Tag: animais

ONG realiza primeira feira de adoção de animais filhotes em Ilhéus

Domingos Matos, 02/01/2019 | 21:14
Editado em 02/01/2019 | 21:26

Tem algo mais gostoso do que ir até uma feira de filhotes? Por isso, o Instituto Planeta dos Bichos, em parceria com a Prefeitura de Ilhéus realiza, no próximo domingo (6), a primeira de adoção de animais filhotes de 2019. A ação vai acontecer entre 10 e 16 horas, na praça central do bairro Hernani Sá. Nessas feiras, é possível adotar, escolher exatamente o filhote que quer e se informar sobre as necessidades gerais que o bicho de estimação pode ter nos primeiros meses.

Segundo a presidente da ONG, Maria da Conceição Barbosa (Ceiça), cerca de 20 filhotes de cães e alguns gatinhos estarão à disposição para adoção. “Todos os animais já estão vacinados e vermifugados, prontos para encontrar um novo lar. É preciso salientar que o pet não é um brinquedo, é um animal que tem sentimentos, precisa ser bem tratado e receber muito carinho”, orienta.

Ceiça disse ainda que, nas feiras, “são passadas informações importantes sobre origem, raça e se os animais são castrados, além de ser uma ótima oportunidade para tirar dúvidas com profissionais veterinários de plantão. No mês de fevereiro, será realizada outra feira de adoção, dessa vez com os animais da ONG. São cães que foram resgatados das ruas e tratados no instituto”, informou.

Donos responsáveis – Com dez anos de existência, o Instituto Planeta dos Bichos já cuidou de muitos animais na cidade. Pessoas que doam o seu tempo e esforços para combater o abandono e maus-tratos aos animais. Naturalmente, estes voluntários não podem ficar com todos os animais que encontram. Por isso, um de seus maiores esforços é justamente encontrar donos responsáveis para os bichinhos.

A adoção é gratuita e os interessados passarão por uma entrevista com voluntários da ONG. Para adotar, basta apresentar documento de identidade com foto e ser maior de idade. Precisa ter residência fixa, manter contato e receber visita da instituição, além de preencher um termo de compromisso. Os interessados em doar ração ou medicamentos, podem entrar em contato através dos números: 73 99119-2105 ou 99169-3405.

Quase 30 atividades deixarão de ser enquadradas no Microempreendedor Individual

Domingos Matos, 28/12/2018 | 15:30

Em função da resolução CGSN de nº 143, emitida pelo Comitê Gestor de Micro e Pequenas Empresas, um total de 28 atividades deixarão de ser enquadradas no perfil de Microempreendedor Individual (MEI). De acordo com a Agente de Desenvolvimento Priscila Nascimento, que responde pela Sala do Microempreendedor Individual (MEI) na Prefeitura Municipal de Itabuna, a medida entra em vigor em janeiro de 2019. “É preciso que a partir de 10 de janeiro de 2019 todos que se enquadram no MEI se dirijam à Sala do Microempreendedor para averiguar sua situação e fazer os devidos ajustes burocráticos”, alerta Priscila Nascimento.

E cita algumas das atividades que deixarão de ser autorizadas para o Microempreendedor Individual: alinhador de pneus independente, coletor de resíduos perigosos independente, comerciante de fogos de artifício independente, comerciante de extintores de incêndio independente e comerciante de medicamentos veterinários independente. Também deixarão de ser autorizadas as ocupações de proprietário de bar e congêneres independente, dedetizador independente, comerciante de produtos farmacêuticos sem manipulação de fórmulas independente, comerciante de gás liquefeito de petróleo (glp) independente, entre outros.

A Agente de Desenvolvimento Priscila Nascimento ainda informa que da lista de ocupações autorizadas a inscreverem-se como Microempreendedor Individual (MEI), algumas foram desmembradas, como por exemplo, comerciante de peças e acessórios para motocicletas e motonetas, independente. “Neste caso, haverá o comerciante de peças novas e o comerciante de peças usadas. Já para proprietário de bar e congêneres independente, será desmembrado para os que possuem entretenimento e os sem entretenimento”, esclarece.

E finaliza informando também houve alteração na descrição para os comerciantes de animais vivos e de artigos e alimentos para animais de estimação independente. “Neste caso, será retirada a classificação de animais vivos, caso o comerciante tenha interesse em manter, ele deverá migrar para Microempresa (ME)”.

 

 

Chocolate é comida de boi

Domingos Matos, 12/07/2017 | 07:52

Por Walmir Rosário

Calma, gente, isso acontece lá na Austrália, onde o chocolate serve como iguaria e tranquilizante para os animais da raçaWagyu (japonesa), que são transformados em kobe beef, uma das carnes mais saborosas do mundo. E como tudo tem seu preço, um quilo dessa carne é vendida em todo mundo pelo preço de arrobas que conseguimos vender por aqui.

Ao tomar conhecimento dessa notícia,pensei logo nos benefícios que poderiam trazer à cultura do cacau, com esse incentivo ao consumo do conhecido manjar dos deuses. Já imaginaram quanto embolsariam a mais os nossos produtores exportando mais cacau? Marketing a Canavieiras é o que não falta e teríamos como símbolo a fazenda Cubículo, primeira plantação de cacau da Bahia.

Mas ao relembrar as propostas de aumento da produção de cacau através da elevação do consumo, logo me aquietei pensando no histórico dessas tentativas anos a fio pelo antigo Conselho Consultivo dos Produtores de Cacau (CCPC), que trocou o C de Consultivo pelo N de Nacional.

Ainda recordo das visitas de nossos conselheiros à China, que tinha como missão fazer com que apenas 10% dos chineses tomassem apenas uma pequena xícara diária de chocolate. Entre idas e vindas, a verdade é que se passeou muito e não conseguiram trocar o sagrado chá dos chineses pelo nosso cacau.

Uma lição caseira também me chama a atenção, que seria a introdução do chocolate na merenda escolar, com pioneiras tentativas, todas infrutíferas e de redundante fracasso. Não o porquê, mas a verdade é que essa ideia nunca foi transformada numa política pública, e não cabe a esse pobre escrevinhador pesquisar. É o papel dos cacauicultores.

Longe de mim afirmar – em alto e bom som – que a atitude do pecuarista australiano não irá produzir resultados positivos para o cacau. Também não vou sair por aí recomendando a introdução dessa nobre dieta aos pecuaristas brasileiros. Cabe-me apenas mostrar o que está sendo feito em terras distantes aos nossos patrícios. E vale a pena tomar conhecimento.

Antes de mais delongas, vale explicar que o kobe beef é considerada sinônimo de maciez, com gordura marmorizada e sabor inconfundível, que combina com o paladar dos consumidores que pagam em dólares e euros. Afinal, esses animais recebem um tratamento de luxo e carinho, sem falar da alimentação especial que recebem. Nada mais justo.

Tudo é uma questão de valor e disposição de pagar, como diriam os economistas para explicar a disposição desse seleto grupo de exigentes consumidores. De olho nessa demanda, o pecuarista Scott de Bruin, do Sul da Austrália, passou a investir na alimentação desses bovinos, oferecendo grãos especiais e frutas como maçãs.

Para agregar mais valor ao seu produto, Scott também passou a incluir o nosso chocolate na dieta do rebanho Wagyu, com a finalidade de aumentar as calorias consumidas. Com isso, conseguiu – segundo ele – a elevar o marmoreio da carne, tornando o kobe beef do seu rebanho ainda mais especial e de preço alto.

Acreditem que é a mais pura verdade. O pecuarista australiano consegue servir essa dieta composta por grãos, frutas e chocolate a todo o seu rebanho, formado por 7,5 mil cabeças, quando eles atingem os 30 meses. Ao sentir o cheiro do chocolate, as rezes se aproximam e comem à vontade (acredito que lambendo os beiços, como se diz popularmente).

Para o fazendeiro australiano, o consumo do chocolate faz com que o seu rebanho fique bem alimentado e mais feliz, transferindo esse bem-estar à qualidade e ao sabor da carne. A qualidade do tratamento a esses animais não se restringe ao chocolate e eles também ganham sessões de massagens, acupuntura, ouvem música clássica e dormem em tapetes térmicos, para que não sofram estresse. Um luxo!

Pelos meus parcos conhecimentos da pecuária, não sei se o chocolate é o elixir da felicidade para os nobres animais da raça Wagyu do Sul da Austrália, mas de cátedra, posso assegurar que no Brasil não merece confiança o chocolate por aqui consumido. Com raríssimas exceções, oriundas de fabricação caseira (artesanal) e pequenas fábricas.

Cada um tem o sonho de consumo que merece.

_____________

Walmir Rosário é radialista, jornalista e advogado

Operação Semana Santa autua mais de mil veículos; mortes caem 14%

Domingos Matos, 28/03/2016 | 21:34
Editado em 29/03/2016 | 15:07

A ‘Operação Semana Santa 2016’, encerrada às 8h desta segunda-feira (28), resultou na autuação de 1.018 veículos e retenção de outros 82. Os policiais abordaram 5.987 veículos, 16,8% a mais em relação ao número de 4.980 do mesmo período do ano passado. A ação foi iniciada às 18h de quinta (24) pela Polícia Militar da Bahia (PMBA), por meio do Batalhão de Polícia Rodoviária (BPRv) e das Companhias Independentes de Policiamento Rodoviário (CIPRv) de Itabuna (1ª), Brumado (2ª) e Barreiras (3ª).

Realizada simultaneamente com a ‘Operação Círio Pascal’, com intensificação da abordagem a ônibus nas rodovias estaduais da Bahia, as equipes também recolheram 23 CNHs e 59 Certificados de Registro e Licenciamento de Veículo (CRLVs), um aumento de 46% e 22,6%, respectivamente, em comparação a 2015. A operação abordou 9.284 pessoas (16.1% a mais em relação a 2015). Houve também maior número de autos de infração (45,8%) e de veículos retidos (90,6%). De acordo com a Polícia Militar, um dado preocupante foi o crescimento de 50% na captura de animais abandonados em rodovias (16).

Índice de vítimas fatais reduz 14%

Em quatro dias de operação, foram registrados 25 acidentes no estado. Segundo a PM, houve redução no número de vítimas fatais em 14% ao comparar o índice com igual período do ano passado. Os acidentes deixaram oito vítimas com ferimentos leves, seis com ferimentos graves e seis vítimas fatais. O BPRv atribui os acidentes com vítimas ao descumprimento das regras gerais de circulação e condutas seguras, o que resulta em mortes ocasionadas por manobras arriscadas, ultrapassagens e alta velocidade.

Delegado de Proteção Ambiental quer agir com rigor em Ilhéus e região

Domingos Matos, 29/12/2011 | 19:01
Editado em 29/12/2011 | 19:02

O novo titular da Delegacia de Proteção Ambiental de Ilhéus, Humberto Matos, afirmou que começou a analisar os crimes ambientais que ocorrem na região e pretende elaborar estratégias para coibir a prática.

Segundo ele, em Ilhéus, a principal medida será coibir a poluição sonora, “onde será apreendido qualquer tipo de veículo que esteja trafegando pela cidade ou parado, com som em volume acima do permitido. Para isso, as equipes estarão circulando na cidade (dia ou noite) durante toda a semana, principalmente nos bairros do Malhado, Nelson Costa, Olivença, centro, entre outros”.

Ele explicou que “isso serve também para os veículos de propaganda que estejam circulando sem licença ambiental ou em desacordo com a obtida. Os bares, boates e outros eventos também serão fiscalizados. Os veículos e os equipamentos serão apreendidos e ficará à disposição da justiça e os proprietários responderão por crime ambiental”.

Humberto Matos garantiu que “vamos fiscalizar os locais de retirada, cumprimento de condicionantes e como foi obtida cada licença ambiental. Além disso, com o apoio de outros órgãos, vamos coibir o transporte acima do permitido, os horários de funcionamento e a velocidade que os veículos estão transitando na cidade”.

Humberto Matos entende que “para a região serão realizadas investigações para coibir o transporte, armazenamento e o depósito de madeira, lenha e carvão da espécie nativa, bem como, captura e comércio de animal silvestre e maus tratos de animais na região. Por isso, pedimos o apoio da sociedade para encaminhar qualquer tipo de denúncia.

Disse que “para registrar reclamação ou denúncia de crime ambiental basta ir até a sede da delegacia, localizada na rua Rotary, 261, Cidade Nova, Ilhéus, de segunda a sexta-feira, das 8 as 12 e das 14 às 17 horas”.

No caso de poluição sonora, anotar as características do veículo e placa. E no caso de bar, levar o nome do bar, endereço ou o nome do responsável. Qualquer informação, ligar para 3234-8147 ou pelo email dpailheus@hotmail.com.

MP e Polícia Civil apertam cerco ao abate clandestino de animais em Itabuna

Domingos Matos, 28/12/2011 | 18:14
Editado em 28/12/2011 | 18:15

O promotor de justiça Roberto de Almeida Borges acionou a coordenação da Polícia Civil da Bahia e a Adab para apertar o cerco contra o abate clandestino, comercialização e distribuição de animais em Itabuna.

Na mira dessas ações estão incluídos ainda os municípios de Alagoinhas, Feira de Santana, Santo Estevão, Senhor do Bonfim, Vitória da Conquista, Jacobina, Seabra e Mata de São João.

Uma das metas do Ministério Público, na área de defesa do consumidor é estabelecer o planejamento estratégico relativa ao combate ao abate clandestino de bovinos, a comercialização dos produtos em feiras livres ou à temperatura ambiente sem as adequadas condições de conservação e higiene.

Roberto de Almeida Borges afirmou que o objetivo é extinguir todos os matadouros de animais que funcionam na Bahia sem a imprescindível fiscalização dos serviços de inspeção federal, estadual ou municipal.

Segundo o MP, a proposta é conscientizar a população quanto aos riscos que se submetem quando consomem produtos clandestinos.

PRF registra 59 acidentes na Bahia nas primeiras 24 horas deste fim de semana

Domingos Matos, 24/12/2011 | 15:33
Editado em 24/12/2011 | 15:34

24 feridos e três mortos. Este é o balanço divulgado pela Polícia Rodoviária Federal (PRF) nas primeiras 24 horas deste fim de semana foram registrados 59 acidentes nas rodovias baianas, com.

Entre os municípios de Itabuna e Ilhéus que são cerca de 30 quilômetros pela BR-415, de acordo com a Polícia Rodoviária Estadual (PRE) o maior problema é a imprudência dos motoristas.

Já na BR-324, considerada a rodovia mais importante do estado, uma estrada que atualmente está sem buracos, mas que tem asfalto cheio de remendos, que dificultam a condução dos veículos.

Os cuidados antes da viagem – Além dos cuidados antes da viagem, como revisão do veículo e estado do motorista, é preciso ficar atento às condições das estradas. Na BR-101, por exemplo, há muitos buracos, principalmente no trecho entre Aurelino Leal e a ponte do rio Jequitinhonha. Alerta também para animais soltos na pista e para as ultrapassagens em locais indevidos.

O mato que cresce às margens da rodovia é outro problema, porque muitas vezes as placas de sinalização ficam escondidas. O motorista precisa ter muito cuidado, principalmente com as curvas, onde ocorreu a maioria dos 887 acidentes de janeiro a novembro deste ano, entre Valença e a ponte do Rio Jequitinhonha.

De acordo com a PRF, os pontos mais críticos são as rotatórias e retornos, situados no km 523, em frente ao Parque de Exposições; no km 527, no retorno para o distrito de Humildes; no km 531, em frente ao posto São Gonçalo; e no km 536, na entrada para Conceição do Jacuípe.

Afinal, de que lado estão?

Domingos Matos, 21/12/2011 | 14:41
Editado em 21/12/2011 | 11:14

Domingos Matos

domingosCrimes de maior ou de menor potencial ofensivo têm tratamento diferenciado nas instâncias policiais. Os mais graves, são investigados antes, são direcionados a agentes especializados, têm mais recursos à disposição, enfim. Os menos graves, como um desentendimento entre irmãos, são levados para o lado do aconselhamento, da tentativa de conciliação etc. Essa é a regra.

Mas, se pararmos para observar, nesses dias que correm em Itabuna, estamos vendo uma inversão desses valores: estimula-se a caça aos nanicos, enquanto os gigantes dão risadas e passam desapercebidos. Uma Pesquisa do Núcleo de Estudos da Violência da Universidade de São Paulo, mostra que os pequenos traficantes ou os usuários de drogas são mais reprimidos pela polícia do que os grandes traficantes (veja nota abaixo). Assim também é na vida política. Itabuna que o diga.

Como saber se um bandido ou um político corrupto é grande ou pequeno? Ora, ora. Indícios, amigos. Indícios. Sabendo-se que todos os grandes traficantes são mapeados pela polícia, fica fácil deduzir que esse ou aquele bandido está operando em alta. A mesma coisa é na política. A prefeitura não tem um sistema de monitoramento de seus ‘colaboradores’, uma espécie de corruptômetro? Pronto. A evolução do patrimônio, que bandido nenhum faz questão de esconder, os denunciaria.

Vejamos a inversão do princípio da potencialidade aplicada no dia-a-dia da política itabunense. A Câmara Municipal, por exemplo, é alvo de uma devassa, em que se busca o paradeiro de recursos desviados, que somariam, no máximo, R$ 5 milhões – incluindo-se aí dinheiro tomado de bancos em empréstimos irregulares e farras do ex-presidente Clóvis Loiola e de outros “sete ou oito vereadores”, segundo denúncia de Kleber Ferreira, ex-chefe dos Recursos Humanos (e monetários), acusado ser o operador do esquema. Maravilha, o dinheiro é público e deve ser retomado pelo povo.

Mas...

Acontece que a Câmara detém apenas 3% do orçamento do município – esse ano foram mais de R$ 400 milhões no Centro Administrativo. Isso significa dizer que ou estamos sendo muito bem ludibriados ou perdemos nossa capacidade de fazer contas. Acredito mais na primeira. Não são sem importância as mensagens que o Centro Administrativo manda para a sociedade: estímulo à criação de CEIs para que vereadores investiguem vereadores, os acusem e cobrem ações do Ministério Público para o ressarcimento da grana sumida.

Mas, quem investiga o Executivo? Não são os vereadores, ocupados que estão na busca pela cassação de um potencial concorrente nas próximas eleições – eis o que move a maioria dos inquisidores legislativos –, nem o Ministério Público, cujos promotores não têm elevado sua voz para além das portas dos bem guardados gabinetes.

Vamos aos exemplos: quantas denúncias foram ouvidas, desde a tribuna da Câmara até os mais “insignificantes” representantes da imprensa alternativa sobre a obra da avenida do Cinquentenário? Alguma providência? Quantas ações foram instruídas no escândalo dos remédios? Daria umas três... Sim, os remédios, aqueles que eram descartados no Centro de Zoonoses, onde, segundo denúncia de um ex-diretor, se fazia eutanásia de animais a três por quatro, na base da barbárie... E quanto às denúncias no superfaturamento da contratação da empresa de lixo – esse, logo no comecinho do governo...?

Claro que nada foi, é ou será feito, porque a Câmara, que deveria ser a primeira a investigar os malfeitos do Executivo, está de joelhos, cumprindo as ordens para afastar todas as denúncias do “outro prédio”. Preferem investigar seus pares a contrariar as ordens de cima. Deveriam, sim, investigar os pares, sem esquecer, principalmente, do princípio da potencialidade ofensiva. Nem do seu dever constitucional e regimental.

Por último, àqueles que me acusarão de cobrar investigações sobre denúncias que não tiveram provas apresentadas, uma questão lógica: se já tivéssemos provas de tudo, de que adiantaria eleger 13 marionetes? A investigação é, justamente, para que se consigam as provas e se tomem as providências cabíveis. Não esqueçamos de uma prova importante, a prova indiciária: bandido, qualquer que seja a cor de seu colarinho, não esconde os indícios. E quantos indícios de enriquecimento desproporcional temos visto nesses dias que aqui correm... desde 2009.

Domingos Matos é editor d’O Trombone

Veja essa: fiscal exige que índio use cocar com selo do Ibama

Domingos Matos, 23/11/2011 | 22:25
Editado em 23/11/2011 | 22:41

líderVamos logo ao fim da história: o índio acabou preso. Até aí, nada muito alarmante, num país em que índios são queimados em praça pública. O que pegou, mesmo, foi a justificativa para a prisão. Não a oficial (desacato à autoridade), mas a real: o índio, coitado, esqueceu-se de fabricar um cocar com penas certificadas pelo Ibama. Xilindró. Mesmo num país em que hidrelétricas invadem reservas indígenas, exibindo poderosos selos de conivência, digo, certificação do Ibama.

Deu-se no Aeroporto Internacional Eduardo Gomes, no Amazonas. Por estar carregando um cocar, o líder indígena Paulo Apurinã foi barrado por um fiscal do Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e Recursos Renováveis (Ibama) quando tentava entrar na área de embarque do aeroporto.

De acordo com o também líder indígena Jair Miranha, que acompanhava Paulo, agente ambiental federal do Ibama Sebastião Souza disse que o indígena não poderia embarcar levando seu cocar, alegando que ele era feito de penas de animais silvestres e não tinham o “selo” do Ibama.

“Isso é um desrespeito aos nossos valores culturais. Nos sentimos humilhados na nossa própria terra, passar por uma situação dessa na frente de todas aquelas pessoas, como se fôssemos bandidos. Mas somos indígenas, e esse é nosso jeito de se vestir. O cocar tem um valor cultural para os indígenas”, disse Miranha.

Segundo ele, Apurinã estava levando o cocar no carrinho de bagagens e chegou a justificar o uso do adereço ao fiscal, apresentando seu Registro Administrativo de Nascimento Indígena (Rani), mas o fiscal não permitiu seu embarque mesmo assim e um segurança solicitou apoio da PF.

O fim da história está no primeiro parágrafo. Este blogueiro recusa-se a escrevê-lo de novo.

Com informações do jornal A Crítica.

Paraplégico volta a andar na Bahia

Domingos Matos, 28/10/2011 | 11:30
Editado em 28/10/2011 | 11:32

Da Agência Estado

Nove anos após sofrer uma violenta queda durante uma viagem em família, que lhe causou um trauma raquimedular - lesão que causa comprometimento da função da medula espinhal -, que tirou a sensibilidade e os movimentos das duas pernas, o major da Polícia Militar Maurício Borges Ribeiro está andando novamente. Por enquanto, Ribeiro ainda precisa ser amparado por um andador e por uma órtese no tornozelo, por causa da atrofia muscular sofrida em suas pernas em nove anos de imobilidade. Mas as perspectivas são boas.

"Estamos fazendo um trabalho de fortalecimento muscular, para que o paciente possa, futuramente, se sustentar em pé e andar sem a ajuda de aparelhos", afirma Claudia Bahia, a fisioterapeuta e pesquisadora da Clínica de Atenção à Saúde (Casa), do Centro Universitário Estácio da Bahia (Estácio-FIB) - onde o policial realiza as sessões de fisioterapia uma vez por dia. "Há pouco tempo, ninguém acreditava que seria possível que um paciente paraplégico com lesão completa pudesse voltar a andar. É uma conquista imensurável".

Ribeiro foi o primeiro homem a participar de um tratamento experimental, desenvolvido por cientistas da Fundação Oswaldo Cruz na Bahia (Fiocruz-BA), com o apoio dos hospitais Espanhol e São Rafael e de universidades baianas, para melhorar a qualidade de vida de pacientes que, como ele, tiveram ruptura total da medula espinhal por causa de traumas - e, com isso, perderam completamente a sensibilidade, o controle e os movimentos de quadris e pernas.

O tratamento consiste na aplicação de células-tronco mesenquimais, retiradas da medula óssea da bacia dos próprios pacientes, diretamente na região onde ocorreu o trauma. O procedimento começou a ser estudado em 2005 e foi testado inicialmente em animais domésticos, a partir de 2007, com melhorias em graus diferentes em todos os casos.

Depois de Ribeiro, mais cinco pacientes foram submetidos ao tratamento - e outros 15 devem passar pelos mesmos procedimentos até o fim do primeiro semestre do ano que vem. "Até agora, todos os pacientes tiveram algum nível de melhora e não houve nenhuma intercorrência médica", comemora um dos coordenadores da pesquisa, o neurocirurgião Marcus Vinícius Mendonça. "Em alguns, por enquanto, há apenas melhoras de sensibilidade, em outros, há avanços na parte motora. Um dos objetivos desta pesquisa é saber por que um paciente responde melhor que outro", disse.

Mendonça afirma que, depois que os 20 primeiros pacientes passarem pelo procedimento, serão colhidos os dados relativos aos testes para que sejam realizados mais estudos sobre o tratamento. "O período estimado de pesquisas é de cinco a dez anos", explicou. Para o policial militar, porém, o tratamento já pode ser visto como bem-sucedido. "Depois de nove anos, você perceber que pode se sustentar sobre as próprias pernas é uma sensação muito boa", afirma. "Já estou muito feliz, mais ainda porque meu progresso traz esperança para outras pessoas que passam pelo mesmo problema", acrescentou.

Dia Nacional do Campo Limpo comemorado pela Arisba

Domingos Matos, 17/08/2011 | 23:00
Editado em 17/08/2011 | 23:07

joerlaneA Associação dos Revendedores de Insumos Agrícolas do Sul da Bahia (Arisba), gerenciadora das Centrais Campo Limpo Ilhéus e Teixeira de Freitas, comemora nessa quinta-feira o Dia Nacional do Campo Limpo/2011. O evento será na rodovia Ilhéus/Itabuna, quilômetro 22 (próximo à Ceplac), das 8 às 12 horas. Instituído no calendário brasileiro em 18 de agosto, por meio da lei 11.657 de 16 de abril de 2008, o Dia Nacional do Campo Limpo é comemorado há sete anos em todo o Brasil.

A comunidade está sendo convidada a conhecer as etapas do trabalho realizado por uma unidade de recebimento, além de participar de atividades culturais e educacionais que incentivam a preservação do meio ambiente. Estão previstas apresentação teatral do grupo Terra Viva (Assentamento Terra Vista), palestra sobre a lei 9.974/00 e momentos de entretenimento com palhaço e lanche.

Ainda como parte das atividades, alunos de 4º e 5º ano do Ensino Fundamental das escolas envolvidas nas comemorações participam dos concursos de desenho e redação, ambos com etapa local e nacional. O tema do concurso de desenho é “Cuidar do campo é cuidar da vida” e do concurso de redação é “O meio ambiente e as embalagens do campo: tudo a ver!”.

Os municípios participantes são Arataca, Almadina, Camacan, Gandu, Itabuna, Itagibá, Ibicuí, Itapitanga e Ilhéus. A Agência Estadual de Defesa Agropecuária da Bahia (Adab) e a Ceplac garantem o apoio institucional.

Segundo a Gerente da Arisba, Joerlane Aquino (foto), “o objetivo da comemoração é levar as comunidades do entorno das unidades de recebimento de embalagens vazias de defensivos agrícolas à reflexão, conscientização e participação em atividades relacionadas à preservação do meio ambiente, por meio de um exemplo de sucesso que é o Sistema Campo Limpo (logística reversa das embalagens vazias de defensivos agrícolas)”.

De acordo com o presidente da Arisba, Ronaldo Abude “é de suma importância a realização deste evento e de todas as atividades que dizem respeito ao meio ambiente, pois proporciona às pessoas, desde estudantes até profissionais que atuam na área, o conhecimento do processo de devolução de embalagens vazias de agrotóxicos, mantendo o campo limpo, sem resíduo tóxico, proporcionando maior qualidade de vida, pela segurança da inexistência de tais materiais em áreas agrícolas”.

Para a Coordenadora Regional da Adab/Itabuna, a Srª Catarina Cotrim, a preservação do meio ambiente é de fundamental importância para a sustentabilidade da agricultura. “A destinação correta das embalagens vazias de agrotóxicos garante a saúde ambiental e humana, evitando a contaminação dos mananciais, solo, ar, animais e o próprio homem. Comemorar o Dia Nacional do Campo Limpo é refletir sobre as nossas atitudes em relação ao meio ambiente e educar as futuras gerações nas boas práticas agrícolas e ambientais”.

DE RODAPÉS E DE ACHADOS

Domingos Matos, 14/08/2011 | 20:05
Editado em 14/08/2011 | 22:48

AdylsonQuando o tema se esgota em si mesmo, um rodapé pode definir tudo e ir um pouco além.  

Adylson Machado

                                                                              

Semana

Dois fatos, objeto de comentários adiante, marcaram a semana: o anúncio de criação da Universidade Federal do Sul da Bahia e a exoneração de Cyro de Mattos. Motivos de exultação: o primeiro, pela realização do que era esperança; o segundo, pela efetivação de um sonho de parcela da classe artística.

Eleições

APLB anunciou uma urna volante para colher votos na sexta 5. A urna fantasma, se circulou, não apareceu em alguns colégios. Se andou, o foi por caminhos previamente escolhidos.

Dando razão

Na queda de braço entre Estado e Município envolvendo a saúde e particularmente a gestão do Hospital de Base um ponto se torna nevrálgico: o Estado entende que falta gestão ao HBLEM; o município, ausência de recursos a serem transferidos pelo secretário Solla.

O fato de a moça da FASI, Gilnay Cunha Santana, mal assumir e já localizar 12 fantasmas na folha do Hospital dá razão ao Estado.

Cooperação

Como prometido na edição passada, a “Republicação dos Aditivos de Contratos de veículos alugados”, celebrados entre a EMASA e a Cooperativa Regional dos Proprietários de Veículos Alugados (Diário Bahia de 4 de agosto), mostra valor que supera 1,580 milhão de reais.

De singular consideração que muitos dos 46 veículos (de utilitários a caçambas, de pipas a munk) que tiveram os contratos prorrogados por mais um ano são locados com motorista.

Memória

cantinflasPoucos hão de lembrar do impagável Cantinflas, ator mexicano, estilo chapliniano em roupagem própria, fala atropelada em explicações “complexas”, de complicadas conclusões, de falar muito sem dizer nada, que nos fazia a todos rir. O próprio Chaplin o tinha como “o homem mais engraçado do mundo”.

su excelenciaMario Moreno, o ator que o criou, completaria 100 anos neste 12 de agosto.

Localizar em alguma locadora filmes deste mexicano hilário, um dos mestres da comédia de erros latino-americana, é descobrir uma veia rara de um cinema que anda esquecido. Lembrado apenas em redes públicas.

Recomendaríamos seu “O embaixador” (Su Excelencia), de 1966, sátira à guerra fria, lição talvez inspirada em “O ditador” de Chaplin.

Lucidez

Aplausos ao “anjo da guarda” de Kokó, do Lordão. Sua confidência retratada no Políticos do Sul da Bahia de que não mais será candidato a vereador sinaliza maturidade. Candidatura nestes tempos bicudos – especialmente se alimentada em afirmações de que “será o mais votado” – costuma redundar em decepção. E o álibi encontrado pelo músico é perfeito: os 50 anos do Lordão.

No desfecho, lamentará apenas quem o andava motivando. Que não pensava em Kokó.

Genial

cartaz 1 pra 100Não pode ser considerada de outra forma a idéia “1 pra 100”, desenvolvida pela turma de Ferradas – que inclui os que enxergam naquela terra não só primórdios da ocupação grapiúna mas a redenção turística para Itabuna, assim que houver alguém efetivamente comprometido em tornar esse rincão o centro e a sede da obra amadiana.

Em vez do bordão “99 anos” de Jorge Amado, o excelente “1 pra 100”.

Quem quer faz

peçaA programação da turma (foto) não só lembrou o filho ilustre. Trouxe depoimentos do próprio Jorge, afirmando haver nascido em fazenda de cacau em Ferradas, sem esquecer Mutuns e Pirangi, palco das lutas das “terras-do-sem-fim”.

Poesia, música, leitura de textos e uma “Gabriela” (Larissa Profeta, atriz premiada no último Multiarte) atentamente observada por Tonico Bastos/Nassib (Marquinhos Nô) enquanto buscava retirar uma pipa de um telhado.

Sob o olhar atento de Maria “Babinha” Machadão.  

Lembrando

jaO DIÁRIO BAHIA tem veiculado em sua edição on line, vídeos da terra ferradense, onde se destaca o Projeto da ACODECC “Irmão JORGE, 100 anos AMADO”, lançado há um ano. Nestes dias em que Itabuna lembra de Jorge Amado, o filho ilustre nascido em terras do cacau de Ferradas a iniciativa do DIÁRIO BAHIA deve ser enaltecida.

E, mais que isso, imitada.

Ensaiando Saint-Säens

“Enquanto cidades do mundo inteiro gostariam de ter um filho ilustre como Jorge Amado, aqui entre nós grapiúnas preferimos ignorá-lo, sem que se faça um reconhecimento digno de sua memória”. As palavras, lamentáveis e desprovidas de respeito à cultura itabunense não saem de inimigo desta terra.

Lamentáveis se tornam por nascerem de Cyro de Mattos, ainda presidente da Fundação Itabunense de Cultura e Cidadania-FICC, expressadas em matéria do Jornal AGORA de terça 8 (Deputado quer apoio para Ecomuseu Jorge Amado). Coronel Santana teria recebido o projeto das próprias mãos de Cyro..

Infeliz declaração, de quem deveria cumprir com pelo menos seu desiderato de fomentador e resgatador da cultura itabunense.

Dos palcos para Itabuna

A pergunta elementar, considerando que o deputado Gilberto Santana assumiu o mandato a partir de fevereiro de 2011, é no sentido de saber onde se encontrava dito projeto da FICC desde que Cyro assumiu o órgão. Num primeiro instante, cabe também indagar sobre o que fazia o presidente ao tempo das comemorações do centenário, importante instante para lançar o projeto.

Claro que suas idiossincrasias não deixaram. Afinal, a comunidade de Ferradas, através da ACODECC, lançava em 2010 o projeto “Irmão JORGE, 100 anos AMADO”, antecipando o processo de comemoração do centenário do escritor – onde também o prefeito José Nilton Azevedo, que com ele se comprometeu diante da comunidade. Nenhuma iniciativa tomou Cyro de Mattos.

E não queremos aqui atribuir tão somente à sua patológica vaidade e individualismo. Preferimos mais tributar à incompetência para gerir uma instituição de tal porte.

O 13º ato

Cyro de Mattos, com sua declaração, atesta a incompetência que assinalamos acima. Em que pese assessorado por pessoas experientes sua ação gerencial é castradora, porque para ele tudo era Cyro, por Cyro e para Cyro, e sua filosofia de trabalho deveria ser ditada apenas para “o escritor premiado no Brasil e no exterior”.

Há dias (ver neste O TROMBONE) uma criminosa licitação. Voltada para beneficiar determinada pessoa, diretamente (porque indiretamente quem pretenda fazer política às custas da FICC pode ser o beneficiado). Onde estava, indagariam os cidadãos desta terra: ausente e mesmo teria assinado(?) sem saber o contido no edital.

Descompasso com a administração, leia-se com a competência para gerir.

Não deu outra; o cisne finou-se

Depois de tudo isso – e não apenas isso – o prefeito José Nilton Azevedo exonerou Cyro de Mattos na quinta 11. NA sexta, Cyro se despedia dos funcionários na FICC.

Fechou-se o pano.

Cabe apenas ver o 13º andamento da suíte “O Carnaval dos Animais”, do francês Camille Saint-Säens, denominada “A Morte do Cisne”.

UFSULBA

Geraldo Simões iniciou em sua segunda gestão a viabilização de estudos para a implantação de uma Universidade Federal com sede em Itabuna. Que se iniciaria com uma extensão da UFBA e contava com o apoio do então Reitor Naomar Monteiro. Foi atropelado pelas circunstâncias eleitorais adversas em 2004.

Ainda que Félix Mendonça tenha tido projeto para implantação de uma Federal sediada em Itabuna temos em Geraldo o mais comprometido com a iniciativa. E Alice Portugal como uma entusiasta.

Nossos votos de agradecimento ficam para Geraldo, pela proposição no início da década passada. E a todos os demais integrantes da bancada baiana que apoiaram a criação e especialmente àqueles 21 que defendem a Reitoria em Itabuna.

Impasse a ser superado

Itabuna perdeu o IFET para Ilhéus por falta de acompanhamento de sua representação política. Raimundo Veloso “chantageou” na hora certa e levou a instituição para o meio da estrada Ilhéus-Itabuna, dificultando o acesso de estudantes mais interioranos, que encontrariam em Itabuna um ponto natural de convergência.

Surge a conversa de que Porto Seguro poderia sediar a Reitoria da futura Universidade Federal do Sul da Bahia. Seria resultado de conclusões do Ministério da Educação. Decisão precipitada e fruto da “competência de gabinete”, aquilo a que chamamos de analise da realidade brasileira olhando o mapa a partir da burocracia de um gabinete, quando muito usando GPS ou livros de História. O que muitas vezes, como no caso concreto, destoa da realidade.

Risco de vitória de Pirro

É inteiramente sem sentido deslocar para Porto Seguro a centralização das decisões universitárias que terão expressão física em Itabuna. Dizemos Itabuna porque este é um lugar privilegiado pela circunstância elementar de ser pólo de convergência de uma malha rodoviária.

Porto Seguro é destino isolado, como o é Ilhéus, com vocação turística. Tanto que queremos confrontar essa realidade presumindo que tal fato seja apenas especulação.

Caso contrário, uma derrota da classe política itabunense.

De olho no movimento cultural

Geraldo reuniu amigos em torno de um projeto para a cultura local. Sem mistérios: passa pelo Centro de Convenções. Alguém já de olho em cargos. Como Cyro de Mattos perdeu a FICC pode até ser aproveitado para dirigir o futuro espaço.

Especulação? Que seja!

Cartas na mesa I

Boa fonte nos afirma haver Geraldo Simões assegurado que Juçara é a candidata do PT para 2012. Com apoio do Governador Wagner.

Quando se afirma peremptoriamente em torno do apoio do governo do Estado tão antecipadamente alguma coisa pode não estar batendo.

Privilegiado

Fernando Gomes continua na arquibancada da sucessão. Geraldo Simões lutando para viabilizar a conclusão do Centro de Convenções. Tanto que ensaia apoio da classe artística. Sugestão de algum conselheiro.

O detalhe está em dividir a turma. Até o momento conta com os mesmos. Insatisfeitos com a cultura local em mãos incompetentes. Inclusive no Centro de Cultura Adonias Filho.

Esse, por escolha de Geraldo.

Para nossos pais

Nossa homenagem aos pais, com essa pungente página do cancioneiro latino-americano. Apenas ouvir. O original (Mi Viejo), com Piero José, e a versão de Nazareno de Brito (Meu Velho), para Altemar Dutra.

caboco

Cantinho do ABC da Noite

Encontraram-no no supermercado. Carretel de conversa desenrolado, com o tradicional “que faz por aqui”, encontra a explicação de Cabôco:

– Depois de aposentado só venho aqui comprar leite longa vida.

_________________

Adylson Machado é escritor, professor e advogado, autor de "Amendoeiras de outono" e " O ABC do Cabôco", editados pela Via Litterarum

DE RODAPÉS E DE ACHADOS

Domingos Matos, 18/07/2011 | 12:01
Editado em 18/07/2011 | 13:43

AdylsonQuando o tema se esgota em si mesmo, um rodapé pode definir tudo e ir um pouco além.  

Adylson Machado

                                                                              

Região Metropolitana

Iniciada a discussão em torno da criação da Região Metropolitana de Ilhéus e Itabuna. Pontapé dado com a realização do Fórum no dia 8, na FTC (comentado na edição passada). A iniciativa da AMITABUNA e da AMURC (organizadores do evento) colhe assinaturas no documento elaborado a partir do Fórum e lido ao final, para encaminhá-lo ao Governador Jacques Wagner.

Disponibilizamos a íntegra da histórica “CARTA DE ITABUNA

Evitar erros

O IBGE vem destacando o processo de inversão na migração interna no Brasil. O Sudeste, com São Paulo à frente, já não recebe tantos nordestinos como antes e tende fazê-los emigrar para suas regiões de origem.

O tema, pela importância e vinculação com o planejamento e gestão de uma Região Metropolitana, foi objeto de atenção da Professora Maria Adélia no Fórum acima referido, quando – criticando a instalação da RM de São Paulo ao arrepio da orientação técnica – afirmou que a solução para o caos em que se torna a capital paulista é o Brasil como todo receber as gentes que para lá acorrreram no passado. Ou seja, inversão no tradicional fluxo migratório.

Para os que esperamos criar e instalar uma Região Metropolitana – imperiosa necessidade – cabe-nos pensá-la de forma a evitar ditos erros.

Desta forma, não podemos imaginar nossa RM como ponto de convergência para concentração populacional urbana.

Não podemos esquecer

A série especial da semana que passou no Jornal da Band destacou o estado em que se encontra a reserva Raposa Serra do Sol. Dispensando analisar a razão por que da série, a inserção do tema é positiva e sempre oportuna, considerando os desdobramentos em futuro não tão distante e repercussão na própria soberania nacional.

Faltou indagar aos estrangeiros que sempre a defenderam na forma como está. Para eles uma verdadeira festa, “reservar” minérios nobres, das escassas “terras raras”, para controle, assim que conseguirem a independência da “nação yanomani”, que nunca existiu, inventada a partir do final dos anos 60 e início dos 70.

A demarcação contínua é um fato imperdoável. Lula a subscreveu. Crime de lesa Pátria.

Mídia calada

Israelenses e palestinos unidos – repita-se, judeus e palestinos – na sexta 25, em mobilização pela criação do estado Palestino, tendo como capital a parte oriental de Jerusalém. Detalhes em www.advico.com.br (A manifestação pró-independência palestina), desta sexta.

Não vimos referência na grande imprensa, escrita e televisada.

Premiação

Justiça manda Luiz Estevão devolver 55 milhões do TRT de São Paulo. Da dívida atualizada (mais de 930 milhões) são cerca de 6%. E ainda cabe recurso. O escândalo que levou à prisão o Juiz Nicolau, alcunhado “Lalau”, desviou 170 milhões nos anos 90.

E a Advocacia Geral da União se jacta de alcançar o maior recolhimento do gênero. Com um detalhe, os recursos já estavam bloqueados, parte deles oriunda de alugueres pagos pela União a Estevão. Apenas foram liberados.

Como se vê, roubar o povo é um grande negócio, Paga-se, quando nossa jabútica Justiça (atenção dicionaristas!) o determina, com pequena parcela dos rendimentos alcançados pela maracutaia, inclusive do próprio governo.

É lindo viver!

Preocupações no horizonte

Antes o Dia da Mulher. E já temos o Dia do Homem, 15 de julho.

É a “espécie” querendo se proteger. Ou da mulher ou... 

Simbólico

obamaNo instante em que o “sub-do-sub” chinês – como o diz Paulo Henrique Amorim, referindo-se ao Hong Lei, Ministro das Relações Exteriores da China, maior investidor em títulos do Governo americano – chama os EEUU às falas diante da ameaça de calote, vem a calhar a foto abaixo, para quem está recebendo um pito daqueles.

Memória

Quando a Cultura em nossa terra passa por uma de suas piores crises, tornada instrumento de projetos e vaidades pessoais no estamento dirigente, não custa lembrar de uma experiência jornalística à qual faltou o apoio minimamente necessário: O Jornal Literário ABXZ-Caminho das Letras.

Que seja verdade e continue

Ao que parece está sendo passado o “trator” no Ministério dos Transportes. Um funcionário-fantasma, Frederico Dias (e a mulher empreiteira, prestando serviços ao governo), levou ao afastamento do diretor-executivo do DNIT, Henrique Sadok de Sá, segunda pessoa de Pagot – aquele que “recebia”. Tende a juntar-se ao próprio Pagot, Luiz Tito, Mauro Barbosa, “Juquinha” da Valec, já que a caneta do atual Ministro afastou a figura. Se a lavagem for geral – o que esperamos – a utopia passa a ser punição às empreiteiras. Aí, é outra história.

Mas pode ser alerta.

A cara

A efetivação do interino no Ministério dos Transportes constitui-se, talvez, a grande cartada do estilo Dilma na composição do governo: um técnico para função técnica, vinculado a partido político. O PR chiará por perder um político no lugar do técnico, o que assegura – pelo menos assim demonstrava – garantia de recursos para campanhas eleitorais, uma regra geral neste País de São Saruê – para lembrar os crimes e mazelas todas metaforizados em outros formatos na celulose por Vladimir Carvalho.

Paulo Sérgio Passos – para gáudio do ufanismo baiano – está Ministro dos Transportes.

Para a plateia

As tratativas para arrumação dos fatos, depois que a Presidente Dilma bateu o martelo no Ministério dos Transportes, parece reviver um típico teatro do absurdo, com fatos a alimentarem um texto de fazer inveja a Beckett e Arrabal.

Andam falando que o Pagot não foi defenestrado; apenas havia saído de férias.

Como é homem de muitos segredos pode mesmo continuar.

É aí que reside o absurdo.

Novos astros

O Centro de Cultura Adonias Filho se transforma em espaço para cães e gatos. Não se trata de “personagens” em espetáculos, o que seria natural, mas dos animais de Aldo Bastos (indicação de Geraldo Simões) ali aninhados e alimentados, que interferem nas apresentações em novo formato de crítica teatral: latidos e miados.

Há, ainda, as estranhas “indicações” de Aldo para contratações pelas terceirizadas, ocupando o lugar de quem já trabalha há anos.

Êta, Itabuna!

O sonho de Magela

O Secretário de Saúde de Itabuna, trazido à corte como solução milagrosa, ameaça o Governo do Estado de quem se dizia ser amigo na pessoa do secretário Jorge Solla.

Magela não conseguiu desatar o maior nó górdio da saúde municipal, a gestão de recursos do Hospital de Base. Nas discussões, a ampliação de repasses financeiros pelo Estado é o mantra.

O Estado, com apoio no Conselho Municipal de Saúde, argumenta que ocorre exagerado gasto com comissionados no HBLEM, a demonstrar a ausência de gestão, leia-se, controle.

O milagreiro Magela espera contar com recursos diretamente enviados pelo Governo Federal. Mantendo a gestão.

Ainda o ativismo

ativismoA foto mostra uma das mobilizações contra uma empresa de transportes regional, que nos parece em muito alimentadas (as mobilizações) na errônea interpretação da lei ofertada pelo Ministério Público através de uma “Recomendação”. (Ver DE RODAPÉS E DE ACHADOS de 3 julho – Ativismo I, II, III e IV – e Ativismo, de 10).

Se levarmos em conta a decisão da Justiça local, publicada no dia 11 – que arquivou a ação intentada – a atuação do MP estará nos limites tão só do ativismo.

O que pode aprofundar a preocupação de que, no caso, se torne mesmo “espingarda de Satanás”.

Raimundo Vieira, o pacificador

caixãoPor sua atuação na aproximação e confluência de interesses para unir Fernando Gomes e Geraldo Simões, Raimundo Vieira se torna a figura mais exponencial da vida política itabunense no momento. Seu papel singular exige melhor avaliação dos que acompanham o que está ocorrendo na sucessão de 2012.

A solidariedade e confiança de FG fazem-no a pessoa indicada para qualquer contato com o ex-prefeito. Como o percebeu Geraldo Simões.

Ainda que não viabilizado o que podia antes ser considerado cruzamento de jacaré com cobra d’água a atuação de Raimundo Vieira pelo menos abriu as portas para a redução dos atritos entre ambos.

Típica pacificação do “Rondon” grapiúna.

Os interesses

interessesSe levarmos em conta a visão de que construção de alianças políticas pode definir o resultado das eleições municipais e considerando que Geraldo Simões evidentemente tem assumido a dianteira na busca de uma coligação a partir das lideranças nacionais estamos fadados ao “voto de cabresto”, tão utilizado com o “bico de pena” da República Velha.

Claro que não podemos desconhecer que as eleições contemporâneas muito dependem do tempo disponível em rádio e televisão, razão por que quanto maior o leque de alianças mais minutos de propaganda partidária.

Partindo dessa premissa – o tempo no rádio e na televisão – também podemos abstrair que a eleição se torna um processo muito mais de massificação que de convencimento através de propostas.

E não descartemos o que representa o dinheiro nestas “democráticas” eleições.

Este, para nós, o que pesa mais!

Marina

Marina, com seus quase 20 milhões de votos, não sensibilizou o PV. E sai por não conseguir implantar o seu “sonho” partidário.

Como já escrevemos, não vemos caminho e futuro para Marina Silva a não ser como “inocente útil”, quando necessário alguém para tirar votos da esquerda, como o foi a “brilhante e combativa” Heloisa Helena.

Entendendo

Como os políticos não abrem seus corações à patuléia a especulação é caminho para encontrar justificativas para atitudes tomadas por cabeças coroadas. Daí a indagação: o que leva Geraldo Simões a propor aliança com Fernando Gomes? Se estivesse em posição cômoda o faria? Já refletimos neste espaço que dita aliança atende interesses de ambos. Mas, GS a admitiria se estivesse em patamar de tranqüilidade junto aos correligionários?

Temos que é sinal de que não anda lá bem das pernas a situação de Geraldo junto ao Governador Jacques Wagner. O novo formato da distribuição de cargos do Governo Estadual tem-no feito sacrificar quadros de sua inteira confiança, perdendo-os para outros partidos da base do governo.

Sem cargos não se faz política. São a cabeça de ponte do político, seja-o diretamente – assegurando a fidelidade do companheiro com um cargo público – seja-o indiretamente, fazendo-o cabo eleitoral através das ações que desenvolva. Afinal aquele tradicional “sou amigo do deputado” continua a prevalecer.

Entendendo melhor

Geraldo deixa claro que quer assegurar um meio através do qual enfrente o governo que o “desprestigia”. Para tanto, a formação de uma aliança ampla lhe asseguraria a indicação de Juçara, já que, detendo o controle do PT local, só sai candidato quem ele sacramentar.

Circulam falas de que o Governador o quer na disputa. GS tem projetos pessoais. Aprendeu segredos do poder nestes últimos anos. Pessoalmente mais interessa a manutenção de espaço na Câmara dos Deputados que assumir uma Prefeitura desgastada financeiramente, que estourou os grandes projetos por ele planejados. Ou seja, teria que começar tudo de novo. Com o risco de, depois de arrumada a casa, perder para outro desarrumador.

Difícil é tornar suas razões compreendidas pelo eleitorado.

Desencanto dá nisso

Nesse sentido Itabuna o desencantou. E assim, só teria a utilidade de assegurar-lhe uma parcela de votos para manter vaga na Câmara Federal, uma espécie de Félix Mendonça pai, que nunca perdeu sua cota em Itabuna. Alianças lhe assegurariam votos Bahia a fora, através dos Jota Carlos e Rosemberg Pinto.

E para isso Fernando Gomes pode ser imprescindível.

Serra abaixo

demoPara demonstrar quão dinâmica é a política, sob a ótica dos partidos em relação ao poder, a foto dispensa comentários. Com presenças ilustres (apenas duas) o DEM de Itabuna hoje tem dificuldade de ocupar uma carroceria de picape. Se a foto abrisse a angular permitiria compreender porque aquele foguetório tradicional foi tão mixuruca.

Brasileiros mundo a fora

Um, cantor e compositor. Baiano de Itapebi, lá das margens do Córrego do Jundiá, fixado em Nanuque, Xangai traduz essa força singular que é a musicalidade nordestina. Ouvi-lo é melhor que biografá-lo. Aqui, “Estampas Eucalol”, uma lembrança da infância dos de nossa idade.

Outro, universal. Ainda que o intérprete seja John Williams (nesse espaço, com “Concierto de Aranjuez”, no dia 3 de julho) o brasileiro Heitor Villa-Lobos e seu primeiro dos “12 Estudos Para Violão”.

Para entender quão ilimitada é a música e a gente brasileiras.

Cantinho do ABC da Noite

cabocoOutro destes sábados para os “paroquianos” do ABC. Conversa vai, conversa vem. Sai um, entra outro. Batida saltando do frízer para o bucho da moçada, até que o valor de chás, como medicamento, ocupou e dominou o espaço. Citado um tipo, outro e mais outro. Não tardou alguém definir:

– Lá em casa não falta capim-santo.

– Dez anos desse chá, Cabôco, garante lugar no Paraíso – sinalizou o filósofo do Beco. Basta comunicar ao Papa e terá a canonização garantida.

_________________

Adylson Machado é escritor, professor e advogado, autor de "Amendoeiras de outono" e " O ABC do Cabôco", editados pela Via Litterarum

(republicação, por erro no sistema)

DE RODAPÉS E DE ACHADOS

Domingos Matos, 13/03/2011 | 12:06
Editado em 13/03/2011 | 17:41

Adylson MachadoQuando o tema se esgota em si mesmo, um rodapé pode definir tudo e ir um pouco além.  

Adylson Machado

                                                                              

Paulo Alvim

Em princípio, aparenta justa a proposição de Marcel Leal, de Itabuna homenagear o cientista Paulo Alvim dando seu nome a uma praça ladeada pela Aziz Maron e a Félix Mendonça (A REGIÂO, 9 de fevereiro).

Como ainda está por ser arborizada poderia sê-lo com espécies da Mata Atlântica. Para recuperar parte do que a ciência ceplaquena, sob a égide do renomado cientista, retirou da natureza.

Homenagens

Nomear logradouro é forma de homenagear os que contribuíram de alguma forma com a cidade. Assim, o mínimo que se exige é o vínculo entre o homenageado, sua obra e a instituição que homenageia. Através dela lança-se no imaginário coletivo a lembrança dos feitos atribuídos ao homenageado.

Nesse particular, não vemos porque estender o laurel a Paulo Alvim.

Jorge Amado

No entanto, e sem desmerecer o que representou particularmente para a pesquisa do cacau, aproveitando a proposta de Marcel Leal, e considerando que o ano vindouro é aniversário de centenário de nascimento de Jorge Amado, sugerimos o nome do ilustre ferradense para nomear a praça.

Charles Henri

Charles HenriMas, para Itabuna, que cultiva o hábito de nomear bairros e logradouros com o nome de pessoas vivas, uma gama de nomes está à disposição, de Adalmiro Leôncio da Silva (Sabará) a Marquinhos Nô, passando por Zélia Lessa, pessoas que levaram ao distante o nome de Itabuna, ainda que esquecidos ou não suficientemente lembrados em sua terra.

Charles Henri, por exemplo, nome carimbado há décadas como destaque nos desfiles cariocas da Beija-Flor de Nilópolis mais tem feito pela imagem de Itabuna que muitos de seus políticos.

Se a praça que está sem nome – como lembra Marcel – que pode voltar a ladear a alameda de Carnaval assim que o reinado de Momo volte a existir em Itabuna, bem poderia ser Praça Charles Henri.

Nome de folião a uma praça que é alameda para o Carnaval.

Indesejado

Andou por Brasília um agente dos interesses estadunidenses, travestido de diretor-gerente do Fundo Monetário Internacional sugerindo velha receita (que integra o atual “saco de maldades” do governo federal) donde se destaca aumento dos juros (mais!) e desaceleração da economia.

Como somos credores do FMI desde o governo Lula o FMI deveria pagar primeiro e só depois emitir conselhos. Que, por sinal, não dá para os da curriola que o criou.

Saudade nos bateu de Juscelino Kubitschek, que o afastou do País – rompeu mesmo! – Se o grande presidente houvesse ouvido o “mensageiro” (mais próximo de “O Mensageiro do Diabo”, clássico dirigido por Charles Laughton) não teríamos Brasília, tampouco a integração nacional.

E nos imaginávamos libertos dos grilhões!

Conforme o Aurélio

Ao tolerar o pastoreio em ruas e praças a fiscalização municipal traduz uma das definições para o vocábulo logradouro que, segundo o pai dos burros, também é “pastagem pública para o gado”. A origem do significado está em logrador, expressão do Nordeste para a “Seção da fazenda de criação em lugar afastado, onde estão situados curral, aguada etc. e aonde vai o vaqueiro tratar o gado e principalmente os animais feridos, que ali se restabelecem” (Aurélio).

No entanto, ainda que amparada no vocabulário, poderia a Prefeitura disponibilizar uma área específica, que em tempos de antanho se denominava “curral do conselho”. Em ruas e praças é descaso.

Maria Bonita

Maria BonitaAinda que controvertida a história do cangaço, onde se insere o que contam sobre ela, bem poderia ser estudada em vertentes histórico-sociológicas para compreender-se a mulher sertaneja nos aspectos típicos do Nordeste, não esgotados em José Américo de Almeida, Graciliano Ramos e José Lins do Rêgo, os que destacamos.

Maria Bonita é aqui lembrada por uma circunstância: nasceu em 8 de março (1911-28.07.1938).

Além do dia 8 ser destinado ao Dia da Mulher, estaria fazendo 100 anos.

Acidentes x Carnaval

As estatísticas refletem aumento de acidentes e de mortes em estradas federais durante o Carnaval. Mais de duas centenas de óbitos. Em princípio estarrecem e parecem, em análise que pode ser apressada, a existência de descaso, especialmente quando se coloca o estado das rodovias como uma das causas ao lado da irresponsabilidade de motoristas.

No entanto um outro dado precisa ser contabilizado, para que seja estabelecida a devida proporção: 400 mil adquiriram o primeiro carro em 2010. Ou seja, MAIS 400 mil novos motoristas passaram a rodar por aí. Assim, falta uma avaliação que reflita esse número acrescido à frota anterior para a devida equação e possa ser compreendido se houve ou não aumento percentual de acidentes e mortes, em relação à frota.

No entanto, em números absolutos a tragédia é visível.

Em defesa das sogras

sogrinhaUm dos mais populares temas para piadas é a sogra, instituição relegada ao escanteio no imaginário nosso de cada dia. Outra instituição vem sofrendo ataques em razão de sua questionada atuação em alguns setores: as ONGs. (Inclua-se as que se apresentam contra o complexo intermodal).

No Paraná a ONG Associação Difusora de Treinamentos e Projetos Pedagógicos-Aditepp, que atua há 40 anos em defesa dos direitos da mulher e da geração de renda, iniciou campanha para melhorar a imagem da sogra. Detalhes em http://www.advivo.com.br/ (A campanha em defesa das sogras, de 7 de março).

Como diria Stanislaw, pelo heterônimo Tia Zulmira, tem ONG para tudo.

Da série Lula aí

LulaíPara a coreana LG Lula palestra recebendo 200 mil. Quem o diz é a Folha de São Paulo: “Lula estréia em palestras com maior cachê do país” in http://www.conversaafiada.com.br do dia 2 de março.

O cachê de FHC é de US$ 50 mil o que representa 80 mil reais, a não ser que o tucano tenha por referência aquele dólar que chegou a quase 4 reais. Na época dele.

E para completar – “Pela contribuição ao desenvolvimento da civilização global” – ainda premiaram o operário com o Gorbachev lá na Rússia.

Lula estará ao lado de outros agraciados: o cineasta Stevie Spielberg, o cientista Tim Berners Lee, o empresário Martin Cooper, o filósofo e sociólogo alemão Jürgen Habermas, o engenheiro Evans Wadongo, entre outros.

Não esquecer que foi o homem mais influente do mundo para a revista Time, em 2010, por "mudar o mundo no início do século XXI ao dirigir o renascimento de seu país”.

Que tristeza ser somente príncipe dos sociólogos. Não é crueldade o desespero, como chargeia o Paulo Henrique Amorim.

FHC suicideReforma política

Em tempos de anunciada reforma política, que mobiliza as duas casas do Congresso, tanto que cada uma montou a sua comissão, elevamos destas plagas grapiúnas uma proposta: incluir a urna eletrônica na discussão, no que diz respeito à impressão do voto.

Fazemo-lo em defesa de um direito inalienável, atualmente surrupiado: o de recontagem dos votos, em caso de dúvida.

Evaldo Gouveia

Homenageado no Carnaval de Fortaleza 2011 encontra o relançamento de sucessos em CD (O Trovador) patrocinado pela Prefeitura da capital cearense com releituras que vão de Elba Ramalho a Lenine e Leny Andrade a Zé Renato, passando por Dominguinhos e Jane Duboc. Os da geração nunca esquecem a sua parceria com Jair Amorim.

Evidentemente um tributo à importância da obra, revestida de diversidade e grande beleza. De nossa parte o fazemos, neste rescaldo de Carnaval, oferecendo a bela marcha-rancho que nomeia o CD (aqui na voz de Altemar Dutra).

Itororó I

Militante petista da terra da carne de sol, também insatisfeita com os rumos oferecidos por Adroaldo Almeida, à imagem da administração, defende a sua reeleição como única alternativa a inviabilizar o retorno de figuras ou grupos que não seriam muito afeitos ao trato ético com os dinheiros do erário.

Essa visão reflete a que estágio chegou o política em Itororó. Fique-se com o menos pior.

Itororó II

Na sua avaliação Adroaldo teria cacife para assegurar a reeleição, considerando os aspectos positivos em sua gestão. Pode, no entanto, errar, quando deixa de considerar a possibilidade de união das oposições para afastar o atual prefeito que, por sinal, para elas é o melhor adversário. O que já aconteceu recentemente: na eleição presidencial Dilma venceu no primeiro turno com cerca de 400 votos e perdeu o segundo com 800.

Carnaval

O Carnaval de Salvador, referência no passado, com históricos encontros de trios na Praça Castro Alves, buscou espaço – encontrou a orla – e perdeu a cabeça. Do jeito que a coisa anda, ao lado da qualidade lítero-musical do cancioneiro momesco baiano, é caminho para o despenhadeiro.

Com ampla possibilidade de se transformar num novo espaço para a festa do peão. A considerar o que anda em cima dos trios Barretos que se cuide!

Eleições

É visível o crescimento do Partido Progressista, participando do Ministério Dilma com o baiano Mário Negromonte. O que não pode ser esquecido é o vínculo histórico de muitos integrantes do PP baiano.

E naturalmente os ciúmes e temores diante de exemplos recentes em outros partidos.

PDB

Em andamento a criação do Partido Democrático Brasileiro-PDB por Gilberto Kassab, prefeito de São Paulo, neste mês de março. Poderá reunir insatisfeitos não somente da oposição, inclusive na Bahia. Dito partido, dizem os analistas, poderá engrossar a base do governo, no instante em que se fundir ao PSB ou ao PMDB.

Afirmam os fundadores, no entanto, que a agremiação “deve entrar para a história política como uma espécie de terceira via” e que já teria figuras como o governador Raimundo Colombo (DEM-SC), Omar Aziz (PMN-AM), o vice-governador de São Paulo Guilherme Afif Domingues (DEM) e a senadora Kátia Abreu (DEM-PA) dentre os fundadores. Na Bahia Paulo Magalhães.

Particulares atenções ficam por seus futuros integrantes em Itabuna.

Regra três

Em andamento o projeto Fernando Gomes 2012. A possibilidade de Sandra Neilma assumir função na administração municipal em área que trata de comunidades pode configurar não somente a ampliação da participação fernandista no governo Azevedo mas, concretamente, a ocupação de espaços que possam gerar visibilidade eleitoral.

O resto fica na esteira da publicidade. Que também se faz através de rádio.

Renato

A propósito do “Regra três” acima, a considerar que FG exerça o controle sobre o PMDB itabunense vai ficando mais difícil para Renato Costa ocupar espaços.

Pelo andar da carruagem, nem vice.

Jequitibá

Volta à ordem do dia o calor na praça de alimentação do Jequitibá, tornando-a sauna em alguns instantes.

Considerando que Itabuna já é pólo de distribuição de gás, o que viabiliza a instalação de indústrias, sugerimos algumas de futuro promissor, tendo como consumidor garantido o freqüentador da praça de alimentação: uma indústria de abanos e outra de leques.

Itão

A loja recentemente inaugurada no São Caetano tem primado pela qualidade: da oferta de produtos às instalações, ressalvadas as goteiras em dias chuvosos.

Até que o cliente precise de uma toilette (banheiro mesmo). Aí precisa pedir a chave, caminhar pelo estacionamento, curvar em direção ao pátio de descarga e descobrir 50 a 60 metros depois o aliviador.

Em tempos em que a defesa de interesses do consumidor se eleva a ponto de exigir sanitários até em agências bancárias o Itão trabalha contra o seu consumidor.

Imagine o cliente aperriado (como dizem em Pernambuco) em dia de chuva.

Um consumidor, por nós ouvido, vivendo a cultura da segurança pública itabunense ainda ponderou: – O senhor já imaginou o risco de o freguês ser assaltado no trajeto entre a loja e o sanitário?

Tem razão!

Não é anedota II

Da série, iniciada na edição anterior, de nomes de novas agremiações religiosas, surgidas para o mundo só em 2010. Outras pérolas: Igreja Batista a Paz do Senhor e Anti-Globo; Cruzada Evangélica do Pastor Waldevino Coelho, a Sumidade; Igreja Caverna de Adulão; Assembléia de Deus Batista a Cobrinha de Moisés; Igreja Bailarinas da Valsa Divina; Igreja Quadrangular o Mundo é Redondo.

Continua na próxima semana.  
 

FICC e o oba-oba!

A alegada falta de recursos tem sido tônica na Fundação Itabunense de Cultura e Cidadania para justificar a negativa de apoio a muitos projetos locais, ensaiados por jovens de comunidades diversas. No entanto, não faltam recursos para mirabolantes projetos como trazer a Sinfônica para o dia da cidade, documentários cinematográficos etc. ou estranhos monumentos.

A propósito soam os passarinhos: em andamento um documentário sobre Jorge Amado e Ferradas. Coincidência ou não pode recair sobre a mesma pessoa que já realizou um outro para a mesma FICC.

Trocando em miúdos. É possível que tenhamos menos Jorge Amado e muito mais Cyro de Mattos falando do ferradense.

Por essas e outras, se auditarem as despesas da FICC podem surgir coisas interessantes. Inclusive a razão para certas dispensas de licitação.

Jornal Itabuna, Cultura & Arte

Descansado do Carnaval a 6ª edição do eletrônico Jornal Itabuna, Cultura & Arte. Não fora nova colunista – Samira Sarah – discorrendo sobre Firmino Rocha, lá estão Antonio Naud Junior e Geny Xavier e interessantes informações do mundo artístico regional no “Dedo de Prosa” com Eva Lima: novo filme rodado em Itajuípe (do diretor francês Bernard Athal), os 50 anos de rádio de Orlando Cardoso, o  “Versando Cantorias” do compositor Wilson Aragão, Nehele Franke e a FUNCEB, a produtora Diana Gurgel.

______________

Cantinho do ABC da Noite

cabocoTenha-se como idiossincrasia alencarina a igualdade de todos no universo abecedarino. No entanto, a indignação de Alencar de logo se expressa diante de certos lugares comuns, fruto de citações de “intelectuais de almanaque”.

Um da estirpe bebericava e expunha erudição, sob o crivo do olhar do vendeiro. Não tardou a soltar sapiência:

– O homem é produto do meio...

– ...das pernas, Cabôco – interrompeu Alencar, dando por finda a erudição socióloga.

_________________

Adylson Machado é escritor, professor e advogado, autor de "Amendoeiras de outono" e " O ABC do Cabôco", editados pela Via Litterarum

Fala, leitor

Domingos Matos, 27/02/2011 | 21:17
Editado em 27/02/2011 | 21:20

Moradores do Nelson Costa na bronca com a Embasa

Em nome dos moradores do Bairro N. Costa e em especial, das ruas Bem me Quer, n° 430, Av. Lótus n° 511, Rua Gardênia (Bar do Hamilton), Rua Jasmin, Men de Sá, Eucário Bastos, Margarida e Hortência, dentre muitas outras, expressar a nossa indignação em relação à constante "FALTA DE ÁGUA" que vem ocorrendo em nosso bairro.

Várias reclamações já foram feitas no Escritório Local da EMBASA em Ilhéus, mas, contudo, sem resolução do problema. A água é um bem precioso para a vida humana.

Acontece que por muitas noites fiquei sem tomar banho por falta de água; imagine a situação das crianças e idosos, pois quando a água não falta, não tem força para subir até o tanque e temos que carregar água no balde por vários dias.

A indignação dos moradores é grande com este descaso por parte da EMBASA e das autoridades públicas que não toma providência quanto a falta de água em nosso bairro.

Por isso, queremos que divulgue em seu Blog esta falta de respeito com os moradores do bairro Nelson Costa, uma vez que eles estão tratando com gente e não com animais!

JOSÉ REIS RAMOS

Acesse com seus dados:

ou
Ainda não tem acesso?
Registre-se em nosso Blog.