Tag: abacaxi

Soldado do exército e comparsa são presos acusados de assalto

Domingos Matos, 22/08/2019 | 15:31

O soldado do Exército Brasileiro Devisson Sant'anna dos Santos e o comparsa Henrique Antônio Bastos de Jesus foram capturados na noite de quarta-feira (21), depois de serem flagrados assaltando pedestres na Ladeira do Capoteiro, Vila Laura, em Brotas, Salvador. A dupla foi flagrada por equipes da 26ª Companhia Independente de Polícia Militar (CIPM/ Brotas). 

Os acusados, após roubarem os pertences das vítimas, seguiram em um Celta Life prata, de placa NTP 9779, em direção a Rotula do Abacaxi, onde foram alcançados pela PM. Com a dupla, foram apreendidos cinco celulares, um tablete, cartões, documentos de identificação, bolsas e outros itens.

De acordo com o comandante da 26ª CIPM, major Cláudio Guanaes, os dois suspeitos abordaram os pedestres com um simulacro de pistola. “Eles foram levados para a Central de Flagrantes e reconhecidos pelas vítimas”, detalhou o oficial. Devisson está custodiado no Quartel do Exército.

 

Abacaxi é tema de seminário em Itaberaba na próxima sexta 

Domingos Matos, 20/08/2019 | 14:40

Na próxima sexta-feira (23), a Embrapa Mandioca e Fruticultura vai realizar, em parceria com a prefeitura de Itaberaba, o seminário “A cadeia produtiva de abacaxi no semiárido – gargalos e soluções”. O evento, que tem como público-alvo agricultores, empresários rurais, professores, pesquisadores, estudantes, técnicos e outros agentes da cadeia produtiva de abacaxi, será no auditório do Colégio Luís Eduardo Magalhães.

Com o objetivo de apresentar, discutir e transferir conhecimentos e tecnologias sobre técnicas de cultivo e outros aspectos relevantes da cadeia produtiva de abacaxi na região semiárida, a programação conta com palestras de pesquisadores da Embrapa Mandioca e Fruticultura e mesas-redondas com a participação  de produtores e representantes de outras instituições. Domingo Haroldo Reinhardt e Francisco Alisson Xavier vão falar sobre o manejo da cultura do abacaxi. A fusariose e a murcha do abacaxi são tema da apresentação de Aristoteles Matos. Davi Junghans vai abordar a diversificação de cultivares e o gargalo do material de plantio  Como produzir abacaxi em sistema orgânico e aspectos relacionados à qualidade do fruto na pós-colheita são os assuntos a serem tratados por Tullio Pádua e Fabiana Sasaki, respectivamente.

Haverá também dois painéis. O primeiro será sobre o tema “Integração de abacaxi e leite”, com a participação do produtor Joelson da Silva Bastos (Cooperativa Agroindustrial de Itaberaba - Coopaita) e do zootecnista Aberlândio Pereira e mediação de Alberto de Almeida Alves (Superintendência Baiana de Assistência Técnica e Extensão Rural - Bahiater). O outro painel, intitulado “Dificuldades e propostas para o progresso da cadeia produtiva de abacaxi”, será mediado por Vinicius Costa (Agência de Desenvolvimento Agropecuário do Estado da Bahia - Adab/Grupo Gestor de Abacaxi de Itaberaba), e contará com apresentações de Daniel de Cerqueira (Coopaita), o produtor Irapuã Oliveira, de Umburanas (BA), Quionei Araújo Silva, da Casa Familiar Rural de Presidente Tancredo Neves (CRF-PTN) e o bolsista Everton Hilo Souza (Universidade Federal do Recôncavo da Bahia/Embrapa Mandioca e Fruticultura).

As atividades integram o escopo de ações do projeto Gestfrut (Estabelecimento de uma rede de pesquisa, transferência de tecnologia e inovação para a fruticultura do estado da Bahia, com base na articulação, gestão e comunicação), financiado pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado da Bahia (Fapesb). A coordenação do evento é de Haroldo Reinhardt, líder do Gestfrut, Davi Junghans e Alberto Almeida. A programação completa com as informações de todas as instituições parceiras está disponível no link https://bit.ly/2ZoBg86

 

Baiana utiliza abacaxi híbrido para desenvolver novo tipo de curativo

Domingos Matos, 19/08/2019 | 15:35

Uma cientista baiana está investindo em uma descoberta que demonstra como o ecossistema pode auxiliar na cicatrização de ferimentos. Sandra de Assis, professora da Universidade Estadual de Feira de Santana (Uefs), junto ao seu grupo de pesquisa, produz filmes de polímeros, com extrato de abacaxis híbridos, que ajudam a hidratar e cicatrizar mais rápido as feridas cutâneas.

Sandra explica que a ideia surgiu após ter se deparado com reportagens em telejornais sobre a falta de materiais cicatrizantes. “Este filme polimérico, similar a uma fita, quando posicionado em cima de uma lesão na pele, protege o ferimento. É neste microambiente higienizado, que, somado ao uso de anti-inflamatórios e antibacterianos, a ferida pode cicatrizar mais rápido”, afirmou. Além disso, a pesquisadora ressalta que a cicatrização de feridas é um processo complexo que envolve múltiplas etapas, e, por isso, ter um ambiente favorável para que a região possa se recuperar é fundamental. 

A matéria-prima é produzida da seguinte forma: através da polpa do abacaxi é extraída uma enzima chamada bromelina – que possui ação anti-inflamatória – que é incorporada em nanopartículas ou lipossomas que compõem película cicatrizante. Um estudo realizado em animais para medir a eficácia do produto constatou que as feridas foram reduzidas por volta do 14º dia após a aplicação. Dessa forma, é possível perceber como o acréscimo da bromelina em filmes curativos possui potencial cicatrizante.

Sandra alega que outro diferencial do produto diz respeito ao cunho sustentável, visto que utiliza uma matéria-prima que poderia ser descartada no meio ambiente. O projeto se encontra em fase de testes em animais e, quando for concluído, promete trazer uma espécie de curativo mais eficiente em comparação aos que já existem no mercado. Segundo ela, há também a produção de películas cicatrizantes sendo preparadas com polissacarídeos de ação antimicrobiana, através de leveduras do solo do semiárido baiano.

O trabalho contou com o financiamento da Fundação de Amparo à Pesquisa da Bahia (Fapesb), que é vinculada à Secretaria de Ciência, Tecnologia e Inovação (Secti). Além do apoio, com o fornecimento dos frutos, pela Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Mandioca e Fruticultura de Cruz das Almas e da Universidade Federal da Bahia (Ufba).
 

Circuito gastronômico é destaque no Festival Sabores de Itacaré, que termina neste domingo

Domingos Matos, 27/07/2019 | 10:13
Editado em 27/07/2019 | 12:23

Camarão Ouriçado, Maracaxi Show e Hauçá Baiano, esses são alguns dos pratos exóticos que estão  conquistando o paladar dos visitantes do Circuito de Gastronomia, do Festival Sabores de Itacaré, que segue até este domingo (29). O evento, realizado no município de Itacaré, apresenta uma diversidade de mais  50 pratos, todos feitos com ingredientes da agricultura familiar e produtos regionais.

Camila Lobo, produtora de eventos e uma das organizadoras  do Festival,  explicou que 42 restaurantes se inscreveram e participam do evento. Desses, 30 estão com barracas na Praça São Miguel, comercializando pratos que custam no máximo R$15: “Aqui eles mostram os pratos que são feitos nos restaurantes, mas numa porção menor e com um valor acessível, isso possibilita o público experimentar diversos sabores de estabelecimentos diferentes”.

Organizado pela prefeitura municipal de Itacaré, com o apoio do Governo do Estado, por meio da Companhia de Desenvolvimento e Ação Regional (CAR), empresa vinculada à Secretaria de Desenvolvimento Rural (SDR), e da Secretaria de Turismo (Setur), o festival conta com uma programação diversificada, com Feira da Agricultura Familiar, artesanato, Armazém do Chocolate, oficinas, mas o que tem se destacado são as combinações, texturas, sabores e sensações do Circuito Gastronômico.
O diretor-presidente da CAR, Wilson Dias, visitou o evento e degustou alguns pratos. Ele destacou a importância da realização desse evento que está na VI edição, e valoriza a produção rural e  se consolidando no calendário gastronômico da Bahia: “Essa aproximação da agricultura familiar com a gastronomia é fundamental para colocar o segmento no cenário do consumo sustentável de todas famílias da Bahia e do Brasil. Nosso desejo é que em cada região tenha a gastronomia próxima do que de raiz é produzido ali, assim, será possível mais divulgação, consumo e geração de renda para os agricultores familiares.  

Combinações e Sabores

De visita a terra natal, Iago Nunes, estudante de engenharia elétrica em Florianópolis, aproveitou as férias para curtir o festival. Ele visitou o Circuito Gastronômico e o que chamou atenção dele foi o Hauçá Baiano: “Na hora que eu vi camarão com carne seca, achei estranho, mas foi uma combinação que deu certo. Foi a primeira vez que eu como esse prato e é  uma maravilha”, opinou
Para aqueles que são mais chegados a um doce, uma sobremesa, Liane dos Reis, dona de uma sorveteria, que participa sempre do Festival contou que “cada ano eu coloco uma inovação, em 2018, foi sorvetes ofertados na cabaça de cacau e ,para esse ano, tive uma ideia de fazer o Maracaxi Show, a aceitação está sendo boa e o pessoal gostou”.

A concepção e montagem do Maracaxi Show foi idealizada da seguinte forma: Sorvete de coco e tapioca, servido no abacaxi com pedaços de abacaxi flambado e com calda de maracujá, regado com castanha e raspa de limão.

Tecnologia da Biofábrica é aprovada pelo Banco Mundial

Domingos Matos, 07/02/2019 | 12:30

Representantes do Governo do Estado apresentaram na última terça-feira (05) em Ilhéus, a Biofábrica de Cacau, projeto referência na produção de mudas de qualidade, a integrantes do Banco Internacional de Reconstrução e Desenvolvimento (BIRD/Banco Mundial).

A visita faz parte da programação da Missão de Avaliação do projeto Bahia Produtiva, executado pela Companhia de Desenvolvimento e Ação Regional (CAR), empresa da Secretaria de Desenvolvimento Rural (SDR), e visa firmar uma parceria com a Biofábrica para fornecer mudas para os beneficiários do projeto contemplados nos editais de Fruticultura e Mandiocultura.

O diretor-presidente da CAR, Wilson Dias, acompanhou a visita e revelou que a  Biofábrica será parceira do projeto: "São mudas de qualidade, de cacau principalmente, mas também de outras espécies  que ajudam os agricultores a terem o maior índice de  produtividade nas suas propriedades. Por isso, fazemos questão de trazer o Banco para conhecer, porque é daqui que a gente pode fluir com essa possibilidade mudas de qualidade em cada propriedade dos agricultores familiares, gerando ampliação de renda e qualidade de vida".

A Biofábrica produz uma vasta quantidade de cultivares, entre mandioca, essências florestais, cacau e outras fruteiras e, recentemente, implantou o Kit Sistemas Agroflorestais (Kit SAF), que reúne mudas de cacau, açaí, graviola, abacaxi, urucum, goiaba, banana, mandioca, ipê, leucena, pau-cigarra, pau-brasil, olho de pavão, entre outras. O Kit SAF tem o objetivo de proporcionar ao agricultor, simultaneamente, um componente produtivo, arbóreo e de alimentação.

Para o diretor do Banco Mundial para o Brasil, Martin Raiser, foi satisfatório ver o trabalho dos especialistas que fazem multiplicar as mudas para entregá-las aos produtores: "Espero muito que essa fábrica continue seu papel de formar mudas de qualidade  para todos os produtores. Visitamos alguns produtores e eles têm planos de expandir  a área de cacau aqui no Sul da Bahia  para resgatar um pouco  a tradição do cacau, mas fazendo isso de maneira  ecologicamente sustentável. Estou muito feliz de ver esse projeto, financiado com os recursos do Banco Mundial, se desenvolvendo".

Segundo o diretor da Biofábrica, Lanns Almeida, a relação com o Banco Mundial e  com a SDR/CAR trará a efetividade de um investimento direto do Bahia Produtiva na compra de um material de alta qualidade genética e agronômica para a distribuição aos projetos atendidos: "Pra gente é um momento importante. Essa missão técnica no banco, aqui no parque fabril, nos enche de muito orgulho".

 

 

Prédio da Câmara se transforma em cena de crime

Domingos Matos, 02/12/2010 | 09:25
Editado em 02/12/2010 | 09:51

Uma queixa de arrombamento foi prestada na polícia civil e o prédio da Câmara se transformou na cena de um crime. Com isso, enquanto a perícia não for realizada, está proibida a presença de qualquer pessoa no interior do imóvel. Esse é apenas um dos desdobramentos da sessão que elegeu o vereador Ruy Machado presidente da Mesa Diretora, na terça-feira (30).

A sessão estava suspensa por determinação do presidente Clóvis Loiola, que acatou requerimento de Roberto de Souza, pedindo a anulação do projeto que garantiu a realização de uma nova eleição para a Mesa - Roberto de Souza teve sua eleição em junho de 2009.

Suspensa a sessão, a Casa foi fechada e a liga da justiça resolveu entrar assim mesmo. Para isso, chamou-se um chaveiro e o serviço foi feito. O resto da história é conhecido: Ruy foi eleito e agora está sendo aclamado pelos partidos vereadores de esquerda o paladino da moralidade, o homem que vai regenerar aquele centro de iniquidades.

Por falar em Ruy Machado, o justo, a justiça se manifestou sobre a ação movida por ele e por Rose Castro contra a eleição de Roberto de Souza. Em seu despacho, o juiz Gláucio Rogério Lopes Klipel determinou a extinção do processo, por falta de interesse processual.

Trocando em miúdos, o juiz entendeu que, como seria realizada outra eleição, a anulação da primeira já não se fazia necessária. Ainda mais que o concorrente dessa é parte autora no processo que buscava anular a outra.

Trocando os miúdos em miudinhos, a decisão do juiz disse, claramente: descasquem seu abacaxi sozinhos, e não ocupem a justiça com suas picuinhas menores!

Acesse com seus dados:

ou
Ainda não tem acesso?
Registre-se em nosso Blog.