CMVI

Tag: buscas

Polícia de Minas faz buscas e apreensões na sede do Cruzeiro

Domingos Matos, 09/07/2019 | 17:31

A Polícia Civil de Minas Gerais cumpriu, hoje (9), mandados de busca a apreensão na sede do Cruzeiro Esporte Clube e nas casas de dirigentes do clube, em Belo Horizonte. A diretoria do time é investigada por supostas transações fiscais irregulares e lavagem de dinheiro na Operação Primeiro Tempo.

Os agentes também estiveram no galpão da torcida organizada Máfia Azul, além das residências do presidente do Cruzeiro, Wagner Pires de Sá, do vice-presidente, Itair Machado, e do diretor-geral,

Sérgio Nonato. De acordo com a corporação, cerca de 100 agentes participaram das diligências. Os detalhes não foram divulgados porque a investigação está em segredo de Justiça.

As supostas irregularidades no Cruzeiro foram divulgadas primeiramente, no mês passado, pelo Programa Fantástico, da Rede Globo.

Em nota divulgada à imprensa, o clube afirmou que apoia as investigações.

"A diretoria do Cruzeiro Esporte Clube vem a público manifestar seu apoio às apurações das denúncias feitas pelo programa Fantástico, da Rede Globo, no dia 26 de maio passado. O clube informa que entregou às autoridades toda a documentação solicitada para a investigação. Lamentamos apenas que este fato esteja acontecendo exatamente às vésperas de uma decisão importante na Copa do Brasil. O Cruzeiro Esporte Clube informa que continuará à disposição das autoridades competentes para quaisquer tipos de outros esclarecimentos necessários", diz a nota. (Com inforamções da Agência Brasil)

Operação São João: Detran e PM focam no combate à combinação de bebida e direção

Domingos Matos, 17/06/2019 | 15:53
Editado em 17/06/2019 | 15:54

O Departamento Estadual de Trânsito (Detran) e a Polícia Militar da Bahia (PMBA) lançaram a operação São João 2019, na manhã desta segunda-feira (17). Uma blitz educativa foi montada na saída de Salvador, na ligação com a BR-324, quando foram realizados exames de alcoolemia, além de verificação de documentos e buscas, com auxílios de cães, nos veículos abordados. A operação do período junino faz parte da campanha “Paz no Trânsito” e ocorre, simultaneamente, na capital, região metropolitana e mais dez cidades do interior que recebem um grande volume de pessoas nos dias de festas.

O objetivo é combater a combinação de bebida e direção, para a  redução do número de acidentes, além de coibir o tráfico de drogas e armas. Segundo o diretor geral do Detran, Rodrigo Pimentel, serão utilizados cem profissionais do órgão nas operações que seguem até o dia 25 de junho. “O Detran trabalha integrado com a PMBA o ano todo, mas em eventos como o São João, em que há aumento expressivo de veículos nas rodovias, a gente intensifica essa parceria. Com isso, conseguimos realizar maior número de fiscalizações e trazer mais segurança para o cidadão. Iremos atuar nos grandes centros com blitzes de alcoolemia e verificação da situação dos veículos”, explicou Pimentel.

Já a Polícia Militar terá um efetivo de mil policias atuando na operação conjunta com o Detran. Destes, 200 estarão na capital e mais 800 espalhados por mais de dez cidades do interior. Além disso, a PM terá um efetivo de 20 mil policiais que cuidarão da segurança das pessoas que forem curtir os festejos de São João. O comandante geral da PMBA, coronel Anselmo Brandão, destacou a contribuição das operações. “Já entramos na semana dos festejos e adotamos logo essa ação preventiva realizada hoje com o Detran. É um trabalho de prevenção, para preservar vidas. Vamos fortalecer bastante questões ligadas ao combate do uso de bebidas no trânsito, ao uso de cinto de segurança, porte ilegal de armas entre outros. Mas é importante citar que as blitzes também têm um caráter de repressão para evitar que o crime circule nas rodovias”.

O coronel acrescentou que, no interior, as operações irão se concentrar nas principais vias que dão acesso às grandes festas de São João. “A tecnologia também estará presente e contaremos com uso de drones e radares móveis que são ferramentas que nos auxiliam e dão maior sensação de segurança para a sociedade. Em Amargosa, por exemplo, teremos uma central de controle de reconhecimento facial. Ainda utilizaremos os cães na busca por drogas e outros objetos.”, concluiu.

O aparato tecnológico também está presente nas ações realizadas pelo Detran. O órgão utilizará, de forma itinerante, dois equipamentos de reconhecimento de caracteres (OCR), que auxiliarão na identificação de veículos com algum tipo de restrição. O coordenador de fiscalização do Detran, capitão Márcio Santos, explicou o funcionamento do OCR. “O equipamento possui uma câmera de longo alcance em que a gente determina o foco de acordo com a via e abordagem montada. Com isso, conseguimos ter tempo hábil para parar o veículo identificado pelo aparelho e que apresente alguma irregularidade”.

Polícias Militar  e Federal encontram meio milhão de cocaína escondido em lixão

Domingos Matos, 09/04/2019 | 12:38

Cerca de meio milhão de reais em cocaína foi encontrado escondido, dentro de um lixão, por equipes das Rondas Especiais (Rondesp) Atlântico da Polícia Militar e da Polícia Federal. O flagrante aconteceu, na região do Ogunjá, no final da tarde de segunda-feira (8).

Uma denúncia de tráfico de drogas chegou ao conhecimento da PF, que imediatamente acionou guarnições da Rondesp Atlântico. A informação anônima indicou que um homem chegou com uma sacola grande e escondeu em um lixão, próximo do Crea, no Vale do Ogunjá. 

Após vasculharem o espaço, os PMs acharam o saco com tabletes de cocaína pesando aproximadamente 21 kg. Buscas foram realizadas à procura do traficante, mas sem sucesso. A droga foi apresentada na Superintendência Regional da PF.

"Mais um caso de parceria entre as forças estadual e federal. Na Bahia a integração falada nos discuros, acontece também na prática", enfatizou o comandante do Policiamento na Região Integrada de Segurança Pública (Risp) Atlântico, coronel Francisco Kerjean.

 

Turista de Brasília é estuprada e agredida durante passeio em Maraú

Domingos Matos, 11/02/2019 | 10:20
Editado em 11/02/2019 | 10:49

Uma turista de Brasília foi estuprada e agredida por um homem não identificado, quando estava realizando um passeio em uma praia de Maraú, no sul da Bahia, região muito procurada por visitantes no verão.

De acordo com informações da Polícia Civil, o caso ocorreu no domingo (10), na Praia da Ponta do Mutá (foto). A vítima não teve identidade divulgada. A mulher prestou depoimento no domingo, na Delegacia de Turismo de Ilhéus, e foi submetida a exame.

Segundo a 7ª Coordenadoria de Polícia Civil do Interior (Coorpin/Ilhéus), a turista foi surpreendida por um homem moreno e magro, de aproximadamente 25 anos, com cabelo raspado, e que estava usando camiseta vermelha.

A vítima, conforme a polícia, tentou se livrar do criminoso após ser atacada, mas foi agredida com socos e chutes, antes de ser violentada sexualmente.

Policiais Militares de Barra Grande foram acionados para atender a ocorrência e fizeram buscas na região, mas não conseguiram localizar o suspeito. (Com informações do G1)

Polícia descobre 30 mil pés de maconha 

Domingos Matos, 07/01/2019 | 10:40

O 20º Batalhão da Polícia Militar (Paulo Afonso) localizou 30 mil pés de maconha no município de Abaré, a 528 km de Salvador. Através de uma denúncia anônima, os policiais receberam informações de que José de Arimateia Lucas Caldas, conhecido como 'Bey Ricardo' 38, cultivava plantações de maconha na localidade do Rio Pequeno. Segundo informações da Polícia Civil, o dono da droga é um homem de prenome 'Tony'.  O caso aconteceu semana passada.

“Estamos desenvolvendo Operação Paz no Sertão para combater os assaltos a cargas. Há dois meses não é registrada esse tipo de ocorrência, mas recebemos uma denúncia sobre essa roça de maconha”, disse o coronel Calos Humberto, comandante do 20º BPM.

Os militares realizaram buscas nos povoados de Icozeira e Pambu com o objetivo de encontrar 'Tony'. Sem sucesso, seguiram para o local informado por 'Bey Ricardo', onde foram encontradas duas roças de maconha, totalizando 30 mil pés, posteriormente incinerados.

O criminoso foi apresentado na Delegacia Territorial de Abaré e autuado em flagrante por tráfico de drogas.

 

Casal desaparecido em Floresta Azul foi assassinado; tio do rapaz foi preso

Domingos Matos, 28/06/2016 | 10:51
Editado em 28/06/2016 | 11:01

Foram encontrados agora há pouco os corpos do jovem casal Isabela Regis (18 anos) e Edson "Jipe", moradores de Floresta Azul. Segundo as primeiras informações, os corpos foram encontrados enterrados no quintal de uma residência naquela cidade. Um tio do rapaz, identificado inicialmente por "Ricardo" acabou preso, suspeito da morte dos dois. Ele estava ajudando nas buscas.

A última vez que amigos em que foram vistos foi na madrugada de quinta para sexta-feira (23 para a 24 de junho), na praça do Jardim Encantado, no centro da cidade. Isabela estava em companhia do namorado.  Segundo amigos o casal foi visto por volta das 4h30min, na agência de ônibus da cidade.

Ao lado, a foto retrata, possivelmente, a última imagem em vida do casal, na noite de São João. Ainda hoje, mais informações.

 

Polícia Federal faz buscas na Câmara e nas casas de Loiola e Kleber

Domingos Matos, 13/12/2011 | 08:27
Editado em 13/12/2011 | 09:13

pf na camarapf em kleberComo é típico nas ações da polícia federal, pouca coisa se sabe sobre as diligências que estão sendo feitas agora pela manhã em Itabuna. Mas, pelos endereços que três viaturas da força policial escolheram para estacionar nas primeiras horas dessa terça-feira (13), fica até fácil imaginar o que querem os agentes.

Como ninguém saiu (ainda) preso nas três locações (Câmara de Vereadores e as residências do vereador Clóvis Loiola e do ex-diretor da Câmara, Kleber Ferreira - foto ao lado), as ações se concentram em buscas de provas do esquema que ficou conhecido como Loiolagate, um mega-desvio de dinheiro público, consumado, entre outras vias, pela fraude em empréstimos consignados na rede bancária de Itabuna.

Como se sabe, a PF só atua em casos de crimes federais. No caso do Loiolagate, isso seria configurado pelo envolvimento de recursos federais - teriam havido empréstimos fraudelentos na Caixa e no Banco do Brasil. O Ministério Público estadual também atua no caso, que inicialmente foi conduzido pela promotora Thiara Rusciolelli.

(Fotos: O Trombone)

Teleanálise: ''Da tragédia ao escândalo''

Domingos Matos, 26/06/2011 | 15:58
Editado em 26/06/2011 | 16:40

Malu Fontes

maluO que era apenas uma tragédia (o que já não seria pouco) na noite da sexta-feira 17 no mar de Porto Seguro, foi se transformando, ao longo da semana, em um escândalo político com direito à multiplicação de especulações, versões e pautas nas grades dos telejornais e nas páginas jornais do país. No início da noite da fatídica sexta, um helicóptero transportando seis pessoas e pilotado pelo empresário Marcelo Mattoso de Almeida, dono de um hotel resort em Trancoso, caiu no mar, matando todos. Provavelmente a tragédia permaneceria enquadrada tão somente como tal se, entre os mortos, não estivessem um piloto com habilitação vencida há seis anos, usando o nome de outro para voar, a mulher de um dos maiores empreiteiros de obras públicas do país e a namorada de um dos filhos do governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral.

O diabo, como se sabe, mora nos detalhes e adora brechas para urdir tramas. Imediatamente após o anúncio de que a namorada do filho do governador estava no vôo, telejornais anunciaram que Cabral viajara a Porto Seguro para acompanhar as buscas. Ah, tá. A mentira e suas pernas curtas deveriam ter respeitado a circunstância fúnebre. Só essa informação falsa da viagem posterior à tragédia já seria capaz de causar uma calça justa. Mas, descobriu-se em seguida, que ele não apenas já estava em Porto Seguro como seria um dos próximos a embarcar na aeronave nas próximas viagens que a aeronave ainda faria naquela noite entre Porto Seguro e Trancoso, onde a família do governador ficaria hospedada no resort do piloto-empresário morto.

FAXINAÇO - Por que a mentira da assessoria do governador? Por duas razões, ambas nem um pouquinho republicanas, para usar o verbete da modinha entre a classe política: primeiro, Cabral havia viajado no super jato Legacy, emprestado por ninguém menos que o multibilionário Eike Batista (que além de ter trocentos contratos com o governo do Rio revelou-se, justamente no meio das tramas descobertas após a tragédia, beneficiário de outros trocentos incentivos fiscais no RJ); depois porque o governador havia viajado para a festa de aniversário de Fernando Cavendish, o dono da Delta Construções, a construtora com maior poder de fogo em contratos e obras sem licitação no Rio, coisa de milhões e milhões, incluindo irregularidades nas obras de reforma do Maracanã.

Por fim, Cabral iria hospedar-se na fazenda resort de Mattoso, um ex-doleiro acusado de fraude cambial e crime ambiental por sua empresa no Rio, a First Class. Portanto, amizades, circunstâncias e freqüências perigosíssimas, sobretudo para um governador que sai de casa às escondidas num fim de semana, de carona e bancado por empresários com contratos sob suspeita em sua gestão, deixando para trás o secretário de Segurança Pública, José Mariano Beltrame, incumbido da nada leve tarefa de fazer mais um faxinaço de traficantes, com ampla cobertura midiática, claro, no morro da Mangueira. Enquanto as câmeras mostravam a Mangueira, a privacidade e os laços íntimos entre o governador e os empreiteiros estariam protegidos num paraíso na Bahia. Uma fatalidade pôs tudo escancarado.

QUEM MANDOU – Depois de ter saído do enquadramento de notícia trágica, migrado para as hostes dos escândalos políticos, chegado às editorias de economia (por conta das benesses fiscais de Eike Batista e do pulo do gato no volume de contratos da Delta nos últimos anos sob a gestão de Sérgio Cabral, o assunto ganhou na quinta-feira contornos judiciais. O Ministério Público da Bahia decidiu que quer porque quer saber como e porque os corpos da seis vítimas financeiramente empoderadas do acidente (a exceção foi uma babá, enterrada na Bahia) foram trasladadas para o Rio em aviões da Força Aérea Brasileira (FAB). Por que o custeio da missão foi feito pelos cofres públicos e não pelas famílias das vítimas, como é o padrão. O Ministério Público quer saber do Comando Aéreo Regional de onde partiram as ordens.

Diante de um folhetim desses, com contornos trágicos, policiais, econômicos, políticos e jurídicos, que seja longa a vida do jornalismo impresso. Os telespectadores de notícias não ficaram sabendo dessa missa a metade. Resta o questionamento nem um pouco impertinente: se a TV não aborda um fato como este sob todas as variáveis contidas nele, não o faz porque sua própria natureza informativa dificulta a tradução para o público médio ou por que os laços de Cabral não são fortes apenas com os Cavendishes e os Eikes da vida?

Malu Fontes é jornalista, doutora em Comunicação e Cultura e professora da Facom-UFBA. Texto publicado originalmente em 26 de junho de 2011, no jornal A Tarde, Salvador/BA. maluzes@gmail.com

Capitania dos Portos investiga desaparecimento de mergulhador

Domingos Matos, 08/01/2011 | 21:40
Editado em 08/01/2011 | 21:43

rafaelA Capitania dos Portos abriu inquérito para investigar as causas e os possíveis responsáveis pelo desaparecimento do mergulhador Rafael Araújo Carvalho, 24 anos, em uma praia de Ilhéus. Ele está desaparecido desde quinta-feira e só seu equipamento de pesca foi localizado.

A equipe da Marinha, com o navio Gravataí, continua as buscas. Os Bombeiros também fazem varreduras pelas praias de Ilhéus para tentar localizar Rafael. O único objeto encontrado foi um arpão com um peixe, preso às pedras, segundo informações da TV Santa Cruz. Segundo os Bombeiros, a probabilidade é de que Rafael já esteja morto.

Rafael desapareceu durante um mergulho na praia de Jairi, perto de Olivença. Segundo os colegas, todos estavam mergulhando a 15 metros de profundidade, sem usar o cilindro, equipamento que ajuda o mergulhador a respirar, quando Rafael sumiu. Os amigos acreditam que ele pode ter desmaiado e afundado. Rafael é estudante de administração e trabalha na Infraero de Ilhéus.

Informações do Correio

DE RODAPÉS E DE ACHADOS

Domingos Matos, 03/11/2010 | 13:59
Editado em 03/11/2010 | 14:01

Adylson MachadoQuando o tema se esgota em si mesmo, um rodapé pode definir tudo e ir um pouco além.  

Adylson Machado

                                                                              

Inacreditável I

Circula na internet (veja aqui) a notícia de uma agressão cometida contra uma comunidade no município de Ilhéus. O assentamento D. Hélder Câmara teria sido (preferimos o condicional, ainda que confiemos na fonte) invadido por um pelotão da Polícia Militar da Bahia. O fato ocorreu por volta das 14:00 horas do último dia 23, sábado, e as denúncias envolvem tortura, abuso de autoridade, violência contra a mulher e intolerância religiosa.

bernadete vítimaCom as cautelas que a divulgação exige – até porque não se pode conceber que fatos como estes convivam com o Estado de Direito – cumpre chamar a atenção das autoridades que comandam para apurar o que seus subordinados estejam promovendo ao arrepio, cremos, de orientações superiores.

Inacreditável II

Se a notícia acima espanta e increduliza, mais estranho o fato de não termos encontrado a mínima referência na imprensa regional, pródiga em mostrar retratos de “ladrões de galinha” recém detidos e de noticiar com estardalhaço a violência, publicando os confrontos e os trágicos resultados entre policiais e “nóias”.

Ovo de serpente

Desenvolve-se – com apoio na apatia social, gerada da omissão da sociedade organizada, mais preocupada com discursos em jantares e rapapés que assegurem espaço no colunismo social – a construção de que a maioria de jovens, vítima desta chaga do mundo contemporâneo, a droga, em especial o crack, passa a constituir um novo estereótipo social: “o nóia”. E com isso, a morte dos que se encontram sob a tutela do vício torna-se “coisa natural”, visto que é mais um “nóia” que se vai.

Embutido está um processo segregacionista a justificar, inclusive, grupos de extermínio, que se tornam, à luz dos que visam a comodidade pelo individualismo, justiceiros sociais aplaudidos e incensados no altar da omissão.

Hora de assumir

Deveras salutar a discussão que brota na sociedade itabunense em torno do Hospital de Base. Uma coisa está confessada: a dificuldade que norteia a administração municipal em geri-lo, sob a alegação de falta de recursos, estes compreendidos como aqueles do próprio município.

A tônica tem sido de que haveria má gestão no HBLEM, o que não significa reconhecer – no presente instante – que haja desvios financeiros, como flagrantemente denunciado em anos recentes, não tão recuados, quando a saúde ainda sob pleno controle do município.

O bom senso recomenda – considerando a circunstância de que está sob atenção um bem que diz respeito à coletividade – que, sendo uma questão, a priori, de disponibilização de recursos, e considerando o município ainda insuficientes os repasses estaduais, que passe o pepino para o Governo de Jaques Wagner e seu secretário Jorge Solla.

Encarar a realidade

O que precisa, urgentemente, é despolitizar a discussão, desprovê-la de paixões e vontades individuais. Não será nenhum demérito para o Prefeito José Nilton Azevedo transferir a gestão e custeio do HBLEM para o governo estadual, tampouco grandeza do Governo Wagner em assumi-la. Justamente porque o que se encontra em jogo é o atendimento da coletividade.

Se o HBLEM, nos idos de 2004 se preparava para ser o endereço do primeiro centro de cirurgia cardíaca do interior da Bahia, processo bruscamente interrompido a partir da administração seguinte (como também o processo de implantação da extensão da Faculdade Federal em terras grapiúnas), temos que, sensíveis ao interesse coletivo, tudo são águas passadas, leite derramado.

Cumpre-nos pensar no futuro. Que reside em dispormos de um HBLEM atendendo nos limites de sua possibilidade e não para tornar-se imenso elefante ferido a caminho da morte, alimentando-se no caminhar com vidas e saúde humanas.

Discussão I

Ficamos particularmente feliz com o tema que norteou o Fórum em Debate (TVItabuna) no correr da semana, coordenado por Barbosa Filho (o Barbosinha), centralizado na busca de soluções para a realidade ambiental imediata em Itabuna: Rio Cachoeira, tratamento de esgoto, coleta de lixo etc.

Sobremodo, a experiência apresentada pelo Professor Antenógenes como solução para as baronesas, que têm encontrado singular aproveitamento através de seu projeto instalado em Ferradas.

Assim como reencontrar a Professora Maria Luzia, que conhecemos nos meados dos anos 90 integrada ao Projeto de Revitalização da Bacia do Rio Cachoeira.

Ouvir Kátia Lyra, competente e compromissada, lembrando do desperdício de água e o custo que isso representa e defendendo com o ardor de sempre o ambiente urbano.

Discussão II

Temos encetado no único espaço de que dispomos no dia a dia, a sala de aula no DCIJUR-UESC, onde ministramos Direito Municipal, a imperativa necessidade de um efetivo processo de educação, que não vemos dentro do comprometimento necessário por parte das escolas, inclusive as decantadas particulares, que diga respeito à consciência da perdulariedade com que tratamos o tema água, só lembrado no contexto do meio ambiente em “semanas” pontuais a cada ano.

No particular do Rio Cachoeira, de que sua revitalização não diria respeito tão somente ao tratamento dos esgotos nele lançados no perímetro urbano de Itabuna, uma vez que saturado em todos os seus formadores e afluentes. E esquecemos do descaso com que são tratadas as suas nascentes, o que tem feito reduzir, a cada ano, a sua vazão.

Temos concluído que o problema do Cachoeira não está, portanto, apenas no “problema” esgoto, mas na dimensão de sua lâmina d’ água. Ou seja, se protegermos e recuperarmos as nascentes de seus formadores e afluentes – um custo menor e de resultado mais imediato com resposta a longo prazo – teríamos, sem desprezar uma política de tratamento de esgotos, a recuperação de sua lâmina d’água, o que em muito contribuirá para revivê-lo.

Considerável percentual

Dentre os deputados estaduais eleitos tendo por base a Região um destaque para Rosemberg Pinto. Não pelo fato da expressiva votação, mas pela circunstância de ser, na história política do município de Itororó (onde nasceu), o sexto deputado eleito no curso destes 52 anos de emancipação: Eujácio Simões (62, 66, 70, 74, 78 e 82), Henrique Brito Filho (66 e 70), Naomar Alcântara (78), Eujácio Simões Filho (86 e 90), Sérgio Brito (2002) e, agora, Rosemberg Pinto.

De destacar que, dentre eles, Henrique Brito (74 e 78), Eujácio Filho (94, 98 e 2002) e Sérgio Brito (86, 90, 94, 2006) já chegaram à Câmara dos Deputados. E se não fosse a tragédia de 1º de outubro de 1982, na Serra da Muquiba – onde morreram Naomar Alcântara e Henrique Brito, ao lado de Clériston Andrade e outros – Itororó já teria eleito Governador e Senador.

Estariam eles errados? I

danielaNeste 31, último turno das eleições presidenciais, encontro no belo blog de Daniela Galdino (http://operariadasruinas.blogspot.com/) o que consideramos emblemático na campanha, no que diz respeito aos efetivos e concretos avanços nas propostas para a educação do Brasil, ainda que distante a perfeição, no sempre imediato olhar de todos nós.

São 36 os reitores que subscrevem o “Manifesto de Reitores das Universidades Federais à Nação Brasileira”. Da UNIFESP de São Paulo a UFVJM, do Vale do Jequitinhonha, da UFPE de Pernambuco a UFRB, do Recôncavo baiano, da UNB de Brasília a UNIPAMPA, do Rio Grande Sul, da gaúcha UFRGS a UNIVASF (do Vale do São Francisco), passando pela URFJ e UNIRIO (Rio de Janeiro), UFT (Tocantins) etc.

Uma mescla de Universidades tradicionais ao lado daquelas recém-criadas e instaladas como as baianas UNIVASF e UFRB.

Estariam eles errados? II

A união que alimenta o manifesto é uma afirmação de que encontramos rumo. Destacando a recuperação das Federais e a inserção de 700.000 jovens no ensino superior, a instalação da Universidade Aberta do Brasil e a construção de 100 campi no território nacional, os reitores ressaltam que “Este período do Governo Lula ficará registrado na história como aquele em que mais se investiu em educação pública”, inclusive “a criação e ampliação, sem precedentes históricos, de Escolas Técnicas e Institutos Federais”.

Talvez seja isso o que incomoda a “elite branca” (loas para Cláudio Lembo): tudo isso no governo de um nordestino retirante, operário, que não fala inglês e que ainda deseja eleger uma mulher a primeira presidente do Brasil numa sociedade onde ela (a mulher) sempre esteve na cozinha ou atendendo reclamos de cama.

Não é só ver; é preciso enxergar.

Curral

Não deixa de ser hilário ACM Neto “denunciar” que o PT “quer curral eleitoral no Nordeste”, a Bahia pelo meio. Em tempos não tão pretéritos certamente não só não diria o que disse como receberia tremenda reprimenda do “cacique” que antes lhe impunha 400 mil votos.

Deve agradecer muito o parente haver morrido!

“2012 – o fim está próximo”

Já tínhamos o texto redigido quando a “indignação trombônica” se expressou (post abaixo). E fê-lo muito bem! Insistimos no texto, no entanto, em razão do “rodapé” nele contido.

Não se trata de mensagem de seita apocalíptica, de algum lunático, muito menos profecia de Nostradamus ou de sacerdotes maias. “Se Dilma se eleger olhe o futuro que nos espera. Em janeiro de 2011, com o País dividido, Dilma assume a Presidência do Brasil. Sua primeira ordem é para que a Receita Federal inicie uma perseguição implacável contra os aliados e familiares do candidato derrotado José Serra. Serra viaja com a família para os Estados Unidos, onde encontra, 40 anos depois, novo exílio político. Dilma declara guerra contra São Paulo. Usando sua maioria no Congresso, consegue vetar o envio de recursos federais para o governo de São Paulo”. Outras pérolas, como o comando da resistência por José Serra a partir dos Estados Unidos e Lula unido a FHC recebendo-o de volta do exílio depois do impeachement de Dilma.

Indaga o leitor de onde retirado o terrorismo acima: simplesmente de um vídeo do blog “Vou de Serra 45”, que “está na página oficial do PSDB e usa imagens da propaganda petista no horário eleitoral”, segundo http://www.advivo.com.br/luisnassif/

Se acha que é brincadeira ou piada, assista abaixo. Os mais velhos lembrarão de 1964 e a legitimação civil para o golpe militar.

Preparando a defesa

veronica serraNo entanto, vemos no desespero acima mensagem subliminar: confissão da derrota; defesa dos interesses estadunidenses (porque não se exilaria no Chile?) e a tradicional vocação segregacionista paulista de 1932 amparada no dogma de que São Paulo é a locomotiva do Brasil.

O mais emblemático, típica defesa prévia: aquele “Sua primeira ordem é para que a Receita Federal inicie perseguição implacável contra os aliados e familiares do candidato derrotado” significa o real temor de que as denúncias de Amaury Jr., no livro que anuncia publicar pela Record depois das eleições, sejam efetivamente apuradas. Aí, Verônica (Serra e Dantas), Paulo Preto (e aqueles 4 milhões do metrô paulista), Eduardo Jorge, Preciado etc. sejam investigadas.

Sem falar naquele dinheirinho do DEM de Brasília (de Roriz e penduricalhos) para Sérgio Guerra e Agripino Maia (CARTA CAPITAL, 618, de 20 de outubro), tudo desnudado e comprovado em depoimento de ex-secretária Domingas Trindade, envolvendo a distribuição de recursos da coleta de lixo pela Qualix.

Botar as barbas de molho não seria exagero!

Freio de arrumação

O formato do debate na Globo – típico perguntas e respostas aos contendores num palco em forma de arena – alimentado na premissa de que a dúvida dos 4 a 8% dos indecisos é a dúvida de todo o eleitorado, levou à decepção em torno do aprofundamento de temas, isso em razão do limite para as respostas e a variedade de temas dentro do limite de tempo para o debate.

Por outro lado, não deixa de ser constrangedor que o anunciado “mais esperado” atendesse tão somente a uma ínfima parcela do eleitorado – em média de 4 a 8% – a não ser que buscasse transferir todos eles para José Serra. Afinal, a Globo tem preferência, haja vista a edição que a deixou no plano do ridículo quando da bolinha de papel no Rio de Janeiro.

Para nós particularmente – se não houver uma hecatombe e se as urnas eletrônicas forem a fortaleza de segurança que a Justiça Eleitoral fanática e insistentemente propaga – o formato do debate é a proclamação do vencedor.

Toalha jogada no ringue! Ops... na arena!

traças

traçosAdylson Machado é escritor, professor e advogado, autor de "Amendoeiras de outono" e " O ABC do Cabôco", editados pela Via Litterarum

(Republicado a pedidos de leitores que não viram a banda dos "Rodapés" tocar nesse feriadão)

DE RODAPÉS E DE ACHADOS

Domingos Matos, 31/10/2010 | 11:16
Editado em 31/10/2010 | 12:03

Adylson MachadoQuando o tema se esgota em si mesmo, um rodapé pode definir tudo e ir um pouco além.  

Adylson Machado

                                                                              

Inacreditável I

Circula na internet (veja aqui) a notícia de uma agressão cometida contra uma comunidade no município de Ilhéus. O assentamento D. Hélder Câmara teria sido (preferimos o condicional, ainda que confiemos na fonte) invadido por um pelotão da Polícia Militar da Bahia. O fato ocorreu por volta das 14:00 horas do último dia 23, sábado, e as denúncias envolvem tortura, abuso de autoridade, violência contra a mulher e intolerância religiosa.

bernadete vítimaCom as cautelas que a divulgação exige – até porque não se pode conceber que fatos como estes convivam com o Estado de Direito – cumpre chamar a atenção das autoridades que comandam para apurar o que seus subordinados estejam promovendo ao arrepio, cremos, de orientações superiores.

Inacreditável II

Se a notícia acima espanta e increduliza, mais estranho o fato de não termos encontrado a mínima referência na imprensa regional, pródiga em mostrar retratos de “ladrões de galinha” recém detidos e de noticiar com estardalhaço a violência, publicando os confrontos e os trágicos resultados entre policiais e “nóias”.

Ovo de serpente

Desenvolve-se – com apoio na apatia social, gerada da omissão da sociedade organizada, mais preocupada com discursos em jantares e rapapés que assegurem espaço no colunismo social – a construção de que a maioria de jovens, vítima desta chaga do mundo contemporâneo, a droga, em especial o crack, passa a constituir um novo estereótipo social: “o nóia”. E com isso, a morte dos que se encontram sob a tutela do vício torna-se “coisa natural”, visto que é mais um “nóia” que se vai.

Embutido está um processo segregacionista a justificar, inclusive, grupos de extermínio, que se tornam, à luz dos que visam a comodidade pelo individualismo, justiceiros sociais aplaudidos e incensados no altar da omissão.

Hora de assumir

Deveras salutar a discussão que brota na sociedade itabunense em torno do Hospital de Base. Uma coisa está confessada: a dificuldade que norteia a administração municipal em geri-lo, sob a alegação de falta de recursos, estes compreendidos como aqueles do próprio município.

A tônica tem sido de que haveria má gestão no HBLEM, o que não significa reconhecer – no presente instante – que haja desvios financeiros, como flagrantemente denunciado em anos recentes, não tão recuados, quando a saúde ainda sob pleno controle do município.

O bom senso recomenda – considerando a circunstância de que está sob atenção um bem que diz respeito à coletividade – que, sendo uma questão, a priori, de disponibilização de recursos, e considerando o município ainda insuficientes os repasses estaduais, que passe o pepino para o Governo de Jaques Wagner e seu secretário Jorge Solla.

Encarar a realidade

O que precisa, urgentemente, é despolitizar a discussão, desprovê-la de paixões e vontades individuais. Não será nenhum demérito para o Prefeito José Nilton Azevedo transferir a gestão e custeio do HBLEM para o governo estadual, tampouco grandeza do Governo Wagner em assumi-la. Justamente porque o que se encontra em jogo é o atendimento da coletividade.

Se o HBLEM, nos idos de 2004 se preparava para ser o endereço do primeiro centro de cirurgia cardíaca do interior da Bahia, processo bruscamente interrompido a partir da administração seguinte (como também o processo de implantação da extensão da Faculdade Federal em terras grapiúnas), temos que, sensíveis ao interesse coletivo, tudo são águas passadas, leite derramado.

Cumpre-nos pensar no futuro. Que reside em dispormos de um HBLEM atendendo nos limites de sua possibilidade e não para tornar-se imenso elefante ferido a caminho da morte, alimentando-se no caminhar com vidas e saúde humanas.

Discussão I

Ficamos particularmente feliz com o tema que norteou o Fórum em Debate (TVItabuna) no correr da semana, coordenado por Barbosa Filho (o Barbosinha), centralizado na busca de soluções para a realidade ambiental imediata em Itabuna: Rio Cachoeira, tratamento de esgoto, coleta de lixo etc.

Sobremodo, a experiência apresentada pelo Professor Antenógenes como solução para as baronesas, que têm encontrado singular aproveitamento através de seu projeto instalado em Ferradas.

Assim como reencontrar a Professora Maria Luzia, que conhecemos nos meados dos anos 90 integrada ao Projeto de Revitalização da Bacia do Rio Cachoeira.

Ouvir Kátia Lyra, competente e compromissada, lembrando do desperdício de água e o custo que isso representa e defendendo com o ardor de sempre o ambiente urbano.

Discussão II

Temos encetado no único espaço de que dispomos no dia a dia, a sala de aula no DCIJUR-UESC, onde ministramos Direito Municipal, a imperativa necessidade de um efetivo processo de educação, que não vemos dentro do comprometimento necessário por parte das escolas, inclusive as decantadas particulares, que diga respeito à consciência da perdulariedade com que tratamos o tema água, só lembrado no contexto do meio ambiente em “semanas” pontuais a cada ano.

No particular do Rio Cachoeira, de que sua revitalização não diria respeito tão somente ao tratamento dos esgotos nele lançados no perímetro urbano de Itabuna, uma vez que saturado em todos os seus formadores e afluentes. E esquecemos do descaso com que são tratadas as suas nascentes, o que tem feito reduzir, a cada ano, a sua vazão.

Temos concluído que o problema do Cachoeira não está, portanto, apenas no “problema” esgoto, mas na dimensão de sua lâmina d’ água. Ou seja, se protegermos e recuperarmos as nascentes de seus formadores e afluentes – um custo menor e de resultado mais imediato com resposta a longo prazo – teríamos, sem desprezar uma política de tratamento de esgotos, a recuperação de sua lâmina d’água, o que em muito contribuirá para revivê-lo.

Considerável percentual

Dentre os deputados estaduais eleitos tendo por base a Região um destaque para Rosemberg Pinto. Não pelo fato da expressiva votação, mas pela circunstância de ser, na história política do município de Itororó (onde nasceu), o sexto deputado eleito no curso destes 52 anos de emancipação: Eujácio Simões (62, 66, 70, 74, 78 e 82), Henrique Brito Filho (66 e 70), Naomar Alcântara (78), Eujácio Simões Filho (86 e 90), Sérgio Brito (2002) e, agora, Rosemberg Pinto.

De destacar que, dentre eles, Henrique Brito (74 e 78), Eujácio Filho (94, 98 e 2002) e Sérgio Brito (86, 90, 94, 2006) já chegaram à Câmara dos Deputados. E se não fosse a tragédia de 1º de outubro de 1982, na Serra da Muquiba – onde morreram Naomar Alcântara e Henrique Brito, ao lado de Clériston Andrade e outros – Itororó já teria eleito Governador e Senador.

Estariam eles errados? I

danielaNeste 31, último turno das eleições presidenciais, encontro no belo blog de Daniela Galdino (http://operariadasruinas.blogspot.com/) o que consideramos emblemático na campanha, no que diz respeito aos efetivos e concretos avanços nas propostas para a educação do Brasil, ainda que distante a perfeição, no sempre imediato olhar de todos nós.

São 36 os reitores que subscrevem o “Manifesto de Reitores das Universidades Federais à Nação Brasileira”. Da UNIFESP de São Paulo a UFVJM, do Vale do Jequitinhonha, da UFPE de Pernambuco a UFRB, do Recôncavo baiano, da UNB de Brasília a UNIPAMPA, do Rio Grande Sul, da gaúcha UFRGS a UNIVASF (do Vale do São Francisco), passando pela URFJ e UNIRIO (Rio de Janeiro), UFT (Tocantins) etc.

Uma mescla de Universidades tradicionais ao lado daquelas recém-criadas e instaladas como as baianas UNIVASF e UFRB.

Estariam eles errados? II

A união que alimenta o manifesto é uma afirmação de que encontramos rumo. Destacando a recuperação das Federais e a inserção de 700.000 jovens no ensino superior, a instalação da Universidade Aberta do Brasil e a construção de 100 campi no território nacional, os reitores ressaltam que “Este período do Governo Lula ficará registrado na história como aquele em que mais se investiu em educação pública”, inclusive “a criação e ampliação, sem precedentes históricos, de Escolas Técnicas e Institutos Federais”.

Talvez seja isso o que incomoda a “elite branca” (loas para Cláudio Lembo): tudo isso no governo de um nordestino retirante, operário, que não fala inglês e que ainda deseja eleger uma mulher a primeira presidente do Brasil numa sociedade onde ela (a mulher) sempre esteve na cozinha ou atendendo reclamos de cama.

Não é só ver; é preciso enxergar.

Curral

Não deixa de ser hilário ACM Neto “denunciar” que o PT “quer curral eleitoral no Nordeste”, a Bahia pelo meio. Em tempos não tão pretéritos certamente não só não diria o que disse como receberia tremenda reprimenda do “cacique” que antes lhe impunha 400 mil votos.

Deve agradecer muito o parente haver morrido!

“2012 – o fim está próximo”

Já tínhamos o texto redigido quando a “indignação trombônica” se expressou (post abaixo). E fê-lo muito bem! Insistimos no texto, no entanto, em razão do “rodapé” nele contido.

Não se trata de mensagem de seita apocalíptica, de algum lunático, muito menos profecia de Nostradamus ou de sacerdotes maias. “Se Dilma se eleger olhe o futuro que nos espera. Em janeiro de 2011, com o País dividido, Dilma assume a Presidência do Brasil. Sua primeira ordem é para que a Receita Federal inicie uma perseguição implacável contra os aliados e familiares do candidato derrotado José Serra. Serra viaja com a família para os Estados Unidos, onde encontra, 40 anos depois, novo exílio político. Dilma declara guerra contra São Paulo. Usando sua maioria no Congresso, consegue vetar o envio de recursos federais para o governo de São Paulo”. Outras pérolas, como o comando da resistência por José Serra a partir dos Estados Unidos e Lula unido a FHC recebendo-o de volta do exílio depois do impeachement de Dilma.

Indaga o leitor de onde retirado o terrorismo acima: simplesmente de um vídeo do blog “Vou de Serra 45”, que “está na página oficial do PSDB e usa imagens da propaganda petista no horário eleitoral”, segundo http://www.advivo.com.br/luisnassif/

Se acha que é brincadeira ou piada, assista abaixo. Os mais velhos lembrarão de 1964 e a legitimação civil para o golpe militar.

Preparando a defesa

veronica serraNo entanto, vemos no desespero acima mensagem subliminar: confissão da derrota; defesa dos interesses estadunidenses (porque não se exilaria no Chile?) e a tradicional vocação segregacionista paulista de 1932 amparada no dogma de que São Paulo é a locomotiva do Brasil.

O mais emblemático, típica defesa prévia: aquele “Sua primeira ordem é para que a Receita Federal inicie perseguição implacável contra os aliados e familiares do candidato derrotado” significa o real temor de que as denúncias de Amaury Jr., no livro que anuncia publicar pela Record depois das eleições, sejam efetivamente apuradas. Aí, Verônica (Serra e Dantas), Paulo Preto (e aqueles 4 milhões do metrô paulista), Eduardo Jorge, Preciado etc. sejam investigadas.

Sem falar naquele dinheirinho do DEM de Brasília (de Roriz e penduricalhos) para Sérgio Guerra e Agripino Maia (CARTA CAPITAL, 618, de 20 de outubro), tudo desnudado e comprovado em depoimento de ex-secretária Domingas Trindade, envolvendo a distribuição de recursos da coleta de lixo pela Qualix.

Botar as barbas de molho não seria exagero!

Freio de arrumação

O formato do debate na Globo – típico perguntas e respostas aos contendores num palco em forma de arena – alimentado na premissa de que a dúvida dos 4 a 8% dos indecisos é a dúvida de todo o eleitorado, levou à decepção em torno do aprofundamento de temas, isso em razão do limite para as respostas e a variedade de temas dentro do limite de tempo para o debate.

Por outro lado, não deixa de ser constrangedor que o anunciado “mais esperado” atendesse tão somente a uma ínfima parcela do eleitorado – em média de 4 a 8% – a não ser que buscasse transferir todos eles para José Serra. Afinal, a Globo tem preferência, haja vista a edição que a deixou no plano do ridículo quando da bolinha de papel no Rio de Janeiro.

Para nós particularmente – se não houver uma hecatombe e se as urnas eletrônicas forem a fortaleza de segurança que a Justiça Eleitoral fanática e insistentemente propaga – o formato do debate é a proclamação do vencedor.

Toalha jogada no ringue! Ops... na arena!

traças

traçosAdylson Machado é escritor, professor e advogado, autor de "Amendoeiras de outono" e " O ABC do Cabôco", editados pela Via Litterarum

Corpo de advogada será enterrado hoje

Domingos Matos, 12/06/2010 | 08:59
Editado em 12/06/2010 | 09:10
marcioO corpo da advogada Mércia Nakashima será sepultado neste sábado (12), a partir das 11h, em Guarulhos, região metropolitana de São Paulo. O corpo dela foi encontrado na sexta-feira (11) perto de uma represa em Nazaré Paulista, a 56 km da capital paulista, onde seu carro também foi localizado, um dia antes. Mércia desapareceu no dia 23 de maio.

O velório da advogada, que tinha 28 anos, começou na madrugada deste sábado, em Guarulhos.

Na sexta-feira, a Polícia Civil fez buscas na casa de Mizael Bispo de Souza, ex-namorado de Mércia e considerado o principal suspeito da morte dela. Foram apreendidos na residência uma camisa rasgada e um sapato sujo de terra.

Leia a íntegra

Acesse com seus dados:

ou
Ainda não tem acesso?
Registre-se em nosso Blog.