Quem tem medo do mercado digital?

Domingos Matos, 13/10/2017 | 23:58
Editado em 14/10/2017 | 00:03

Domingos Matos

Recentemente falei aqui da morte dos blogs jornalísticos - depois da morte do próprio jornalismo. Curiosamente, continuo escrevendo em um blog. Mas, os meios de chegar à audiência são o que atestam a minha tese: as redes sociais são os tubos de oxigênio que mantêm as funções vitais enquanto não aprendemos a lidar com as novas formas de comunicação.

Hoje, quero falar sobre outro tema que me fascina: o mundo quase inexplorado dos negócios digitais. E começo falando por um lugar-(quase)comum: o medo do mercado digital.

Um termo relativamente recente - "internet das coisas" -, ainda não muito difundido em mercados secundários de tecnologia, como o do Brasil, parece que por aqui "explodirá" antes do do comércio eletrônico - este bem mais antigo entre nós, porém ainda cercado de desconfianças. Reforçando: trato aqui dos conceitos, não de números absolutos ou fenômenos reais. Há muito mais adeptos das compras na internet do que gente falando sobre ou mesmo utilizando bugingangas conectadas.

Por internet das coisas, entendemos, grosso modo, aquelas facilidades que a cada dia surgem e já nem nos surpreendem, como um veículo que informa, via central multimídia, a hora de ir pra oficina. Ou, um relógio que lê e interpreta seus batimentos cardíacos e pressão arterial e te avisa de um possível problema de saúde.

Estamos nos acostumando a isso mais rapidamente do que a realizar uma compra em um site, mesmo que seja de um gigante do mercado.

Acredito que a falha esteja exatamente na educação digital, que praticamente inexiste. As grandes corporações de publicidade e marketing, os grandes gênios do convencimento, que quebram objeções de milhões de pessoas e elegem um corrupto, muitas vezes condenado por corrupção, como gestor, não são conseguem tirar da cabeça do consumidor o medo de inserir dados em um site.

O argumento da falta de segurança no ambiente virtual é facilcmente superado quando pensamos que a clonagem de cartões e outras fraudes se dão basicamente no mundo físico. Chupa-cabras e outras fraudes e fraudadores, como o vendedor que leva o cliente a inserir a senha onde deveria ser informado por ele - vendedor - o preço do produto entre outras.

Comprar pela internet é tão seguro - e inseguro - quanto no mundo físico. Somente o amadurecimento desse mercado é o que fará a devida depuração, separando o joio do trigo e elevando o nível de confiança, a lucratividade dos empreendedores e a abrindo um mercado que se apresenta - timidamente, ainda - com infinitas possibilidades.

Convido os empresários e profissionais liberais a experimentarem investir nesse novo modelo: considerem levar seus negócios para a internet, invistam em marketing digital e sejam pioneiros. Em breve, quem sabe não chegam bugingangas que induzam os clientes a comprarem em seus co-irmãos digitais.

Prevejo, por exemplo, o tempo em que o médico não mais emita receitas em papel para a autorização de aquisição de medicamentos. Bastará um código, enviado para um dispositivo como um relógio digital, prescrevendo a droga necessária.

Já pensou se a farmácia não estiver conectada?

_________

Editor

Deixe seu comentário


Acesse com seus dados:

ou
Ainda não tem acesso?
Registre-se em nosso Blog.