancar uma guerra dessas só mesmo estando onde? Na Settran, é claro! O resultado, todos sabemos, foi uma candidatura a vice-prefeito na chapa de Azevedo, totalmente a contragosto, na qual alcançou o terceiro lugar.

Além de Clodovil Soares e RJ, a Settran, sob Vane, ainda teve o ex-vereador Abraão Ribeiro e o pastor Valério Hafner -- que não se declararam candidatos em 2018 mas também não disseram que rejeitam a ideia.

Chegamos, por fim, ao atual governo. Nove dias de gestão e pela Settran já se passaram - entre pretensos, aclamados e nomeados - três secretários, caminhando para o quarto. O primeiro foi o conselheiro do Transporte Público Municipal, Zenisson Soares, segundo o blog Ipolítica. Isso correu no dia 2. Sabe como é, né? Cadeira vazia... No mesmo dia, a "solução": o servidor Benilson Messias foi aclamado secretário, mas não chegou a ser oficializado.

Para "encerrar" a confusão, o terceiro nome: Sérgio Gomes. Filho do prefeito, já chegou avisando que só ficaria até o próximo ano, porque planeja sair candidato a deputado estadual. Ou seja, a pasta já estava fadada a ter mais um titular, como de fato ocorrerá agora, após a exoneração de Sérgio Gomes, por força das pressões da imprensa e da opinião pública, via redes sociais, além de entidades como a OAB -- por falar nisso, cadê o Ministério Público, tão cioso que era na gestão de Azevedo e em alguns momento da era Vane?

Uma coisa esse blog já crava com certeza: o futuro ocupante -- de direito -- daquela cadeira não será candidato a nada antes de 2020. Pelo simples fato de que o secretário de fato, em que pese tenha sido exonerado do cargo, ainda ouve o canto da sereia e não desistirá da candidatura a deputado estadual.

Editor

Deixe seu comentário


Acesse com seus dados:

ou
Ainda não tem acesso?
Registre-se em nosso Blog.