CMVI

Tag: expediente

Câmara itabunense suspende expediente nesta Quinta-feira Santa  

Domingos Matos, 18/04/2019 | 08:05
Editado em 18/04/2019 | 10:11

Em virtude do período da Semana Santa, a Câmara Municipal de Itabuna suspendeu o expediente desta quinta (18). A data é véspera do feriado nacional da Paixão de Cristo.

A decisão, conforme a Mesa Diretora, “não representará qualquer prejuízo às atividades” da Casa. Os trabalhos legislativo e administrativo retornam à normalidade na próxima segunda-feira (22).  

Legislativo fixa turno único no recesso parlamentar em Itabuna

Domingos Matos, 10/01/2019 | 07:31

Para economizar despesas, o presidente Ricardo Xavier (PPS) fixou turno único para o expediente administrativo do Legislativo de Itabuna. O ‘turnão’ durante o recesso parlamentar será das 8h às 14h. A modificação no horário já está valendo e prossegue até 14 de fevereiro. O retorno das atividades parlamentares da Câmara itabunense deve ocorrer a partir de 15 de fevereiro.

Na portaria, Xavier ressalta, contudo, que, havendo convocação extraordinária ou necessidades detectadas”, o expediente administrativo pode regressar ao horário normal (8h às 12h; 14h às 18h). Outra ressalva é para o atendimento a serviços de interesse institucional. Neste caso, os empregados designados pela Diretoria deverão cumprir a jornada legal imposta ao cargo.

Posse de concursados

Na terça (15), às 9h, a Presidência empossará mais dois assistentes administrativos aprovados em concurso público. Em novembro passado, três candidatos foram convocados, no entanto, um deles deixou de comparecer ao Setor de Recursos Humanos. Os 47 classificados nas vagas do edital já foram nomeados. Hoje 35 empregados estão trabalhando, considerando-se as desistências.

 

Nove mil novos alunos devem ser matriculados em Ilhéus até dia 18

Domingos Matos, 09/01/2019 | 21:35

Começaram nesta quarta-feira (9) as matriculas dos alunos novatos nas escolas da rede municipal de ensino de Ilhéus. Segundo informações da Secretaria Municipal de Educação (Seduc), 17 instituições de ensino estão matriculando até o próximo dia 18, sendo sete escolas na zona urbana da cidade e dez na zona rural.

Este ano, foram disponibilizadas cerca de nove mil novas vagas, incluindo alunos da educação infantil ao nono ano, 500 a mais comparando com as do ano anterior, quando foram ofertadas 8.500 vagas para os novatos. Segundo a secretária de Educação, Eliane Oliveira, a meta é atender toda a demanda da população. “Após os primeiros dias de matrícula, faremos um balanço para identificar se será preciso abrir novas turmas, alugar mais espaços, criar novas vagas, pois ninguém vai ficar sem estudar”, enfatiza a secretária.

A Seduc disponibiliza um número de telefone para esclarecimento de dúvidas dos pais ou responsáveis (3234-7550). A secretária informa que o setor de estatística, funciona com plantonistas que atendem nos turnos da manhã e tarde, e a depender da demanda, o expediente se estende até as 20 horas para esclarecer as dúvidas da população.

Para realizar a matrícula, pais ou responsáveis devem se dirigir à unidade mais próxima da sua casa, munidos de duas fotos 3x4, pasta individual, cópias e originais da certidão de nascimento, RG, CPF, comprovante de residência e cartão do bolsa família, para os beneficiários do programa.

 

“Prisão preventiva virou instrumento de política pública de segurança”

Entrevista - Marcos Bandeira, juiz aposentado

Domingos Matos, 23/01/2017 | 12:03

“Todos nós, pobres mortais, não estamos imunes à prisão”

Marcos Antônio Santos Bandeira, juiz aposentado, atuou em Itabuna na Vara do Júri, Execuções Penais, além da de Infância e Juventude e dos Delitos de Imprensa. Aposentou-se recentemente, na Vara da Infância. Marcos Bandeira, hoje advogado, em sua passagem pela Vara das Execuções Penais foi um dos responsáveis pelo que hoje boa parte da população entende como um avanço na relação do encarcerado com a sociedade, especialmente a partir da instalação do Conselho da Comunidade, previsto na Lei de Execuções Penais e estimulado por ele, em parceria com a Pastoral Carcerária, da Igreja Católica.
Nessa entrevista, concedida ao jornalista Domingos Matos para O Trombone e o jornal Agora, Bandeira joga luzes sobre problemas que todos conhecem, mas ignoram suas origens. Por exemplo, como se dá a superlotação que origina a guerra entre facções, que aterrorizam Itabuna e todo o país. Está, em grande parte, na banalização do expediente da prisão preventiva. “Os juízes criminais, de uma forma geral, passaram a utilizar a prisão preventiva como instrumento de política pública de segurança. Hoje, mais de 44% dos presos brasileiros são presos provisórios, ou seja, não foram julgados”.

Leia a íntegra.

O Trombone – O senhor teve uma experiência na Vara do Júri e de Execuções Penais em Itabuna que marcou época. Fale dessa experiência.

Marcos Bandeira – Quando assumi a titularidade da Vara de Execuções Penais de Itabuna de em janeiro de 1998 eram quatro em um, ou seja, a Vara tinha competência para as demandas do Júri, Execuções Penais, Delitos de Imprensa e Infância e Juventude. Naquela época não havia Presídio e todos os presos provisórios e condenados ainda em grau de recurso permaneciam na Casa de Detenção de Itabuna, situada no Complexo Policial. Somente os presos condenados definitivamente eram encaminhados para a Penitenciária Lemos de Brito, em Salvador. As condições eram precárias, diria, péssimas. Pessoas sem qualificação alguma, já naquela época, tomavam conta de presos. Também, já naquela época, formavam-se lideranças dentro do cárcere, mas ali os presos reivindicavam melhores condições dentro da cadeia, e não havia o formato ou características das gangues de hoje (raio A, raio B entre outros), como ocorreu nos presídio de Salvador com as gangues de Perna e do Cláudio Campana, que loteiam toda a cidade, disputando o poder, principalmente as bocas de fumo.

Foi aí que surgiram as primeiras ações baseadas na Lei de Execuções Penais.

Sim. Na época, diante da situação caótica da Casa de Detenção de Itabuna, criamos o Conselho da Comunidade, previsto na Lei de Execuções Penais, derrubamos paredes e criamos duas salas de aulas com cerca de 40 detentos em cada uma, e passamos a fazer o que o Estado não fazia e nunca fez. Fizemos um convênio com a TV Futura e com a Fundação Helenilson Chaves, que nos cedeu gratuitamente duas professoras, para ministrar aulas para os detentos. Além disso, colocamos em cada cela filtros de água, colchões e outros utensílios, dando um pouco de dignidade aos presos que ali estavam. Havia cursos profissionalizantes e de artesanatos, além de aula de educação física. Toda terça-feira recebia os membros do Conselho da Comunidade e estabelecíamos ações e metas e, assim, conseguimos humanizar “aquilo”, coibindo, principalmente, a tortura, que era muito comum na época. Nesse período não houve uma rebelião ou fuga, inclusive, criamos uma seção eleitoral na Casa de Detenção, onde 51 presos provisórios votaram nas eleições do ano 2000, fato inédito no interior da Bahia.

O presídio trouxe organização onde imperava o descontrole”

No início de seu trabalho ainda não havia sido construído o Conjunto Penal.  Qual a diferença entre os presos que eram custodiados na cadeia pública e os do presídio, hoje?

O sonho e a realidade. A construção do Presídio de Itabuna foi uma luta hercúlea de muitos anos. Aqui, gostaria de destacar, se me permite, a figura incansável e destemida do Dr. David Pedreira, representante da Pastoral Carcerária, que foi um grande parceiro e que por diversas vezes estivemos juntos em Salvador no gabinete do Secretário de Justiça, reivindicando a construção do Conjunto Penal de Itabuna. Ele tem uma grande participação na concretização desse sonho. O presídio, na verdade, trouxe organização, profissionalismo, controle, onde imperava a desordem e o descontrole total. Foram recrutados agentes penitenciários, nutricionistas, assistentes sociais e outros profissionais, indispensáveis para trabalhar com o custodiado.

Em tese, seria o sonho de qualquer sociedade desenvolvida. A realidade veio com a superlotação?

Durante o período que presidi a Vara de Execuções Penais nunca ultrapassamos o número de 440 detentos, que é a lotação máxima do Conjunto Penal de Itabuna. Hoje, sabemos que existem cerca de 1.200. Na verdade, inauguramos a sala de audiências do Conjunto Penal de Itabuna e realizávamos por mês dois mutirões – audiências concentradas – dentro do presídio. Começávamos por volta das 9 horas e só acabávamos às 21 horas, em regra, apreciando cerca de 70 a 80 processos de presos em cada mutirão. Isso evitava revoltas e insatisfações internas dos custodiados, pois os seus direitos à progressão do regime, à remição de pena, ao livramento condicional, quando preenchiam os requisitos, eram respeitados. O sentimento de injustiça em qualquer lugar gera revolta e pode desencadear ações violentas, principalmente, no interior do cárcere.

O senhor vê atuação do crime organizado, ao menos as grandes facções, no presídio e na criminalidade em Itabuna, ou esse sistema de divisão da cidade em "raios" apenas repete a divisão dos internos no presídio, sem ligação com as grandes organizações?

Na verdade, a liderança de facções em presídios não é uma particularidade de Itabuna, infelizmente está espraiada por todo o Brasil. O encarceramento em massa no Brasil passou a ter uma maior visibilidade a partir da década de 90, quando a prisão, como punição por excelência, passou a ser a grande resposta para a resolução dos conflitos sociais. O Brasil, hoje, é a 4ª população carcerária do planeta, só perde para os Estados Unidos, Rússia e China. Os juízes criminais, de uma forma geral, passaram a utilizar a prisão preventiva como instrumento de política pública de segurança. Hoje, mais de 44% dos presos brasileiros são presos provisórios, ou seja, não foram julgados. Isso tudo explica a superpopulação carcerária e o descontrole do Estado nessa seara. Na verdade, creio que muitos detentos oriundos da Lemos de Brito em Salvador trouxeram para Itabuna o que acontecia naquela penitenciária e na Casa de Detenção, que eram comandadas pelo assaltante Perna, Pitty e por Cláudio Campana, que passaram a fatiar Salvador.

Olhando para a crise vivida hoje no Brasil, essa questão do controle dos presídios por facções parece um problema irradiado, como o senhor destacou...

O grande problema é que essa “liderança” sempre foi tolerada pelo Estado, havendo assim uma espécie de pacto para que esses líderes controlassem a massa carcerária, evitando violências, tendo em contraprestação o reconhecimento da sua liderança e determinadas regalias. Acontece que dentre essas regalias, o acesso ao telefone celular e a comunicação com o mundo exterior, empoderaram as lideranças prisionais, que perceberam que a prisão é um excelente local para ganhar dinheiro e aumentar o seu poder. Assim, aconteceu em Itabuna, com a divisão dos raios e a disputa por pontos de drogas em várias partes da cidade. Existe uma ordem que vem lá de dentro para eliminar o inimigo e essa ordem é cumprida fielmente pelos seus asseclas. O Estado infelizmente perdeu o controle. Isso explica também a matança no Amazonas e em Roraima.

“A reincidência, segundo pesquisa recente, está na ordem de 70%”

Como juiz, o senhor foi um defensor da aplicação da Lei de Execuções Penais, o que, para muita gente, soava como um conjunto de benesses aos presos. Soltou presos que não precisavam mais estar encarcerados, levou assistência jurídica e chegou a criar uma relação da cadeia com a sociedade que não era comum. Como avalia essa percepção de parte da sociedade?

Não vivemos, embora pareça, num Estado autoritário ou inquisitorial, mas sim num Estado Democrático de Direito, onde os direitos e as garantias individuais de cada cidadão devem ser respeitadas, esteja ele preso ou não. Como juiz de Execuções Penais, nada mais fiz do que cumprir a minha obrigação, sendo guardião dos direitos constitucionais dos encarcerados. Nunca passei a mão na cabeça de ninguém e jamais fiz caridade a preso. Sempre pautei minha jurisdição pelo primado da legalidade e fui guiado em minha ações pelo sentimento de justiça e pelos valores elencados na Constituição Federal. Se alguém enxergou alguma benesse nesse trabalho certamente desconhece a lei ou o meu trabalho.

Vê algum fruto desse trabalho nos dias de hoje?

Como disse, o grande elo entre os encarcerados e a sociedade foi o Conselho da Comunidade que criamos na Vara de Execuções Penais e que funcionava efetivamente. É muito difícil falar em ressocialização num contexto prisional de Itabuna, é como tirar leite de pedra, diante da violência provocada principalmente pelo tráfico de drogas, onde muitos foram eliminados, entretanto, já tive a oportunidade ver vários daqueles detentos da época que presidi a Vara de Execuções de Itabuna trabalhando, constituindo família e totalmente integrados à sociedade. É verdade que muitos reincidiram na prática criminosa.

O encarceramento no Brasil cumpre as funções da pena - punitiva e educativa?

Absolutamente, não [enfatizando]. Como falei anteriormente o Estado Brasileiro perdeu as rédeas do controle no interior dos cárceres para as lideranças de gangues ou facções criminosas. Os líderes, com a tolerância do Estado, comanda tudo e exerce o seu poder a partir da prisão. Como disse Michel Foucault “a prisão é o único lugar onde o poder pode se manifestar em estado nu, nas suas dimensões as mais excessivas, e se justificar como poder moral”. Esse poder é sustentado evidentemente pela violência e pelo medo. Logicamente que o sistema prisional do Brasil está falido, não ressocializa. Pelo contrário, o indivíduo que cometeu um único delito e que não possuía antecedentes, de repente, ao interagir no interior dos cárceres com presos da mais alta periculosidade e com esses “lideres”, acaba ingressando nas carreiras criminosas quando sai do cárcere. É o que diz a escola criminológica “labelling approach”, que explica os processos seletivos de criminalização. Como se sabe, a reincidência com relação às penas privativas de liberdade, segundo pesquisa recente, está na ordem de 70%, constituindo, sem dúvida alguma, numa grande vertente da violência urbana.

O Brasil ficou horrorizado com o que aconteceu em Manaus e Roraima e já em outras partes, nas últimas semanas. Eram tragédias anunciadas, levando em conta a situação carcerária no País?

Sem dúvida alguma foram tragédias anunciadas. Evidentemente que o genocídio choca sempre, mas sempre haverá alguém, como aconteceu com um então Secretário de Juventude do governo Temer, que chegou a dizer que deveria haver mais matança, o que denota uma total indiferença e desumanidade. O grande problema dessas pessoas é que sempre enxergam o outro nessas condições como “inimigo” e a partir daí declaram abertamente “eles que se matam”. Eu respeito a opinião, mas lembro que todos nós, pobres mortais, não estamos imunes a prisão ou a ter algum parente, filho, irmão, amigo encarcerado. Talvez, a partir dessa experiência, conhecendo a realidade carcerária, mude seu ponto de vista. O que eu quero dizer é que todo cidadão preso à disposição da Justiça, seja provisório ou condenado, tem o direito à vida e a cumprir a sua pena em local minimamente digno, que lhe proporcione as condições para superar as suas dificuldades e voltar a conviver pacificamente na sociedade. É como penso.

“A família deve voltar à sua vocação de instância educadora”

Voltando à relação da sociedade com a cadeia. O que falta para que a sociedade veja o encarcerado como ser humano, cuja vida e segurança estão sob a guarda do Estado

Acho que falta ainda à sociedade esse sentimento de empatia e de compromisso. Fiquei muito comovido diante de uma tragédia como aquela do avião da Chapecoense, quando vi manifestações de afeto e de solidariedade de todo o mundo, que me fez acreditar que sempre haverá uma centelha divina no coração do ser humano, que muitas vezes é ocultada ou obnubilada pela rotina do dia a dia. Todavia, acho que os empresários e os banqueiros deveriam investir mais em projetos sociais que fossem capazes de reduzir um pouco mais a nossa gritante desigualdade social, principalmente assistindo crianças e adolescentes. A família deve voltar à sua vocação de instância educadora e a escola deve se adaptar às novas exigências e tecnologias, atraindo o aluno e o mantendo em suas fileiras.  Quando a educação for prioridade neste país, quando crianças e adolescentes forem vistas como investimento, e não simplesmente como problema, quando oportunizarem aos jovens o mercado de trabalho, quando as empresas assumirem o seu papel de responsabilidade social, quando o Estado respeitar os direitos e garantias individuais do cidadão, quando os gestores atuarem com probidade e espírito público, implementando políticas públicas, quando as penas alternativas forem efetivamente aplicadas, certamente o cárcere, a prisão, será uma exceção e reservada somente para os casos extremamente graves, cometidos com violência ou grave ameaça à pessoa humana.

O que é a era da pós-verdade

Domingos Matos, 23/11/2016 | 09:21

Por Jean Wyllys

A notícia de que o Facebook – até que enfim – decidiu tomar medidas para limitar a circulação de notícias falsas na rede vem pouco depois de a Universidade de Oxford ter escolhido a “pós-verdade” como a palavra do ano, e das polêmicas suscitadas nos Estados Unidos como consequência da série de boatos espalhados pelas redes sociais que contribuíram para o sucesso eleitoral de Donald Trump.

Ou seja, pela primeira vez, parece que academia, políticos sérios e empresas de tecnologia se mostram realmente preocupados com a contaminação da esfera e da opinião públicas por mentiras e calúnias divulgadas na internet e nas redes sociais por criminosos da política e da religião, com o objetivo de manipular a opinião pública.

Nada disso é novidade para as famílias dos mortos por linchamentos motivados por fofocas na internet. E nada disso é novidade, tampouco, para nosso mandato, que trava uma batalha de seis anos contra o próprio Facebook para por algum freio à avalanche de mentiras e calúnias em relação a mim que corre nas redes sociais.

“Jean Wyllys apresentou um projeto de lei para mudar trechos da Bíblia”, “Jean Wyllys disse que sairia do Brasil se o impeachment fosse aprovado”, “Jean Wyllys defendeu a pedofilia”, “Jean Wyllys disse que os negros não podem ser evangélicos”, “Jean Wyllys quer implantar o ensino da religião islâmica nas escolas”, “Jean Wyllys quer obrigar as crianças a mudar de sexo”.

Cada uma dessas e outras estupidezes, inventadas por criminosos que usam as redes sociais para difamar adversários políticos, “viralizou” por meio do Facebook, que nada fazia para impedir que isso acontecesse.

Antes da vitória de Trump, o resultado do Brexit no Reino Unido, a derrota do acordo de paz na Colômbia e as vitórias de Crivella, no Rio, de Dória, em São Paulo, e do candidato do PSDB, em Belém, já mostraram o poder da “pós-verdade” (da mentira aliada ao preconceito) na política contemporânea.

Embora cada um desses resultados eleitorais tenha vários e complexos motivos, é inegável que a boataria e a “viralização” de mentiras e calúnias nas redes sociais jogaram um papel fundamental na estratégia de campanha dos vencedores e influenciaram seriamente o voto popular.

E, ainda que algumas pessoas ditas “de esquerda” recorram a este expediente, a “pós-verdade” é uma arma sobretudo da extrema-direita e de fascistas, instrumentalizada pela direita tradicional e seus veículos de comunicação.

O triunfo da “pós-verdade” e a destruição que esta causou nas relações familiares e vicinais, jogando as pessoas numa arena de ódio, são também frutos da negligência e, em alguns casos, da cumplicidade do jornalismo e das instituições democráticas com esse expediente.

A Polícia Federal, no Brasil, mostra-se completamente incompetente e ineficaz em conter a rede de difamação quando esta vitima políticos e pessoas de esquerda e progressistas, mesmo em posse de indícios que podem lhe levar aos criminosos. Já o Ministério Público tem movido ações contra essas pessoas – sim, contra as vítimas – baseado em mentiras e calúnias que circulam na internet.

Vejamos alguns exemplos recentes. Em Feira de Santana (BA), a Câmara de Vereadores moveria uma moção de repúdio a mim baseada numa mentira ridícula que circula nas redes sociais (que eu apresentei um projeto para “mudar trechos da Bíblia”).

Uma promotora do MP pediu que eu fosse investigado por um boato de internet sobre “tráfico de influência” para que um filme recebesse fundos da Lei Rouanet (e a informação é tão falsa que não só não houve tráfico de influência como a verdade é que os produtores do filme, que não têm qualquer vínculo comigo, sequer solicitaram – e portanto também não receberam – dinheiro da Lei Rouanet.

Também podemos citar o caso da Assembleia Legislativa de Minas Gerais, que sorriu quando um deputado estadual insultou violentamente a deputada federal Maria do Rosário (PT-RS) por conta de uma calúnia contra ela divulgada na internet (um suposto post no Facebook que ela nunca fez).

Outro exemplo aconteceu recentemente, quando uma enquete (ainda que infeliz) realizada pelo programa de Fátima Bernardes na Rede Globo deu lugar a um uso político vergonhoso e contaminado de mentiras: um deputado federal usou as redes sociais para relacionar a enquete à queda do helicóptero da PM na Cidade de Deus e usou essa falsa relação para atacar a apresentadora do programa.

Na Câmara Federal, a desfaçatez com que deputados e deputadas que perpetraram o golpe contra nossa democracia se revezam na tribuna para reproduzir mentiras e calúnias que circulam na internet é assustadora.

O caminho do próprio impeachment da presidenta Dilma foi pavimentado com a “pós-verdade” – e, nesse caso, com a ajuda dos jornais, revistas e telejornais. O MBL e o Revoltados Online – grupelhos proto-fascistas instrumentalizados por partidos de direita como PSDB, DEM, PMDB e Solidariedade – trabalham apenas com a “pós-verdade”.

Nos EUA, o próprio FBI deu subsídio para a rede de mentiras contra Hillary Clinton, para, no final da campanha, quando a “pós-verdade” já havia feito o estrago, negar as insinuações feitas.

Ou seja, as instituições democráticas que poderiam e deveriam deter essa arma letal nada fizeram porque, uma vez compostas de pessoas, estão elas mesmas repletas de preconceituosos, ignorantes, fanáticos e criminosos que se tornaram militantes da “pós-verdade”. A notícia de que o Facebook vai reagir a tudo isso é bem-vinda e traz alguma esperança a esses tempos sombrios.

Jean Wyllys é deputado federal

Via DCM; publicado originalmente na Carta Capital.

Davidson e a venda da Emasa. Pior na forma ou no conteúdo?

Domingos Matos, 09/06/2016 | 12:13

Uma dúvida paira sobre a performance do deputado Davidson Magalhães em defesa da venda da Emasa no Pequeno Expediente da Câmara, em vídeo divulgado ontem por sua assessoria. Foi mais constrangedora a forma ou o conteúdo?

A forma claudicante (não confundir com o titular da PMI) não condiz com a experiência de décadas que o deputado tem na vida pública, além da longa carreira acadêmica.

O conteúdo também merece observação. Desde quando comunista defende venda de empresa pública?

A conclusão é que não há conclusão possível, pois certamente se trata de questão de foro íntimo.

Mas há uma observação válida: pareceu que a alma tentava dizer algo que a boca não queria confessar!

DE RODAPÉS E DE ACHADOS

Domingos Matos, 25/12/2011 | 18:03
Editado em 26/12/2011 | 09:41

AdylsonQuando o tema se esgota em si mesmo, um rodapé pode definir tudo e ir um pouco além.  

Adylson Machado

                                                                              

Homenagem ao baiano desconhecido

A Associação Brasileira de Imprensa promoveu ato de homenagem ao centenário de nascimento de Edmundo Moniz, no dia 12 de dezembro.

Baiano de Salvador, filho do ex-governador e senador Antônio Ferrão Moniz, professor de história e de filosofia, criador do Teatro Nacional de Comédias, naturalmente “afastado” do Brasil pela ditadura militar implantada em 1964 pelo crime de haver trabalhado com Juscelino Kubitschek e João Goulart – não fora o crime de pensar pelo marxismo – Edmundo Moniz nos deixou várias obras, das quais destacamos, em visão eminentemente pessoal, “A Guerra Social de Canudos” (Civilização Brasileira – 1978), uma desmistificação da propaganda oficial em relação ao “fanático” (nada fanático) Antônio Conselheiro.

“A Guerra Social de Canudos” inspirou e forneceu elementos históricos para “A Guerra do Fim do Mundo”, de Vargas Llosa e contribuiu, sem busca de louros, para as pesquisas que alimentaram nosso “Amendoeiras de Outono”.

Da libertação...

Há 40 anos era lançado “Teologia da Libertação. Perspectivas” (Vozes), pelo dominicano peruano Gustavo Gutiérrez, hoje com 83 anos, tido como o ato teórico de fundação do movimento teológico mais importante ocorrido na América Latina.

Fundada na opção de Deus pelos pobres, evidentemente renovou a mensagem cristã da Igreja Católica, em momento político adverso na AL. De logo recebeu o estigma de leitura marxista do cristianismo, enfrentada pelos regimes autoritários que passaram a perseguir seus defensores.

As Comunidades Eclesiais de Base, no Brasil, tornaram-se força viva e atuante na divulgação da práxis cristã, alimentando ações concretas de mostrar que o Reino de Deus também se fazia na terra (e não o fazia sob o entendimento de Max Weber). A solidariedade era a tônica.

...à alienação

Mas, hoje, para tristeza e desencanto, a Igreja Católica deixou de lado a Teologia da Libertação e passou a duelar com o pentecostalismo protestante exercitando o seu, com os carismáticos.

Que andam vendendo até areia e água do rio Jordão. Não propõem “lascas da cruz de Cristo” porque Edir Macedo esgotou o estoque.

Golpe contra a economia popular

Acesso dos Estados Unidos ao etanol produzido no Brasil, vítima de barreira alfandegária estadunidense há décadas. Festa para usineiros.

Que Deus tenha pena piedade dos que compram carro movido a etanol.

A não ser que os convertam para gasolina, os que não os tenham flex.

Profecias

Anuncia-se o fim dos tempos para 21 de dezembro de 2012, relatam intérpretes dos textos maias, denominados simplesmente “profecia maia”.

Para os tucanos, em particular a turma de José Serra, a profecia se confirmará caso a CPI da Privataria seja instalada.

O que pode acontecer justamente no ano fatídico: 2012.

Confissão

No embate CNJ x STF vai ficando claro o que representa o posicionamento da Ministra Eliane Calmon, ora Corregedora do Conselho Nacional de Justiça, no enfrentamento à corporativa expressão do Supremo Tribunal Federal na defesa de que juízes somente sejam alcançados pelas apurações do CNJ depois de exauridas as instâncias internas do Judiciário, ou seja, de suas próprias Corregedorias.

Imaginando que engana o cidadão, o Ministro Marco Aurélio deferiu liminar inviabilizando a atuação do CNJ em tal mister, atendendo a pedido de entidade classista da magistratura. Leva o Ministro, à população que lhe paga os polpudos vencimentos, o desenrolar de um filme que terá por fim a conscientização da população que levará à desmoralização do Judiciário, como um todo, em que pese os defeitos pessoais o serem de alguns, talvez não tão gatos pingados assim, tamanha a mobilização classista encampada pelo Ministro.

No frigir dos ovos, o povo dará razão à Ministra Eliane Calmon.

Credibilidade em cheque

Quando o CNJ surgiu, ainda que mutilado diante de sua proposta original, visto que a participação da sociedade civil ficou limitada e reduzida, foi tido como um sopro de esperança no sentido de que não deveria existir num Estado de Direito um superpoder, alijado de fiscalização.

E o foi justamente porque as Corregedorias locais não conseguiam traduzir sua plena função, alimentando o corporativismo em suas apurações.

O embate em andamento põe a credibilidade do Judiciário em cheque.

Espírito natalino

Ficamos comovido com o espírito natalino do comércio local. Não sabemos se reflexo da bondade do empresariado nacional. Apenas registramos.

O consumidor percebeu, de logo, nas compras em supermercados, considerável aumento nos preços. Uvas pretas, pouco antes da semana natalina, custavam pouco mais de 9 reais. No Natal, o espírito cristão do Itão, por exemplo, as elevou para 12,98 reais. Quase 4 reais de diferença.

Natal solidário

Expressão bela, redundante para o espírito que norteia o dezembro a cada ano. O mínimo que se espera é que o Menino Deus seja compreendido em tal dimensão. Que custa menos na material, e mais na ética e na moral.

E viu-se pelos cantos do comércio local o chamamento ao reclamo natural, cristão. Dentre outros, proclamado e convocado pela Justiça do Trabalho local.

Esqueceram de avisar aos advogados. Ou fazer com que eles participassem da efeméride. Concretamente.

A greve da especializada completa neste dezembro seis meses, iniciada que foi em 1º de junho do corrente.

Os advogados esperam, em 2012, que a JT lhes seja solidária. E nem se fale dos que dependem de ambos (advogado x JT): trabalhadores e empregadores.

Por sinal, a razão da existência da JT.

Outro Natal

A jovem, nascida na véspera do gregoriano nascimento de Cristo, cultiva o hábito – hoje não tão comum – de erigir o seu presépio, como ensinado pela mãe.

Longe o seu, tradicional. Buscou no comércio adquirir um que lhe permitisse manter a tradição.

Para surpresa apresentaram-lhe um, onde só havia o Menino Deus na manjedoura e os três Reis Magos.

Ferida pelo ideário que norteia o natalino hodierno – ou, talvez, vendo o que muitos não veriam – não lhe restou outra reação: “Jesus mercenário”, o desse presépio, que nasce para receber presentes.

Sem pai, sem mãe, sem anjos.

O PMDB e o Natal de Leninha

Não espere Leninha Alcântara presentes do PMDB. Para ela, a indicação do partido à majoritária em 2012, constituía-se uma certeza. Se acontecer o será pelas circunstâncias, diante da fragilidade dos concorrentes internos.

No entanto, a esperança que nutria, de chegar à eleição como candidata, pode ficar para 2016.

Óbvio

A Amélia Amado somente será concluída do imediato do aniversário da cidade em 2012. Não se cuide de apenas questões técnicas como razões para o atraso.

Quem passa pela avenida já vislumbra, em alguns trechos, como ela ficará depois de pronta. E pode imaginar o impacto no imaginário da população local e regional.

Se gerará dividendos eleitorais é outra história.

Azevedo a apresentará como a grande obra de sua gestão. Geraldo Simões (temos que será ele o candidato do PT), o seu idealizador, quando custaria pouco menos de 7 milhões de reais.

Popularidade

Quando especulam as razões por que Geraldo Simões insiste na indicação de sua mulher Juçara Feitosa para prefeita nas eleições de 2012, além da circunstância de que gostaria de permanecer deputado federal como meio de melhor apoiar Itabuna, estaria contrariando o desejo do governador Jaques Wagner de vê-lo (ele, GS) o candidato dele (governador).

Assim, Geraldo estaria enfrentando uma pretensão do governador.

Mas, a considerar a popularidade de Wagner, receber seu apoio pode não ser muito bom, se levarmos em consideração a aprovação do governador na última pesquisa IBOPE.

E Geraldo pode estar enxergando isso.

De estranhar

Não vimos qualquer alusão na blogosfera local que acessamos referências à pesquisa do IBOPE sobre o nível do prestígio do governador Jaques Wagner. Apesar de divulgada na quinta 22 pela Bandeirantes.

A pesquisa, para avaliar a aprovação dos governadores de nove estados, aponta Wagner como o sétimo menos avaliado, em que pese estar em sexto lugar em razão do empate entre Anastasia e Cid Gomes.

Com 49%, atrás de Eduardo Campos (PE), com 89%, Beto Richa (PR), com 64%, Cid Gomes (CE) e Anastasia (MG), com 55%, Geraldo Alckmin (SP), com 54% e Sérgio Cabral (RJ), com 51%.

Jaques Wagner amarga a nada invejável colocação de terceiro pior dentre nove avaliados.

Por quê?

E Ousarme Citoaian, do domingueiro Universo Paralelo no Pimenta na Muqueca, se fez nascer e morrer para o leitor que o seguia. Desfez-se o segredo e todos descobriram Antônio Lopes seu alter ego.

Para os que sabemos quão alegre o ato de escrever e encontrar leitores ficamos com a inquietante indagação: por quê?

Segredo faz sentido enquanto segredo. Não à toa ainda a indagação: por quê?

Com circunflexo ou não? Provocamos, se pudéssemos e tivéssemos o poder de fazê-lo retornar. Pelo menos para responder ao porquê!

Considerando o que vem por aí

ano novoPresente de Natal

Nosso presente de Natal: leia “A Privataria Tucana” e procure responder, através das entrelinhas, por que o PT ajudou a melar a CPI do Banestado.

Aguardando

Continuamos aguardando a divulgação, pelo jornal A Região, dos nomes de “ex-diretores” do HBLEM, “ex-secretários municipais” e “ex-diretores de fundações” itabunenses. O que não exclui os dos “empresários”.

Fazem parte daqueles “25 nomes de Itabuna e Ilhéus”.

Porque é Natal

No rescaldo de Natal, o que fazer para prender o leitor? Imaginamos envolvê-lo com o que é do Natal. E o fazemos com mensagens, como essa interpretação de Maria Bethânia, para “Boas Festas” (acima), que mais fala e interpreta o que quis dizer Assis Valente, e Mercedes Sosa e León Gieco, com um pouco da realidade latina, em “La Navidad de Luiz”, de Edson Joanni.

No mais, “Boas Festas”!

Cantinho do ABC da Noite

cabocoFina-se o expediente. Hora de contas serem levantadas. Alencar, diante de um freguês em que deposita maior confiança, indaga:

– Tomou quantas?

– Essa é a quarta – confirma o aluno.

– Daqui a pouco desce a ladeira... na banguela! – dispara o Cabôco.

_________________

Adylson Machado é escritor, professor e advogado, autor de "Amendoeiras de outono" e " O ABC do Cabôco", editados pela Via Litterarum

DE RODAPÉS E DE ACHADOS

Domingos Matos, 13/11/2011 | 17:07
Editado em 14/11/2011 | 07:39

AdylsonQuando o tema se esgota em si mesmo, um rodapé pode definir tudo e ir um pouco além.  

Adylson Machado

                                                                              

São Paulo – Brasil

USPSem maiores aprofundamentos sobre o que acontece em São Paulo, fica-nos o cheiro de que algo anda errado. As cracolândias são o caos da atualidade, seja-o pelo que representam em si de degradação social, seja-o por alimentar o que há de mais deletério: o tráfico e os traficantes, que deram de andar protegidos por aparato do Estado, como no Rio (a segurança do traficante Nem se constituía de policias fazendo um “extra”).

Mas, sem proselitizar o uso de qualquer droga (lícita ou ilícita), o caso da USP deixa um quê de estranho, quando o Estado, sob o pálio da proteção à comunidade acadêmica, se volta para prender “perigosos maconheiros” que andam usando o objeto do particular hedonismo no campus da tradicional universidade paulista.

Ainda que anárquico, ficamos com o chargista diante do que aparenta ser uma nova organização criminosa. Por sinal tão antiga como uma velha profissão, mudado apenas o caminho para a estesia. E, como aquela, presente em todas as camadas sociais desta contemporaneidade.

Palavra técnica

Não está fora de propósito a observação de Walter Fanganiello Maierovitch no Terra Magazine – “A hora e a vez da Rocinha e o campus da USP: Rio prende traficante e, São Paulo, universitários usuários de maconha” – postado por Luis Nassif Online, desta sexta 11:

 “A propósito, enquanto o Rio de Janeiro enfrenta a criminalidade organizada com uma adequada política de segurança (substituiu a militarizada e populista posta em prática irresponsavelmente pelo governador Sergio Cabral), a do governador Geraldo Alckmin optou, com apoio na linha neofascista da Lei&Ordem, pela perseguição a universitários que fumam maconha no campus da Universidade de São Paulo (USP). Isto com finalidade lúdico-recreativa (não medicinal)”.

“Em tempo de imunidade penal pelo mundo civilizado, como se nota por vários institutos premiais (plea bargaining, delação premiada, pattegiamento, bagatela, remição, desassociação etc), investe-se em São Paulo no de menor potencial ofensivo, enquanto o Primeiro Comando da Capital (PCC), uma organização criminosa que já desmoralizou as polícias paulistas, espalha-se e difunde o medo na periferia da capital”.

Para refletir I

À Polícia Federal, na madrugada de quinta-feira, o traficante Antônio Bonfim Lopes, o Nem, chefe do tráfico na Rocinha, Rio de Janeiro, afirmou que “Metade do dinheiro que eu ganhava era para o ‘arrego’” (propina), que em alguns momentos lhe tomava 100% de tudo. (De Antônio Werneck – werneck@oglobo.com.br – n’ O Globo.com.

Ainda que não confirmado, o faturamento do ilustre Nem chegava a 100 milhões de reais ano.

A matéria diz que o traficante deu nome aos bois – policiais civis e militares e “agentes públicos”.

Ansiamos pelos nomes. Pelo menos dos agentes públicos não policiais.

Para refletir II

Em São Paulo um acusado de tentativa de furto teve a prisão decretada imediatamente pela Magistrada. O atrasado, que não chegou a tempo para audiência, por morar no outro extremo da “vila”, não foi perdoado pelo atraso, ainda que tenha chegado ao fórum, o que ocorreu três horas depois de condenado a um ano e seis meses de reclusão em regime fechado.

O crime cometido: tentativa de furto de três latas de atum e de uma lata de óleo, que, juntos, somavam 20,69.

Celeridade judicial é isso! E para azar do infeliz, não tem como impetrar habeas corpus ao Ministro Gilmar Mendes no STF.

Comunicação

Ainda que seja melhoria na comunicação a presença do PT na administração municipal de Ilhéus sinaliza eficiência. A presença do prefeito Newton Lima, acompanhado do deputado Josias Gomes, ocupa o noticiário.

Noticiário positivo.

Descobrindo a pólvora

Muitos pepistas itabunenses andam empolgados com campanhas contra a corrupção.

Para não perder o embalo seria oportuna a presença de lideranças nacionais no movimento local.

Começando por Paulo Maluf.

Cultura I

O Ministério da Cultura – ou simplesmente Minc – viveu fase de propostas inovadoras, tendo Gilberto Gil como Ministro, sucedido por Juca Ferreira. Baianos que redimensionaram a visão de como construir projetos tendo a cultura e as tradições de nossa gente como alavanca da identidade nacional.

Ficaram famosos os “Pontos de Cultura” e “Cultura Viva”.

E uma pretensão de Lula estava em andamento: uma espécie de “vale cultura”, incentivo ao consumo cultural. Quem o portasse poderia trocá-lo por livros, revistas, teatro, cinema, DVDs, discos.

Cultura II

No governo do nordestino retirante e ex-metalúrgico, Luís Inácio Lula da Silva, os recursos – por ele prometidos para alcançar 1% do Orçamento – saíram de 397,4 milhões, em 2003, para 2,29 bilhões em 2010.

Caíram para 2,13 bilhões em 2011 e despencam para 1,79 bi em 2012.

Esperávamos de Ana de Hollanda que, caso não avançasse com o “vale cultura”, pelo menos não retrocedesse nas políticas implantadas durante o governo Lula.

Cultura III

Coisas deste Brasil. Tem gente que envereda na área cultural só pela exposição. Alguns, também pela remuneração.

No fundo, edificar o álbum pessoal com fotografias ao lado de famosos torna-se mais importante.

Itororó I

Duelo singular vai sendo travado na terra da carne de sol. Enquanto o ex-companheiro Milton Marinho desanca a administração municipal Itororó vai conseguindo lauréis nacionais e internacionais.

Como as premiações não podem ser atribuídas a “agrados” do premiador, dá a entender que Milton enfrenta mesmo é uma briga pessoal com Adroaldo.

Itororó II

Chegam informações de que em Itororó, muitos dos pretensos adversários de Adroaldo não poderão candidatar-se. Problemas com a Justiça Eleitoral. Ainda que por irregularidades banais – mas fatais – como filiar-se em partido sem desfiliar-se do anterior.

Tempos mornos I

Ultrapassada a fase de filiações, marcada por arregimentação de novos quadros ou cooptação de nomes de expressão aqui e ali trazidos para siglas de maior expressão, a eleição de 2012 se encontra em fogo brando.

As conversas de bastidores vazam, dando o rumo desta ou daquela liderança a procura deste ou daquele candidato em potencial que possa cerrar fileiras com seu projeto. Não mais como filiado, mas como integrante de uma “grande coligação” para salvar Itabuna.

Tempos mornos II

Nada mais se ouviu de Geraldo Simões sobre o teatro e o centro de convenções. Acabou o “amor” pelas artes e cultura local, traduzido nas falas há pouco com Fernando Gomes, intermediadas por Raimundo Vieira.

Dissemos, em algum instante, que beirava o nonsense imaginar que Geraldo defendesse a continuidade das obras em terras de Fernando por simples altruísmo.

Tempos mornos III

GS tentou atrair parcela do PMDB através de FG que, como descobriram alguns, nem mesmo filiado estava ao partido. Mas o via com peso e densidade eleitoral para seu projeto político. Inimigo (não mais tanto) útil.

Deu com os burros n’ água até esse instante. Fica para um segundo momento. Caso Roberto Barbosa não descole para uma campanha capaz de derrotar Azevedo.

Tempos mornos IV

O PCdoB afirma candidatura própria em Itabuna. O PT de Ilhéus está melando a possibilidade de apoio do PP itabunense ao PT local. Dissensão interna afasta Vane do partido.

PMDB com candidatura própria ou aliado a Azevedo (no primeiro instante).

Geraldo corre para repor as perdas, já que não pode juntar os cacos.

De apoio concreto, a rejeição de Azevedo.

Tempos não tão mornos

No entanto, para muitos, difícil mesmo será Geraldo Simões inverter o conceito que lhe atribuem no momento político: de pensar só em seu projeto pessoal.

Itabuna Faz parte dele: pela a fatia de votos. Ainda nada desprezível.

a.M – d.M

Assim vemos a CEPLAC sob a nova chefia: antes e depois de Maynart.

Leituras de viola

Assim titulamos o rodapé passado, tratando a viola de Jayme Alem, para nós um “cultor qualificado”. Dando sequência às “leituras” hoje trazemos uma geração que marcou os anos 60, transitando de modo irreverente pela caipira: Os Mutantes (Arnaldo Baptista, Rita Lee e Sérgio Dias). A música “Dois mil e um” (Rita Lee-Tom Zé), apresentada no Festival da Record de 1968, utiliza todos os motivos da “rebeldia” do experimentalismo daqueles anos, desde estereotipar o sotaque das duplas caipiras tradicionais a enveredar por arranjos impressionistas que definiram o estilo Rogério Duprat, mesclando instrumentos não tidos como naturais à natureza musical, como guitarra e contrabaixo elétricos, linha melódica traduzindo uma arquitetura que é marca de Tom Zé.

A proposta estética da geração faz falta nestes dias. E como faz! Ainda que sujeita a chuvas e trovoadas.

Cantinho do ABC da Noite

cabocoCabôco Alencar não se basta em servir uma batida ao cliente fiel ou ao que descobre o ABC da Noite. Acompanha os diálogos da freguesia, conhece suas idiossincrasias.

Depois de fechada a última banda de porta e o cadeado sacramentado o encerramento do expediente, descia o Beco do Fuxico rumo à Cinqüentenário, gastando assunto com o aluno que lhe fazia companhia e fazia crítica à intervenção feita por um freguês, que se mostrara erudito nos primeiros goles e “desembestara na burrice” depois do quarto.

- É preciso compreender, “Cabôco”. E perdoar – encerra Alencar, com o sorriso no canto da boca, conciliador e magnânimo – é ainda aluno do ABC.

_________________

Adylson Machado é escritor, professor e advogado, autor de "Amendoeiras de outono" e " O ABC do Cabôco", editados pela Via Litterarum

Morre Manuel Moitinho, pai da professora Miralva

Domingos Matos, 09/09/2011 | 10:57
Editado em 09/09/2011 | 10:58

O aposentado Manuel Nunes Moitinho, de 93 anos, faleceu ontem, às 20 horas, em Itororó, vítima de infarto. Ele é pai da professora Miralva Moitinho, diretora da Direc-7 e presidente do PT de Itabuna.

Seu Manuel morreu em casa. Ele não estava doente e chegou a se alimentar na noite de ontem.

O velório está sendo realizado em Itororó, onde também ocorre o enterro, hoje, às 16 horas, no cemitério municipal.

Por conta do falecimento, o expediente da Direc-7 nessa sexta-feira será apenas interno.

Nota Informativa - Deputado Geraldo Simões

Domingos Matos, 03/08/2011 | 11:32
Editado em 03/08/2011 | 11:33

Brasília, 2 de agosto de 2011.

O Deputado Geraldo Simões participou de cerimônia no Palácio do Planalto, no lançamento pela Presidenta Dilma, do Plano Brasil Maior de defesa da indústria brasileira e desenvolvimento de nossa economia.

Geraldo Simões manifestou que, com este Plano a Presidenta, além de favorecer a indústria de exportação com desoneração da folha, que agora é de 20% para o INSS, passando a 1,5% do faturamento, diminuindo custos; está tomando as medidas necessárias para proteger toda a produção nacional contra a concorrência desleal de importações irregulares que burlam a legislação antidumping, como é o caso dos produtos chineses. A China utiliza o expediente da triangulação para exportar mais do que a quota autorizada de 9 milhões de calçados, exportando através de outros países 38 milhões de pares.

Segundo anunciou a Presidenta, a defesa comercial brasileira será reforçada. A principal medida é o aumento do número de investigadores do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, que passará de 30 para 120. O prazo de investigação para aplicação de medidas antidumping será reduzido de 15 para 10 meses e, para aplicação de direito provisório, cairá de 240 para 120 dias. Também será negociada no âmbito do Mercosul a flexibilização da administração das alíquotas de importação.

Também serão reforçados os mecanismos de combate aos mecanismos de favorecimento às importações que buscam burlar o mecanismo de defesa comercial, a falsa declaração de origem, com o indeferimento da licença de importação quando constatada a prática, e ao subfaturamento de preços. Outra medida prevê o aumento do número de produtos sujeitos à certificação compulsória.

Com estas medidas o Deputado Geraldo Simões considera que as principais reivindicações da indústria calçadista de Itapetinga e região estarão sendo atendidas e, aliadas às medidas de desenvolvimento industrial e da infraestrutura, promovidos pelo Governo Federal e Governo do Estado da Bahia, o emprego na região será mantido.

Gabinete do Deputado Geraldo Simões

DE RODAPÉS E DE ACHADOS

Domingos Matos, 19/06/2011 | 16:58
Editado em 19/06/2011 | 18:00

Quando o tema se esgota em si mesmo, um rodapé pode definir tudo e ir um pouco além.  

Adylson Machado

                                                                              

Tocante e simbólico

protestoA foto de Ari Rodrigues traduz o melancólico da cultura itabunense. Um teatro sendo destruído enquanto o artista solitário pede que não o façam.

Na luta entre o poder estúpido e a arte a atitude do artista é o poema da esperança.

“Objeto do desejo”

Matéria deste O TROMBONE transita por meandros singulares: o “desejo” de Geraldo Simões “ter como vice, na chapa de Juçara, o tucano Ronald Kalid”. A reedição, difícil, da eleição de 2000 com GS-Ubaldo.

Um ponto cruciante as distingue: o projeto individual de poder que ora alimenta GS.

Não o de Itabuna como centro de atenção como o deseja Ronald Kalid, voz de esparsos utopistas.

Uns investem, outros destroem

Enquanto São Paulo gasta 28 milhões na reforma do Teatro Municipal e o Rio de Janeiro 68, Itabuna destrói um de seus tradicionais templos, o Zélia Lessa.

Claro que São Paulo e Rio reconhecem a importância dos espaços. Em Itabuna, por sua vez, as preocupações com a Cultura mais estão no plano da alcova. Esquecidas no estertor do orgasmo. Como segredo dos tempos em que o clímax era a vitória do macho sobre a fêmea.

Respingos incômodos I

Respinga em Geraldo Simões a presença de Nanda Galvão como dirigente máxima do SAC-Itabuna, cargo que seria da cota de GS. Atacado por correligionários que veem a “indicação” como instrumento de ampliação de poder – na busca de alianças para o projeto 2012 – GS se defende através de anônimo petista com trânsito no governo estadual para dizer que apenas foi formalizada uma situação que pendia desde janeiro com a saída de Ariadne, como revela O TROMBONE de quinta 16 (“Sem Digitais”).

Respingos incômodos II

Estranha é que Ariadne deixou o cargo em janeiro e o Governo levou seis meses para “legitimar” uma função que já era respondida por quem de direito na estrutura do órgão.

E nesse meio tempo, se a indicação era ou é de Geraldo por que não fez ou faz?

Detalhe: a versão de que Nanda assumiria o SAC não é recente.

Limpando as gavetas

Militante de coturno, referência de geraldista, Nildinha deixa a DIREC-Itabuna para abrir espaço ao PCdoB. Visando desmontar diretamente o PCdoB, Geraldo Simões sacrifica amigos e correligionários até a última gota de sangue.

A participação no bolo da conquista, no entanto, só a ele pertence.

Abrindo armários

A caça ao PCdoB encetada por Geraldo Simões se aprofunda, natural e legítima. O método para o “assédio” não traduz, no entanto, a tradição petista. Jogando pesado, com propostas às vezes indecorosas. Dinheiro não seria problema, talvez transportado em “caixas de sapato” para lembrar o que dele disse certo político local, hoje íntimo do deputado.

GS traduz nesse instante da existência uma paródia do rei Midas. Aquele desejou e conseguiu transformar o que tocasse em dinheiro; Geraldo, o que tocar com o dinheiro.

O fim de Midas o sabemos; o de Geraldo, ainda não. A fonte do “toque” de Midas, o deus Baco, agradecido pelo que fizera a Sileno, seu pai; a de Geraldo só Deus o sabe!

E certamente não será a punição de Apolo.

Abrindo gavetas

A ser mantida a linha de promessas, todos os que pretendam uma vaga na Câmara Municipal e descobrirem em Geraldo o “caminho” de Compostela, terão campanha custeada. A mímica de seus intermediários argumenta e se faz esfregando polegares e indicadores nervosos. Parece que o político “descobriu” que dinheiro é tudo, não mais o discurso e a coerência.

Caso cumpra o prometido cabe descobrir a fonte milagrosa. Caso não o cumpra, a punição de Apolo a Midas.

Lastimável

O precaríssimo atendimento cartorial em Itabuna, emblematizado no vexame por que passam os que buscam reconhecer firmas e autenticar no Tabelionato de Notas faz das comarcas próximas o alvo da procura por um mais rápido atendimento. Algumas se desdobram em qualidade. Outras lutam para aproximar-se da caótica itabunense. Caso de Itajuípe. Cartazes espalhados pelo fórum até regulamentam a prestação dos serviços forenses.

Testemunhamos a indignação e mesmo o choro dos mais necessitados, quando procuram o que lhes é assegurado em lei. Uma senhora, por exemplo, na quinta 16, carecia do original de uma certidão de nascimento para viabilizar programa social e depois de esperar fora-lhe recomendado retornar na terça-feira, dia fixo programado (pelo cartório) para tal desiderato. Vendo o risco de perder ou retardar o benefício brotaram-lhe as lágrimas do desespero. O pranto sofrido – doloroso quadro de quem vive a via crucis da insensibilidade custeada pelo dinheiro do povo – foi agraciado com a possibilidade de ser atendida, desde que aguardasse.

Por volta das 10h40min, ainda enxugava as lágrimas e... aguardava.

Escárnio I

Para sentirmos a dimensão da prestação de serviços naquele fórum em várias paredes estão afixados os dizeres: “Aqui nada é urgente, porque urgente é tudo aquilo que você deixou pra (SIC) última hora, e não é o cartório que deve compensar o seu atraso”.

A pérola remete ao anedótico de imaginar-se que alguém avisasse que morreria proximamente para não deixar “pra última hora” o registro do óbito, como reservar senha para reconhecer a firma de um contrato que ainda não celebrado.

Não podemos imaginar é que ditos dizeres não sejam do conhecimento dos magistrados que respondem pela comarca.

Escárnio II

Da a entender que em Itajuípe o “cartório” não é serviço público, é FAVOR. Não descuramos de, no futuro, a manter-se a aberração, ser afixado o seguinte cartaz: Óbito, nascimento, registro, autenticação e reconhecimento de firma: AGENDE COM ANTECEDÊNCIA.

Celeridade

A propósito, a pessoa que denuncia os fatos, para registrar e reconhecer uma firma, ainda que portadora da senha n. 11, deixou as dependências do fórum às 10h38min.

E deu sorte. Como determinado em Portaria o expediente para o público só vai das 8 às 12 horas.

Resgate

O registro de Manoel Bomfim Fogueira a Oscar Ribeiro Gonçalves – “O Jequitibá da Taboca – 1849 a 1960” – sai em 2ª, pela Editus, com revisão, atualização, introdução e notas de Janete Ruiz de Macedo e João Cordeiro de Andrade.

O relançamento da Editus, em parceria com a FICC, correu na sexta 17, na Biblioteca Municipal Plínio de Almeida, em Itabuna.

Lá e cá

Rosemberg Pinto entrega a DIREC-14 (Itapetinga) ao PDT de Itarantim. Geraldo Simões – ainda que não tenha “digitais” na nomeação/designação de Nanda Galvão – agracia carlistas, soutistas, borgistas em Itabuna.

Lá como cá, o poder pelo poder. E a militância às favas!

A turma do Barão de Drumond em alta

Geraldo Simões, em Itabuna, quer um quadro do bicho para vereador; Lenildo, em Ibicaraí, pretende-o para vice.

Interessante que, em passado não tão distante, GS recusava contribuição para a campanha se tivesse como fonte o jogo do bicho.

O tempora o mores.

Itororó

A cidade é referência em festejos juninos há 23 anos, amparada na inigualável carne de sol, o motivo central do evento.

Esse primor tem uma referência histórica: Quincão. Que desenvolveu o formato de fazê-la e servi-la, há 36 anos.

“Geraldo Simões mira o PP”

A matéria no “Políticos do Sul da Bahia” de segunda 13 fala da aproximação/negociação entre PT e PP, em tratativa para sacrifícios mútuos envolvendo as eleições de 2012. No fundo, uma solução que atende mais aos interesses de GS em Itabuna, leia-se, candidatura de Juçara Feitosa, esposa do deputado.

Mas, a propósito da matéria, considerando o lide, o que ali faz Ruy Machado, com foto e tudo? 

Falta acordar

gs ppsNo anedotário futebolístico envolvendo Garrincha há o registro de uma indagação do craque ao técnico Feola, durante preleção antes de um jogo, na Copa de 1958, na Suécia: “já combinou com os gringos, ‘seu’ Feola?”

Nessa história de Geraldo Simões tentar sacrificar o PT de Ilhéus para beneficiar o itabunense, leia-se GS/Juçara, está faltando saber se a turma de Josias Gomes concorda.

Talvez GS controle o Diretório ilheense, como em Itabuna.

Se for por aí tudo certo!

Dize-me com quem andas

Essa de Marina Silva deixar o PV e filiar-se ao PPS mais parece ilação para “Samba do Crioulo Doido”. Stanislaw baixando em centro espírita para ditar novo sucesso.

Sérgio Brito

O deputado Sérgio Brito pode ocupar os holofotes muito brevemente. Como relator dos casos que envolvem denúncia contra Jair Bolsonaro no Conselho de Ética da Câmara dos Deputados.

Bolsonaro utilizará a repercussão do processo e será atração na mídia nacional.

Sérgio na cola de Bolsonaro, que segundinho de televisão não é para qualquer um!

Entrelinhas I

Eduardo Anunciação, no estilo que o caracteriza, escreveu no Diário Bahia: “Wenceslau Júnior é um dos pretendentes a Prefeitura de Itabuna, prefeiturável, como está vereando, é vereador, PCdoB. Ele (Wenceslau Júnior), vitaminado de muita habilidade, de muita capacidade, de muita astúcia, vai descobrindo que neste chão não existe esquerda, direita, centro, mas prisioneiros, escravos de interesses financeiros, de um projeto de poder. Sob este ângulo, direção, só saudades da coerência de Nelito Carvalho, Hélio Pitanga e outros”. 

Dura lição do mestre, água fria na fervura dos idealistas. Não pela juventude de Wenceslau (que já compreendeu, como o diz Eduardo), mas dos meninos que anseiam ou sonham ingressar na política para servir.

Entrelinhas II

Na lúcida lição do decano do colunismo político de Itabuna a dolorosa e cruel realidade: quando diz que “neste chão não existe esquerda, direita, centro, mas prisioneiros, escravos de interesses financeiros, de um projeto de poder” Eduardo afirma que muitos de seus ex-amigos e amigos tornaram-se iguais.

De Fernando Gomes a Geraldo Simões.

Niemayer

De estarrecer: a casa construída por Gileno Amado, onde residiu, à margem direita da Itabuna-Ilhéus, recentemente derrubada, era um projeto de Oscar Niemayer.

Como sói acontecer com as coisas do capitalismo, derrubar é sempre melhor que preservar.

Escândalo

Não sabemos a quantas anda o escândalo denunciado neste O TROMBONE envolvendo a FICC e o escabroso e amador expediente utilizado para privilegiar pessoa previamente escolhida para receber mensalmente 1.500 reais enquanto os demais vis mortais terão 650 reais. (VER)

Temos informação de que o presidente Cyro de Mattos já afirmou que não subscreveu o Edital e que estaria buscando junto a Procuradoria-Geral do Município apurar o crime praticado.

Confissão

A edição do “Cultura em Ação nas Terras do Sem Fim”, ano I – nº 01, datado de abril de 2011 e circulando em junho, é uma confissão não só da vaidade e da apropriação da instituição para o projeto individual de Cyro de Mattos, como denunciam muitos (dezenas de citações de seu nome e quase duas dezenas de fotos): é típica confissão do muito pouco realizado pela FICC.

Dois anos e meio de administração para o que ali está registrado. Expediente, marca e fotos ocupam cerca de 5 de suas 12 paginas. E dentre as “realizações” o lugar comum da instituição, como cursos etc. Muitas das atividades mostradas como de iniciativa da FICC na realidade o são de particulares que dela recebem migalhas sob a condição de inserir o nome daquela que deveria ser o centro de incentivo da cultura itabunense. Tanto que trabalhos densos como o realizado pela ACODECC, de Ferradas, não são relacionados.

Muito pouco de realização para muito de fotografia do “premiado no Brasil e no Exterior”.

Battisti

Temos assumido posição em relação ao caso Battisti que contraria o lugar comum do noticiário. Sem proselitismos o fazemos, amparado apenas em não aceitar como verdade axiomática a versão e os interesses defendidos por uma parcela da imprensa nacional. Particularmente, a de atribuir ao ex-presidente Lula a (ir)responsabilidade por sua permanência no País, desfocando a juridicidade que alimentou a decisão política do governo brasileiro, legitimamente amparada no Tratado de Extradição entre o Brasil e a Itália.

Disponibilizamos algumas fontes: no Luis Nassifi OnLine no www.advivo.com.br de quarta 15, sob o título “O Caso Cesare Battisti na Revista Piauí” o texto de Mario Sérgio Conti “À Espera”, que aliaríamos a outros, dentre eles “A Farsa Italiana”, de Sebastião Néry, no www.tribunadaimprensa.com.br de segunda 13.

Também oferecemos um resumo de “Os Cenários Invisíveis do Caso Battisti – Por que a Extradição de Battisti Seria um Crime de Lesa Humanidade”, de Carlos Alberto Lungazzo, membro da Anistia Internacional dos Estados Unidos, em https://sites.google.com/site/lungarbattisti/resumo-do-livr e/ou  cenarioinviscasobattisti.pdf

Uma contribuição para a formação de um juízo de valor sobre o caso, com mais racionalidade e menos informação apaixonada ou político-partidarizada.

Viola em dois tempos

A viola de 10 cordas, alcunhada “caipira” – há na expressão certa carga de preconceito – muitas vezes não é encarada em dimensão erudita. Em que pese mestres como Tião Carreiro, Almir Satter e Renato Teixeira expressarem o que há do melhor que chega ao público, em contribuição para a construção de um salutar código apriorístico.

Oferecemos hoje dois instantes ímpares pelas circunstâncias: o primeiro, o erudito trabalho de Sidnei Oliveira em “Esplendor”; o outro, do conjunto “Os Incríveis”, em plena efervescência da Jovem Guarda, em 1967, com “Vendi os Bois”. (Os Incríveis fizeram com essa peça, sem proselitismos, o que Caetano fez com “Alegria, Alegria”: ruptura para contribuir com uma nova dimensão estética para música brasileira. Caetano repercutiu, Os Incríveis, não).

Dois instantes, distintos e significativos, para a “viola caipira”, não tão caipira assim.

Cantinho do ABC da Noite

cabocoImaculada manhã de sábado amplia o motivo da obrigação. De todas as vertentes acorre a freguesia fiel insinuando dia muito especial. Conversas variadas, assuntos atropelando-se. Cabôco Alencar, atento e diligente, desdobra-se.

Um tema concentrou maior atenção: a cidade de Itabuna e o amor dos que ali estavam pela terra que os acolhera ou os fizera nascer, o que motiva vaidoso comentário:

– Eu moro aqui há mais de vinte anos!

A verve alencarina não perde a deixa:

– Não tarda completar a pena máxima, Cabôco.

_________________

Adylson Machado é escritor, professor e advogado, autor de "Amendoeiras de outono" e " O ABC do Cabôco", editados pela Via Litterarum

DE RODAPÉS E DE ACHADOS

Domingos Matos, 12/06/2011 | 18:44
Editado em 14/06/2011 | 12:52

Adylson MachadoQuando o tema se esgota em si mesmo, um rodapé pode definir tudo e ir um pouco além.  

Adylson Machado

                                                                              

Programas governamentais I

A Presidente Dilma lançou o programa “Brasil Sem Miséria”, voltado para erradicar a pobreza absoluta em quatro anos. Já a Bahia – pelo ínclito idealista Jacques Wagner – pretende o “Professores na Miséria”.

No topo da lista dos miseráveis os das universidades estaduais, considerados ricos pelo Governador, tanto que não lhes pagou nem os dias trabalhados de abril, antes de entrarem em greve.

No primor das augustas pretensões Sua Excelência – também garoto propaganda de lâmina de barbear – benevolente anuncia a possibilidade de aumento de até 18% nos contracheques, condicionado ao congelamento por quatro anos.

Programas governamentais II

Embevecido com a própria imagem, afagado pela reeleição, fortalecido pela propaganda oficial, quer fazer-nos esquecer que somente para o ano vindouro o aumento do salário mínimo alcançará no mínimo 13%.

Na Bahia de Jacques Wagner professor universitário não tem direito nem à reposição equivalente ao mínimo.

Como o ilustre não é analfabeto só Freud para explicar.

Imagem maculada

Não conseguirá o Governador Wagner sair-se bem do movimento desencadeado pelas estaduais. Segurou, mas não evitou que a sociedade conhecesse a infausta proposta, de congelar salários dos professores.

A força da realidade falou mais alto. E por mais que o remendo seja posto, aceitar propostas grevistas revela que os docentes tinham razão.

O artigo de Manuela Berbert que circulou na blogosfera diz bem: “Que vergonha, Governador!”

Itororó

A aliança anunciada com pompa e circunstância entre Edineu Oliveira e Marco Brito não tem encontrado respaldo entre seus liderados. O barco está furado e migram lideranças para o PT. Recentemente, Amauri do SINSERV (sindicato dos servidores públicos locais), do PSDB, e sua mulher, Neta (do DEM) aliaram-se ao Prefeito Adroaldo (detalhes em www.itororoja.blogspot.com).

No fundo da panela, se a aliança Edineu/Marco não vai bem das pernas, o PT de Itororó, como o partido no geral, não aguenta ver PSDB e PFL/DEM. E haja cargos para satisfazer as novas alianças. Ou recursos para futuras campanhas.

Amauri, por exemplo, pretende candidatar-se a vereador em 2012.

A versão que interessa

A cobertura televisiva – com destaque para a Globo e a Bandeirantes – fizeram da decisão do STF sobre Battisti um cavalo de batalha (o da Band beirou a mediocridade e ignorância jurídica concentradas). Visível a intenção de tributar ao Presidente Lula a “(ir)responsabilidade” pela permanência do ativista no Brasil como agressão ao estado nacional italiano.

A ignorância – com claros objetivos políticos – apenas buscou ouvir os interessados na versão de que o tratado de extradição entre Itália e Brasil fora desrespeitado pelo ex-presidente, o que levaria à “desmoralização” do Brasil no cenário internacional.

Ninguém lembrou que a Itália negou extraditar um general argentino, pedido regularmente encaminhado pelo país portenho e legitimamente negado. Como o fez o Brasil.

Detalhe: a mesma histeria e indignação não foi vista quando o STJ invalidou a prova colhida na Satiagraha, praticamente absolvendo Daniel Dantas.

A verdade omitida I

Não estava em julgamento a extradição de Battisti – esta já o fora – mas a Reclamação do governo italiano, considerado no julgamento parte ilegítima para discutir searas internas de outro país. No caso, intervenção em decisão soberana proferida por nação estrangeira. O que estava em discussão era a valia ou não do princípio da soberania e não o mérito da extradição em si, fato que já fora decidido.

Caberia, aos críticos movidos à paixão política, verificar se o ex-presidente desrespeitou o Tratado de Extradição. O que não correu, em tese, basta que seja lida e interpretada a disposição inserta no artigo III do Tratado, que relaciona os casos em que “a extradição não será concedida”, onde a letra “e” estabelece: “ Se o fato, pelo qual é pedida, for considerado, pela parte requerida, crime político”.

A verdade omitida II

Quando o STF entendeu, em análise jurídica, cabível a extradição, transferiu para o Presidente da República a decisão política, prevista no Tratado. Portanto, se o quisesse no plano apenas jurídico o Supremo determinaria a extradição. No plano político – a decisão do Presidente – legitimada pelas convenções internacionais entendeu existir caráter político nos crimes praticados por Battisti e negou a extradição.

A interpretação subjetiva do que é ou não crime político cabe ao Presidente e não ao Judiciário. Essa decisão política, se correta ou não, não pode mais ser alcançada pelo mesmo objeto da relação decidida pelo Supremo.

O que o governo italiano pretendeu foi atropelar uma decisão irrecorrível no plano interno.

Retaliação

Há muito não se via tanta ameaça a um estado soberano como a que ocorreu ao Brasil no caso Battisti. A Itália ameaçou retaliar economicamente, não votar pelo ingresso do Brasil no Conselho de Segurança da ONU. A mais recente, boicotar a vinda de italianos para a Copa do Mundo. A isso se chama chantagem.

Talvez se a Itália não houvesse ameaçado tanto o Brasil e Battisti estaria cumprindo pena na Itália.

Uma indagação ainda necessária: como tem agido a Itália em relação aos brasileiros que tentam nela entrar?

De nossa parte não compraremos nenhum veiculo fabricado pela FIAT. Retaliação é isso.

Pérola

bessinha batisti“Quando existe um homicídio, alguém morreu”. A intervenção do Ministro falastrão Gilmar Mendes, aquele dos habeas corpus para Daniel Dantas, ao interromper o voto do Ministro Ayres Brito no caso Batistti cabe muito bem no alfarrábio de quem não sabe o significado das palavras a ponto de exercê-las na forma redundante.

Afastada a derrota de seu ponto de vista – gastou precioso tempo para alimentar a mídia com a afirmação de que Lula desrespeitou o Direito Internacional – a pérola do Ministro nos remeteu a uma palavra que tem origem francesa – lapalissade – para designar qualquer afirmação que se limita a uma evidência.

Para os franceses, no entanto, “...est une affirmation ridicule ênoçant une evidence perceptible immédiatement...”. Que cai como luva no expressar do Ministro.

Para nós não só “ridícula”, como imprópria em ambientes como a Corte Maior da República.

Mas, como diria Tormezza: “É o que dá conversar demais”.

Coisas da Globo

Parece que grande era somente o chinês e aqueles “músicos brasileiros” coadjuvantes menores. Para quem assistiu o Bom Dia Brasil de quarta 8 e lera DE RODAPÉS E DE ACHADOS de 29 de maio (A Irreverência) ficou sem entender por que o programa fez matéria ao final se referindo ao pianista chinês Lan-Lang em apresentação realizada em Londres  ao lado de “músicos brasileiros”.

Para quem quiser rever o citado DE RODAPÉS verá que a verdadeira apoteose ocorre para a orquestra, pelo conjunto da obra, enquanto executa Zequinha de Abreu (Tico-Tico no Fubá) de forma irreverente e inusitada.

E aqueles “músicos brasileiros”, nada mais nada menos que a Orquestra Juvenil da Bahia, omitida na matéria.

Da  Globo uma contribuição ao “complexo de vira-lata” de que falava Nelson Rodrigues.

O STJ comprova

Considerando a Operação Satiagraha irregular por haver se utilizado de agentes da ABIN – porque atuou “oculta” segundo o relator Ministro Jorge Mussi – abre-se a temporada para invalidar inquéritos e apurações policiais que tenham se utilizado de algum expediente “oculto”, ainda que com autorização judicial. A considerar a decisão do STJ nesta terça 7, por 3 votos a 2, doravante a investigação precisa ser às claras, possivelmente telefonando para o infrator – se for rico e poderoso – marcando hora para investigá-lo etc.

Detalhe: o vil mortal, preto, pobre e prostituta não será alcançado pela interpretação pretória por faltar-lhe um requisito: dispor de um advogado de alto coturno, daqueles que advogam para os Daniel Dantas e Abdelmassy etc.

Ou seja, condenação – prisão nem se fale, é crime de lesa Pátria – está destinada à base da pirâmide social, ainda que se limite ao que furte galinhas ou sabonetes em supermercado.  

Não esquecer que o próprio Daniel Dantas disse temer somente a instância inferior, porque as altas cortes não lhe trariam problema. O que vai se confirmando.

Reações à mudanças

Não à toa a classe advocatícia se levanta contra a PEC de Peluso, aquela que inviabiliza a ação das grandes bancas de advogados no ramerrão do dia a dia libertando ricos. Para Peluso a condenação em segunda entrância fará transitar em julgado a sentença, sem prejuízo dos recursos para instâncias superiores. Com um detalhe: condenado poderá recorrer, desde que permaneça preso até solução final.

Que horror!

Hoje como ontem

Por essas e outras, permanece vivo o expressado por Rui Barbosa em discurso no Senado em 1914: “De tanto ver triunfar as nulidades, de tanto ver prosperar a desonra, de tanto ver a injustiça, de tanto ver agigantarem-se os poderes nas mãos dos maus, o homem chega a desanimar-se da virtude, a rir-se da honra e a ter vergonha de ser honesto”.

Protesto

O protesto de deficientes visuais, três mulheres de Buerarema, que enfrentaram a empresa que detém o monopólio do transporte na região, apresenta uma dicotômica realidade: a busca de um direito estabelecido em lei (para elas) e o não cumprimento da lei por ausência de regulamentação (para a empresa).

O cidadão comum dirá apenas: falta bom senso.

Para não dizer espírito de caridade cristã. Não no sentido de transferir recursos através de esmolas, mas de aplicar uma das lições da Parábola dos Talentos: o que temos é dádiva de Deus para ser multiplicada e posta a serviço do semelhante.

Ainda que saibamos que o ideário capitalista não seja dado a tais firulas.

Escândalo I

O TROMBONE vem denunciando a FICC, pelo escabroso e amador expediente por ela utilizado para privilegiar pessoa previamente escolhida para receber mensalmente 1.500 reais enquanto os demais vis mortais terão 650 reais.

Não temos conhecimento de que qualquer atitude para suspender o criminoso expediente tenha sido tomada pela administração municipal, que alardeia premiada transparência.

Ao que parece o famigerado Edital 002/2011 nem mesmo foi publicado.

E a imprensa muda e calada! Por que?

Escândalo II

Desde sábado 4 O TROMBONE – com “Estripulias de Algum Menino Grapiúna” – iniciou atividade jornalística investigativa de primeira qualidade ao descobrir e “perseguir” a realidade que os fatos apresentavam, diante das dúvidas deixadas pelo Edital 002/2011, da Fundação Itabunense de Cultura e Cidadania-FICC.

Como sinalizara a editoria, estranho que, para “realização de Processo Seletivo Simplificado para contratação, por prazo determinado, por necessidade temporária de excepcional interesse público”, visando a admissão de 35 Professores para diversos cursos (de Capoeira a Ballet, de Violão a Dança, de Bateria a Teclado e Flauta, de Artesanato e Bordado a Teatro etc.), uma inusitada distorção salarial privilegiasse somente uma das atividades (com 1.500 reais mensais) enquanto as demais com 650.

Para tanto, desconfiara O TROMBONE, o Edital datado numa sexta-feira, encerrando inscrições na terça seguinte, parecia que nem mesmo fora publicado e visava, por dedução lógica, beneficiar alguém.

Descoberta

Na esteira da investigação O TROMBONE não só confirmou que o Edital 002/2011 não fora publicado, como até descobriu o(a) provável beneficiado(a) da maracutaia armada nos porões da FICC, que guarda a sete-chaves.

Um escândalo, não pela dimensão financeira envolvida – que a administração municipal tem vivenciado outras pérolas – mas pela imoralidade cometida sob responsabilidade administrativa do Presidente da FICC, o poeta e contista Cyro de Mattos.

Atitude que falta

De nossa parte pusemos em dúvida se Cyro de Mattos efetivamente subscreveu o indigitado edital.

No entanto, a gravidade do assunto remete a duas conclusões imediatas: ou Cyro de Mattos participou da armação (continuamos não acreditando) ou não exerce o controle administrativo da FICC a ponto de permitir ou aceitar tais desmandos.

Como não houve até agora iniciativas de reversão do absurdo se transforma em confissão.

Caso de exoneração sumária.

Gasolina e fogo

Dilma parece ter mandado um recado: quem governa, comanda e decide é ela. Desagradou a gregos e troianos (PT e PMDB) ao substituir Palocci.

A turma anda circulando no Palácio do Planalto munida de gasolina e fósforos.

Pode retardar iniciativas depois do levantamento do Datafolha realizado na quinta e na sexta, divulgado no dia 11, onde o Governo da Presidente está com 49% de bom e ótimo, ante 47% em março.

Mas cautela nunca fez mal a ninguém. Especialmente quando alguém espreita com gasolina e fósforos.

Vane

Seria um gesto de grandeza de Geraldo Simões – citado pela circunstância de comandar e dominar o PT em Itabuna – se admitisse a candidatura de Vane.

Para nós, Vane candidato a prefeito só através de outra sigla.

Ampliando a divisão do PT local. Por causa da intransigência de Geraldo.

Zélia Lessa

O nome da professora Zélia Lessa, ícone da história da música em Itabuna – o “Cantores de Orfeu”, por ela fundado, está em atividade desde 1955 – se fez presente no noticiário. Não pelos méritos da ilustre itabunense, mas pelo demérito da ação municipal que iniciou a demolição do espaço que leva o seu nome.

A “Sala Zélia Lessa” não é simples homenagem à professora do mais antigo coral desta terra, mas o nome dado a um espaço criado para o exercício das artes, em particular o teatro, fato ocorrido em 1986, quando o então prefeito Ubaldo Dantas, atendendo aos reclamos da classe artística local o construiu e nomeou-o com o da mestra de “Rapsódia Grapiúna”.

Sala Zélia Lessa

O espaço, que dispõe de 120 lugares, referência nos anos 86, 87 e 88, se encontrava desviado de sua função primordial por falta de políticas públicas para a cultura, em que pese a luta de artistas locais para a sua reativação.

O Zélia Lessa recebeu nomes como Jurema Penna, Jorge Araujo, Eduardo Anunciação, Carlos Betão, Ederivaldo “Bené” Benedito, Jackson Costa, Eva Lima, Mário Gusmão, José Delmo, Ramon Vane entre muitos.

No tempo em que nomes que se destacavam nacionalmente (Mário Gusmão, Jurema Penna) amparavam uma gama de jovens ativistas das artes e do teatro.

Indignação

jackson costaVozes se levantam contra a ignomínia. Artistas, intelectuais, estudantes e políticos esperam uma decisão do Prefeito José Nilton Azevedo para reverter o estado em que se encontra o espaço Zélia Lessa.

Um povo sem memória, não constrói sua identidade cultural. Sem identidade não há o que registrar como História.

Que se escute o ator Jackson Costa indignado com o descalabro:

“É uma pena que o Auditório Zélia Lessa passe por essa destruição. Todo tempo é tempo de construir. E o teatro é um tesouro milenar que serve pra iluminar, entreter, educar, encantar...Teatro é lugar de profunda reflexão.
Na sala Zélia Lessa, eu praticamente (como ator) nasci e várias vezes ali vivi, momentos de grande emoção.
Ali eu vivi Sebastião do Souto, da peça "Calabar" (de Chico Buarque e Ruy Guerra), junto com Betão, Eva Lima, Ramon Vane, Marcos Cristiano, Adriana Dantas, Weldon Bitancurt, Jeferson Blue, Zé Henrique, Marcelo José, Dedé, André, Juan Nascimento, o mineiro Roberto O'hara e outros que agora não me lembro”.

Desagravo

A iniciativa da OAB de promover uma sessão de desagravo ao advogado Andirlei Nascimento pode ser ponta de iceberg se forem aprofundadas as informações que temos envolvendo os magistrados causadores do embate entre o Judiciário e a organização classista.

A personalização magistrada se dilui quando se apura a verdade e ainda se ampara apenas no corporativismo judiciário.

São João I

O cantor e compositor Chico César, atual Secretário de Cultura da Paraíba, tem assegurado que não vai patrocinar o que denomina de “forró de plástico”, executado por grupos musicais que se utilizam da tradição nordestina para vender seu particular peixe, não tão gonzaguiano. Detalhes em www.advivo.com.br de 19 de abril.

A determinação de Chico César protege um componente hoje pouco levado a sério: a tradição junina. Que tem sido confundida com a utilização dos mais variados expedientes que dela se apropriaram para fins de faturamento.

São João II

Particularmente temos denunciado a existência de um conflito, muito presente em nossos festejos juninos: o São João “tradição” versus São João “produção”. Não o licor, mas a cerveja; mais axé e sertanejo e menos forró e xote.

Na esteira dessa apropriação indústrias de cerveja “patrocinam” festas e impõem o consumo de sua marca.

E a sanfona, triângulo e zabumba perdem espaço para a “banda” ou a “dupla sertaneja” de sucesso.

Lançamento

Na terça 7, Dr. Teobaldo Magalhães lançou “Os 5 Segredos para a Saúde”, no  Hotel Tarik, às 19 horas.

Um dos mais concorridos e bem programados eventos do gênero.

Prefeitura Transparente

Considerando a responsabilidade decorrente da premiação recebida, insistimos para que a Prefeitura de Itabuna disponibilize dados, apure e puna  o que está acontecendo na FICC.

Rosemberg Pinto

As vaias recebidas pelo deputado o foram durante fala no “Pensar Cacau”, no Centro de Cultura Adonias Filho, no dia 27 de maio

Retornamos para responder ao amigo leitor que nos cobrou a omissão.

A Câmara de Itabuna está afundando

Literalmente. O prédio onde funciona a Câmara apresenta inclinação, que está próxima de 5 centímetros. No afã de construir o Governo Ubaldo promoveu-o sobre terreno pantanoso, que não está suportando o peso da construção.

O afundamento que o leitor imaginou é outra coisa. Quando a Polícia Federal aprofundar as investigações sobre certos empréstimos consignados.

Paulo Magalhães e o PSD

Ouvimos do Deputado Paulo Magalhães que dele era o controle do PSD para Itororó, razão por que buscava o ex-prefeito Edineu Oliveira para assumi-lo na Terra da Carne do Sol.

O Políticos do Sul da Bahia nesta sexta 10 afirmou que o Prefeito Adroaldo fica com o PSD.

Não há informação de que o Deputado tenha perdido o PSD, tampouco que Adroaldo tenha como aliado o ex-demista/pefelista Paulo Magalhães.

João Gilberto

Nos oitenta anos do baiano João nascido aos 8 de junho o toque instrumental de Aderbal Duarte, que transcreve a obra gilbertiana por escolha do próprio. A propósito, “João Gilberto por Aderbal Duarte”, pinceladas deste escriba, no Luis Nassif Online do www.advivo.com.br de 11 de junho.

Cantinho do ABC da Noite

cabocoInsistiam na discussão envolvendo a possibilidade de cobrança de honorários profissionais. Alencar Pereira acompanhando, enquanto serve um ou outro. O acerto da verba honorária mais se atinha a um brincar depois que determinado tema exigiria, como saída, o ajuizamento de demanda e um advogado presente propusera cobrar 50% enquanto o outro admitia 20%.

A brincadeira já se estabilizara na redução de 50% para 40% e aumento de 20% para 30%, quando alguém que acompanhava a galhofa provocou a intervenção do Cabôco:

– E aí, Cabôco, o que você diz?

– É, Cabôco – dirigindo-se ao que propusera 50% – você não pode ultrapassar os limites da contravenção – aludindo ao percentual pago pelos bicheiros aos cambistas.

 _________________

Adylson Machado é escritor, professor e advogado, autor de "Amendoeiras de outono" e " O ABC do Cabôco", editados pela Via Litterarum

Estripulias de algum menino grapiúna

Domingos Matos, 04/06/2011 | 15:26
Editado em 05/06/2011 | 17:04

Poucas coisas justificariam um edital como o que publicou, no último dia 27, a Fundação Itabunense de Cultura e Cidadania. Uma delas não é a "necessidade temporária de excepcional interesse público", como dito no edital 002/2011, "publicado" pela FICC no citado dia 27, chamando para a contratação, por seleção simplificada, de professores de artes diversas para o projeto Arte nos Bairros.

A "necessidade temporária de excepcional interesse público" não justifica, por exemplo, o prazo pra lá de ínfimo dado para as inscrições: a data de publicação do edital, como consta no próprio documento, foi o dia 27 de maio, uma sexta-feira, e o encerramento das inscrições se daria no dia 31, uma terça-feira.

Ora, considerando que no sábado e no domingo não há expediente na FICC, e que o horário de inscrições ia das 8 às 13 horas, os interessados só dispuseram de três manhãs úteis para se inscrever. Isso levando em conta que alguém tenha "visto" o tal edital, que seguiu o rito da visibilidade zero, adotado em casos específicos por setores da Administração Municipal.

Mas, há mais. Todas as funções oferecidas exigem como escolaridade o Ensino Fundamental. De professor de Bateria a instrutor de Capoeira, passando por professor de Street Dance, de Balé ou de Flauta. O salário-base também é tabelado em R$ 650,00.

Mas um detalhe, de tão escondido, salta aos olhos: na modalidade Dança de Salão, a exigência é de que o professor possua formação em Nível Superior ou que esteja cursando Enfermagem ou Fisioterapia. Mas por quê, ó céus? Por que o pobre professor de Dança de Salão deve ser enfermeiro - ou quase - ou fisioterapeuta?

Ah, pra não dizer que é perseguição contra os pés-de-valsa, o salário-base para esse felizardo que seja formado ou esteja cursando Enfermagem ou Fisioterapia é bem mais polpudo: R$ 1.500,00.

Isso, que ganhou a bonita alcunha de "necessidade temporária de excepcional interesse público" já foi chamado em outros tempos de direcionamento indevido. Ou de coisa bem pior.

DE RODAPÉS E DE ACHADOS

Domingos Matos, 29/05/2011 | 15:21
Editado em 29/05/2011 | 17:00

Adylson MachadoQuando o tema se esgota em si mesmo, um rodapé pode definir tudo e ir um pouco além.  

Adylson Machado

                                                                              

Frankenstein

Sem forçar a barra, o inusitado consenso em torno de temas presentes no Código Florestal uniu UDR e comunistas. Chegamos a imaginar a possibilidade de efetivação da reforma agrária, bandeira histórica do comunismo. Mas, a união se voltava para legitimar o latifúndio e anistiar desmatadores, ainda que a anistia possa ser “compensada!” com iniciativas dos muitos detentoras da cultura da motosserra.

Por coincidência, no Pará – pátria da grilagem – o líder extrativista José Cláudio Ribeiro fora assassinado juntamente com a mulher, Maria do Espírito Santo, na véspera da votação, terça 24. O “crime” de José Cláudio: denunciar a ação ilegal de madeireiros.

Certamente agora anistiados.

Vai dar o que falar

Nova lei penal 12.403/2011, de 5 de maio de 2011, vigorando a partir de 5 de julho, torna a manutenção da prisão em flagrante e a prisão preventiva somente para casos raríssimos.

A fiança e as nove medidas cautelares que insere ocuparão espaço antes privativo daqueles institutos de execução penal.

Vai dar o que falar. Até ser compreendida.

Ninguém sentiu a ausência

Ainda que não percebida – ou ignorada quanto à importância que poderia representar – a ausência de Cyro de Mattos no lançamento de “A cidade em tela: Itabuna e Walter Moreira” (EDITUS-2011), obra de Lourdes Bertol Rocha e Elisabete Moreira, na Biblioteca Municipal do Espaço Cultural Josué Brandão, não deixou de causar estranheza. Afinal, apesar da justificativa encontrada – compromisso em Salvador – cheira a algo estranho Cyro de Mattos – que se autodenomina humildemente o “escritor premiado no Brasil e no exterior” – não comparecer ao evento, quando podia marcá-lo para data que lhe fosse oportuna.

Afinal, a promoção do lançamento fora da FICC e não das autoras.

Uma questão de conceito

Itabuna recebe Prêmio Prefeitura Transparente, elevando aos píncaros o orgulho do atual gestor e auxiliares. Para o contribuinte, em geral, fica a dúvida sobre os critérios avaliatórios.

Isso porque não sabe quanto são os gastos individualizados com diárias, almoços, viagens e outros detalhes. Tampouco como aplicados os recursos – que não são poucos – tão “escassos” no olhômetro da população.

Para nós transparência existirá no dia em que cada cidadão dispuser de clareza com referência a cada centavo gasto por entes públicos, quaisquer que sejam: Prefeituras, Câmara etc.

Em outras palavras: menos propaganda e evidente transparência

Itororó

Bomba! Bomba! Bomba de muitos megatons agita(rá) Itororó, na véspera do Festsol. O representante do carlismo e do soutismo na terra da carne de sol – leia-se do PFL/DEM – está prestes a assumir compromisso com um partido da base do governo. Em palavras diretas: Edineu Oliveira será correligionário de Jacques Wagner.

Viagem marcada para as devidas conversas em Salvador. Obviamente, pretende dispor de cargos etc.

Ouvimos pessoalmente do avalista do ingresso, nome por enquanto sob nossa particular guarda, apesar de não haver pedido segredo. Com testemunho.

Nova data

jpsA reinauguração do Jequitibá não mais será no anunciado 2 de junho, mas no 30, em razão da inteira impossibilidade da pompa e circunstância no aprazado, haja vista o andamento das obras.

Pelo andar da carruagem, à luz do estágio em que se encontram e das prometidas inovações – como um viaduto ligando a rua Jequitibá ao estacionamento superior – ainda que o pré-moldado economize tempo, temos que a data mais provável é o dia da cidade, 28 de julho.

Se Deus o permitir!

Contagiosa

Apareceram no noticiário, dia desses perdidos no calendário televisivo, quando emprenhados somos com o que produtores e editores entendem nos interessar, que uma estranha doença acometia melancias na China: sem quê nem pra quê, depois de crescerem e se anunciarem para a colheita, descobriam-se rachadas de alto a baixo. Simplesmente abriam-se e deixavam ao léu a deliciosa polpa vermelha.

Tudo se emoldura ao caminhar de alguns partidos políticos no Brasil. (Não sabemos se algum ainda escapa, ou simplesmente não foi ainda descoberta a doença que o “rachará”). As cartilhas escritas por seus pensadores estão perdendo autores e restando comuns ABCs de molecagem.

E próceres do PT pelo meio. A consultoria de Palloci que o diga!

Se vingar, pode atrapalhar

Não se nega um clima de insatisfação popular para com os políticos em Itororó. Circunstancial que seja, revela vontade de ver algo diferente.

A notícia de que Padre Moisés poderia se candidatar a prefeito da terrinha da carne de sol pode causar estragos.

Para nós, também a certeza de que algumas ovelhas perdidas poderão encontrar-se com o espaço que lhes falta no rebanho do Padre Moisés, retornando ao pastoreio.

Sorria, você está sendo roubado! I

Menos grama aqui, menos mililitro ali, palito de fósforo a menos na caixinha. Multiplicado por milhões de embalagens, o que parece pouco se torna milionária apropriação do dinheirinho nosso de cada. Caso se tratasse de prática realizada por um desses perdidos pelo mundo, típico ROUBO, “assalto à mão desarmada” a justificar cadeia, exposição da imagem e quejandos naturais às ações policiais, principalmente quando o “criminoso” integra o andar de baixo da sociedade.

Sorria, você está sendo roubado! II

Contas-se, como motivação da criatividade empresarial e da iniciativa nada ortodoxa para a criação – para gáudio do capitalismo – que reunião da diretoria de uma indústria de dentifrícios buscava uma solução para aumentar as vendas. Distraído, um servente efetuava a limpeza e repetia baixinho, como um mantra: “aumenta o bico”. Ideias e propostas acaloradas, como muita gente querendo mostrar serviço e o carinha por lá balbuciando o seu “aumenta o bico” até que um dos diretores percebeu a insinuação, que se tornou o carro-chefe do aumento do lucro, sendo o faxineiro guindado a funções de “pensar” e ganhar um pouco melhor.

E todos foram felizes. Mormente o caixa da indústria, com o bico das bisnagas, alimentando a perdulariedade dos mais desavisados que não utilizam até os últimos gramas da “mãe” do sorriso.

Sorria, você está sendo roubado! III

A orientação, lançada no mercado, dizia respeito a aumentar o bico da bisnaga, externamente. Se já ganhavam dinheiro e ampliavam o lucro desta forma, o que dizer de estender o bico para dentro?

É o que vem fazendo a indústria que detém a marca “CLOSE UP”. Enquanto sorridentes globais, nestes últimos dias, expõem a dentição para valorizar o produto, o consumidor está perdendo, em cada bisnaga, pelo menos entre 5 a 10% de dentifrício.

Não podemos dizer outra coisa: “Sorria, você está sendo roubado!”. 

Utilidade pública

Como parece não haver neste País órgão ou autoridade que perceba o “assalto” nosso DE RODAPÉS E DE ACHADOS dá uma dica: não compre a marca!

UESC

Professores continuam em greve. O Governador não conseguiu curvar os docentes. Ainda que dispondo da maravilha de falar sozinho – através de release, “a voz do dono” – onde se faz coberto de razão.

As perorações de Jacques Wagner e seu “saco de bondades” para com as universidades estaduais e os professores em particular não abordam o fato de que o “governo para quem mais precisa” não só suspendeu o pagamento dos docentes como nem mesmo pagou os dias por eles trabalhados.

Tampouco que se utiliza de um expediente abstraído do chicote carlista: só conversa se a categoria voltar às aulas.

Camacã I

jequitibáPerdeu o título e a grandeza que lhe trouxe o cacau nos áureos tempos. E ganha o triste epíteto de massacrador de jequitibá-rei. (VER) Ainda que a indefesa vítima seja um indivíduo símbolo da Mata Atlântica que cobre o cacau. E tivesse 500 anos, ou seja, MEIO MILHÃO DE ANOS.

Certamente alguém vai faturar com a madeira.

Camacã II

A alegação de que a centenária árvore prejudicava alguns que há uma ou duas décadas ocuparam seu espaço – precisamos dos nomes deles – construindo no seu entorno, somente pode ser atribuída à máxima de Mangabeira: “Pense num absurdo; na Bahia já há precedentes”.

Camacã que o diga.

“Miralva por um triz”

Considerando o título acima, no Pimenta na Muqueca de sexta 27, a partir das fontes de que disponha – e o são provavelmente de aliados de Geraldo Simões – a situação da professora Miralva resultará em mais um freio de arrumação para o combalido estado em que se encontra o PT itabunense para 2012 sob o absoluto controle de GS.

Miralva Moitinha na DIREC 7 é a bola da vez. Só falta publicar que o afastamento de figuras históricas da agremiação o foi por culpa de Miralva. Que neste instante encarna o lado ruim de GS. Porque o lado bom sempre será ele.

Miralva, mais uma da lista de fieis e dedicados descartados.

Massacre das amendoeiras

Eis outra contribuição da administração Azevedo – para as futuras gerações – sob comedida e plácida omissão da sociedade itabunense: o “massacre das amendoeiras” da Avenida Amélia Amado.

O infausto laurel será incluído – com fotos do antes e do depois – na “galeria” defendida por Cyro de Mattos nos escombros do Colégio Divina Providência.

Com amplas possibilidades de a centenária Igreja de Santo Antônio acompanhar o périplo da destruição.

Quem está faturando?

Considerando que as dezenas de árvores frondosas são ceifadas e sua madeira serve, pelo menos, para forno de padaria, uma indagação: Quem está faturando com o massacre?

Que a administração do Prêmio Prefeitura Transparência publique no portal quem é premiado com a “lenha” da Amélia Amado.

Faltou o retalho na semana

O presidente da Câmara de Vereadores de Itabuna, Ruy Machado, não entregou o relatório de auditoria ao Ministério Público. Ou, quando nada, ainda não divulgou.

Mantém em suspense a terceira etapa da publicidade dentro da programada escassez de “papel e tinta”.

Saia justa

Inglória – são os ossos do ofício – a intervenção da Presidente Dilma em defesa de Palocci, este novo perfil de brasileiro vencedor, prestes a tornar-se paradigma da transparência nacional.

O cheiro pode revelar uma podridão sem limites, capaz de alimentar durante meses a oposição que se encontrava sem discurso e sem motivo para “oposicionar”.

PT se desmanchando I

E marcado fica, para sempre, o Partido dos Trabalhadores como evidência de “ser diferente” dos outros. Nesse sentido conquista o augusto direito de ser “igual aos outros”.

Dos quais não escapa nem o PV, depois da aliança de alguns de seus deputados com a bancada ruralista, aquela que nasceu com a UDR – União Democrática Ruralista – que ensaiou armar a população latifundiária, na segunda metade dos anos 80, para defender seus quinhões, em muito grilados, basta ver o que sempre aconteceu no Mato Grosso e no Pará.

PT se desmanchando II

O partido do ex-trotskista Antônio Palocci, que criticou figuras do governo FHC como Luís Carlos Mendonça de Barros e André Lara Rezende, entre outros, justamente porque se beneficiaram do poder, hoje blinda o petista aplaudido e apreciado por grandes empresários e a mídia. “Ninguém dá nada de graça” – dizia-o Tormeza.

Diríamos a este Palocci, parodiando Drumond para o caso concreto: “Este é um tempo de partido, de homens partidos”.

O aumento patrimonial de Palocci – suspeito até prova em contrário – o faz novo expoente de um partido que foge de ser a representação clássica do trabalhismo. E não se trata aí de pacífica convivência entre capital e trabalho. É o partido esquecendo os trabalhadores que lhe deram motivação e origem.

Ou como diz um indignado ex-petista: é “o PT se desmanchando”.

Curta à vista

Nossa sacrossanta ignorância em modernidades técnicas de acesso impede disponibilizar neste DE RODAPÉS detalhes do curta metragem “A Fórmula”, de Henrique Filho, que traz Valderez (atriz coadjuvante premiada por “Eu me lembro”, de Edgar Navarro), Betão, Eva Lima, Vladimir Brichta, entre outros.

Por não dominarmos esse universo de faces etc. adiamos o comentário. Mas fica o registro.

Sugestão de reportagem

Nós que temos criticado a omissão da sociedade itabunense (clubes de serviço, sindicatos etc.) diante da realidade que envolve os limites entre Ilhéus e Itabuna, para evitar cometer uma injustiça para com a classe política em geral que se elegeu com votos de Itabuna, sugerimos à editoria deste O TROMBONE algumas indagações aos vários representantes desta augusta terra grapiúna, através do seguinte questionário:

1. “Considerando a existência de lei estadual autorizativa para a revisão de limites entre os municípios do Estado da Bahia, como o senhor vê a revisão de limites entre Ilhéus e Itabuna?”

2. “Concorda com a proposta do deputado Coronel Santana de estender os limites de Itabuna até o Salobrinho?”

3. Se não concorda, qual a sua solução ou sugestão a respeito?”

4. “Qual a solução para a realidade e o povo itabunense de empresas estarem se instalando “em Itabuna” no município de Ilhéus, como nos casos da Makro e do Atacadão?”

5. “A área onde instalados o Makro e o Atacadão devem integrar o município de Itabuna ou continuar no de Ilhéus?”

Primeiros e necessários destinatários: Deputados Federais Geraldo Simões, Josias Gomes, Félix Júnior, Roberto Brito, ACM Neto; e os Deputados Estaduais Jota Carlos, Augusto Castro, Rosemberg Pinto...

Abraço grátis

Recebemos da atriz e produtora cultural Eva Lima o vídeo abaixo. Estendemos a sua bela mensagem a todos os leitores do DE RODAPÉS E DE ACHADOS. Para ver, basta clicar no link.

http://www.youtube.com/watch_popup?v=hN8CKwdosjE

Itororó ovacionada

pierreAssim se sentiu a população de Itororó quando da entrada de Pierre no jogo Palmeiras x Botafogo-RJ, no domingo passado.

O nome gritado durante quase um minuto repercutiu na autoestima itororoense, terra do palmeirense.

E o pai, Nozinho Calixto, em prantos diante da televisão!

Só assim!

E o que dizer de Pierre, na segunda 23, na programação do SportTV? Assunto na terrinha. Que só assim fica em evidência.

Por que se depender das arrumações político-partidárias em andamento...

Divórcio à vista

É a suspeita de muitos avalistas para a união “cívica” de Edineu Oliveira e Marco Brito com vistas às eleições municipais de 2012, em Itororó.

Para nós, bem particularmente, pode ser consumada quando Edineu Oliveira ocupar espaço na base do governo Wagner.

ALAMBIQUE

A dinâmica confraria acadêmica, lançada oficialmente na sede da Academia de Letras Garrafais do ABC da Noite, no Beco do Fuxico, em jornais, blogs e sites (sítios) estampa fotografias dos “imortalcoolizados”.

Pouca gente... pouca gente... Na fotografia.

Ao que parece a maioria de seus membros deseja mais recato e menos publicidade, a tônica da ALAMBIQUE.

Afinal, imortal mesmo precisa da obra publicada. De fotografia a coluna social anda repleta, parecendo arquivo de fotógrafo lambe-lambe em Bom Jesus da Lapa.

Cinema

Itapetinga realizará, nos dias 3 e 4 de junho, o 3º Festival de Curta Metragem. Esforço interiorano de manter viva a produção, que os organizadores pretendem ampliada e reconhecida.

Com o pé atrás

José Vitalino Neto, advogado viciado em política, ex vice-prefeito de Itororó, sondado por um amigo Deputado Federal para integrar uma chapa de mudança em 2012. Pensam alguns que para continuar no papel de coadjuvante.

José Vitalino escuta. Gato escaldado tem medo de água fria. Caso do causídico.

A irreverência

O vídeo abaixo mostra o inusitado, irreverente e apoteótico final da apresentação da Orquestra Juvenil da Bahia, no Royal Festival Hall, em Londres. (É a primeira brasileira a tocar naquele tradicional espaço). No programa Stravinsky, Respighi, Chopin, Gershwin, Zequinha de Abreu, dentre outros.

A Orquestra desenvolve um trabalho atualmente com cerca de 170 crianças no Teatro Castro Alves, com uma lista de espera para outras mil, como o diz o pianista Ricardo Castro, idealizador do projeto, em entrevista ao www.conversaafiada.com.br

Como visto, apresentação para romper tradições e concluída com carnaval brasileiro.  

Cantinho do ABC da Noite

cabocoInda mal acabara o estoque de batidas naquele sábado fora questionado pelo freguês que chegara mais cedo e degustava todas. A solução alencarina para tais momentos é suspender o atendimento, quando oferece a solução:

– Só ficou a do despacho – encaminha a proposta.

– De macumba, Cabôco? – intervém um terceiro, na galhofa.

– Não, de despachar vocês – e aponta para o relógio.

_________________

Adylson Machado é escritor, professor e advogado, autor de "Amendoeiras de outono" e " O ABC do Cabôco", editados pela Via Litterarum

DE RODAPÉS E DE ACHADOS

Domingos Matos, 01/05/2011 | 13:13
Editado em 01/05/2011 | 17:20

Adylson MachadoQuando o tema se esgota em si mesmo, um rodapé pode definir tudo e ir um pouco além.  

Adylson Machado

                                                                              

IPEA desmistifica I

Para Márcio Pochmann, presidente do IPEA, especialista em mercado de trabalho pela Unicamp, há no Brasil um excedente de trabalhadores qualificados que não é aproveitado. O fato decorre de estarem muitos dos qualificados em regiões onde a demanda é menor, quando comparada com outros locais. E exemplifica: o déficit de 2,8 mil em Alagoas poderia ser suprido pelo saldo de 3 mil que serão gerados no Acre no curso de 2011.

Por estar alguém “na região errada” alimenta a distorção fazendo que este ano termine com um contingente pouco superior a 1 milhão de pessoas desempregadas com qualificação.

Isso desmistifica a ideia de que o índice de desempregados estaria vinculado tão somente à falta de qualificação exigida pela demanda empresarial.

IPEA desmistifica II

Para o especialista, o Ministério do Trabalho, deve ser aprimorado de forma a dinamizar a mobilidade regional de trabalhadores. Quer dizer, metalúrgicos sem emprego no polo de Camaçari (BA), onde o IPEA estima excedente de mão de obra qualificada, poderiam ocupar vagas abertas nas metalúrgicas de Jaraguá do Sul (SC). Mais detalhes em www.advivo.com.br  (A desigualdade regional na mão-de-obra), de sexta 29.

Ainda que polêmico não deixa de ser provocativo, uma vez que nos remete a entender que a discussão do País continua a passar por desconcentrar a produção da riqueza dos centros tradicionais, como o eixo Rio-São-Minas.

Aproveitando o mote

Números da economia dão conta do avanço do Nordeste, em números absolutos, em relação ao resto do País. Que decorre de uma política de Governo, implementada por Lula de privilegiar o Norte e o Nordeste com investimentos. Dentro dessa política o porto, aeroporto e ferrovia Oeste-Leste integram o projeto de desconcentrar os investimentos, contribuindo para fixar os naturais em suas comunidades e gerar riqueza em sua terra de origem.

Dessa forma, se dependêssemos da política anterior, muito provável que o complexo intermodal, como refinarias, estaleiros, portos, siderúrgicas etc., hoje programados e em fase de implantação no Norte e no Nordeste, permanecessem em São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais etc., fazendo com que a mão-de-obra nordestina, como em passado recente, continuasse a migrar para o Sudeste, fato que começa a se inverter. (Hoje o fluxo migratório interno começa a se inverter: mais nordestinos voltando de São Paulo que para lá se destinando).

Pelo gosto da turma que trabalha contra o complexo intermodal precisamos voltar ao tempo em que São Paulo era “locomotiva do Brasil” recebendo os vagões de paus-de-arara para o seu desenvolvimento (dele, São Paulo).

Holocausto

A Câmara do Rio de Janeiro aprovou (aguarda a sanção do Prefeito Eduardo Paes) projeto da vereadora Teresa Bergher (PSDB) que “torna imprescindível a ênfase do ensino sobre o Holocausto” nas escolas da prefeitura.

Sem aprofundamentos em torno do mérito – se discriminatório ou não, em tempos em que preconceito está prestes a ser criminalizado – gostaríamos de ver estendido o conceito de Holocausto (assim, com letra maiúscula mesmo) aos povos africanos. Não só os escravizados e deportados de suas terras de origem, também aqueles vítimas da sanha colonialista européia que os levou a guerras fratricidas com apoio bélico da sociedade dita civilizada.

E para não esquecer de tamanha atrocidade, que o poema Navio Negreiro, de Castro Alves, e o filme Amistad, de Steven Spielberg, sejam temas obrigatório nas escolas do País.

E aprofundar – é possível – que povos mercadores de escravos, em cada país, se beneficiaram da escravidão.

Bois de piranha

Nomes que preenchem cargos da cota de políticos são ventilados como passíveis de afastamento – agora sob o eufemismo de “promoção” – para abrir caminhos eleitorais. Em síntese: sobre eles recaem as mazelas desta ou daquela candidatura. Carregam o carma dos erros alheios.

No fundo são muito mais a expressão dos erros individuais de quem os colocou nos cargos, ainda que possam ter contribuído para agravar alguma situação.

Muitos casos mais refletem as disputas internas que a competência funcional no exercício da atividade.

Especialmente quando exercem função em verdadeiras “prefeituras” do Estado, tamanho o número de empregos que controlam sob a égide dos contratos temporários.

Abraço de afogados

É o que pode resultar da fusão de PSDB e DEM/PFL, que andam ventilando por aí. Caso mantenham o mesmo discurso.

Irrefutável I

Não poderia ser diferente. Quando circunstâncias exigem decisões que afetarão interesses a tendência natural é ocorrer a defesa pura e simples dos interesses e não da realidade. Daí a emoção ganhar o espaço da razão. E cada um com sua razão. Não se pode exigir que o flamenguista torça pelo Vasco da Gama, e vice-versa, na decisão da Taça Rio. No entanto, reconhecer o título que qualquer deles alcance é inevitável (ainda que a contragosto), justamente porque não se pode negar a realidade factual.

Ou seja, gostemos ou não, a realidade é absoluta em si mesma. Não há como afirmar que madeira é pedra quando a verdade factual afirma através do tato ser ela pedra; que o negro é vermelho se ele é negro.

Irrefutável II

makro e atacadaoImaginar que empresas como Makro e Atacadão se instalaram onde se instalaram atraídas pelo que lhes oferecia o território de Ilhéus, foge à realidade dos fatos. Elas se instalaram em Itabuna, o mercado que polariza a região.

A circunstância territorial de torná-las ilheenses decorre de uma fixação de limites que contraria atualmente a lógica (não só os de Ilhéus e Itabuna, como Bandeira do Colônia e São José do Colônia, em relação a Itororó etc.).

Indague-se qual o investimento efetivado por Ilhéus nos limites de seu território com Itabuna. Ou mesmo que atrações ou equipamentos urbanos ali disponibiliza. Não os oferece nem nos limites do perímetro urbano da cidade Ilhéus.

Por que não estabeleceu condições para empresas se instalarem no Salobrinho, por exemplo?

Irrefutável III

Com relação à necessária fixação de novos limites entre vários municípios baianos a discussão que repercute em Ilhéus e Itabuna exige tomada de posição, que compete não só à representação política.

Nesse sentido o único político vinculado a Itabuna que assume posição é o Deputado Coronel Santana. Gostem ou não dele, seja ou não questionável por atitudes passadas, é o que assumiu uma posição que traduz a lógica e o equilíbrio que a circunstância exige diante da realidade dos fatos.

Uma coisa é irrefutável: se houver critério técnico para avaliar a fixação dos limites entre Ilhéus e Itabuna a praieira terá o seu território reduzido nos limites imediatos da cidade de Itabuna.

Fora desse liame só cabe o jus esperniandi – o direito de espernear do ilheense – aplicando-se o latinismo jurídico em rodas de vinho, visto que a expressão inexiste na língua de Ovídio.

Onde os outros?

O tema está sob análise, não só da Comissão competente, da Assembleia Legislativa da Bahia. Aos poucos entrando nos lares das populações interessadas. Que o diga o morador de Itabuna saltando na estrada porque o transporte coletivo grapiúna não pode invadir o território ilheense. (Em que pese o transporte intermunicipal não atender a Nova Califórnia, que também está em território de Ilhéus, como observa Agenor Gasparetto em “Questões dos limites municipais”, em http;/agenorgaspareto.zip.net de 29 de abril).

Como age a sociedade itabunense através de suas representações – da Maçonaria à CDL, do Lions ao Rotary, da ACI aos diversos Sindicatos (taxistas, motoristas, comerciários etc.), partidos políticos – diante da realidade?

Assumam uma posição!

gsO tema tem ficado sob o limite do interesse político-partidário particular ou individual: Ângela Souza diz isso, Coronel Santana diz aquilo. Tanto que não se ouve de Geraldo Simões ou Josias Gomes – dois exemplos expressivos – como veem a realidade. E não queremos crer que pretendam guardar discursos para oportunidades outras.

josiasNesse particular, a representação política não pode se eximir de assumir posição.

Que pensam Josias Gomes e Geraldo Simões? Destacamos o nome destes dois Deputados por estarem mais vinculados à realidade que neste imediato nos aflige. E os convocamos ao centro do debate.

Assumam uma posição!

CEI

Estudantes em greve por causa de aumento das passagens... Quando tomarem consciência do que precisam dentro de suas escolas arregimentarão pais e sociedade e ocuparão as ruas para denunciar a escola pública. Estarão unidos alunos do município e do estado.

Pedirão menos propaganda e mais apoio à escola, começando com a ampliação de atividades a ela vinculadas (psicólogos, assistentes sociais, psicopedagogos e mesmo departamento jurídico).

Vane fora do PT

Chega ao limite o confronto interno-petista: Vane do Renascer pode deixar o partido e tende a filiar-se no PRB. Afastadas as afinidades religiosas mais perde Vane (sem desmesurar o direito de defesa das ideias e dos ideais), mais ganha o PRB.

A escorcha na bomba

Temos particular resistência ao controle do mercado sobre a economia, festa da doutrina liberal, do laissez-faire. Tanto que comungamos com um Estado mais intervencionista. Este que, por sinal, sempre salva o livre mercado, injetando trilhões de dólares mundo a fora para redimir a incompetência privada.

Vivemos uma particular frustração, nos idos de 1989: de possuir um carro movido a álcool e não poder circular (por mais de mês) por falta do combustível nas bombas. Naquele instante, os usineiros simplesmente destruíram uma importante conquista brasileira: a fabricação de motores movidos a álcool iniciada nos anos 70.

Pouco mais de duas décadas e sentimos cheiro semelhante, desta vez invadindo o bolso. O preço do álcool, alimentado pela ganância justificada na teoria da oferta-procura, ocupa espaço aviltante na economia individual dos que possuem carro.

Não é o preço da gasolina que inflaciona, mas a conveniência do usineiro entre exportar açúcar e produzir, portanto, menos álcool. (Não tenhamos aqui a cobrança de nacionalidade/civismo. Afinal, a pátria dessa gente é o dinheiro).

A intervenção que não ocorre

Muito se fala na necessidade de estoques reguladores, que deveriam estar a cargo do Governo. No entanto, isso que já ocorreu durante certo período, foi transferido para a própria iniciativa privada – leia-se usineiros, através da UNICA, a associação que congrega os produtores de açúcar e álcool – que se comprometera a regular a oferta através de contratos futuros de venda – por conceituar o álcool como um produto agrícola – o que não efetiva.

Em outras palavras: entregaram o galinheiro para a raposa. Em 12 meses 75% em reais e 95% em dólares a variação do aumento, chegando, respectivamente, a 117% e 201% em 24 meses.

Impõe-se o imediato retorno do controle sobre os estoques do álcool pela Agência Nacional de Petróleo-ANP, hoje fazendo-o a partir da distribuição e não mais do produtor à distribuidora. Mais detalhes em www.advivo.com.br – “A crise dos combustíveis”, de 27 de abril.

Até que enfim!

Enquanto redigíamos nos chegou a informação, da mesma fonte, na quinta 28, de que a Presidente Dilma Rousseff assinou Medida Provisória alterando a classificação do álcool da categoria de insumo “produto agrícola” para “combustível”. Tal expediente vai possibilitar que a fiscalização, comercialização, estocagem, exportação e importação fiquem a cargo da ANP.

Vem a calhar! Esperamos que a bancada do agronegócio não ponha água na fervura.

Silêncio sepulcral

Meia-noite em cemitério em noite sem lua. Se tivermos de expor em tintas assim seria observada a reação do Governo da Bahia diante da greve nas universidades.

O terror que o quadro inspira fica por conta da omissão de parcela considerável da imprensa. Parece até tempos de repressão e censura – vade retro!

Ou aguardam release do Governo, o jornalismo que ouve um só lado da realidade.

Alarde providencial!

Quando se esperava uma atitude equilibrada do Governo Estadual – que reside muito mais em atender as reivindicações (antes aceitas e descumpridas) ou então assumir publicamente o caos em que se encontram as universidades estaduais – lá vem representante do dito cujo ameaçar com o corte dos salários.

Certamente saudade de ACM e da ditadura. Quando o diálogo do porrete com o lombo era uma constante.

De grão em grão I

Em 2008 ninguém poderia imaginar que o Sargento Gilson, um dos coordenadores da campanha de Azevedo-DEM, futuro Secretário de Administração do Município, viesse a se filiar ao partido dos cururus, o que ocorreu em 2011. Interesses vários, donde o mais imediato beneficiário não seria o próprio Gilson, mas o PCdoB, que abriria um canal fisiológico para a conquista de votos para a candidatura de Rosivaldo Pinheiro em 2012.

Nesse instante – especulam – haveria a impossibilidade político-administrativa de ser consumada a negociação e o Sargento Gilson não teria como assumir a direção da 5ª Ciretran-Itabuna.

O PCdoB, no entanto, detendo a indicação, manterá o acesso de Rosivaldo ao canal pretendido.

De grão em grão II

No outro lado da moeda, considerando que o trabalho do ex-Secretário tenha gerado dividendos políticos, ainda que mínimos o sejam, o PCdoB pode perder Sargento Gilson para o cargo – se perder – mas não perde o quadro para a campanha de 2012.

De grão em grão o PCdoB vai engordando a galinha das alianças e das conquistas visando a eleição municipal.

O Governador e os índices de violência

Em seu programa de rádio, na terça 26, Sua Excelência destacou a redução do número de homicídios na Bahia em 16%, quando comparados o primeiro trimestre de 2011 com o de 2010.

Itabuna certamente ficou de fora.

Ainda o Governador

Destacou que a luta contra o crime não se resume tão somente à esfera policial, mas ao incremento do “emprego, cultura, educação, habitação”

Ah! Educação, sempre lembrada, como um mantra!

O por falar nela, Sua Excelência poderia visitar algumas escolas tradicionais desta Bahia para conhecer a realidade da oferta físico-tecnológica e o estado em que se encontram os professores da rede. Sugerimos começar por Itabuna.

E não esquecer de promover uma assembleia com os professores das universidades estaduais.

Dará credibilidade ao radiofônico oficial, que está ótimo só como programa de rádio.

Leituras

Enquete deste O TROMBONE procura sentir o clima para 2012 partindo de uma premissa chamada Azevedo; se parte para a reeleição e quais os seus adversários, considerados em potencial Juçara, Davidson e o próprio Azevedo (administração).

Cremos que esse quadro será alterado, mais provável dentro do PT – a não ser que Juçara encontre unanimidade tal que possibilite a Geraldo Simões impor o seu nome e assegurar unidade na militância em defesa de sua campanha e integral apoio do Governo Estadual. (É lá onde reside o perigo!).

Ainda que cometendo precipitações e dependendo de articulações em nível de cúpulas, Davidson Magalhães é o candidato do PCdoB, com possibilidades de fazer convergir em torno dele um bom grupo e mesmo de vencer as eleições se dispuser de uma articulação que lhe assegure um bom tempo na televisão.

Azevedo – em que pese o descontrole sobre a administração, indefinida e insegura – dependerá, em muito, de Fernando Gomes, que poderá “assumir” a administração municipal ainda que não seja candidato.

No mote – como cantiga de grilo – derrotar o PT de Geraldo Simões.

Revelação

Eduardo Anunciação em sua “Política, Gente. Poder” (Diário Bahia), no curso da semana fez, para nós, uma revelação/confissão, se entendemos o processo eleitoral na entrelinha do colunismo: “Juçara Feitosa ainda não faz nenhuma declaração rigorosa, taxativa que não é candidata à sucessão do prefeito-capitão Nilton Azevedo...”.

Diz tudo, o bem informado Eduardo. Quem não diz o diz. Justamente porque JF o contrário não afirma: que é candidata.

Se o dissesse não exigiria do experimentado analista Eduardo Anunciação a ilação exposta.

Juçara Feitosa

juçaraMesmo porque a autonomia da iniciativa de lançar a própria candidatura não cabe a Juçara, que em 2010 chegou a ter o nome ventilado para a deputança estadual e deixou de concorrer para não prejudicar alianças de Geraldo. Foi honrada com a segunda suplência de Lídice da Matta, na senatoria. Para quem conhece minimamente os meandros da política, a eleição para uma vaga na Assembleia Legislativa daria visibilidade ímpar a Juçara perante o eleitorado local. O mesmo – não ser candidata – pode ocorrer em 2012. Mais pelas relações de GS no âmbito estadual.

No momento, a leitura da análise de Eduardo pode significar que o terreno pode estar sendo preparado para ser retirado aquele AINDA do texto.

Afinal, coisa de fábulas!

Discurso para Azevedo

É o que se pode admitir com o release da FICC – leia-se Cyro de Mattos – onde expressa a apropriação de projetos alheios como se da FICC o fossem. Isso, como Cultura, deve servir ao prefeito Azevedo. Faz parte do “me engana que eu gosto”.

E de release em release Cyro vai faturando seu cascalho no comando da mais desastrosa administração da história da FICC.

UESC

Considerando que os portões retirados o foram para conserto (me engana que eu gosto) a não reposição – ou seja, o não conserto até agora – confirma o sucateamento das universidades estaduais (faltariam recursos até para consertar um mísero portão) ou a incompetência administrativa de quem gere a UESC.

Uma confissão a justificar a existência do movimento grevista.

Nana Caymmi

Das grandes divas da interpretação brasileira Nana completou neste 29 de abril 70 anos. Com a homenagem que lhe fez Dorival, seu pai, assim que nasceu, com a chopiniana Acalanto – suave como um noturno – brindamos o aniversário. Aqui interpretada pela própria Nana em dueto com o criador.

Cantinho do ABC da Noite

cabocoManhã começando no ABC. Ainda na faina o Cabôco e sua alquimia de elaborar artesanal e diariamente a batida que o freguês consumirá naquele dia. Um cliente empurra a semicerrada banda de porta e pergunta se já está atendendo.

Cabôco Alencar aponta para o relógio e diz:

– Ainda não! Só a partir das onze.

Diante do ar de estranheza do cliente, completa:

– Eu boto uma placa de bronze, fazendo do ABC uma repartição pública federal, e você não quer respeitar o horário do expediente!

_________________

Adylson Machado é escritor, professor e advogado, autor de "Amendoeiras de outono" e " O ABC do Cabôco", editados pela Via Litterarum

Acesse com seus dados:

ou
Ainda não tem acesso?
Registre-se em nosso Blog.