Câmara Municipal

Tag: definitivo

Hospital Costa do Cacau realiza primeiro implante de marca-passo CDIR em paciente

Domingos Matos, 21/06/2019 | 08:07

Francisco Luiz da Costa de Jesus foi o primeiro paciente a receber marca-passo implantável definitivo, do tipo Cardioversor / Desfibrilador Ressincronizador (CDIR), durante procedimento realizado na última semana, no Centro Cirúrgico do Hospital Regional Costa do Cacau (HRCC), em Ilhéus. O aparelho organiza os batimentos e serve de desfibrilador, reduzindo riscos de morte súbita por parada cardíaca.

O procedimento é classificado como cirurgia de média e alta complexidade. Uma frequência cardíaca normal fornece ao seu corpo a quantidade adequada de circulação sanguínea. A cirurgia foi realizada pelo médico Décio Cardoso, e transcorreu com sucesso, utilizando todos os paramentos e necessidades para o implante do aparelho regulador.

Internado no Hospital Regional Costa do Cacau, Francisco da Costa passou por diversos exames, até resultar no diagnóstico e ser encaminhado direto ao centro cirúrgico. O dispositivo não irá prevenir ou impedir doenças cardíacas. Contudo, o paciente se recupera na enfermaria da unidade, acompanhado de sua irmã Aldicéia Costa Santos.

“Meu irmão sempre foi muito bem atendido aqui no hospital pela equipe inteira e pelos plantonistas. Na minha opinião, o que o paciente precisa é de atenção, carinho, principalmente dos profissionais, enfermagem, técnicos e médicos, favorecendo o restabelecimento da saúde, por isso, estou muito satisfeita”, opinou Aldicéia.

O presidente do Instituto Brasileiro de Desenvolvimento da Administração Hospitalar (IBDAH), José Antônio Sousa elogiou os avanços destacando a continuidade dos serviços. “Compromisso assumido pelo Governo do Estado, que investe na saúde dos baianos. Procedimentos que não eram realizados, agora são oferecidos de forma efetiva na unidade hospitalar”.

 

Empresa é acusada de extorquir clientes com empréstimos ilegais

Domingos Matos, 06/06/2019 | 14:06

Uma ação civil pública foi ajuizada ontem (5), pelo Ministério Público estadual, contra a empresa Casa Nova Cred. Ela é acusada pela promotora de Justiça Joseane Suzart de prejudicar consumidores por meio de oferta de empréstimos realizada sem a devida autorização do Banco Central e mediante juros exorbitantes. O MP pede à Justiça que determine, em liminar, a interrupção da concessão de crédito não autorizada e a oferta enganosa dos empréstimos com juros abusivos. Em caráter definitivo, são solicitados a indenização dos consumidores prejudicados e o pagamento de multa pelo dano moral coletivo.

Segundo a ação, o BC informou que a empresa não é autorizada a funcionar, não é supervisionada pelo órgão e não possui registros no Sistema de Informações sobre Entidades de Interesse do Banco Central (Unicad). A promotora Joseane Suzart aponta que a Casa Nova Cred se valia de má-fé na concessão de crédito, com aplicação de “juros extremamente altos, com porcentagem superior aos bancos, causando sérios prejuízos aos consumidores”. O percentual, conforme a ação, chegava a 17%. 

Joseane Suzart explicou que para receber o empréstimo, o consumidor era orientado a utilizar o cartão de crédito, com limite suficiente para garantir o valor emprestado, sendo que o crédito e juros deveriam ser pagos à empresa responsável pelo cartão e não à Casa Nova Cred. Os valores debitados no cartão eram maiores do que o valor disponibilizado, sem que fosse informada aos clientes a porcentagem 

Resolução convoca interessados para o Processo Seletivo do Conselho Tutelar de Itabuna

Domingos Matos, 05/04/2019 | 10:35
Editado em 05/04/2019 | 16:47

A Prefeitura Municipal de Itabuna publicou no Diário Oficial do Município Resolução de nº 005/2019, aprovada pelo Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente, em que convoca interessados para compor o Conselho Tutelar I e II, para o quadriênio 2020/2023. O objetivo é preencher dez vagas existentes, sendo cinco para o Conselho tutelar I e cinco para o Conselho Tutelar II, e os seus respectivos suplentes.

As inscrições serão realizadas do dia 29 de Abril a 10 de Maio, das 08 às 12 horas. A prova objetiva e redação serão realizadas no dia 07 de Julho de 2019, e a divulgação do gabarito definitivo e resultado preliminar da prova objetiva até 12 de julho. A entrevista está prevista para os dias 20 e 21 de Agosto, e o resultado da mesma 23 de agosto.

A inscrição deve ser feita pessoalmente, mediante apresentação de protocolo na sede do Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente - Casa dos Conselhos - situada Travessa Juarez Távora, n.32, São Caetano – em frente ao Núcleo Cuidar, por meio da impressão do formulário específico, no website da prefeitura municipal de Itabuna: http://www.itabuna.ba.gov.br. Maiores informações: Casa dos Conselhos, das 08 às 12h. Telefone: 3613-8386.

 

Instituto divulga gabarito de concurso da PM e Corpo de Bombeiros

Domingos Matos, 10/08/2017 | 10:51

O gabarito das provas do maior concurso da história da Polícia Militar da Bahia e do Corpo de Bombeiros Militar da Bahia foi divulgado pelo Instituto Brasileiro de Formação e Capacitação (IBFC). A consulta pode ser feita no site da instituição organizadora do certame.

Realizado em Salvador em mais 12 municípios baianos no último domingo, 6, o concurso teve 141.917 inscritos. A abstenção foi de 15,30%, abaixo do percentual de candidatos ausentes em concursos públicos, que normalmente varia entre 20 e 30%. 

Em números absolutos, 121.100 candidatos comparecerem para realizar as provas, enquanto os ausentes foram 21.816. As provas foram aplicadas 293 locais, dos quais 68 na capital e 225 no interior do Estado. Os candidatos tiveram que responder a 80 questões, distribuídas entre conhecimentos gerais (30) e conhecimentos específicos (50), além de uma questão discursiva. 

De acordo com o cronograma do Edital de Abertura de Inscrições – Saeb – 01/2017, a publicação do resultado provisório das provas objetivas ocorrerá no dia 30 deste mês, no Diário Oficial do Estado (DOE). No dia 15 de setembro, ainda segundo o edital, serão publicados o resultado definitivo das provas objetivas e o resultado provisório da prova discursiva. Já o resultado final da prova discursiva e o resultado final do certame têm a previsão de ser publicados em 29 de setembro.

Ele fez de novo

Domingos Matos, 04/07/2017 | 21:54
Editado em 05/07/2017 | 08:02

Nas suas andanças pelo sul da Bahia, semana passada, o governador Rui Costa teve dezenas de compromissos, todos documentados por sua eficiente assessoria. Um desses foi a assinatura do convênio de R$ 5 milhões do Programa Bahia Produtiva com agricultores familiares da região. Não é pouca coisa, um convênio desses. O que causou estranheza foi, justamente, o espaço dedicado pela assessoria de Rui a esse evento tão importante: um parágrafo, num texto sobre a visita que fez ao novo Hospital Regional. O evento ocorreu no auditório do Escritório da Ceplac, em Ilhéus.

Numa perspectiva totalmente oposta, a Ceplac - que cedeu o auditório - publicou em sua página um textão, louvando a participação do seu superintendente regional, as reivinsdicações que fez, abusando de fotos suas com o governador e até resgatando uma do passado, com Wagner, para provar sabe-se lá o quê. Padrão neo-petista, em alta por essas bandas.

Eis, então, a solução do mistério que intriga quem lê os dois informes: algum assessor mais atento - ou o próprio governador - percebeu a tentativa de apropriação, pelo "super-hiper", do evento do governador e evitou maiores destaques. Uma pena, por um lado. Um assunto tão importante, morreu empanzinado pelo excesso de fome de um ególotra.

Em tempo, eis o parágrafo definitivo dado pela Secom a respeito do evento:

"Ainda em Ilhéus, Rui assinou convênio do Bahia Produtiva, no valor de mais de R$ 5 milhões, e entregou um caminhão frigorífico para a Associação Territorial de Agroecologia dos Povos da Cabruca e da Mata Atlântica (Teia). O objetivo do programa é financiar projetos de inclusão produtiva e acesso ao mercado, socioambientais, de abastecimento de água e esgotamento sanitário, de interesse das comunidades mais pobres da Bahia, nos 27 Territórios de Identidade do Estado."

Dez diplomados exercerão 1º mandato parlamentar em Itabuna

Domingos Matos, 13/12/2016 | 18:05
Editado em 13/12/2016 | 21:02

Dez dos 21 vereadores eleitos em Itabuna que a Justiça Eleitoral diplomou nessa segunda-feira, 12, nunca ocuparam mandato no Poder Legislativo do município.

Exercerão cargo eletivo na Câmara itabunense pela primeira vez: Charliane Sousa – única mulher da Legislatura - e Chicão (ambos do PTB), Zico (PTN), Babá Cearense e Junior do Trator (filiados ao PHS), Nel do Bar (PPS), Ninho (PR) – mais votado nas urnas, na foto à esquerda –, Alex da Oficina (PTC), Robinho (PP) e Enderson Guinho (PDT) – o caçula, com 22 anos de idade.

De outra parte, quatro ex-vereadores retornam à Casa de Leis a partir de janeiro: Ricardo Xavier (PPS), Manoel Junior (PV), Beto Dourado (PSDB), Milton Gramacho (PRTB) – este vai para o 5º mandato.  

Os demais parlamentares (que corresponde aos sete reeleitos) vão para o segundo mandato consecutivo. Aldenes Meire e Jairo Araújo (dupla do PCdoB), Pastor Francisco (PRB), Chico Reis (PSDB), Ronaldão (PMN), Antônio Cavalcanti (PMDB) e Junior Brandão (PT). O petista desempenhará o terceiro mandato legislativo – em 2001 foi vereador pelo PTB.

Suplentes

Também foram diplomados doze suplentes, quatro deles tentaram a reeleição: César Brandão (PPS), Joilson Rosa (SD), Glebão (PV) e Paulinho (PT). Igualmente poderão ser convocados para exercer a função de vereador na condição de substituto (temporário ou definitivo): Marcos Alpoim (PSDB), Erasmo Ávila (PHS), Gerônimo Fiscal (PTC), Gilson Sousa (PMDB), Edinho da Mala (PCdoB), Peloco (PP), Robson Riguad (PTB) e Sandra Rihan (PDT).

Zefini

Domingos Matos, 02/05/2011 | 09:58
Editado em 02/05/2011 | 10:02

Do blog do Josias de Souza

Social-democracia tupiniquim descerá, enfim, à cova

Durante os oito anos de reinado de FHC foram muitas as tentativas de intrigar o PSDB com o DEM.

Exergava-se no esforço pela separação um quê de civismo. Era preciso salvar a alma do PSDB, ativando-lhe a memória.

O longo convívio fizera o tucanato esquecer de suas origens. Olvidara-se de que, na certidão de nascimento, era social-democrata.

Aos pouquinhos, foi abandonando a castidade, rendeu-se à lascívia, encantou-se com os prazeres do fisiologismo.

O DEM, nessa época ainda PFL, pressentiu que a relação tinha futuro quando leu o Max Weber que FHC esquecera sobre a TV.

Adorou o trecho que falava das duas éticas. Aderiu instantaneamente à “ética da responsabilidade”.

Em vários momentos, o rompimento esteve na bica de acontecer. Emperrava na hora da partilha dos bens.

O pefellê abria mão de tudo, menos do Palácio do Planalto. ACM insinuava que FHC também pertencia ao PFL.

Sem acordo quanto à divisão do patrimônio, o matrimônio foi mantido. Sobreviveu, aos trancos, fora do poder.

Agora, num estreitamento definitivo das diferenças, PSDB e DEM cogitam fundir-se. Diz-se que a fusão virá depois da eleição de 2012.

Fragilizadas por um emagrecimento involuntário, as duas legendas vão virar uma. Farão por precisão o que não fizeram por opção.  

A pseudosocial-democracia do tucanato, cadáver insepulto, vai finalmente descer à cova. Descansará em paz.

Recomenda-se reservar ao lado espaço para outra sepultura. Ali, no futuro, será enterrado o pseudosocialismo do PT, temporariamente amasiado com o PMDB. 

DE RODAPÉS E DE ACHADOS

Domingos Matos, 27/03/2011 | 13:20
Editado em 27/03/2011 | 14:17

Adylson MachadoQuando o tema se esgota em si mesmo, um rodapé pode definir tudo e ir um pouco além.  

Adylson Machado

                                                                              

Dom Ceslau Stanula

Dom CeslauPerdeu a paciência o Bispo Diocesano Dom Ceslau, considerado um verdadeiro paradigma da paciência nossa de cada dia. Melhor que a espinafrada foi a excelente repercussão.

Ainda que apelando para São José, para não misturar as coisas terrenas com as Divinas.

Não será surpresa

No cantar de um passarinho a melodia financeira que poderia acalmar o A REGIÂO. Caso a vocação familiar herdada de Manuel Leal se mantenha na ordem do dia.

Difícil, para não dizer utópico, é pretender fazer jornalismo independente esperando compreensão e apoio do sistema.

BAND e o complexo intermodal

A matéria posta no Jornal da BAND de segunda 21 – com uma isenção que tem faltado ao Jornal Nacional da Globo quando trata do mesmo tema – para nós se destacou. E nos faz provocar em torno desse imensurável amor de defensores da Mata Atlântica, a ponto de pretenderem inviabilizar o complexo intermodal.

Causa espécie quando deles não se ouve uma só referência ao desastre causado pela CEPLAC nos anos 60 e 70 quando contrária ao plantio sob o sistema da cabruca. Essa forma de plantio – ainda que não seja a glorificação da preservação ambiental – em muito era superior ao processo então desenvolvido, que consistia em eliminar a mata nativa para que o cacau fosse sombreado com heritrina.

Deviam os senhores “defensores” da MA, contrários ao complexo intermodal, pelo menos dispor da grandeza de informar que o que se derrubou de mata é centenas ou milhares de vezes o que se pretende utilizar para o complexo.

Com um detalhe: enquanto a derrubada da MA para o cacau não gerou nada além da crise – assim que as burras dos 10% sobre a exportações deixaram de irrigar o complexo ceplaqueno – ferrovia, porto e aeroporto trazem a esperança de redenção para a região.

Quem diria

otto e kassabE o PSD – quem diria! – nasceu na Bahia. Anunciado PDB encontra em outra sigla sua melhor entonação e já surge com dono e cacique – o partido de Kassab. Não sabemos se mineira como aquele PSD alimentado por Getúlio, como sucessão ao coronelato agrário da República Velha aliado à burguesia urbana para contrapor-se ao trabalhismo por ele sedimentando no PTB, que formava com aquele o contexto de oposição à extrema direita conservadora e antinacional centrada na UDN, que sustentava o antigetulismo.

Mas, a destacar, a volúpia com que incensam a futura sigla, que já nasce vocacionada à adesão ao poder.

E com águias itabunenses buscando cadeiras.

Consequências

Sofrerão DEM e PSDB, principalmente, no momento sem rumo e em certa queda livre. Podendo tornar-se o grande contraponto ao PMDB na luta por “apoio” ao poder, o PSD buscará ocupar espaços, antes de alguns privilegiados.

Na Bahia, uma outra vítima: o PMDB de Gedel Vieira Lima.

Difícil de entender

Se tivéssemos que avaliar numa escala de 0 a 10 a vertente ideológica sob o prisma do radicalismo teríamos alguns petistas que aplaudiram a criação do PSD na ótica de radicais, por sua história de vida e de perseguições sofridas. Dentre eles o senador Walter Pinheiro.

O que demonstra como os tempos mudam: Kassab que fora malufista, aliado do PSDB e militante atual do PFL/DEM torna-se menina-dos-olhos da esquerda baiana.

Imaginemos como chocalham os ossos de Marighela e de Mário Alves. E tremer os vivos, como Fernando Santana.

Olha Roriz aí, minha gente!

Em singular momento de criação(?) de um novo partido político, ampliam-se notícias de que recursos do esquema Roriz beneficiou democratas (ACM Neto, Ônix Lorenzoni e o próprio Kassab), tucanos (Gustavo Fruet), pepessistas (Augusto Carvalho) e peemedebistas (Tadeu Filipelli).

Talvez aí o motivo de tanta exaltação à nova sigla. Já nasce concentrando financiamento de campanha. Daí porque muita gente de olho.

No fundo

Não tenhamos dúvida de que o PSD será abrigo de todos que não podem ficar longe do poder e que hoje estão distantes de quem detém a chave do cofre. De ruralista a comunista.

Alvíssaras para o “companheiro” Kassab  

João Manuel Afonso

Flagramos João Manuel na praça de alimentação do Jequitibá carregado de sanduíches americanos. Para quem admira o marxista, a conversão nos incomoda. Temos a certeza de que não abala as convicções do grande homem que é João Manuel, competente ex-Secretário de Finanças de Geraldo Simões no período 1993-1995.
Mas, o que não faz um avô pelos netos?

Jogo do bicho

Mais uma operação policial contra a secular contravenção idealizada pelo Barão de Drumond. Indagam os aficcionados por que agora. E os observadores, de olho no retorno das atividades.

O resto é dialetizar, aproveitando a linha desenvolvida por Hegel: tese – ação policial; antítese – retorno da atividade; síntese – ah, deixa prá lá!

Sem moral I

A visita de Barack Obama ao Brasil poderia ter se revestido de mais diplomacia política e menos de porta-voz de empresários. Não que negócios não devessem ser discutidos, mas não poderiam constituir-se na tônica da visita na dimensão que o foram.

Pedir emprego para americanos sugerindo contratações brasileiras de empresas deles para obras da Copa e das Olimpíadas mais parece agressão do que pires na mão. Afinal, a engenharia nacional é respeitada mundo afora e tem sido uma das alavancas do redescobrimento do Brasil no concerto da economia mundial, ajudando a tirar da miséria parcela significativa da população, chegada a esse extremo justamente por políticas recomendadas pelos EEUU.

Sem moral II

Teríamos reconhecido em Obama um estadista se aventasse a possibilidade de pedir desculpas pelos males causados à democracia brasileira, pelo menos na mais recente e ostensiva participação americana: o golpe de 1964.

Para não esquecer o que nos fizeram a nós e a America Latina, corremos a rever “Estado de Sítio”, de Costa Gavras.

Lição para ser sempre lembrada. Em memória dos que morreram a ainda se encontram insepultos.

Sem moral III

abuEm seu discurso em defesa da democracia para justificar mais um ataque a uma nação soberana – típica ação de xerife de faroeste trash – ainda que não defendamos regimes autoritários – como o fazem os próprios EEUUUU quando lhes interessa – poderia ter aproveitado a oportunidade e dado um belo exemplo (por sinal, promessa de campanha) e determinado o fechamento definitivo do centro de tortura de Guantánamo.

E para que não nos esqueçamos de quem são os EEUU em defesa dos direitos humanos dos outros, a retórica “humanitária” na ação de seus soldados registrada durante dedicada sessão/lição de direitos humanos em Abu Ghraib.

Repercussão I

Muitos dos que se debruçam sobre o que escrevinhamos comentaram sobre o artigo “Sinal dos Tempos Particulares” (O TROMBONE, de 20 de março), reconhecido pelas ponderações plenas de uma verdade que se impõe reconhecer. Particularmente, alguns consideraram e reafirmaram a idéia de que a derrota de Juçara em 2008 se devera ao marketing.

Sob esse prisma caberia lembrar – para inserção das lembranças na crítica sobre o passado – a atuação do marketing na reeleição de Geraldo Simões em 2004, quando a campanha de Fernando, utilizando-se da não-percepção do povo sobre o que ocorria de avanços na Saúde de Itabuna com a gestão plena e a instalação de equipamentos e sistemas de administração que levariam a uma considerável melhora no atendimento, atacou o processo em implantação e jogou no imaginário da população que melhor seria o retorno dos “carrinhos da saúde”.

Os que pensavam a campanha de Geraldo não perceberam o que ocorria e deixaram-se empolgar por difundir uma propaganda virtual, de repercussão remota, mostrando as indústrias que acorreriam à Itabuna em decorrência da implantação de um ponto de distribuição de gás em Itabuna também divisado de um helicóptero.

Repercussão II

Facilmente podia-se perceber que o imediato era emprego e saúde – o que propunha Fernando – e não o emprego num lapso de tempo em muito adiante – tanto que até hoje, sete anos depois, o parque industrial ainda não chegou.

Claro que a derrota de GS não pode ser tributada somente a isso. Temos – e disso foi ele avisado (e não escutou) a partir de dados de fonte fidedigna – que uma fraude eleitoral se implantara e consumaria a vitória de Fernando.

Sem esquecer outros erros como aquele que ficou famoso como “PT do tapetão”, dado de bandeja a FG quando GS o ultrapassava nas pesquisas, assim que se iniciara a campanha no rádio e na televisão.

Mas, se os companheiros tiverem que culpar derrota ao marketing de campanha eleitoral tanto 2008 como 2004 estão no mesmo saco.

Mas, cá para nós, depender só de marketing deixa a desejar.

Água I

Até 2025 precisaríamos investir 70 bilhões para evitar a escassez de água. O desperdício alcança pelo menos 40% da água consumida. O precioso líquido será escasso ou falto em 55% dos municípios brasileiros em 2015. Os dados do caos são da Agência Nacional de Águas.

No entanto deixamos de recorrer a ações baratas e imediatas, como a cobertura vegetal das nascentes. Por que não investir no reflorestamento das cabeceiras e dos mananciais?

Se agirmos assim, já em 2015 teríamos resultados alvissareiros.

Água II

Sob outro prisma é não aceitar a discussão pelo critério da oportunidade de negócios e de lucro. O acesso à água deve integrar o universo dos direitos naturais – como a vida e a liberdade – e não como mercadoria em balcão de escambo.

Não é à toa que sempre em evidência a privatização dos sistemas de captação e distribuição de água como saída para a crise anunciada.

Talvez aí resida a dificuldade em priorizar o reflorestamento de cabeceiras e mananciais. A crise dá dinheiro, a solução não.

“Aviso ao navegante”

A propósito da emblemática nota publicada neste O TROMBONE na segunda 21, e considerando a sede com que atores da classe política estão indo ao pote, poderíamos, sem medo de errar, pluralizar o título para AVISO AOS NAVEGANTES.

O detalhe fica por conta do tamanho do barco para conduzir tantos “marinheiros”, alguns de primeira viagem, correndo o risco de ser a última.

Sob fogo cerrado

coligaçõesAs coligações nas eleições proporcionais (deputados federais, estaduais e distritais e vereadores) estão sob fogo cerrado. A manter-se a linha de pensamento aprovada na Comissão Especial da Reforma Política do Senado no último dia 22, que elabora anteprojeto de lei para o desiderato, está com dias contados.

Tendo se tornado um instrumento de negociata política – que alimenta da eleição de quem não teve votos a horário em televisão – encontram-se sob baterias anti-aéreas de longo alcance: Roberto Requião, Itamar Franco, Humberto Costa, Aloysio Nunes e Lídice da Mata entre elas. Detalhes em http://www.senado.gov.br/noticias/

Aguardemos as reações, inclusive do PCdoB, que sempre soube muito bem usar o sistema.

Preocupações I

gs e lvAo que parece demonstrar, o deputado Geraldo Simões percebe que depende do PMDB para viabilizar sua proposta política para as eleições municipais. A tônica nestes dias é sua amizade com Lúcio Vieira Lima, que seria o interlocutor com o partido, a partir do alto, como sinaliza em entrevistas.

Até mesmo uma foto, no fundo de um plenário vazio, mais para elaborado marketing, está sendo divulgada, flagrante missa encomendada.

Como naquela fábula do gato que estava arrasando a geração dos ratos e diante de uma aplaudida sugestão – em assembleia dos que se viam em estágio de extinção – de que fosse posto um guizo no gato para alertá-los da aproximação felina, de logo enfraquecida pela experiência anciã que liquidou a proposta com um simples “quem vai por o guizo?”, não custa indagar se o “gato” do PMDB baiano concorda.

O nome do gato, até prova em contrário: Gedel Vieira Lima. Sem falar que um outro também terá que ser consultado: Fernando Gomes.

Preocupações II

Como escrevemos (Sinal dos Tempos Particulares, O TROMBONE de 20 de março) evidente que as movimentações de GS têm repercussão apenas na província itabunense, visto que não poderão afetar o projeto de poder do PT baiano.

Nesse particular não custa também verificar como andam as relações do “gato” com o Governador Jaques Wagner.

Por trás de tudo certamente as dificuldades que Geraldo enfrentará com históricos aliados.

Preocupações à deriva

A não ser que a conquista de uma das diretorias da Caixa Econômica Federal por Gedel Vieira Lima mais seja por tributo da intervenção de Wagner do que pela de Michel Temer.

Não é anedota IV

Mais uma etapa da série de nomes de novas agremiações religiosas, surgidas para o mundo só em 2010: Igreja Evangélica do Pastor Andrade, o Homem Que Vive Sem Pecados; Igreja Pentecostal do Fogo Azul; Igreja Evangélica Branca de Neve; Igreja Palma da Mão de Cristo; Igreja da Pomba Branca.

Ainda há repertório. Continua na próxima semana.  

Jessier Quirino

A fornalha nordestina não descura de ofertar ao Brasil artistas puros, essências vivas de uma cultura que alimenta a qualidade do que se realiza neste país. Aqui, uma das vertentes dessa dimensão cultural, na poesia recitada através de um dos mais ricos criadores e personagens desses tempos: Jessier Quirino e sua “O matuto no cinema”.

______________

Cantinho do ABC da NoiteCaboco

Instaurada a “semana inglesa”, o aluno chegou cumprimentando um e outro, ampliando prosa aqui e acolá, apertando mãos e distribuindo abraços. Distraído se volta para Cabôco:

- Já serviu a minha, Cabôco?

- Por acaso sou Mãe Dinah para adivinhar qual a bebida ou o sabor que você quer?

_________________

Adylson Machado é escritor, professor e advogado, autor de "Amendoeiras de outono" e " O ABC do Cabôco", editados pela Via Litterarum

DE RODAPÉS E DE ACHADOS

Domingos Matos, 20/02/2011 | 17:16
Editado em 20/02/2011 | 17:58

Adylson MachadoQuando o tema se esgota em si mesmo, um rodapé pode definir tudo e ir um pouco além.  

Adylson Machado

                                                                              

 Judiciário lá e aqui

A reação da Associação dos Magistrados Brasileiros – evidentemente corporativista, dentro do mais clássico sprit du corps – desacredita a magistratura quando em pauta a prolação de uma sentença em dois dias envolvendo a liberação de 2,3 bilhões de reais contra o Banco do Brasil, oriunda de uma Vara da Justiça Comum paraense e confirmada por uma desembargadora do Tribunal daquele estado. Maiores detalhes em http://www.advivo.com.br/luisnassif (“Juíza e desembargadora aprovam depressa golpe de 2,3 bi”).

A reação da AMB enfrentou uma decisão administrativa da Ministra Eliane Calmon, em sede do Conselho Nacional de Justiça, que anulou a decisão.

Não nos cabe o mérito – em que pese muito estranha a rapidez da decisão envolvendo volume tão grande de dinheiro, com o agravante de não ter sido ouvido o principal interessado (Banco do Brasil).

De orelha em pé

Estranhas decisões deixam o cidadão comum de orelha em pé. Por aqui, em não tão distantes dez anos, uma tutela antecipada (decisão que antecipa o que será definitivo na sentença), que exige, pela lei, verossimilhança (indiscutibilidade de provas, verdade absoluta etc.) foi concedida contra o Município de Itabuna, de quantia superior a 2,6 milhões de reais, sem que o município tomasse conhecimento da existência do processo, que se amparava tão somente em nota de empenho e nem mesmo comprovada estava a prestação do serviço.

Para encurtar: o município reverteu o prejuízo e a magistrada prolatora não é mais do quadro do judiciário baiano.

Deu no blog de Nassif

A imagem de Itabuna não anda lá essas coisas. No entanto, tornou-se título em matéria assinada por Rosana Lanzelotti, no dia 13 de fevereiro no portal de Luiz Nassif (A Musicologia de Itabuna). Ou seja, a terrinha estava presente em noticiário nacional. A leitura, no entanto, vinculava a cidade de Itabaiana, em Sergipe.

Nossa conclusão: Itabuna como notícia nacional ou é dengue ou erro de impressão.

Mototáxi I

mototaxisSomos contrário à liberação da atividade do transporte remunerado de passageiros através de motocicleta. Nossas razões se enfeixam, entre outras, no âmbito da segurança. Um veículo de quatro rodas teve de corresponder a inúmeros itens para asseguramento da incolumidade física de seus integrantes.

Tal circunstância se torna impraticável, se não inviável, na motocicleta, a começar por um simples componente: o cinto de segurança. Ainda que se fizesse conter na regulamentação uma velocidade compatível para o perímetro urbano – 20 quilômetros, por exemplo – não pode ser assegurada qualquer proteção em caso de acidente.

Outro, da higiene e saúde: ou cada passageiro terá de adquirir o próprio capacete, ou fica sujeito ao de uso coletivo e convivência com a utilização por portadores de várias doenças, que vão da tuberculose a sarnas e infecções da pele etc. (nesse aspecto a palavra fica com os técnicos).

Mototáxi II

Mesmo contrário, pelas razões acima, politicamente – considerando a preexistente promessa de candidatos e governantes, que não é nova – cumpra-se o prometido e se busque os meios de assegurar a proteção minimamente necessária ao passageiro.

Cada dia mais numerosa a classe motociclista itabunense que sobrevive da atividade de transporte de passageiros já ouviu de Geraldo Simões que se houvesse autorização legal – ou seja, lei federal – promoveria os estudos para a viabilização do transporte. Azevedo repetiu a promessa.

Cumpra!

A fórmula

formula coca colaAinda que seja jogada de marketing não nos furtamos à curiosidade da revelação da fórmula da Coca-Cola, decantado tema no ABC da Noite, visto que Cabôco Alencar exige a famosa alquimia para que forneça a de suas batidas. As anotações correspondem à receita original, de 1886, do próprio John Pemberton.

Naquele 1% crucial para o sabor característico estão relacionados álcool e gotas de óleo de laranja, de limão, de noz moscada, de coentro, de canela e de neroli (extraído das flores da laranjeira amarga).

A matéria com outros detalhes (“A receita original da Coca-Cola”) o leitor encontrara no blog de Luiz Nassif.

Paulo Alvim I

É como futucar casa de marimbondos qualquer crítica à CEPLAC. Muitos se juntam para a defesa intransigente sem análise do que está sendo posto. O passamento de Paulo Alvim nos fez lembrar texto por nós publicado quando redigíamos para o então Diário do Sul. Não o traremos nesse instante.

Mas, lembraríamos e recomendaríamos – neste tão decantado instante em que os resquícios de reserva da Mata Atlântica se tornam objeto de acalorados debates – a leitura de “A Ferro e Fogo – a história e a devastação da Mata Atlântica brasileira” (Companhia das Letras, 1996), de Warren Dean, tradução de Cid Knipel Moreira.

Paulo Alvim II

Do renomado cientista nos vem também à memória o debate – para nós inesquecível e histórico – entre o palestrante José Lutzemberg e o ceplaqueano, ocorrido durante o II Seminário Brasileiro de Direito Agrário, em Ilhéus, no ano de 1979.

Vencido por Lutzemberg. Com um detalhe: o tempo de mais razões o agraciou.

Anúncios I

Anunciar-se pré-candidato dentro do PT é quase um lugar comum. Principalmente num partido que democraticamente admite até aquele decantado por nós “Bloco do Eu Sozinho” como tendência. Mas, entendemos que a pretensão esposada pelo vereador Vane do Renascer – se legítima – esbarra em muita coisa, que pode ser resumida numa palavra: amadorismo.

Seja-o pela realidade interna em Itabuna, seja-o pela dificuldade eleitoral.

Atualmente discutem vários observadores as dificuldades eleitorais a que se sujeita o próprio Geraldo Simões. O que dizer de nomes que não conseguiriam aglutinar outras agremiações por falta de densidade e liderança eleitoral?

Anúncios II

No entanto, para estar em evidência e manter o colégio eleitoral para a reeleição, a pretensão pode ser resumida em uma palavra: profissionalismo.

Novos tempos I

Entre encômios mil a reabertura dos trabalhos legislativos em Itabuna. Presente o Prefeito contribuindo para uma nova visão nas relações Executivo-Câmara Municipal.

Recomenda-se aguardar acontecimentos.

Novos tempos II

É o que parece sinalizar a administração municipal, com a assunção de Pedrassoli no comando das finanças. Realizando o trivial já atrai as atenções.

Como é da turma de Fernando Gomes, alimenta a “competência” do fernandismo.

AMURC

Anuncia planejamento estratégico e situacional. Como os cavaleiros de Granada, disparados em louca cavalgada pela madrugada. Para que? Para nada, já dizia Miguel de Cervantes.

Educação

Em São Paulo rodízio em escolas da Zona Sul motivado (pasmem!) por falta de carteiras nas escolas. Inovação tucana: escola sem carteira.

Reeleição I

A cidade tomada de faixas enaltecendo e destacando a parceria Azevedo e Wagner. Pessoalizada nos nomes, porque nos partidos de cada um daria “água e óleo” – para lembrar César Borges.

Sinal evidente: Azevedo lançou seu nome à reeleição.

Reeleição II

Azevedo aprofunda o projeto político-eleitoral e tirará um dos discursos do PT em 2012: de ser parceiro dos Governos Federal e Estadual. Integrará um partido da base, que pode ser o PP.

O que vinha sendo ensaiado começa a sair da planilha.

Reeleição III

A propósito, as muitas faixas distribuídas pela cidade enaltecendo a parceria Azevedo-Wagner sinaliza a pavimentação do terreno para 2012.

Para nós podem ser consideradas típica propaganda eleitoral antecipada.

PT e a militância

Nas comemorações locais pelos 31 anos do Partido dos Trabalhadores a exortação mais importante: levantar a militância para reencontrar o poder municipal.

O trabalho mais difícil da direção partidária será motivar essa militância. E, mais que isso, juntar alguns cacos quebrados nos últimos anos.

Dizia-nos uma fundadora do partido que não mais se abala para ir às ruas. Desencantou-se depois de ver num mesmo palanque figuras que a perseguiram em Itapé abraçadas às lideranças petistas.

Mas não agüentou mesmo foi quando a turma a chamou de “companheira”.

Militância

O trabalho fica difícil quando a motivação passa a ser emprego para um, para outro. Ainda que no poder não dá para todo mundo. O que é natural!

No entanto, fica difícil convencer quando um emprego ou outro cai no colo de algum carlista roxo e convertido neo-petista.

Precedentes

O blog de Luiz Nassif http://www.advivo.com.br/luisnassif publica “O plágio no concurso de textos de promotores” sobre a devolução de prêmio por um titular do Ministério Público Federal depois de admitir “possível plágio”.

Recomendamos ao blog a leitura de autor(res) itabunense(s) de costado. Não haverá surpresa se encontrarem na obra grapiúna Fernando Pessoa, Jorge de Lima.

Sem falar nos anônimos todos que não podem provar o surrupio.

Cala-te boca! – diria minha avó Tormeza.

Argolo I

Não se trata de discutir imposições e ingerências em relação a pontos de vista e convicções. Mas, para os que acompanharam as discussões na Câmara Federal na última quarta 16, a considerar o que foi dito pelos deputados Miro Teixeira e Paulinho da Força, havia uma solução intermediária que poderia encontrar consenso até mesmo junto a técnicos do Governo. Em torno ponderou o relator Vicentinho, quando respeitou em seu voto a existência do acordo em relação à emenda elevando o mínimo para 560,00 considerando a parcela de 15,00 como antecipação do aumento para 2012 (que tende a superar 12%)

A retirada de assinaturas de ACM Neto e do líder tucano a pedido do baiano demonstrou a jogada política feita por DEM-PSDB. Sabendo que 600,00 (sua proposta) nunca alcançaria aprovação, e como 560,00 envolveria amplo leque que afastaria “o pai da criança” da emenda o jogo ficou evidente.

Argolo II

Nesse sentido Argolo errou feio ao entrar na barca furada. Ainda que integrando a base do governo – que alcançou 361 votos – preferiu estar ao lado dos pouco mais de 100 que embarcaram no bico tucano.

Considerando as faixas dispostas em Itabuna a “parceria” Azevedo-Wagner precisa funcionar sob pena de perder liberações futuras, se assinadas por Luiz Argolo.

Amadorismo. E política não é para amadores. Principalmente se dissidente passar a ser tratado como dissidente.

Na disputa itabunense Geraldo deve estar às gargalhadas.

Itororó e suas contradições

adroaldoSe acompanhado por informações da imprensa itabunense o gestor do município da carne de sol – depois da árdua conquista de uma suplência no Conselho Fiscal da UPB – estaria em alta na terrinha, tantos encontros e contratos celebrados.

No entanto, não é a realidade em Itororó: se perder aliados de primeira hora é Purgatório o astral de Adroaldo já está no último estágio do Inferno.

E o que andam falando do prefeito extrapola até a administração.

Por outro lado, teria a seu favor algumas obras realizadas. Mas o povo tomou uma antipatia daquelas!

Utilidade pública

Sob o título “Dinastia ‘Dantas’ em Itajuípe” o blog Políticos do Sul da Bahia publicou no dia 13 de fevereiro – sem avaliar a possibilidade jurídico-eleitoral – a possível pretensão do prefeito Marcos Dantas de lançar sua atual vice à sucessão municipal, que seria sobrinha do alcaide.

Não deixa de ser singular a matéria veiculada, levando-se em conta que a observação – sob o condão do título – alcança somente Itajuípe. Temos, no entanto, como utilidade pública se sair de municípios menores para os maiores.

Se houver esquecimento pelo caminho, pode ser missa encomendada.

Se não for dois pesos e duas medidas!

Carnaval

As imagens de sábado dispensam comentários. A espontaneidade marca a tradição carnavalesca do tempo das marchinhas, quando o Carnaval ainda não fora privatizado. Muita gente de outros municípios acorreu para a programação centrada no Beco do Fuxico

A alegria, no entanto, deixa uma triste lição: a incompetência do poder público municipal em não assumir o evento em seu calendário de festas, contribuindo em muito para a economia local.

A melhor lição, entretanto, está no próprio povo: deixe-o em paz que ele faz a (melhor) festa.

Homenageando nossos foliões (abaixo) a eterna Emilinha Borba cantando no Sílvio Santos.

__________

Cantinho do ABC da Noite

cabocoO consagrado espaço é reconhecido como “escola” e os consumidores da alquimia alencarina como “alunos”. Daí porque não falta alguém trazendo um visitante para ser “matriculado”.

Assim, seu proprietário é dela diretor e professor. Por essa vertente, aparece alguém, ainda que consumidor habitual, para provocar o filósofo do Beco:

- Que dia é a matrícula, Cabôco?

- Pra você que é repetente vou lá gastar papel!

_________________

Adylson Machado é escritor, professor e advogado, autor de "Amendoeiras de outono" e " O ABC do Cabôco", editados pela Via Litterarum

DE RODAPÉS E DE ACHADOS

Domingos Matos, 09/01/2011 | 11:44
Editado em 09/01/2011 | 14:13

Adylson MachadoQuando o tema se esgota em si mesmo, um rodapé pode definir tudo e ir um pouco além.  

Adylson Machado

                                                                              

Reforma administrativa

Ainda que não traduza ao munícipe a confiança que deveria nortear o processo de reestruturação do primeiro escalão, o Prefeito José Nilton Azevedo demonstra finalmente pretender alguma coisa. No entanto, as nomeações para a Saúde e Hospital de Base não conseguem sinalizar que as alterações sejam estruturais. Não pode ser esquecido que embates internos, como o controle dos recursos da Saúde, se não forem superados em definitivo maquiarão qualquer tentativa de mudança.

Não basta nomear, mas extrair os tumores pela raiz. Que são muitos.

Antônio Vieira

vieiraO imbróglio na transmissão de cargo na Saúde de Itabuna (ver) deixa uma vítima: a morte de qualquer projeto político acalentado por Antônio Vieira. O desgaste torna-se pá de cal nas futuras pretensões do conceituado médico no Município, difícil de ser superado.

Para o observador não deixa de ser estranho que um itabunense não possa gerir a Saúde itabunense. Nem falemos em Paulo Bicalho, mas dos muitos profissionais da Medicina ou da Administração local.

Saúde pública não é comércio

Dr. Campos da Paz, reconhecido administrador da rede Sarah Kubitschek, já afirmou que a medicina pública é incompatível com o lucro. O cidadão entenderá como único lucro possível a qualidade que receba do serviço prestado, para o qual contribui através da carga tributária.

Complementaríamos: também não é cabide de emprego.

Um detalhe, quase despercebido

O Brasil, que já foi o maior exportador de café do planeta, detendo 96% do abastecimento mundial, nos idos de 1929 – São Paulo com quase 100% da produção nacional – se debruça sobre o inusitado de importar café do Vietnã (Hélio Fernandes, na Tribuna da Imprensa on line, de 6 de janeiro).

Quando a Bahia importou cacau da África os céus desabaram...

Banda larga

banda largaO Governo Federal aprofunda a proposta de internet a preço popular, desenvolvendo política de governo voltada para a universalização da inclusão digital, coordenada pela nova Telebrás. O Ministro das Comunicações anunciou a Secretaria de Inclusão Digital. Os sinais se evidenciam com a nomeação de Cezar Alvarez, principal responsável pelo Plano Nacional de Banda Larga, ex-coordenador do Programa de Inclusão Digital da Presidência no Governo Lula como Secretário Executivo do Ministério.

Os interesses vários trabalharão contra a iniciativa. Em jogo o controle da mídia digital por alguns poucos grupos. Como ainda ocorre com a analógica.

Hoje o que está aí pode ser traduzido como a venda de carne de pescoço como filé mignon.

 Saúde

Um sistema de metas é o que pretende o Ministro da Saúde Alexandre Padilha, através de contratos de gestão com metas fixadas a partir de indicador nacional que será pactuado entre União, Estados e Municípios. Detalhes em www.advivo.com.br/blog/luisnassif - “As metas no Ministério da Saúde”, a partir de Caio Junqueira, do Valor, em 04.01.2011.

A estratégia se inspira na própria realidade do SUS, por sua dimensão federativa, acentuando o Ministro a defesa em torno da regulamentação da Emenda 29, que delimita obrigatoriedade de ampliação de repasses dos recursos federais para a Saúde, baseados na variação nominal do PIB aproximando a União do percentual de 5% da arrecadação tributária por cada ano, tendo por parâmetro o de 1999.

Considerar que o atual Ministro da Saúde foi Secretário de Relações Institucionais, com função específica de articular a política do governo com Estados, Municípios e Congresso Nacional.

Há sinais de reedição daquela “articulação” no âmbito da Saúde e os anunciados contratos de gestão, respeitando as desigualdades regionais, contemplando um mapa nacional das necessidades da área, demonstram, além do propósito, um desafio.

Educação

O Ministro Haddad pretende ensino médio em tempo integral, estudantes com formação profissionalizante em turno complementar e um concurso nacional para professor a partir de 2012, que o habilitará para ministrar aulas em qualquer unidade da Federação. Ou seja, um professor do Paraná pode ser requisitado por uma prefeitura baiana, que o trará baseando-se no seu desempenho. Claro que o deslocamento do professor ocorrerá se a remuneração convier.

O Professor e a reforma ortográfica I

Na internet (http://www.acordarmelhor.com.br/) a proposta do Professor Ernani Pimentel para simplificar a recém-chegada reforma ortográfica, disponibiliza um manifesto para ser subscrito pelo internauta visando melhorar o que aí se encontra.

Lembramo-nos de duas obras do pernambucano Nestor de Holanda, descobertas na Livraria Cairo, em Vitória da Conquista, nos idos de 1965: “Analfabetismo ao Alcance de Todos” e “A Ignorância ao Alcance de Todos”, ambas hilárias.

No “A Ignorância...” pontuava que a complicação e as renovações gramaticais somente seriam superadas no dia em que os gramáticos dispusessem de um piso salarial que lhes assegurasse a sobrevivência digna. Dizia-o no plano da gozação, porque, para ele, tanta mudança só encontrava um sentido: vender publicações. (Que diria hoje com as obras voltadas para Exame da OAB?).

O Professor e a reforma ortográfica II

Temos o sentimento particular de perda irreparável com o assassinato do trema, banido da língua portuguesa, em que pese respeitado quanto à estrangeira. E nem se fale na confusão em que se tornou o hífen, suprimido aqui e permitido ali.

Ao Professor Ernani Pimentel fica a sugestão: um manifesto pela regulamentação da profissão de ortografista da Língua Portuguesa. Talvez estanquemos as reformas. E promovamos uma contra-reforma, perdão, contrarreforma.

E a propósito do hífen, a lição de Bule-Bule

Nássara I

sebastião nery nassaraDois traços nos causam atração particular: Nássara (1910-1996) e Henfil (1944-1988). O inconsciente talvez ponha em evidência a contradição entre o expressado pelos dois: enquanto Henfil traça pela quase unicidade da linha, de conteúdo fimbrio, assegurando vida ao quase nada (como no Fradim), Nássara desnuda o gordo/quadrado, geometrizado em esferas, cones e ovóides que se combinam, onde beberia um Botero. Seu desenho exercita uma técnica próxima do logotipo ao explorar a riqueza geométrica.

Em suas incursões pela música nos fica eternamente a marcha carnavalesca Alá-lá-ô, em parceria com Haroldo Lobo, de 1941, provavelmente o seu maior sucesso.

O anedotário político de Sebastião Nery (aqui retratado pelo próprio Nássara) encontra apoio no traço que fixa na abstração real a fisionomia dos caricaturados políticos do texto neriano.

Nássara II

getulio nassaraÀ disposição o livro “Nássara Passado a Limpo”, do historiador e músico Carlos Didier, pela José Olympio, para comemorar a centúria do grande cartunista. O inusitado: lançado para o centenário já o havia ultrapassado, quando Didier descobriu a certidão de nascimento do biografado acusando o seu nascimento em 12 de novembro de 1909 e não 28 de dezembro de 1910 como se imaginava.

Aqui, um dos clássicos políticos retratados por Nássara.

Aniversário

AdeildoDo produtor cultural Ari Rodrigues http://arirodrigues.blogspot.com recebemos matéria sobre o aniversário de Adeildo Marques (70 anos), presidente do Clube dos Poetas do Sul da Bahia.

A propósito, a turma da poesia, tratada a pão e água, como a cultura local, pelo Presidente da FICC, é mais uma parcela indignada com a SNA – Síndrome da Necessidade de Aparecer de Cyro de Mattos.

Aplausos externos, silêncio interno

A chula encontra sua Geografia física na região de Santo Amaro da Purificação e poderíamos lembrar de “A Massa” (Raimundo Sodré e Jorge Portugal), como expressão mais fácil de reencontrar seu ritmo no imaginário (há uma leitura rítmica de Seu Jorge, que sustenta a originalidade na divisão de voz, não nos recursos de arranjo e acompanhamento. Tânia Alves também a gravou, com toque próprio). Integra a cultura da terra de Dona Canô e cercanias, sustentada nas tradições africanas ali eternizadas.

Enquanto desconhecemos sua importância os nórdicos de Copenhague com ela se embevecem, através do “Samba Chula de São Braz”. Melhor do que falar é ver e ouvir. E dançar.

Prejuízo I

Um comerciante da área de alimentação confessa: neste dezembro vendeu 1.000 refeições a menos, comparando com 2009. Motivo: cancelamento de dezenas de reservas de mesas de 30, 40 até 70 pessoas por causa do não-recebimento de 13º da Prefeitura e de hospitais locais. Pessoalmente encontramos restaurantes vazios em pleno pique dos festejos e uma cidade vazia, com cara de cemitério nos feriados.

Os prejuízos não ficam por aí. Uma contribuição negativa se encontra sedimentada há anos: ausência de qualquer programação festiva que atraia visitantes da região e mantenha o itabunense em sua cidade. As perdas se aprofundam, inviabilizando, inclusive, a economia informal.

Prejuízo II

O secretário Carlos Leahy, anunciava, eufórico, a Ederivaldo Benedito, no primeiro “Fórum de Debates” do ano, da TVI, a implantação de uma gama de indústrias e casas comerciais para breve. Temos, no entanto, que não solucionará problemas como o do dono do restaurante e de uma parcela da população até que os entes públicos ou a ele vinculados cumpram tempestivamente com suas obrigações trabalhistas e assumamos nossa dimensão de pólo de atração, deixando de alimentar este complexo de vira-lata recentemente assumido diante de Ilhéus.

Temos fontes promissoras: programar festejos, recuperar o folclore, promover atrações para o mês de dezembro, valorizar os bairros. Itabuna não é somente Shoping Jequitibá e Avenida do Cinqüentenário.

Só então evitaremos que o dinheiro aqui ganho pela massa trabalhadora seja gasto com a cerveja em Ilhéus quando aqui tantos também vendem a loura.

Telefonia x privatizações

A Oi, Vivo e assemelhadas são fruto do processo de privatizações promovido à sorrelfa como solução divina sob FHC. Em que pese às claras foi vendido como milagre, daí o ardil, esquecidos os aumentos da tarifa (o primeiro fez elevar de 1,90 para quase 13,00 a assinatura, no início de 1995).

Quando a tecnologia avançava e conquistava a telefonia fizeram-na confundir com a privatização e o acesso como parte do milagre. Ninguém ponderou sobre o custo do minuto e quejandos.

Disseram quebrar o monopólio estatal e, no entanto, dividiram o bolo instalando “monopólios regionais”: Norte e Nordeste para A, Sul para B, Sudeste para C e por aí criados os feudos. Quando ocorria um problema técnico caía-se de pau sobre o governo – inoperante e ineficiente para os críticos.

Um incêndio nas instalações da OI em Salvador ainda nos causa problemas. E prejuízos para o consumidor dos serviços. Na esteira a internet.

Mas ninguém diz nada.

Chumbo grosso I

“Ministério das Comunicações garante aos herdeiros dos acionistas da Televisão Paulista (hoje, TV Globo de SP) o direito de vista aos processos que transferiram o controle para Roberto Marinho, com base em documentos falsos e anacrônicos” é o título de matéria assinada por Carlos Newton na Tribuna da Imprensa on line de 5 de janeiro. Por si já diz tudo.

Para os que não acompanham o fato, tramita judicialmente uma ação anulatória pretendendo o retorno do patrimônio aos herdeiros, que já haviam buscado a documentação dita falsificada com pedido protocolado desde 2008. Enquanto Hélio Costa foi Ministro, nada. Agora a coisa parece andar.

Chumbo grosso II

Quanto aos desdobramentos... Até agora a Globo tem conseguido decisões espatafúrdias e mantido a Globo de São Paulo, que responde por 50% de seu faturamento. Em que pese o Ministério Público entender que há fortes indícios de fraude, como falecidos outorgando mandato datado de antes de 1965 incluindo número de CPF, quando ainda nem mesmo existia o cadastro.

Por essas e outras talvez a razão por que ninguém da Globo compareceu à posse de Dilma. Não é à toa que o JN no Ar já começou a voar pelo Brasil. O mesmo que durante a campanha mostrava somente o que não prestava. A novela será reprisada. Esperem para ver e não esqueça o leitor que DE RODAPÉS E DE ACHADOS profetizou a futura programação: bater no governo Dilma sem dó nem piedade.

O JN no Ar é o caminho. Contará com o Judiciário... Leia-se, a morosidade do Judiciário.

Se a moda pega!

globo“Globo multada por atentar contra a privacidade”, matéria editada por http://www.advivo.com.br, neste 8 de janeiro. A multa de 2,6 milhões decorreu de descumprimento à ordem judicial que determinava a retirada de imagens hospedadas em blogs da Platinada, em ação proposta em 2002.

Se a moda pega!

_____________

Cantinho do ABC da Noite

caboco“Zé” – tradicional diminutivo, apócope de José – presente no imaginário brasileiro, assume especial contorno no professoral “ABC da Noite”. Ali se esconde o “Zé” na verve alencarina e por ele expressa as mazelas de todos Zés, ou todas as mazelas dos Zés. Como o boteco é escola, dispõe de um quadro-de-giz onde escritas as lições para os alunos, sempre assinadas por um “Zé”.

Nele as mais várias manifestações do Filósofo do Beco do Fuxico, manuseando frases e significados, semantizando a vida humana. Como aquela parodiando a sinceridade e a transparência:

 “Minha vida é um litro aberto” – Zé Caninha.

Ou esta metaforizando a classe política:

“Se Amazonas é o pulmão do mundo, Brasília é o intestino grosso” – Zé Romeiro.

Depois de tudo

Rir pra não chorar!

traçastraçosAdylson Machado é escritor, professor e advogado, autor de "Amendoeiras de outono" e " O ABC do Cabôco", editados pela Via Litterarum

Ruy confirmado em eleição 'da justiça'

Domingos Matos, 31/12/2010 | 11:22
Editado em 31/12/2010 | 11:37

Ainda não acabou a disputa nos tribunais, mas nessa sexta-feira a Câmara Municipal de Itabuna consegue um novo presidente: Ruy Machado (PRP), que obteve 10 votos no pleito que está sendo contestado na justiça pelo adversário Roberto de Souza.

As principais contrarrazões de Roberto são pautadas na ilegalidade da decisão judicial que garantiu essa nova - a terceira! - eleição para o legislativo itabunense. Olhando de fora, é possivel, sim, identificar algumas estranhezas: não houve discussão nas comissões técnicas, não há projeto que autorize o pleito e não houve ato administrativo (da presidência) convocando a disputa.

Como foi dito, são apenas estranhezas, que podem ou não ser levadas em conta na hora do Tribunal de Justiça julgar o pedido de liminar que cassa essa eleição. Os advogados de Roberto, certamente, terão argumentos mais fundamentados para a ação.

O certo é que, embora pareça o contrário, nada é definitivo naquela Casa. Na impossibilidade de uma refundação - ou coisa que o valha -, seguimos aqui, como se estivéssemos observando um enfadonho jogo da velha.

Merecíamos um fim de ano melhor.

TSE finaliza julgamento e Geraldo tem registro deferido

Domingos Matos, 03/12/2010 | 17:30
Editado em 03/12/2010 | 17:32

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) deferiu nesta sexta-feira (3), em definitivo, o registro da candidatura do deputado federal Geraldo Simões (PT). Em um dos casos mais comentados das eleições de 2010, foram rejeitados ambos os recursos do Ministério Público Eleitoral e do PMDB baiano.

De acordo Tiago Cedraz, advogado do parlamentar, o TSE seguiu a mesma orientação que o Tribunal Regional Eleitoral (TRE-BA). “O Tribunal Superior Eleitoral, acertadamente, manteve a decisão do TRE da Bahia e assegurou a diplomação do candidato”, afirmou.

O registro de candidatura do parlamentar chegou a ser rejeitado pelo TRE pelo fato de as contas da prefeitura de Itabuna, na época em que governava o município (1990 a 2000), terem sido rejeitadas pelos tribunais de Contas dos Municípios (TCM) e da União (TCU). Simões foi liberado pela Justiça para concorrer à reeleição para a Câmara Federal e obteve 75.977 votos.

Informações do Bahia Notícias

''Tudo pode acontecer''

Domingos Matos, 26/10/2010 | 13:30
Editado em 26/10/2010 | 13:48

O título acima é o mesmo da nota publicada na coluna "DE RODAPÉS E DE ACHADOS", aqui n'O Trombone, nesse domingo (23), que já antecipava o que agora denuncia a filósofa Marilena Chauí (veja post abaixo).

Leia a nota do nosso articulista, o professor, escritor e advogado Adylson Machado (aproveite para ler a coluna toda, clicando AQUI) e confirme o que diz o próprio Machado sobre os rodapés:

"No roteiro golpista, conhecido de tantos anos, o incidente ocorrido no Rio de Janeiro vai agitar as mentes que perderam o equilíbrio no curso do processo eleitoral. O “índio” levantará a borduna e dará o grito de guerra, nome, por sinal, do Presidente do PSDB.

Se a dimensão do desespero se aprofundar no ninho emplumado, tudo pode acontecer: até um atentado de “verdade”, que atingirá um tucano, cometido por outro “tucano” vestido de vermelho e empunhando uma bandeira estrelada.

A nova farsa só será descoberta depois das eleições, quando o resultado for definitivo."

Esperamos, claro, que as previsões - bem possíveis! - dos dois intelectuais não se confirmem, mas não descuidemos um minuto só até o próximo domingo.

DE RODAPÉS E DE ACHADOS

Domingos Matos, 24/10/2010 | 12:11
Editado em 24/10/2010 | 13:40

Adylson MachadoQuando o tema se esgota em si mesmo, um rodapé pode definir tudo e ir um pouco além.  

Adylson Machado

                                                                              

Samu I

Sabido o que recebem de trotes atendentes do SAMU, Corpo de Bombeiros, Polícia Militar. Brincadeira com o sério, pondo em risco integridade ou vida de alguém. Isso tem levado a que haja verdadeira sabatina quando se liga para o atendimento.

Semana passada, este escriba buscou a urgência do SAMU para um vizinho hipertenso, inteiramente desacordado. Faltou-nos paciência para tanta pergunta, inclusive em torno de aspectos clínicos, impossíveis de resposta por falta de conhecimento.

Depois do périplo, enquanto o desespero tomava conta do ambiente, a atendente passou para um médico. Nossa paciência se esgotou e buscamos o carro na garagem para irmos pessoalmente nos apresentar, porque identificados todos já estavam (nomes, endereços, profissões etc.).

Felizmente nada aconteceu de mais grave.

Samu II

samuDiante do trote e de que muita gente pode morrer por causa de tardio atendimento, cabe à direção do SAMU melhor se preparar para atender. Em especial conhecer a natureza do trote em sua essência.

E uma solução simplérrima: adotar um registro e arquivo de chamadas, em computador, identificando quem telefona. Verificará se a pessoa já telefonou antes e o resultado da busca.

Muito melhor do que ficar um desesperado na linha e dois profissionais (atendente e médico) no outro lado perdendo tempo.

Pode custar caro

Aécio Neves rechaça qualquer relação com a quebra do sigilo fiscal de pessoas vinculadas a José Serra, como depôs Amaury Jr. à Polícia Federal. É possível. Mas nenhuma dúvida há de que a quebra, encomendada pelo próprio Amaury, se efetivou, a serviço do jornal Estado de Minas, para sustar iniciativas do tucanato serrista contra a pré-candidatura do mineiro para 2010. A “inteligência” a favor de Serra teria o comando do deputado federal Marcelo Itagiba. Disputa interna do PSDB, utilizada maliciosamente na campanha de Serra, como iniciativa do PT.

Depois das eleições muita coisa vai rolar. E pode chamuscar Aécio Neves e seus “aloprados”.

Mídia esforçada

pigNão se nega que a imprensa dedicada e comprometida com o tucanato e penduricalhos faz o que pode para livrar a pele de seu “cliente”. No momento, descaracterizar a Polícia Federal e as declarações do jornalista Amaury Jr. de que a quebra do sigilo fiscal de Eduardo Jorge, Verônica Serra etc. foi iniciativa tucano-mineira. Por sinal, prática de informação e contrainformação utilizada há muito no mundo político. (ACM tinha sempre às mãos famosos “dossiês”, desmoralizados pelo Presidente Itamar Franco quando o baiano tentou defenestrar Jutahy Júnior do seu Ministério).

O jornal mineiro HOJE EM DIA publica duas reportagens desnudando completamente a disputa entre mineiros e paulistas e desmente por completo as versões trazidas pelo jornal ESTADO DE MINAS e rede Globo para as denúncias de Amaury Jr.

Para maiores detalhes www.advivo.com.br/luisnassif/

Faltou sangue

Escrevemos neste DE RODAPÉS E DE ACHADOS (26 de set.) que faltava uma Rua Toneleros nessas eleições, famoso incidente em agosto de 1954, onde perdeu a vida o major Vaz e Lacerda deu um tiro no próprio pé (tanto que não entregou à polícia, para a perícia, o revólver que portava). O incidente no Rio de Janeiro, quando o tucano foi “atingido” pelo bólido lançado por petistas que realizavam um protesto contra a sua presença parecia a Rua Toneleros de que Serra precisava.

Vendo-se a imagem no SBT (não editada como a da Globo) nenhuma reação teve Serra depois de atingido, levando a mão à cabeça somente depois de um telefonema. Daí até o hospital, um pulo.

A tristeza tucana fica no detalhe: faltou sangue.

Basta não ver a Globo

No jogo de informação/manipulação de imagens de bolas de papel e de crepes atingindo o campo de pouso de Serra, uma circunstância está passando ao largo: o segundo lançamento ocorre em torno de 15 a 20 minutos depois do primeiro.

Com um detalhe: depois que José Serra atende a um telefonema. Não poderia o autor do novo bólido ser um tucano, para gerar a nova Rua Toneleros?

Especular não custa nada! 

Armação deixa jornalistas da Globo envergonhados

globo manipulaPouco a expressar. Remetemos o leitor a “O mal-estar dos jornalistas da Globo”, editado por http://www.advivo.com.br/blog/luisnassif/o-mal-estar-dos-jornalistas-da-tv-globo. Também a outros textos do mesmo portal: “O questionamento à edição do Jornal Nacional”, “Professor confirma armação da Globo”, “Armação do Jornal Nacional não tinha contra-regra” e “Os 5 erros de Molina”.

Também “Escândalo: a fraude do vídeo que a #globomente exibiu” e “Até jornalistas do JN vaiam Ali Kamel”, em http://www.conversaafiada.com.br/

Por essas, a Globo continua a mesma, como em 1989. Lá com Alberico; hoje, com Ali Kamel.

Desespero ou caráter?

José Serra, ao participar concretamente da farsa deixou para sempre a vocação de estadista para assumir a de malabarista. Neste último caso, nenhum circo o aceitará, por ser péssimo no que faz.

Sairá da campanha como SERROJAS, uma fusão de Serra com o goleiro chileno Rojas.

Rojas foi banido do futebol. Já Serra...

Huum! Muito estranho

urnaA urna eletrônica é oferecida pelo Judiciário Eleitoral como imune à fraude e sua segurança como dogma de fé, com caráter axiomático. Criação humana sob o crivo da infalibilidade, um atributo divino a ser acrescido a outras virtudes teologais como a Onisciência, Onipotência e a Onipresença. Recentemente a JE admitiu a possibilidade do voto impresso como forma de controle do resultado, luta encetada por Brizola e Roberto Requião há muito.

Sempre questionamos – se até o Pentágono já foi alcançado por invasores – por que “desmoralizaria” a urna eletrônica o voto impresso para conferência, se isto ofertaria maior transparência e credibilidade?

Diante de tanta “certeza” não entendemos a insistente propaganda do TSE veiculada no sentido de fazer crer ao eleitor em torno da segurança da urna.

Cá para nós – sem alarmismo ou paranoia – tem gato na tuba. Quem sabe para diferenças nas pesquisas em torno de 5%... Facilmente explicáveis na variação para mais e para menos!

Tudo pode acontecer

No roteiro golpista, conhecido de tantos anos, o incidente ocorrido no Rio de Janeiro vai agitar as mentes que perderam o equilíbrio no curso do processo eleitoral. O “índio” levantará a borduna e dará o grito de guerra, nome, por sinal, do Presidente do PSDB.

Se a dimensão do desespero se aprofundar no ninho emplumado, tudo pode acontecer: até um atentado de “verdade”, que atingirá um tucano, cometido por outro “tucano” vestido de vermelho e empunhando uma bandeira estrelada.

A nova farsa só será descoberta depois das eleições, quando o resultado for definitivo.

Eva Lima

eva limaEduardo Anunciação (DIARIO BAHIA, 20), em sua POLÍTICA, GENTE, PODER, vê Eva Lima como “incentivadora de espetáculos, inteligente mulher, inquieta fêmea, ótima atriz”, que estaria “promovendo brilhante trabalho na FICC”. Quando você abre o portal da FICC nenhuma referência a Eva Lima. Tampouco a Geny Xavier (que, por sinal, guardava a sete chaves as fotografias, do tempo de Ritinha, utilizadas por Cyro em recente exposição).

Caro Eduardo: só quem sabe de Eva, de Geny etc. são os que as conhecem. Se depender do atual gestor só existe na FICC o poeta Cyro de Mattos, o contista Cyro de Mattos, o cronista Cyro de Mattos, o orador Cyro de Mattos, a cultura de Cyro de Mattos, a biografia de Cyro de Mattos...

Haja Mattos para tanto Cyro!

Marina no limbo

Agenor Gasparetto em seu Política, Pesquisa, Literatura (agenorgasparetto.zip.net) concorda, sem expressá-lo, com avaliação nossa (“Falou para o vazio”) referente a Marina Silva (DE RODAPÉS E DE ACHADOS, 16 de outubro), de que só teria utilidade se apoiasse Serra.

Como não fez perdeu espaço. Ninguém mais fala nela. Que não se torne Marina/2010 a Heloisa Helena/2006.

Serra e os demônios

serra e os demôniosPara FHC “O Serra tem uns demônios dentro dele que, às vezes, nem ele mesmo controla”. Para um Serra que fundamentalizou a disputa eleitoral, e vindo de Fernando Henrique Cardoso a informação, gostaríamos de verificar se a demagogia de campanha é ação dele ou dos “demônios”. Também se o abortamento de um filho por ele gerado com sua mulher Mônica Serra, no quarto mês de gestação, foi coisa dos “demônios”.

A encenação no Rio de Janeiro bem pode ter sido coisa dos “demônios”.

Itororó I

Sobre Itororó, na edição anterior, observamos a circunstância de a petista Dilma Roussef ter tido o pior desempenho eleitoral da Comarca justamente onde governa o PT. Depois da visita que fizemos à terra da carne de sol recentemente concluimos que a insegurança pode ser um forte componente a envolver o resultado das urnas, já que a vida humana perde o valor em ritmo alucinante naquela cidade e o número de homicídios é assustador, talvez, proporcionalmente, o maior do País.

Espera-se por um milagre: que a visita de Gugu Liberato mude o quadro, tanta a agitação popular que acompanhou, ao vivo e em cores, a entrega de uma casa dentro do programa “De volta para o aconchego”.

Itororó II

souza netoSe defendemos a presença da Polícia Militar, ostensivamente nas ruas, como elemento inibidor da ação de bandidos, dúvida não podemos ter, depois que o Coronel Souza Neto, então Comandante da Companhia da Polícia Militar em Itapetinga, praticamente zerou a carnificina que existia e volta a ser vivida pela população de Itororó.

Que hoje só fala em Coronel Souza Neto, com saudade e agradecimento.

Itabuna no FIAC

fiacItabuna continua trabalhando no FIAC (Festival Internacional de Artes Cênicas), que está na sua 3ª edição, reunindo espetáculos de vários países, nacionais e baianos em particular, em cartaz em diversos teatros de Salvador durante dez dias.
Os produtores culturais Eva Lima e Ari Rodrigues estavam presentes no primeiro. Nessa terceira edição Ari (que também esteve no anterior) é o único produtor do interior da Bahia, “importado de Itabuna".

Ainda bem que não depende do mecenato de certo gestor destas plagas.

Depois de tudo

Rir pra não chorar!

traçastraçosAdylson Machado é escritor, professor e advogado, autor de "Amendoeiras de outono" e " O ABC do Cabôco", editados pela Via Litterarum

A imperiosa necessidade de uma revisão territorial

Domingos Matos, 11/07/2010 | 15:38
Editado em 11/07/2010 | 15:43
Adylson Machado | adylsonmachado@hotmail.com

A propósito da postagem Favorecimento à Rota? (Pimenta na Muqueca), cabe registrar a imperiosa necessidade de uma revisão territorial envolvendo municípios baianos que a exijam. É o caso de Itabuna/Ilhéus, Salvador/Lauro de Freitas, Itororó/Itapetinga/Itambé, os que me vêm de imediato.

Evidente que os interesses políticos que nortearam as emancipações, em seu tempo, não corresponderam à realidade quanto ao estabelecimento dos limites entre os municípios. No caso específico de Itabuna, parecem traduzir a realidade centenária, quando a fixação dos limites não atentou para a expansão grapiúna que fatalmente ocorreria.

A iniciativa do órgão estadual se encontra sustentada na legislação, que veda o transporte intermunicipal por quem não tenha autorização legal para fazê-lo. O que significa dizer que ao ultrapassarmos o primeiro quilômetro da Rodovia Jorge Amado, assim que deixamos a cidade em busca do litoral ilheense, já nos encontramos efetivamente no município de Ilhéus e não no de Itabuna, em que pese a realidade imediata, em todas as suas dimensões (comerciais, históricas, sociais, prestação de serviços públicos como água e coleta de lixo etc.) nos remeterem ao município de Itabuna.

Nenhum turista que ultrapasse os limites urbanos de Itabuna admitirá que não esteja no município grapiúna, tanta a identidade física, até que se defronte a com a placa informando a divisão entre os dois municípios.

Já escrevemos em outra oportunidade que a carga de obrigações quanto à oferta de serviços públicos, no que diz respeito ao avanço da instalação de empreendimentos no imediato da saída de Itabuna para Ilhéus somente alcançará o grapiúna em termos de ônus.

A irrealidade é tal que alimenta um contrassenso, que atinge as finanças do município de Ilhéus, se houver de ser levada ao pé-da-letra a responsabilidade pela prestação de serviços: Ilhéus coletando lixo nos limites de Itabuna e ofertando água tratada a trinta quilômetros de sua sede, quando tudo isso se encontra muito próximo dos consumidores interessados.

Uma perguntinha ingênua: quem está coletando o lixo gerado no empreendimento recém-inaugurado?

As observações aqui postas visam provocar duas iniciativas, imperiosas: em primeiro plano, a redivisão territorial no Estado da Bahia; em segundo, acelerar as tratativas políticas para a implantação da Região Metropolitana de Ilhéus e Itabuna. (Sobre o segundo, retornaremos ao assunto, se tivermos oportunidade).

Por fim, não sabemos como é tratado o tema pela Agerba em relação ao transporte urbano envolvendo os municípios de Lauro de Freitas e Salvador, praticamente interligados, mas é difícil que cada empresa tenha que transportar passageiros tão somente até o limite físico de cada município.

Bom senso, como chá de cidreira, nunca fez mal a ninguém.

Para concluir, alertar os atuais gestores dos dois municípios de que planejamento é como o chá de cidreira. E mais que isso, cabe, em especial ao município de Itabuna, envolvendo sua sociedade organizada, mobilizar a Assembleia Legislativa, o Governo do Estado e a população interessada no sentido de alterar, em definitivo, essa aberração histórica.

Adylson Machado é advogado, professor e escritor


Acesse com seus dados:

ou
Ainda não tem acesso?
Registre-se em nosso Blog.