Tag: bandos

Enfrentamento a bandos reduz roubo a bancos em 19%

Domingos Matos, 15/08/2019 | 19:42

Enfrentamento a quadrilhas especializadas em roubo a bancos conseguiu reduzir em 19% os crimes contra instituições financeiras no primeiro semestre de 2019, comparado ao mesmo período do ano anterior.

Em todo o estado, este ano, foram registrados 30 casos de roubos a bancos, sete a menos que em 2018. Essa queda fica ainda mais acentuada em Salvador, com apenas cinco casos contabilizados e o índice de –37,5%. Já no interior, foram anotados seis casos a menos, o que representa um decréscimo de 22,2%.

“Estamos há cinco anos com reduções consecutivas neste delito. Saímos de uma média de 22 para cinco casos por mês. Este ano tivemos mês com zero ocorrência”, lembrou o secretário da Segurança Pública do Estado, Maurício Teles Barbosa.

No mês passado, um bando procedente de Pernambuco e que praticava assaltos na Bahia e em outros estados foi localizado em Paulo Afonso, de posse de fuzis e de veículos roubados, previamente selecionados para facilitar a fuga. Um outro grupo criminoso foi identificado e preso em Luís Eduardo Magalhães, Oeste baiano, especializado em prática de assaltos e com atuação em cinco estados.

 

Preparados para o combate

A capacitação dos policiais no combate a esta modalidade delituosa é continuada. Unidades especializadas da Polícia Militar executam, ao longo do ano, atualizações de combate, rastreamento e contra rasteamento, além de participarem de instruções voltadas para operações complexas e de palestras.

A luta contra os assaltos a bancos também foi tema de mestrado do major PM Fernando Cardoso, lotado noBatalhão de Operações Policiais Especiais (Bope), defendido naEscola de Administração da Universidade Federal da Bahia (Ufba).

Em maio, durante evento que contou com a presença de representantes das polícias Civil e Militar, as forças de segurança do estado foram homenageadas pelo Banco do Brasil, pelo reconhecimento às operações preventivas e repressivas na preservação daquela instituição financeira.

 

Estreia - Jorge Araujo

Domingos Matos, 27/02/2011 | 13:22
Editado em 27/02/2011 | 13:27

A quem serve o Carná?

Jorge de Souza Araujo

Jorge AraujoNa sociedade do espetáculo que nos atravessa, a tudo tornando show e feira e festa e consumo de imagens, nem mesmo a Igreja se permitiu imunizar, consagrando os dois últimos papas em cerimônias coalhadas de pompa e circunstância, bem distante da franciscania comportamental dos cristãos primitivos. A resposta é uma só: a era midiática a tudo impõe um rito e as coisas simples quase se travestem em injúria, de tão heréticas já se assemelham a olhos gulosos de luz, cor, som e ação televisivo-cibernéticos.

Sob olhares complacentes dos governos, submetidos aos pulsos e compulsões de agências patrocinadoras de farras e índices, o custo de vida reajusta ao sem limite suas tarifas de abuso. Isso num modelo que não respeita sazonalidades quando o assunto é reajuste de salário. Bancos e banqueiros, empresas e empresários permanecem em berço esplêndido de impunidades e os usuários, desesperados, continuam buscando soluções para seus eternos problemas. Em vão, porque tais assuntos, sem pauta oportuna de novidades no front da mídia, não oferecem palatabilidade, aliás, assuntos desconformes quando tudo na vida é carnaval.

Vão me tachar de operador de ociosas arquitexturas ou macaco moreno em loja de conveniências. Corro o risco, mesmo em desacerto com os inúmeros contextos de elogios aos carnavais, com suas mais que azeitadas trezentas atrações, toneladas de decibéis, farelos de ilusões em meio a tantas ausências. Não suporto ser o idiota da objetividade, tampouco o consumista de subjetividades contrafeitas, mas não tenho como me furtar à pergunta insidiosa, face ao monte de declarações embevecidas dando conta do sucesso do empreendimento momesco, sobretudo os fora do período convencional. Afinal, a quem serve a festa?

Se as prefeituras estão falidas — conforme insistentemente acentuam vitoriosos alcaides em gloriosos dias de mandato —, como será possível encaixar tantas milhas de reais para paga das milhares de atrações, os tantos risos, tantas alegrias? Resta-nos concluir que carnaval é sempre carnaval — e se o povo só quer festa, tome-lhe delírio e êxtase, que a vida real anda muito difícil e o estresse da vida moderna precisa ser debelado com a queima de calorias no asfalto. Se falta pão na mesa do pobre, dê-lhe o pão do espírito na fartura do circo. Inda mais quando alguns mil palhaços se exilaram do salão da honradez, compactuando com o que antes execravam, em razão da loja-política de conveniências, que aponta todo ano como ano de redenções, tricas e futricas da moda, compreendem?

Carnaval tem glamour, mesmo em períodos fora do Carnaval — essa praga que toma conta do Oiapoque ao Chuí, desobrigando autoridades de um pouco de vergonha na cara suja de suas administrações —, asseguram-nos os peritos em festas populares. Mas prefeituras falidas, se têm dinheiro para assegurar a fortuna de bandas e bandos locupletários com desanuviadas inflexões financeiras em poucas horas de folia, por que resistem a cumprir outros roteiros culturais que salvariam da vergonha e do constrangimento escolas desalentadas, bibliotecas desaparelhadas, cidades sem circo real, sem cinema na praça, sem feiras de livro, sem teatro regular, sem galeria de arte, sem festivais de folclore, sem museu, sem agenda, sem calendário, sem política de cultura que não seja pré-, pós-, ou carnavais fora do contexto carnavalesco propriamente dito?

Resposta para as redações? Talvez não, que as redações estarão ocupadas com outro estilo de preocupação. Penso que as respostas deveriam ser encaminhadas ao Artista Popular, que nada de braçadas contra a correnteza, próximo da asfixia, mas com a responsabilidade e a altivez de agentes culturais que pensam na cultura como prática das liberdades públicas, liberdade de sonhar, de pensar, de ler, de aprender. Respostas também para as Academias de Letras, que parecem pertencer a uma insólita ordem dos mendicantes, tal sua sorte de dependência dos humores governamentais. Contas de luz, de água, do telefone em desuso? Paguem os sócios, imortais que só o são porque não têm onde cair mortos. Circos, Folias, Festas Populares? Matemos uma vez mais os idealistas que, como pedras que rolam na estrada, imaginaram cidades como Atenas redivivas, a revigorar de ânimo os trabalhadores pelas causas da cultura sem adereços.

E quanto ao pré, durante ou pós-carná, que felizmente não mais me rompem os tímpanos com sua fúria sonora e seu gostinho de repetição até à náusea, a quem é que eles servem em cidades sem folgas financeiras para grandes projetos? Servem a quem deles se servem e cevam, comendo a carne e lambuzando os ossos, conforme a praxe.

Jorge de Souza Araujo é poeta, ficcionista, ensaísta e dramaturgo, mestre e doutor em Literatura Brasileira pela UFRJ, Professor Adjunto da UEFS, tem 35 livros publicados

Acesse com seus dados:

ou
Ainda não tem acesso?
Registre-se em nosso Blog.