Tag: bandidos

Bandidos roubam dinheiro de funcionários após não acharem armas em fórum de Ilhéus

Domingos Matos, 12/11/2019 | 17:36

Assaltantes invadiram o Fórum Epaminondas Bebert de Castro, na cidade de Ilhéus, no sul da Bahia, na manhã desta terça-feira (12). Não há informações sobre quantos homens participaram da ação.

Por volta das 7h, alguns suspeitos abordaram uma funcionária do fórum quando ela entrava para trabalhar. De acordo com ela, a intenção dos bandidos era roubar as armas que ficam no fórum, mas ela não sabia onde essas armas estavam guardadas.

Em seguida, os assaltantes levaram uma quantia em dinheiro dos quatro funcionários que estavam no local. A administração do fórum procurou a polícia e registrou o Boletim de Ocorrência na Delegacia de Furtos e Roubos de Ilhéus.

De acordo com a polícia, apenas um homem estava encapuzado. No momento em que eles entraram e abordaram os funcionários, eles pediram para que todos os funcionários ficassem de cabeça baixa para que o rosto deles não fosse reconhecido.

Além do dinheiro dos funcionários, os bandidos levaram também uma câmera de segurança do fórum. De acordo com algumas testemunhas, não é a primeira vez que tentam roubar as armas que ficam guardadas no fórum. (Com informações do G1)

 

ABI aprova moção de solidariedade a jornalista Lo-Hanna Magnavita

Domingos Matos, 12/09/2019 | 12:22

A Associação Bahiana de Imprensa – ABI, aprovou por unanimidade na quarta-feira (11), moção de solidariedade à jornalista Lo-Hanna Magnavita, demitida pela TV Cabrália (Rede Record) após se envolver em conflito com um policial militar, que causou repercussão nacional.

Confira, na íntegra, a Moção: 

A diretoria da Associação Bahiana de Imprensa, reunida na manhã de 11 de setembro de 2019, por unanimidade, aprovou a presente moção de solidariedade à jornalista Lo-Hanna Magnavita, demitida pela TV Cabrália (Rede Record) após se envolver em conflito com um policial militar à paisana e fora de serviço.

Lo-Hanna questionou a abordagem agressiva e excessiva do PM a um adolescente que teria furtado dois pacotes de biscoitos de um super-mercado, fato gerador do conflito que se seguiu envolvendo seu marido, repórter cinematográfico da mesma emissora, com trocas de agressões físicas, tendo, inclusive, o policial sacado sua arma.

Iniciativa de autoria desconhecida expôs a imagem da jornalista em redes sociais e grupos de aplicativos de trocas de mensagens com a inscrição “defensora de bandidos”. O casal passou a sofrer agressões verbais e ameaças e, por cautela, foi obrigado a restringir sua circulação pela cidade.

Afastada inicialmente das atividades na emissora a pretexto de preservá-la, a profissional foi desligada da empresa em 10 de setembro, sendo a única parte punida em razão do ocorrido. A ABI se solidariza com a jornalista, ao tempo em que clama pela revisão da decisão da Rede Record e pela solidariedade dos comunicadores baianos.

Salvador, 11 de setembro de 2019

Homem sequestrado em Porto Seguro é encontrado morto

Domingos Matos, 09/09/2019 | 10:20

O homem sequestrado por bandidos, por volta das 9h30 da manhã de sexta-feira (06), foi encontrado morto, entre os municípios de Eunápolis e Itagimirim. O corpo de Luís Carlos Ferreira Ramos, 33 anos, foi localizado no meio da manhã de sábado (7), em um ramal às margens da Estrada da Veracel e a dois quilômetros da BR-101. Havia diversas perfurações de arma de fogo. 

Luís Carlos foi sequestrado por três bandidos encapuzados e fortemente armados, enquanto inspecionava uma obra na região do Projeto Embiruçu de Dentro, na zona Rural de Porto Seguro. Os bandidos o levaram em seu próprio carro, o Audi blindado. O veículo foi abandonado poucas horas depois, próximo ao trevo da BA-001 e da BR-367, parcialmente incendiado. Para a polícia, a quadrilha continuou a fuga em outro carro. 

Luís Carlos havia saído há pouco tempo do presídio, onde cumpriu parte de condenação do tráfico de drogas. Segundo a polícia, ele era investigado por seu um dos principais distribuidor de drogas da região. Em julho de 2017, a polícia 'estourou' um laboratório de refino de drogas que ele e outro homem mantinham em uma casa no bairro Dinah Borges, na cidade de Eunápolis. Os dois foram presos no local. A ação resultou, ainda, na apreensão de 10 quilos de pasta base de cocaína e crack e mais de 75 quilos de maconha. (Radar64)

Bandidos tentaram subornar policiais com R$ 12 mil

Domingos Matos, 04/09/2019 | 15:37

Quatro criminosos foram presos em Catu, na região de Alagoinhas, por equipes da 95ª Companhia Independente da Polícia Militar (Catu) e da Companhia Independente de Policiamento Especializado (Cipe/Litoral Norte), depois de flagrados com armas de fogo e de tentarem subornar os integrantes das guarnições, oferecendo-lhes R$ 12 mil para serem liberados. O caso ocorreu na segunda-feira (2).

Moisés Norberto, 27 anos, Gabriele Teixeira de Alcântara, 23, Joadson Oliveira Lima, 23, e Renildo Mendes de Jesus, 19, foram encontrados com três pistolas – duas .40, e uma 9 mm – munições e uma certidão de nascimento falsificada.

"Um deles, quando abordado, apresentou um RG falso e, em seguida, telefonou para os comparsas, pedindo para que trouxessem mais dinheiro, objetivando subornar as guarnições”, contou o comandante da 95ª CIPM, major Inard Sampaio de Almeida, acrescentando que o grupo, encaminhado para a Delegacia Territorial de Catu, foi autuado por falsa identidade, associação ao tráfico e porte ilegal de arma de uso restrito.

 

Bandidos atiram em ônibus de banda em Camamu

Domingos Matos, 12/08/2019 | 12:28

O grupo musical baiano O Poeta passou por momentos de tensão na cidade de Camamu, localizado na Costa do Dendê, litoral sul do estado da Bahia. O ônibus da banda foi atacado por ladrões que tentaram praticar um assalto e dispararam contra o veículo. Todos os músicos ficaram jogados no chão durante a tentativa de roubo. “O nosso ônibus foi acertado três vezes por tiros, mas ninguém ficou ferido. Entrou uma bala na direção do banco do motorista, mas ele não estava sentado lá”, afirmou o cantor John Ferreira, O Poeta, através de vídeos postados no instagram oficial do grupo.

John relatou que no momento do ataque eles foram salvos por uma viatura da Polícia Militar. “Infelizmente antes do evento a gente passou aqui uma situação de desespero. Nosso ônibus foi atacado por bandidos que tentaram assaltar nossos aparelhos e pertences, mas graças a Deus e uma guarnição que se aproximou rapidamente conseguiu conter os bandidos e estamos bem”, destacou o cantor da banda que ganhou visibilidade após lançar a música Saco de Pão da Cara. (Com informações do Correio)

 

Centro de Itabuna: Lojas Americanas é alvo da ação de bandidos

Domingos Matos, 13/06/2019 | 17:31

Quatro homens em um carro Fox vermelho invadiram, na madrugada desta quinta-feira (13), a Lojas Americanas, localizada em frente ao Restaurante Popular, centro de Itabuna.

Até agora o que se sabe é que o bando conseguiu levar do estabelecimento quatro televisores de 32 polegadas, além de outros eletrodomésticos menores.

Segundo informações, os suspeitos conseguiram derrubar a porta principal, utilizando o veículo em marcha a ré. A polícia Militar foi acionada, assim como a empresa que presta serviço de segurança à loja. 

De acordo com testemunhas, os bandidos, após o roubo, fugiram sentido Avenida Nações Unidas.

Mais de três meses após ação de bandidos, agência do Bradesco de Almadina continua fechada

Domingos Matos, 21/05/2019 | 11:32
Editado em 21/05/2019 | 17:48

Depois de mais de 100 dias que o Posto de Atendimento do Bradesco de Almadina foi explodido por bandidos, ainda não se sabe quando o estabelecimento será reestabelecido. As consequências são sentidas diretamente pela agência do banco em Coaraci, uma vez que todos os clientes de Almadina vão à cidade para resolver suas pendências por ser o local de atendimento mais próximo.

A agência de Coaraci é de pequeno porte, mas quantidade de pessoas que estão se dirigindo à cidade praticamente triplicou. A gerência da cidade já entrou em contato com a Diretoria Executiva do banco informando que a demanda está altíssima, principalmente nos dias de pagamento de aposentados e pensionistas, mas até o momento nenhuma medida foi tomada.

Segundo o Sindicato dos Bancários, o atendimento à população está prejudicado. "O ritmo de trabalho é alucinante: sobrecarga de trabalho por parte dos funcionários e reclamações por parte dos usuários de serviços bancários", afirmou a diretoria do 

Pastor Isidório condena decreto das armas e defende inclusão de egressos dos sistema penitenciário

decreto,Bolsonaro,Isidório

Domingos Matos, 10/05/2019 | 10:58
Editado em 10/05/2019 | 11:01

O deputado Pastor Sargento Isidório (Avante-BA) fez um ato na Câmara dos Deputados, em Brasília, em protesto contra o novo decreto do governo que libera armamento para algumas classes profissionais. Ele deitou no chão com a roupa manchada, simulando sangue, e uma arma na mão, que apontou para colegas e visitantes que passavam na Ala das Comissões, segundo a Coluna Esplanada. 

"Derramar sangue, é isso que o governo quer?", dizia um dos cartazes espalhados pelo chão. "Não é essa nação que queremos, nós não somos os EUA. Não somos americanos, somos cidadãos brasileiros, que queremos a paz", defende o deputado. "Agora vai estar todo mundo armado ali dentro, imagine o inferno que será essa nação, com todos os políticos armados, imagine a discussão da reforma da previdência, se por chamar o ministro de tchutchuca terminou daquele jeito... Imagine todo mundo armado".

Ele defendeu a inclusão social de ex-penitenciários. "Queremos um Brasil com educação. Com bandidos e marginais presos e aprendendo profissão, transformar os presídios em escolas agrícolas. Tirar os presídios dos centros urbanos e levá-los para onde tem terras agricultáveis... Os presidiários todos têm vontade de aprender uma profissão, estudar. Ao invés de matar, é bem melhor colocar para aprender uma profissão. Não existe pena de morte na nação", ressaltou.

Bahia: funcionário de banco tem explosivos presos ao corpo durante tentativa de assalto

Domingos Matos, 07/05/2019 | 15:49
Editado em 07/05/2019 | 15:54

Um funcionário de uma agência do Banco do Brasil de Muritiba, no recôncavo da Bahia, teve explosivos presos ao corpo e familiares feitos reféns durante uma ação de criminosos visando roubar a unidade, na manhã desta terça-feira (7).

De acordo com informações da Secretaria de Segurança Pública da Bahia (SSP-BA), no entanto, a polícia conseguiu fazer um cerco e os suspeitos fugiram sem levar nenhuma quantia.

As pessoas feitas reféns, que não tiveram identidades divulgadas, foram liberadas depois. Não há informações de feridos.

Os criminosos teriam abordado as vítimas na casa onde elas moram. Em seguida, colocaram os explosivos no corpo do funcionário, para que ele fosse até a agência sacar dinheiro para os bandidos. O plano, no entanto, foi frustrado pela polícia.

Agentes da 27ª Companhia Independente da Polícia Militar (CIPM) e CIPE Litoral Norte foram enviados ao local e os suspeitos decidiram fugir. Eles levaram alguns reféns e os libertaram depois, na saída da cidade.

Equipes do Esquadrão Antibombas do Batalhão de Operações Especiais (BOPE) também foram deslocadas para a cidade, para fazer a retirada dos explosivos do corpo do funcionário, que também não teve nome e idade divulgados.

A SSP informou que equipes do Departamento de Repressão a Combate ao Crime Organizado (Draco) já iniciaram as investigações para identificação dos suspeitos de envolvimento no crime. (Com informações do G1)

Policiais da Cipe Cacaueira recebem instruções do Bope

Domingos Matos, 11/02/2019 | 18:18

Trinta horas de treinamento intensivo fizeram com que oito praças da Companhia Independente de Policiamento Especializado (Cipe) Cacaueira aprimorassem os conhecimentos num curso de rastreamento e contrarastreamento, ministrado em Ilhéus, no Núcleo de Ensino e Instrução, pelo Batalhão de Operações Policiais Especiais (Bope), e encerrado na última quinta-feira (7).

Orientadas pelo soldado PM Élton Barbosa de Oliveira, as atividades, iniciadas na última terça-feira (5), contemplaram dois policiais de cada um dos quatro pelotões da Cipe Cacaueira. Segundo Barbosa, as noções de patrulhamento rural “transformam os policiais em verdadeiros atuantes da tropa de elite”.

O comandante da especializada, major Ricardo José Souza e Silva, afirmou que o curso ajudará o efetivo na localização de criminosos. “A maioria desses bandidos se esconde dentro das matas e rastrear seus passos facilitará a prisão”, declarou, observando que o contrarastreamento, que é uma proteção para a tropa, é aprendida ao longo do curso.

Ainda explicou que essa capacitação em parceria com o BOPE “aumentará a eficiência da tropa, elevando o grau de segurança nas operações, principalmente em relação a ataques a carros-fortes e roubos a banco”.  

A fama efêmera

Domingos Matos, 01/03/2018 | 08:05

Walmir Rosário

No regime democrático de direito costumamos a ver de tudo, das experiências científicas capazes de mudar o mundo para melhor aos experimentos empíricos sem qualquer valor, do mais sério ao simplesmente ridículo. Todos os que querem podem ter os seus cinco minutos de fama, efêmera, é verdade, mas os sujeitos conseguem aparecer, mesmo de forma negativa, do burlesco ao grotesco.

A qualquer notícia sobre determinado fato governamental – pelos entes governamentais – aparecem logo essas figuras que poderiam ser consideradas excêntricas, mas que se tornam despropositadas, insensatas, incoerentes. Agora, então, com o anúncio da intervenção na segurança do Rio de Janeiro, estão chegando aos montes. E o pior, ainda encontram guarida em determinados órgãos de imprensa apesar das asneiras que falam.

Na grande maioria das vezes, essas pessoas são formadas nas melhores faculdades, foram aprovadas em concurso público nacional ou estadual e ocupam cargos de relevância em instituições como o Ministério Público ou Defensorias. Também assim agem os expertos dirigentes de organizações não governamentais (que se alimentam do dinheiro público) e propalam serem defensores dos direitos humanos…

Direitos humanos de pessoas que se encontram fora da lei, os conhecidos bandidos que hoje aterrorizam a sociedade brasileira. Já essa parcela de pessoas de bem que não tem seus direitos respeitados estão fora dessa seleta lista. Estes não têm o direito de ir e vir, vivem trancados em suas casas, são assaltados ao pisar nas ruas, têm seus bens tomados de assalto, e mesmo que não esbocem qualquer reação são assassinados de forma fria e covarde.

No ridículo entender dessas pessoas, os policiais estão impedidos puxar sua arma e disparar um tiro em qualquer desses bandidos fortemente armados, e só podem agir assim no caso de só e somente só, de que tenham sido antes alvejados. Do contrário, serão processados na forma da lei e responderão criminalmente por ter alvejado e matado um bandido durante a defesa da sociedade.

Ainda bem que felizmente esse número de pessoas é inexpressivo e não expressa a vontade e a representatividade dessas instituições, criadas para defender o cumprimento da lei, a ação do Estado e de algumas categorias tidas como indefensas. Não dá para compreender o motivo de que para essas pessoas a vida de um policial, de um cidadão de bem vale mais do que a de quem manifesta o desejo e assume a manifesta vontade de roubar, traficar e matar.

De maneira deliberada, invertem-se os papéis: defendem os quais devem denunciar e denunciam os que atuam com a representação do Estado em defesa da sociedade, diga-se de passagem, cada vez mais desprotegida. Se essas pessoas somente se limitassem a falar, a expor suas ideologias, tudo bem, seria irrelevante, mas não se contentam com isso, denunciam os agentes da lei em processos escabrosos.

Não tenho a menor ideia do entendimento dessas pessoas em reverter a vontade da lei, desconhecer a filologia que estudou e interpretou os textos legais durante sua concepção, edição, apreciação e aprovação. A filologia é uma ciência reconhecida em todo o mundo para o estudo da língua expressada nos textos escritos, com a finalidade de não deixá-los dúbios e manter fielmente o espírito do que se queria dizer quando foram criados.

Por falar em espírito das leis, basta recorrer ao pensador, filósofo e magistrado Montesquieu (Charles-Louis de Secondat), na sua obra, “Do Espírito das Leis”, reconhecida e estudada em todo o mundo. Como um iluminista que foi, dissecou o papel dos regimes: tirania, monarquia e democracia, com seus fundamentos, respectivamente no medo, na honra e na virtude.

No livro décimo – Das leis em sua relação com a força ofensiva –, capítulo I, encontramos anotado: “A vida dos estados é como a dos homens; estes têm o direito de matar em caso da defesa natural; aqueles têm o direito de fazer a guerra para a sua própria conservação. No caso da defesa natural, tenho o direito de matar porque a vida me pertence, como a vida do que me ataca lhe pertence; do mesmo modo, um Estado faz a guerra porque sua conservação é justa como qualquer outra conservação”.

Na repreensão ao crime, como ocorre no Rio de Janeiro, onde políticos corruptos fizeram e ainda fazem pacto com os bandidos, a defesa da sociedade não deixa de ser uma guerra. E nessa guerra, as quadrilhas possuem as melhores armas e munições, as melhores localizações e subjugam toda a sociedade do entorno através do poder do medo e do dinheiro sujo das drogas e dos assaltos.

Na visão caolha de algumas desses pseudos defensores dos diretos humanos exclusivos dos bandidos, o se deparar com um criminoso com um fuzil ou uma metralhadora, o policial deve agir tal e qual como nos filmes de bang bang americanos e italianos. Antes de atirar, terá de dar o famoso grito de guerra: saque a arma! Para morrer não precisa tanto sacrifício.

Pelo que me parece, essas pessoas do contra são como alguns dos meus amigos de infância do bairro da Conceição, em Itabuna, que iam ao cinema somente para torcer pelos bandidos, com a única finalidade de nos contrariar. Entrava domingo e saía domingo nos filmes do cines Itabuna, Marabá, Catalunha, Plaza e Oásis, e eles sempre levavam a pior. Simples, o crime não pode compensar!

____________

Walmir Rosário é radialista, jornalista e advogado

Pataxós ameaçam retomar bairro em Itaju do Colônia

Domingos Matos, 26/11/2016 | 14:29
Editado em 26/11/2016 | 14:36

Moradores do bairro Parque dos Rios, em Itaju do Colônia estão assustados com a possibilidade de perderem suas casas. Índios da etnia Pataxó Hã Hã Hãe ameaçam com a retomada da área do bairro, que fica localizado nos limites de uma área de 54 mil hectares, objeto de conflito há mais de 50 anos. O local, totalmente urbanizado, abriga escolas, creche, academia, áreas de lazer, unidade de saúde, igrejas, mercados e padarias, e as casas existiriam no local há mais de 40 anos

O prefeito eleito de Itaju, Djalma Orrico (PSDB), antevendo o tamanho do problema que terá pela frente, levou comitiva a Salvador, para conversar com deputados dos partidos que deram sustentação à coligação da chapa vencedora, “Juntos Somos Mais”, no intuito de reivindicar segurança pelo bem-estar social e buscar soluções pacíficas entre as partes.

Djalma Orrico e o vice-prefeito eleito, Valério Aguiar, após contato com deputados, sugeriu uma visita da Comissão de Direitos Humanos da Assembleia Legislativa a Itaju. “Também mobilizamos a bancada federal a fazer alertas no Congresso sobre a causa, além de marcar audiência em Brasília com ministros da área, visando sensibilizar pela necessidade urgente de ações que promovam a paz e a ordem”.

Ausência

Há, como ingrediente agravante, a falta de segurança e a ausência de ações do município e do estado naquelas áreas, o que facilitou o aumento da violência no distrito de Palmira. “A violência ocorre em proporções desastrosas. Já ocorrerem troca de tiros em ruas e avenidas por bandidos que confiam na ausência do Poder Público para gozarem de total impunidade”, denuncia Orrico.

O prefeito eleito disse estar preparado para, “pelo bem do povo de Itaju, trilhar os caminhos árduos de administrar todas as mazelas e problemas que a cidade enfrenta. Esse é o nosso compromisso, a nossa vontade e será, se Deus quiser, a nossa marca: administrar para todos”.

(Publicado originalmente no Jornal Agora. Na foto, reunião com o deputado Zé Rocha)

Após lambança do impeachment, Teori afasta Cunha

Domingos Matos, 05/05/2016 | 08:36
Editado em 05/05/2016 | 10:09

Somente agora, após cumprir o script do acolhimento do pedido de impeachment contra a presidenta Dilma na Câmara e no Senado (neste último em hipótese a ser confirmada), o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Teori Zavascki, relator da Operação Lava Jato, determinou o afastamento do presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), do mandato de deputado federal e, consequentemente, da presidência da Casa.

Medida necessária pela sanidade - em sentidos de higiene e psiquiátrico - do parlamento brasileiro, mas bem que poderia ter sido adotada há bem mais tempo. Note-se que a decisão é em caráter liminar, forma de decisão que, em casos normais, é tomada com celeridade, para garantir o cumprimento da lei, enquanto o colegiado não julga o mérito.

Por falar em sanidade, Cunha está se comportando como Cunha: se recusando a receber a notificação do afastamento, escondido no banheiro de casa. Lembra, em muito, os bandidos pés-de-chinelo que a polícia prende no dia-a-dia das bocadas Brasil a fora.

Enfim, qualquer decisão contra as falcatruas de Eduardo Cunha deve ser comemorada. Ainda que com esse sentimento de que estão nos levando pra gongá...

Tentativa de arrombamento de caixa eletrônico do banco Santander de Itabuna

Domingos Matos, 13/01/2012 | 10:05
Editado em 13/01/2012 | 10:06

A agência do banco do Santander, localizada na praça Adami, centro de Itabuna, foi invadida por volta das 2h40min da madrugada desta sexta-feira (13).

Segundo a polícia, homens chegaram numa pick-up e tentaram arrombar os caixas eletrônicos, mas o alarme foi disparado, o que frustrou a ação dos bandidos.

Durante uma rápida investigação, a equipe comandada pelo delegado regional da polícia civil, Moisés Damasceno, nada foi levado.

Dentro da agência foi encontrada apenas uma lona preta provavelmente.

Ano passado, bandidos violaram os caixas eletrônicos do mesmo banco e a direção do Santander, na época, nada informou sobre a quantidade de dinheiro levado.

Uma mãozinha para os larápios

Domingos Matos, 13/01/2012 | 08:35
Editado em 13/01/2012 | 00:56

A proliferação de placas indicando a presença - ou  inteção de instalar - radares de fiscalização eletrônica nas estradas federais e algumas estaduais promete ser uma mão na roda. Claro, para o governo e para os bandidos, como assaltantes de cargas e ladrões de carros.

Um bom exemplo desse risco é a sinalização que indica a presença de radares - não se sabe se eles já estão operando - no treco da BR-101 entre o Posto Flecha e o Viaduto Fernando Gomes, em Itabuna. São pelo menos cinco placas, exigindo velocidade máxima de 40 quilômetros por hora, num trecho extremamente perigoso, que já abriga boa parte dos marginais e dos marginalizados itabunenses.

Claro que o que está ruim sempre pode piorar, já dizia o pessimista convicto. "Se esses radares forem instalados e os motoristas obrigados a trafegar em velocidade inferior a 40 quilômetros por hora, logo veremos a profissionalização do crime por aqui", observa o representante comercial Augusto Ribeiro.

Ele continua: "Por enquanto vemos muita prostituição infanto-juvenil, o que atrai o tráfico, mas tudo muito 'desorganizado'. Com a possibilidade de assaltos, a coisa tende a ficar mais complexa. Seremos assaltados até por ladrões montados em bicicletas", conclui.

É bom que se diga, porém: quando se fala de assaltos profissionailados não se inclui a indústria de multas operada pelo poder público. Esses são muito profissionais, mas bastante sutis.

Acesse com seus dados:

ou
Ainda não tem acesso?
Registre-se em nosso Blog.