Tag: fino

Produtores de cacau devem voltar a acessar crédito rural

Domingos Matos, 12/02/2019 | 15:31

Agricultores familiares produtores de cacau da Bahia devem voltar a fazer financiamento de crédito para implantação, ampliação ou modernização da estrutura de produção, beneficiamento, agroindustrialização do cacau, entre outras ações. A medida foi discutida, nesta terça-feira (12), por dirigentes e técnicos da Secretaria de Desenvolvimento Rural do Estado da Bahia (SDR) e do Banco do Nordeste, no município de Ilhéus. 

O secretário em exercício da SDR, Jeandro Ribeiro, apresentou as diversas ações que estão sendo realizadas pela secretaria para fortalecer a cacauicultura baiana, como assistência técnica e extensão rural (Ater), apoio à reforma agrária, regularização fundiária, mecanização rural, além dos investimentos realizados por meio de projetos como o Pró-Semiárido e o Bahia Produtiva.

Ribeiro enfatizou que é preciso somar esforços para a região cacaueira: "É um desafio que trazemos, mas essa é uma estratégia de juntar todos os investimentos e potencializá-los como esse acesso ao crédito".

Estiveram presentes técnicos da Companhia de Desenvolvimento e Ação Regional (CAR/SDR) e da Superintendência Baiana de Assistência Técnica e Extensão Rural (Bahiater/SDR), além de agentes das prestadoras de assistência técnica e extensão rural (Ater) dos Territórios de Identidade Litoral Sul, Baixo Sul, Médio Rio das Contas e Costa do Descobrimento.
Segundo o superintendente do Banco do Nordeste, José Gomes, com a SDR surgiu a possibilidade de voltar a atender os produtores de cacau: "Estamos aprofundando a discussão para atender os produtores que se encaixarem no perfil para o crédito para que possam retornar as atividades preponderantes na região".

Para operacionalizar crédito para a cacauicultura foram realizados encaminhamentos como visitas às áreas produtivas, capacitação das entidades de Ater e andamento do projeto de conservação produtiva.

*Plano operacional* 
A reunião é desdobramento da estratégia do Plano Operacional para o Cacau e Chocolate da Bahia, lançado pelo Governo do Estado, em novembro de 2018, que atenderá 20 mil agricultores. O plano prevê o desenvolvimento de ações que permitirão elevar, em cinco anos, a produção de cacau na Bahia para 240 mil toneladas/ano, até 2022, e consolidar a fabricação de chocolates finos com certificado de origem no Sul da Bahia.

 

SDR e Banco do Nordeste promovem encontro em Ilhéus para discutir abertura de linha de crédito

Domingos Matos, 11/02/2019 | 14:01

Dirigentes e técnicos da Secretaria de Desenvolvimento Rural do Estado da Bahia (SDR) e do Banco do Nordeste se reunirão, nesta terça-feira (12), às  9 horas, na sede do Banco do Nordeste, no município de Ilhéus, Território de Identidade Litoral Sul, com o objetivo de discutir a abertura de uma linha de crédito para agricultores familiares produtores de cacau. Os recursos são destinados ao fortalecimento da base de produção da lavoura cacaueira.

A reunião integra a estratégia do Plano Operacional para o Cacau e Chocolate da Bahia 2018-2022, lançado pelo Governo do Estado, em novembro de 2018, que atenderá 20 mil agricultores,  e prevê o desenvolvimento de ações que permitirão elevar, em cinco anos, a produção de cacau na Bahia para 240 mil toneladas/ano, até 2022, e, consolidar a fabricação de chocolates finos com certificado de origem no Sul da Bahia.

Participam ainda do encontro técnicos da Companhia de Desenvolvimento e Ação Regional (CAR) e da Superintendência Baiana de Assistência Técnica e Extensão Rural (Bahiater), além de agentes das prestadoras de assistência técnica e extensão rural (Ater) dos Territórios de Identidade Litoral Sul, Baixo Sul, Médio Rio das Contas e Costa do Descobrimento.

 
 
 
 

Novo pente-fino do INSS e os riscos para os segurados

Domingos Matos, 07/01/2019 | 14:01

João Badari*

O presidente Jair Bolsonaro vai enviar ao Congresso Nacional uma Medida Provisória que tem o objetivo de fazer um pente-fino em todos os benefícios pagos pelo Instituto Nacional do Seguro Social (INSS). O primeiro foco deverá ser de combater fraudes nas pensões por morte, aposentadorias rurais e o auxílio-reclusão.

Um fato que chamou a atenção é o pagamento de um bônus para o servidor que encontrar o erro que justifique o cancelamento do benefício pago ao segurado. Aqui cabe um questionamento: o salário mensal recebido pelo funcionário público do INSS já não garante que o mesmo fiscalize a concessão e também a manutenção dos pagamentos mensais aos segurados? O que justifica a criação de mais um gasto público para cobrir uma obrigação funcional a ser cumprida? 

O governo deve fiscalizar o serviço prestado por seus funcionários e não pagar um bônus quando estes apenas estão cumprindo sua função.

O modelo que Bolsonaro quer adotar com a MP é semelhante ao pente-fino que foi usado na gestão Temer, em que os peritos do INSS recebem R$ 60 por exame extra realizado nos auxílios-doença e nas aposentadorias por invalidez pagos há mais de dois anos. Nos moldes noticiados será de R$ 57,50 por irregularidade encontrada pelo servidor e o eventual cancelamento do benefício.
Importante destacar que o cancelamento de um benefício previdenciário é a exceção.

E só poderá ocorrer após a instauração de procedimento administrativo, que garanta ao beneficiário ampla defesa e que seja constatada irregularidade no benefício recebido.

Apenas os benefícios ilegais serão cortados, e caso realmente o INSS tome tal decisão o segurado deverá procurar um advogado especialista para se socorrer do Judiciário na busca de não devolver os valores recebidos do Instituto e o restabelecimento da  sua aposentadoria ou pensão. 

Ainda não foram publicados oficialmente as regras da nova operação, mas é essencial que os segurados já deixem os seus documentos, laudos médicos, exames e todas as provas para evitar que o seu benefício seja suspenso.

Logicamente, é essencial combater as fraudes do sistema previdenciário e deixar a Previdência Social brasileiro cada vez mais justa. O temor é que no pente-fino da era Temer diversas injustiças foram realizadas e segurados que necessitavam, e ainda necessitam, do auxílio-doença e da aposentadoria por invalidez para a sobrevivência diária tiveram seus pagamentos suspensos de forma irregular e, algumas vezes, arbitrárias. E muitos tiveram que ingressar na Justiça para conseguir reaver seu direito, mas muitos ainda não conseguiram reestabelecer seu pagamento e passam por dificuldades financeiras e de saúde.

Portanto, vamos aguardar quais serão os próximos capítulos deste novo programa de revisão de benefícios do INSS. A torcida é para que a peneira seja criteriosa e que nenhum segurado seja prejudicado, pois muitas famílias brasileiras dependem do dinheiro da pensão e da aposentadoria para sobreviver.

*João Badari é especialista em Direito Previdenciário e sócio do escritório Aith, Badari e Luchin Advogados
 

Novos ares

Domingos Matos, 14/09/2018 | 18:29

(Publicado no Jornal Agora - Editorial)

Não faz muito tempo, em contraste com o boom econômico e social vivenciado pelo restante do país, na região cacaueira só se ouvia um samba de uma nota só: dívida alta, vassoura muita e crédito zero. Soava estranho, em um país em que a empregada doméstica de um cacauicultor botava o filho pra fazer Medicina, que o patrão vivesse choramingando e contando mazelas.

Hoje, tudo mudou. Não, não se quitou a dívida, erradicou a vassoura-de-bruxa nem apareceu o crédito para os hoje corados produtores. O “milagre” foi outro: virou-se a chavinha, e o que antes era só lamentação, transformou-se em um cântico regado a chocolate fino, com identidade de origem.

Em outras palavras: o produtor entendeu que o momento é diferente, que a amêndoa beneficiada gera mais renda e que existe um ativo imenso a favorecer a nossa lavoura: a cobertura por espécies nativas da Mata Atlântica. Conservação Produtiva. Sistema Agroflorestal (SAF). Cabruca.

O nome é o que menos importa. É um sistema só nosso, que está encantando o mundo, cada vez mais atento à correção nas relações sociais que envolvem o chocolate, um manjar de deuses, porém, produzido sob condições infernais em algumas partes do mundo.

Nada disso surgiu do nada. A Ceplac foi a grande indutora desse processo, que se realiza em parceria com diversas instituições, públicas e privadas, além de outras do terceiro setor, mas sob a batuta sexagenária da velha comissão.

Sexagenária, sim, mas com uma mente totalmente aberta para o novo. Pelo menos, de uns tempos para cá, após a chegada do irrequieto Juvenal Maynart, primeiro na Superintendência da Bahia, depois na Direção-Geral, em Brasília.

Juvenal precisou de uma única virtude para levar a Ceplac ao caminho que levou: ouviu e reconheceu o espírito do tempo. Da Primavera Árabe ao Movimento Passe Livre, extraía-se uma ideia, a ideia de que essa geração não aceitaria as coisas como estavam, como sempre foram. Para uma mente que calcula atos para antecipar os resultados (como um estrategista, um enxadrista), ver o que se daria no Brasil, da política à cacauicultura, foi um exercício até simples.

A Ceplac se transformou em Centro de Excelência das Políticas para a Lavoura Cacaueira; o chocolate baiano tem selo de identidade de origem; pela primeira vez a Fundação Mundial do Cacau (WCF) realiza um evento na América Latina (São Paulo, dias 24 e 25 de outubro); 7 mil famílias de assentados serão atendidas com o primeiro financiamento produtivo em SAF-Cacau; uma parceria do Incra com o Mapa criou o programa Rota do Cacau etc.

Os produtores continuam sem crédito, as dívidas impagáveis e a vassoura (talvez nunca seja vencida) continua entre nós. A diferença é que enquanto esses problemas não se resolvem, resolveram eles arregaçar as mangas e mudar o foco. Entenderam o espírito do seu tempo.

Governo do Estado lança em Ilhéus a Estrada do Chocolate

Domingos Matos, 23/07/2017 | 23:10

O Governo do Estado lançou o projeto de implantação da Estrada do Chocolate em Ilhéus, no sul da Bahia, durante o Festival Internacional do Chocolate e Cacau - Chocolat Bahia 2017. No roteiro, os turistas conhecerão a cultura do cacau e a produção do chocolate, por meio de visitas a fazendas existentes ao longo da BA-262, com sítios históricos, rios, cachoeiras e áreas de preservação ambiental.

Este será o primeiro roteiro turístico temático da Bahia e, inicialmente, vai abranger os municípios de Ilhéus e Uruçuca. O projeto foi lançado pelo secretário do Planejamento e vice-governador, João Leão, neste sábado (22), com as presenças dos secretários de Turismo, José Alves, e Desenvolvimento Rural, Jerônimo Rodrigues, além do coordenador do Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social, Jonas Paulo.

Na apresentação do projeto, João Leão destacou que “existem cidades no Brasil e no mundo que não produzem uma única amêndoa de cacau e vivem exclusivamente do chocolate. O Governo da Bahia está somando esforços com os empresários e outras instituições, como prefeituras e universidades, no sentido de impulsionar a produção de chocolate e fazer com que essa região de torne um polo de atração de investimentos, impulsionando o turismo e a economia como um todo”.

O roteiro começa a operar a partir de agosto. Ele inclui ainda as fábricas do parque moageiro de cacau, no Distrito Industrial de Ilhéus, fazendas/fábrica de chocolate gourmet, fazendas de cacau com acervo histórico-arquitetônico, Estação Rio do Braço, arquitetônico da sede do antigo distrito de Ilhéus e a Biofábrica do Cacau.

A Estrada do Chocolate também lembra os cenários da obra imortal do escritor Jorge Amado, conhecida em todo o mundo. “Essa é uma região única, com uma cultura e história que giram em torno do cacau e que vamos transformar também na região do chocolate de origem”, acrescentou Leão.

Desenvolvimento regional

O secretário de Turismo explicou que “as pessoas que visitarem o sul da Bahia poderão conhecer todo o processo, de cultivo, colheita, preparação das amêndoas e produção do chocolate, adquirindo marcas de qualidade”.

Jonas Paulo lembrou que “a meta do Governo da Bahia é a retomada do desenvolvimento regional, e a Estrada do Chocolate é estratégica porque atua como polo difusor da produção verticalizada, além do forte atrativo turístico", destacando o casamento entre as belezas naturais da região e o sabor do chocolate premium.

Já Jerônimo Rodrigues ressaltou que “a Estrada do Chocolate abrange várias propriedades da agricultura familiar, que vem recebendo recursos do Governo do Estado para capacitação e ampliação de toda a cadeia produtiva. O nosso diferencial será a amêndoa de qualidade, o chocolate de origem e o respeito ao meio ambiente com a conservação da Mata Atlântica.”

Com apoio do Governo da Bahia, o Festival Internacional do Chocolate e Cacau reúne cerca de 80 expositores e apresenta 40 marcas de chocolates finos. O evento acontece até este domingo (23), no Centro de Convenções de Ilhéus.

Fotos: Daniel Thame/GOVBA

Fundador da maior comunidade sobre chocolate do mundo estará no Festival em Ilhéus

Domingos Matos, 11/07/2017 | 00:00

Durante a nona edição do Festival Internacional do Chocolate e Cacau – Chocolat Bahia, que acontece de 20 a 23 de julho em Ilhéus, especialistas internacionais ministrarão palestras gratuitas sobre diversos aspectos do setor. 

O passado, presente e futuro do chocolate artesanal será o tema abordado pelo escritor norte americano Clay Gordon, autor do livro Descubra o chocolate: o guia final de compra, degustação e aproveitamento de chocolate fino (em livre tradução). Gordon também é fundador da TheChocolateLife.com, maior comunidade focada exclusivamente no chocolate no mundo.

Os indianos radicados nos Estados Unidos Andal Balu e Mannarsamy Balasubramanian apresentarão tecnologias para processamento do cacau e produção de chocolate artesanal a partir da amêndoa. O casal é proprietário da indústria CocoaTown, em Atlanta, que projeta, fabrica e distribui uma linha de equipamentos compactos para ajudar pequenos produtores a fazer chocolate gourmet bean to bar (do grão à barra). Já a portuguesa Goretti Silva, professora de Turismo e proprietária da empresa Na Rota do Chocolate, na região de Viana do Castelo, em Portugal, trará o tema Turismo associado ao chocolate.

Todas as palestras serão realizadas no Centro de Convenções de Ilhéus, a partir das 16h do dia 22, durante o Chocoday, parte da programação do Chocolat Bahia - 9º Festival Internacional do Chocolate e Cacau. A entrada é gratuita.

Páscoa: parceria com a Ceplac garantiu chocolate para crianças e internas do Conjunto Penal

Domingos Matos, 18/04/2017 | 00:19

A Páscoa simboliza, para os cristãos, a ressurreição do Cristo. Simboliza passagem, mudança e esperança de reconstrução da vida e da história de cada um. Nessa perspectiva, no domingo (16), o Conjunto Penal de Itabuna, em parceria com a Ceplac, promoveu uma ação social voltada às crianças, filhas dos internos que receberam visitas nesse domingo de Páscoa, assim como também para as 71 mulheres que cumprem pena na instituição prisional.

Foram entregues dezenas de kits com chocolate fino, produzido e doado pela Ceplac, e um cartão de Páscoa. A ação foi acompanhada de intervenção de uma assistente social, propondo uma reflexão sobre a ressurreição de Cristo e o paralelo com a ressurreição possível e necessária de cada uma.

A iniciativa teve total aderência do público-alvo. Como as mulheres não recebem visitas externas no domingo, todas puderam ouvir a pequena palestra. Esta discorreu sobre o crescimento de cada uma, e a conquista de direitos, a partir da transformação, da mudança de comportamento e do empenho pessoal.

Ceplac e CPI

A parceria do Conjunto Penal com a Ceplac, proposta pela empresa Socializa Brasil – Novo Sistema Prisional, que faz a administração do presídio em parceria com o governo do estado, em regime de cogestão, visava garantir um momento de reflexão, além de estimular a ludicidade entre as crianças, com o tema da Páscoa Cristã.

No órgão federal, a proposta de uma parceria nesses moldes sensibilizou a todos da direção, que prontamente atenderam ao chamado, disponibilizando quatro quilos de chocolate fino, produzido na fábrica da instituição.

De acordo com dirigentes da empresa e da Ceplac, outros projetos conjuntos deverão ser postos em prática em breve, por meio de cooperação institucional. Um deles é a cooperação técnica para incrementar uma horta orgânica na área do Conjunto Penal, como mais uma estratégia visando à profissionalização e ressocialização dos reeducandos.

Palestra sobre protagonismo feminino encerra a Semana da Mulher no CPI

Domingos Matos, 14/03/2017 | 08:01

Depois de uma semana com diversas atividades voltadas à valorização das mulheres no Conjunto Penal de Itabuna (CPI), na manhã de segunda-feira (13) foi realizada uma palestra, para as internas, sobre protagonismo feminino. O evento encerrou as atividades da Semana da Mulher no CPI, e contou com a participação do diretor do CPI, Capitão PM Adriano Jácome, do diretor-adjunto, Sargento PM Bernardo Cerqueira Dutra, além do gerente operacional da Socializa – Novo Sistema Prisional, Yuri Damasceno, e do corpo técnico e de ressocialização, responsável pela programação.

A advogada e professora Lara Kauark, especialista em Direitos Humanos e Democracia, e membro da Comissão de Direitos Humanos da OAB-Itabuna, falou sobre a necessária tomada de consciência de todas as mulheres em relação aos seus direitos e deveres, em busca de um protagonismo que a cada dia se afirma na sociedade, ao mesmo tempo em que se faz cada vez mais necessário. “Vocês estão tendo oportunidade de aprender uma profissão, seguir com os estudos. Lá fora, esse conhecimento tornará cada uma de vocês mais empoderada e independente. Acredite em você, faça acontecer”, incentivou a palestrante.

O diretor Adriano Jácome afirmou que as mulheres estão, a cada dia, conquistando mais e mais espaços, em todas as áreas, mesmo naquelas onde a tradição sempre foi de domínio masculino. “Vejo mulheres no comando de aeronaves, assumindo postos de comando em diversos setores. A luta pela igualdade de direitos é constante, e há muito para conquistar. Por exemplo, a equiparação salarial para as mesmas funções desenvolvidas por homens e mulheres. Mas os avanços estão acontecendo”.

Parcerias

A programação da Semana da Mulher no CPI ocorreu entre a terça-feira (7) e a segunda-feira (13), e envolveu desde as visitas, que foram acolhidas na área externa da unidade numa ação da equipe de assistência social, até as internas, que além das atividades sociais, tiveram programados exames preventivos. Já as funcionárias receberam um kit com bombom de chocolate fino e uma mensagem, além de um coffee break no dia 8.

O projeto de valorização da mulher no ambiente do CPI foi idealizado pelo corpo técnico da unidade, envolvendo também a direção que representa o Estado e parceiros, como a Ceplac, que doou os chocolates finos, por meio da Disaf (Divisão de Administração e Finanças) e do Cepec (Centro de Pesquisas do Cacau), e de órgãos do judiciário.

Parque para desenvolvimento do cacau é lançado na Uesc

Domingos Matos, 13/03/2017 | 09:50

Para inovar e fortalecer a cadeira produtiva do cacau e chocolate no sul da Bahia, foi lançado nesta sexta-feira (10) o Parque Científico e Tecnológico do Sul da Bahia (PCTSul). Durante o evento no campus da Universidade Estadual de Santa Cruz (Uesc), localizado na rodovia Ilhéus-Itabuna, foi inaugurado o Centro de Inovação do Cacau, primeira iniciativa do Parque que surge para fortalecer a região cacaueira.

O parque é resultado da união de esforços da Universidade Estadual de Santa Cruz (Uesc), Universidade Federal do Sul da Bahia, Ceplac, IFBA, IFBaiano, secretarias estaduais de Ciência, Tecnologia e Inovação (Secti) e Desenvolvimento Econômico (SDE). Com foco na criação e inovação da cadeia produtiva do cacau e chocolate no sul da Bahia, a previsão é que a estrutura receba investimentos da ordem de R$ 6,5 milhões até 2019. Foram três anos de estudos para o desenvolvimento do projeto da unidade, que irá auxiliar ainda na qualificação dos ensinos técnico e superior da região. 

As primeiras operações do PCTSul terão como foco a cadeia produtiva do cacau, através de um Centro Integrado de Inteligência e Inovação que se dedicará à realização de análises físico-químicas, com foco na melhora da produtividade, qualidade e rastreabilidade das amêndoas, viabilizando o fortalecimento da inserção do cacau baiano nos circuitos produtores de chocolates finos e de origem. 

A reitora da Uesc, Adélia Carvalho, disse que “o Centro de Inovação do Cacau é um pontapé inicial para as atividades do parque. O Centro já está sendo um importante apoio para a cadeia produtiva do cacau, visando a sua qualificação e a inovação da cadeia como um todo.”

Para o reitor da Universidade Federal do Sul da Bahia, Naomar Almeida, o objetivo maior é redinamizar a economia da região, aplicando tecnologia para aumentar a produtividade. 

Também presente ao evento, o secretário estadual de Desenvolvimento Econômico, Jaques Wagner, destacou a importância do trabalho conjunto para a criação do empreendimento. “Acho importante registrar que o Parque é uma integração entre instituições públicas federais, estaduais, universidades e da iniciativa privada. O que muito me alegra é o fato de haver um conjunto de empresas privadas que se associam e sabem que esse é o melhor caminho. Somos o único país do mundo em condições de ir do fruto ao produto, então temos que agregar valor na produção do chocolate”.

(Fotos: Daniel Thame/GOVBA)

Conjunto Penal de Itabuna celebra o Dia da Mulher

Domingos Matos, 08/03/2017 | 01:24

A partir de um projeto viabilizado pela empresa Socializa - Novo Sistema Prisional, que administra o Conjunto Penal de Itabuna (CPI) em sistema de cogestão com o Estado, mulheres que trabalham, direta ou indiretamente na unidade, além das que visitam e das próprias internas, estão sendo homenageadas em comemoração ao Dia Internacional da Mulher. A programação começou na terça-feira (7) e se estenderá até o próximo dia 13.

A iniciativa prevê, ainda, a realização, pelas internas, de exames preventivos relacionados à saúde da mulher, além de palestras e atividades lúdicas, previstas para a culminância, no dia 13. Às visitas, até a sexta-feira (10), é servido um café-da-manhã com mingaus e pães, especialmente preparados para a ocasião.
Já para todas as funcionárias e para as demais mulheres que estiverem presentes no CPI nesse dia 8 serão oferecidos um kit com bombom de chocolate fino e uma mensagem, além de um coffee break na parte da tarde.

O projeto de valorização da mulher no ambiente do CPI foi idealizado pelo corpo técnico da unidade, envolvendo também a direção que representa o Estado e parceiros, como a Ceplac, que doou os chocolates finos, por meio da Disaf (Divisão de Administração e Finanças) e do Cepec (Centro de Pesquisas do Cacau), e dos órgãos do judiciário, notadamente a Defensoria Pública.

O gerente operacional da Socializa, Yuri Damasceno, destacou a importância do projeto. "Essa é mais uma ação em busca não só da ressocialização dessas mulheres hoje encarceradas, mas da valorização de todas as mulheres, que de alguma forma se relacionam com o CPI e, por meio delas, estendida a todas as demais mulheres".

__________________

Legenda das fotos: Topo - Mulheres funcionárias, representadas nos setores: agentes de portaria, administrativo, corpo técnico (serviços médico, enfermagem, social e agentes de ressocialização), seriviços gerais e cozinha; À direita: Assistentes sociais servindo café da manhã a visitas

Prefeito de Itacaré defende fortalecimento da Ceplac nos 60 anos do órgão

Domingos Matos, 21/02/2017 | 11:50

Fortalecer cada vez mais a Ceplac para que volte a ser de fato uma eficiente instituição de pesquisa e apoio aos produtores e a agricultura regional. Essa foi uma das defesas feitas pelo prefeito de Itacaré, presidente da Associação dos Municípios da Região Cacaueira e do Consórcio Intermunicipal Litoral Sul, Antônio de Anízio, durante a solenidade de comemoração dos 60 anos da Ceplac, realizado na manhã desta segunda-feira, no auditório do Cepec.

De acordo com Antônio de Anízio, “a Ceplac e o Governo do Estado são fundamentais nesse processo em que se busca agregar valor ao cacau, através da produção de amêndoas de qualidade e da fabricação de chocolate gourmet, ampliando a geração de emprego e renda”. Mas para isso, segundo ele, é preciso dar um novo olhar para a Ceplac, promover mais investimentos e fortalecer a instituição que ao longo dos anos teve uma importância fundamental para o desenvolvimento não somente da região, mas de toda a Bahia.

A comemoração dos 60 anos da Ceplac foi teve a entrega de placas homenagens a funcionários e de uma palestra sobre a história da instituição, criada por Juscelino Kubitschek e que nas décadas de 1970 e 1980 elevou a produção de cacau na Bahia para 400 mil toneladas/ano. Atualmente, em processo de retomada, a produção é de cerca de 130 mil toneladas/ano e, além das amêndoas, estão sendo feitos investimentos na produção de chocolate, com a criação de cerca de 20 marcas, que já atingem os mercados nacional e internacional de chocolates finos.

Criada em 1957, a Ceplac entretanto, perdeu, no ano passado, sua autonomia e se tornou um departamento subordinado à Secretaria Executiva do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento e hoje passa por um processo de sucateamento avançado.

Governo apresenta parque para desenvolvimento do cacau e chocolate no Sul da Bahia

Domingos Matos, 21/02/2017 | 09:50

A apresentação do Parque Científico e Tecnológico do Sul da Bahia, que vai funcionar dentro da Universidade Estadual Santa Cruz (Uesc), na rodovia Ilhéus-Itabuna, marcou as comemorações dos 60 anos da implantação da Comissão Executiva da Lavoura Cacaueira (Ceplac). O evento foi realizado da manhã desta segunda-feira (20), na sede regional da instituição, e contou com as presenças dos secretários estaduais de Agricultura, Vitor Bonfim; Ciência e Tecnologia, José Vivaldo Mendonça; Meio Ambiente, Geraldo Reis; e Desenvolvimento Rural, Jerônimo Rodrigues.

Articulado pela secretaria estadual de Ciência e Tecnologia e a Uesc, o Parque vai funcionar dentro da Uesc com foco na criação e inovação da cadeia produtiva do cacau e chocolate no Sul da Bahia. Foram três anos de estudos para o desenvolvimento do projeto do Parque que irá auxiliar, ainda, na qualificação dos ensinos Técnico e Superior da região. O Parque tem previsão de investimentos de R$ 6,5 milhões até 2019 e possui ainda como metas o desenvolvimento de sistemas de gestão ambiental, produtividade e competitividade do cacau e do chocolate, fomento à produção agroindustrial, agroecologia e agricultura familiar e manejo e conservação dos recursos florestais. 

A primeira estrutura do Parque Científico e Tecnológico do Sul da Bahia será inaugurada no mês de março. Trata-se do Centro de Inovação do Cacau, instalado em uma área dentro do Instituto Nacional de Pesquisa e Análises Físico-quimicas da Uesc.

De acordo com José Vivaldo Mendonça, “a Ceplac é uma referência mundial em pesquisa de cacau. Com o apoio do Governo do Estado, atuando em parceria com a Ceplac, a Universidade Estadual de Santa Cruz, e a Universidade Federal do Sul da Bahia, vamos ampliar o processo de geração de tecnologia voltada para o desenvolvimento regional, que passa pelo fortalecimento da cadeia produtiva do cacau”.

O superintendente regional da Ceplac, Antonio Zugaib, destacou que “a parceria com o Governo do Estado é importante porque envolve não apenas recursos, mas difusão do conhecimento entre as instituições, tendo o Parque Científico e Tecnológico como agente catalizador para o desenvolvimento regional”.

Para o secretário Jerônimo Rodrigues, “o grande desafio é adotar um modelo que garanta a retomada econômica do cacau e, para isso, o Governo do Estado tem estabelecido parcerias que fortaleçam a cadeia produtiva do chocolate e programas de diversificação como agroindústria e fruticultura”.

O secretário Geraldo Reis afirmou que haverá investimentos em técnicas de produção que permitam a conservação ambiental, já que o cacau, por suas características de cultivo, contribui para a preservação da Mata Atlântica.

Já o secretário Vitor Bonfim disse que o Governo está trabalhando em conjunto com a Ceplac para ampliar a produção de cacau e reduzir a dependência da importação de amêndoas da África e da Ásia, que oferecem riscos de introdução de pragas.

A comemoração dos 60 anos da Ceplac foi encerrada com a entrega de placas homenagens a funcionários e de uma palestra sobre a história da instituição, criada por Juscelino Kubitschek e que nas décadas de 1970 e 1980 elevou a produção de cacau na Bahia para 400 mil toneladas/ano. Atualmente, em processo de retomada, a produção é de cerca de 130 mil toneladas/ano e, além das amêndoas, estão sendo feitos investimentos na produção de chocolate, com a criação de cerca de 20 marcas, que já atingem os mercados nacional e internacional de chocolates finos.

Na França, Rui diz que Bahia quer ser referência na produção de chocolate finos

Domingos Matos, 27/10/2016 | 09:42
Editado em 27/10/2016 | 09:42

O governador Rui Costa chegou nesta quarta-feira (26), em Paris. Seu primeiro compromisso foi um almoço com empresários da cadeia do cacau e do chocolate do Brasil que estão na capital francesa para participar do 22º Salon du Chocolat, maior evento do mundial do setor. Durante a reunião foram discutidas ações relacionadas ao desenvolvimento da cadeia. Em seguida, o governador Rui Costa participou de um encontro com representantes dos trades turísticos baiano e francês, na Embaixada do Brasil na França.

No encontro com os empresários da cadeia do cacau e do chocolate, Rui reforçou que é preciso agregar mais valor ao produto feito tanto por grandes cacauicultores como por agricultores familiares.

Presente ao evento, o coordenador do Stand da Bahia no Salon du Chocolat, o produtor de cacau e chocolate Marco Lessa, classificou o encontro como muito produtivo. “Foram discutidos pontos que consideramos estratégicos e fundamentais para atingirmos metas importantes até 2020. Entre esses pontos estão o investimento em tecnologia e a divulgação do nosso produto que vão contribuir para o desenvolvimento do cacau e chocolate de origem da Bahia conquistar o mundo”, afirmou Lessa.

Turismo e chocolate

Na Embaixada brasileira, que vem dando suporte às ações do Governo da Bahia na França, o enfoque foi a divulgação do Destino Bahia, com destaque para a Costa do Cacau. Durante o evento, o governador concedeu uma entrevista à Rádio França Internacional (RFI). Os temas abordados foram os setores cacau e turismo, principais destaques da viagem de Rui.

Ele ressaltou que na Bahia, turismo e chocolate formam um casamento perfeito. “Falar de cacau na Bahia é falar da história, do processo de desenvolvimento e urbanização da região sul do nosso estado. Estamos aqui para apoiar esse produto tão importante para a economia baiana que já sustentou o estado e hoje se recupera. Nossa meta é verticalizar a cadeia produtiva do cacau, com produção de chocolate fino”, disse à emissora francesa.

Antes do encontro de Rui com o trade, o Governo do Estado promoveu, na Embaixada, uma capacitação para cerca de 40 operadoras francesas sobre as atrações do turismo na Bahia, em especial da Costa do Cacau. O objetivo é atrair um público cada vez maior de franceses que já formam um dos principais grupos turistas a visitar todos os anos o estado.

Na rota do cacau

O secretário estadual de Turismo, José Alves, que faz parte da comitiva do governador, disse que um evento voltado à cadeia do chocolate é uma grande oportunidade para divulgar o estado e atrair visitantes franceses.

“O Salon du Chocolat é uma porta de entrada para nós divulgarmos a Costa do Cacau. Temos famílias que produzem amêndoas selecionadas, de alta qualidade. A cada colheita o produto vem ganhando mais qualidade. Isso é importante porque vai gerar um chocolate melhor ainda”, disse o secretário.

Ele destacou que, além do chocolate, a Costa do Cacau dispõe de belas praias e da cultura divulgada na França pelo escritor Jorge Amado. “Na rota do cacau que passa por diversos municípios o turista pode visitar antigas fazendas, degustar e comprar o chocolate. Estamos divulgando esse roteiro e todo o estado, que é pródigo em belezas naturais”.

 

DE RODAPÉS E DE ACHADOS

Domingos Matos, 10/10/2011 | 19:54
Editado em 10/10/2011 | 19:26

AdylsonQuando o tema se esgota em si mesmo, um rodapé pode definir tudo e ir um pouco além.  

Adylson Machado

                                                                              

Para foguete

Recente descoberta científica reconhece o uso da urina como combustível, pela oxidação da amônia através do Anammox, tornando-a hidrazina, substância para alimentar foguetes. Detalhes no Portal de Luis Nassif Online em www.advivo.com.br  – “Cientistas convertem urina em combustível”.

Dois aspectos da descoberta despertam a curiosidade deste rodapeador: 1. Pelas leis de mercado, a oferta tornará aviltado o preço da matéria prima; 2. Caso a cerveja não atrapalhe a elaboração da hidrazina, mais um motivo para a turma do final(?) de semana.

Concorrência

Essa de a PepsiCo, responsável pela distribuição do Toddynho, admitir haver embalado unidades junto com água e detergentes possibilita raciocinar que pretenderia competir com a indústria da limpeza.

Quem sabe com a Bombril? 

Mais um

Esse primeiro mundo não se emenda. Lá vem o estadunidense Worldwatch Institute, organizador do prêmio “World Food  Prise”,  conferir ao ex-presidente Lula a premiação por suas políticas de combate à fome, por garantir “um mínimo de renda, permitindo acesso a bens básico e serviços”.

A cerimônia acontecerá em Iowa, entre 12 e 14 de outubro.

Desse jeito o nordestino e operário continuará viajando pelo mundo! Mal chegou de Paris!

Admiração de analfabeto

Particularmente nos sentimos analfabeto e um tanto deslocado no mundo internético. Resistência quixotesca, talvez, bem a “cavaleiros de Granada”. Mas, compreendemos a imensa perda que a morte de Steve Jobs traz a esse universo.

Imagino o que sente Marcel Leal, o primeiro por essas plagas a falar e discorrer, com absoluto domínio, sobre as maravilhas que iam surgindo do cadinho da Aple jobiana.

Festa Literária Internacional

cachoeiraOcorrerá na cidade heróica de Cachoeira, de 11 a 16 de outubro, a FLICA – Festa Literária Internacional de Cachoeira (sob Curadoria do historiador Aurélio Schommer), iniciativa que congrega vários apoiadores e patrocinadores, dentre eles o Governo Estadual, a Prefeitura Municipal e a Universidade Federal do Recôncavo da Bahia. (Detalhes da programação em www.flica2011.com.br).

Inicialmente idealizado para o campus da UFRB será realizado no Conjunto do Carmo, na Praça da Aclamação.

O poeta e intelectual português Pedro Mexia, o cultuado paulista Reinaldo Moraes, o biógrafo e jornalista Fernando Morais, Ubiratan Castro e Pawlo Cidade, Gustavo Falcón, Luislinda Valois, Joel Rufino dos Santos, literaAna Maria Gonçalves, Bob Stein, Victor Mascarenhas, Hélio Pólvora, dentre outros, marcarão o universo de discussões, da poesia ao romance, o livro em papel e o meio digital, e o especialíssimo Nei Lopes, no samba e na ficção.  

Jorge de Souza Araujo, Carlos Barbosa e Mayrant Gallo, sob mediação de Vagner Fernandes, debaterão o tema “O Romance e a Grande Literatura”, no sábado 15.

Música e Literatura farão a tônica do evento. Uma “festa” bem Bahia!  

De “Marcolino da Fonseca” a “Prafrente Brasil”

Ramon nos chegou, quando agitávamos a área cultural de Itororó às expensas próprias, como o Coronel Marcolino da Fonseca, na peça “Cacau Verde”, de José Delmo. Naquele elenco Gal Macuco, Eva Lima, Carlos Betão, Jackson Costa (os que lembramos nesses quase trinta anos depois). Os macuquenses conquistaram a cidade, fizeram o espaço do Colônia Clube pequeno, para ali arrastada pelo “Coronel” que correra a praça central com seu terno branco e barriga empinada convocando-a num coronês difícil.

Esta semana soubemos: Ramon Vane conquistou o Candango de Ouro, de melhor Ator Coadjuvante, no 44º Festival de Brasília do Cinema Brasileiro, por seu trabalho em “O homem que Não Dormia”, de Edgar Navarro (que no mesmo Festival de Brasília já conquistara sete prêmios com “Eu Me Lembro”, incluindo o de Melhor Filme).

Temos que realmente ocorreu o encontro do ator com personagem, que aguardamos conhecer em detalhes quando da exibição de “O Homem Que Não Dormia” em nossas telas.

Com Ramon Vane, ocorre uma façanha rara: premiado com o primeiro longa-metragem que realizou.

Edgard Navarro

Sobre ele escrevemos em janeiro (DE RODAPÉS de 16 de janeiro/2011), quando de sua passagem por Ilhéus, durante o 1º Festival de Cinema Baiano, em janeiro de 2011, que estava concluindo mais um longa. O que agora premiou em Brasília Ramon Vane como melhor Ator Coadjuvante.

O laureado e polêmico cineasta baiano de “Superoutro” tem para nós um grande e singular mérito: valoriza nosso artista regional, vem aqui buscar muitos de seus atores: Rita Santana, Eva Lima, Valderez (Candango de melhor Atriz Coadjuvante, em “Eu Me Lembro”) e agora Ramon Vane.

Itabuna presente

Dentro do projeto Irmão Jorge, 100 anos Amado, elaborado e desenvolvido pela ACCODEC (associação ferradense) para comemorar o centenário do ilustre grapiúna, a atriz Eva Lima esteve em Valentim neste sábado 8, para apresentar-se ao lado da atriz Cibele Sá e um grupo de alunos do curso de teatro local, na inauguração do Museu do Processo no povoado de Valentim, município de Boa Nova, com o texto do itabunense Marquinhos Nô “As Mulheres de Jorge”.

A meta é ainda estabelecer troca de informações e experiências entre as duas localidades para fortalecer os laços culturais entre Ferradas e Valentim, iniciativa que conta com apoio da ACATE (Associação Cultural dos Amigos do Teatro de Itabuna).

“Costuras”

Sob esse título o Pimenta vazou o encontro ocorrido entre Geraldo Simões, Davidson Magalhães e Saulo Pontes. Aparentemente conflitantes PT, PCdoB e PR estariam compondo alguma melodia a três mãos, é a especulação imediata. Davidson Magalhães corre a desfazer a insinuação.

De interessante para nosso rodapear a água e o óleo (PR/PT) com um produto ainda por ser definido,  PCdoB, mas que pode ser traduzido como sinônimo de oportunidade e cargo.

Tempo de espera

Caso Geraldo Simões consiga unificar alianças antes impensáveis mais se fortalecerá individualmente dentro de seu projeto político (que será por nós analisado em futura oportunidade).

Cabe observar se para atendê-lo o sacrifício alheio encontrará compensações.

Particularmente já escrevemos que sempre nos pareceu estar o projeto do PCdoB centrado em Davidson/2016.

2012 pode ser “mijadinha canina”.

Pagando para ver

Sob o prisma de que o governador Jacques Wagner não é ACM “Malvadeza”, o que alimenta a liberdade de partidos da base disporem de autonomia para definir rumos municipais, ainda que não possa ser levada ao pé da letra no que diga respeito a uma “omissão” do Governador no processo, não deixa de refletir a realidade.

Mas pode não ser bem assim!

E o PT não se emenda

Que o diga a nova conquista petista em Salvador, Alcindo Anunciação. Ainda soam nos ouvidos dos companheiros seus ataques a Lula e ao PT.

Mas, quadro novo não é coisa que se dispense. Ainda que históricos sejam perdidos.

Premiação para Itororó

O prêmio de Modelo de Gestão e Modernização da Administração Pública atribuído ao município de Itororó pela ONU por atingir melhorias na Educação, Saúde e Desenvolvimento Social não pode ser considerado como mero agraciamento ao agraciado. A credibilidade do órgão internacional por si só dimensiona o que representa para a terra da carne de sol a premiação: primeira, no âmbito do município, e rara, pela natureza do reconhecimento.

Não tão desprestigiado assim

E o desprestigiado Newton em Ilhéus não o era tão assim. Bastou o PT perceber o espaço que podia ocupar, e oferecer ao alcaide praieiro o ombro amigo, para serem percebidos os prejuízos dos que simplesmente esnobavam o prefeito.

Para Jabes Ribeiro pode haver um custo, perdendo o apoio do PT, que pode ou lançará candidato próprio agregando a parcela político-eleitoral de Newton, já que passa a tê-lo em Ilhéus dentro daquele expressar: “ninguém é tão rico que não possa receber, tampouco pobre que não possa dar”.

Resta saber...

...Se a lamúria do PSB, através da senadora Lídice da Mata, com a perda de Newton, repercutirá nas alianças pretendidas em Itabuna pelo PT.

Coisa menor, a ser relevada. Talvez.

Se for verdade...

A editoria do Pimenta na Muqueca publicou “Rejeição Preocupa”, no domingo passado 2, iniciando assim a peroração: “Azevedo: a rejeição ainda é muito alta”. Para os que se debruçam sobre a importância das palavras do texto no contexto da informação esse AINDA significa, para a análise, pelo menos, a possibilidade de mais queda em tal inconveniência para sonhos político-eleitorais.

E afirma a matéria que “Azevedo crava sempre entre 41% e 52% de rejeição popular”. Sob esse particular – o da alta rejeição do alcaide – já escrevemos, diante da informação à época de que se encontrava no patamar de 76%, que a publicação do índice estava a constituir uma informação a favor de Azevedo, uma vez que cada unidade de queda poderia traduzir a ideia de que o prefeito se recuperava no imaginário da população eleitora, razão por que também dizíamos entender a rejeição de Azevedo como tipicamente circunstancial.

Diferentemente da de Geraldo Simões ou Fernando Gomes, que são absolutas em si mesmas. (A de Juçara está vinculada, em muito à circunstância de ser esposa de GS, não só, como querem atribuir, a certa ausência de carisma).

Se for verdade...

azevedoE ainda debruçado sobre a matéria, localizamos logo em seguida: “O alívio é que as candidaturas mais fortes no campo oposicionista (Geraldo Simões e Juçara Feitosa, ambos do PT) também são donas de alta rejeição, apesar de figurar alguns pontinhos percentuais à frente de Azevedo ou empatarem nas intenções de voto”.

O texto diz tudo, para nós: a rejeição de Geraldo, Juçara e Azevedo são semelhantes e estão praticamente empatados nas intenções de voto; em alguns levantamentos Geraldo ou Juçara dispõem de “alguns pontinhos à frente”.

Assim, ousamos afirmar, UM ANO ANTES, se as nuvens permanecerem em céu de brigadeiro até outubro de 2012: se for verdade o que o texto hoje aponta José Nilton Azevedo está reeleito!

Em defesa de Gasparetto

A mesma matéria, no entanto, comete uma injustiça, que queremos entender como engano redacional, ao afirmar que “ainda sobre o quesito rejeição, o sociólogo Agenor Gasparetto defende teoria (baseada em estudos próprios) de que dificilmente é reeleito o gestor que tenha mais de 25% de rejeição”.

Para nós, que também privamos da sadia convivência com o competente sociólogo, e o respeitamos em razão das criteriosas avaliações que promove, NUNCA ouvimos dele (ainda que indagado especificamente sobre o peso da rejeição) que 25% seja a constante menor para a fatalidade da não-reeleição.

Tem-nos afirmado peremptoriamente AG que desconhece nas pesquisas por ele realizadas na região que candidatos à reeleição com índices no patamar de 40% tenham alcançado sucesso.

Escolha primorosa

Poucos nesta Bahia – e raramente em Itabuna – escrevem como o autor que se intitula Ousarme Citoaian, declinando no Pimenta. Não sabíamos, no entanto, que também se desdobra em editor de vídeos. Não o ouvimos na oportunidade em que publicado, mas no instante em que seu criador celebrava um ano de postagem no YouTube e comemorava 5623 visualizações (já agora nas 5928 deste último acessar) do primoroso registro da denúncia danteana melodizada pelo Rei do Baião, na sempre vigorosa “Vozes da Seca” (Luiz Gonzaga-Zé Dantas), da edição enviada ao YouTube em 7.9.2010.

Cabe registrar que temos Luiz Gonzaga dentre os mais profícuos melodistas brasileiros e a introdução da gravação o demonstra. Sobre a edição chamaram-nos a atenção dois aspectos: um, intrínseco, que é a gravação em si, onde destacamos a introdução; outro, extrínseco, a edição.

A beleza do primor

A introdução que Gonzaga oferece, em doze compassos, contém a simplicidade na percussão, privilegiando de imediato o triângulo, a zabumba e o agogô duplo abafado, durante dois compassos, abrindo para o primeiro tema da introdução, desenvolvido por um violão e tendo a sanfona como base, durante outros cinco quaternários, entregando-o ao fole que se abre para o tema principal do acompanhamento.

A melodia dessa introdução é de beleza ímpar. Gonzaga se utiliza de uma técnica no curso do acompanhamento do canto: a de não manter o arpejo harmônico no teclado e sim pontuar notas, fazendo o acompanhamento chorar em soluços, sempre antecipado no lamento do fole que se abre para valorizar a baixaria (mais acentuado na primeira oportunidade), fazendo com que letra e melodia se completem plenamente, interajam em sentimento.

A leitura do primor

Ousarme realiza com a edição um típico “documentário” de 2min40seg, casando ao texto cenas de “Vidas Secas”, de Nelson Pereira dos Santos, tela de Portinari, charge, política e políticos e o cotidiano cruel da seca, rural e urbana.

A interessante e realística leitura nos deixa a idéia de que há uma “armadilha” (arapuca) no “Brasil” que “está sem comer”, assim como o há com “nosso destino” nas mãos dos políticos.

Um primoroso trabalho: do original à edição.

Cantinho do ABC da Noite

cabocoA verve alencarina não perde oportunidade. Aflora na velocidade da luz quando se lhe dão vez. Como no em que o encontraram no supermercado, e indagado o foi sobre o que fazia por ali. A taxativa explicação de Cabôco:

– Depois de aposentado só venho aqui comprar leite longa vida.

_________________

Adylson Machado é escritor, professor e advogado, autor de "Amendoeiras de outono" e " O ABC do Cabôco", editados pela Via Litterarum

DE RODAPÉS E DE ACHADOS

Domingos Matos, 14/08/2011 | 20:05
Editado em 14/08/2011 | 22:48

AdylsonQuando o tema se esgota em si mesmo, um rodapé pode definir tudo e ir um pouco além.  

Adylson Machado

                                                                              

Semana

Dois fatos, objeto de comentários adiante, marcaram a semana: o anúncio de criação da Universidade Federal do Sul da Bahia e a exoneração de Cyro de Mattos. Motivos de exultação: o primeiro, pela realização do que era esperança; o segundo, pela efetivação de um sonho de parcela da classe artística.

Eleições

APLB anunciou uma urna volante para colher votos na sexta 5. A urna fantasma, se circulou, não apareceu em alguns colégios. Se andou, o foi por caminhos previamente escolhidos.

Dando razão

Na queda de braço entre Estado e Município envolvendo a saúde e particularmente a gestão do Hospital de Base um ponto se torna nevrálgico: o Estado entende que falta gestão ao HBLEM; o município, ausência de recursos a serem transferidos pelo secretário Solla.

O fato de a moça da FASI, Gilnay Cunha Santana, mal assumir e já localizar 12 fantasmas na folha do Hospital dá razão ao Estado.

Cooperação

Como prometido na edição passada, a “Republicação dos Aditivos de Contratos de veículos alugados”, celebrados entre a EMASA e a Cooperativa Regional dos Proprietários de Veículos Alugados (Diário Bahia de 4 de agosto), mostra valor que supera 1,580 milhão de reais.

De singular consideração que muitos dos 46 veículos (de utilitários a caçambas, de pipas a munk) que tiveram os contratos prorrogados por mais um ano são locados com motorista.

Memória

cantinflasPoucos hão de lembrar do impagável Cantinflas, ator mexicano, estilo chapliniano em roupagem própria, fala atropelada em explicações “complexas”, de complicadas conclusões, de falar muito sem dizer nada, que nos fazia a todos rir. O próprio Chaplin o tinha como “o homem mais engraçado do mundo”.

su excelenciaMario Moreno, o ator que o criou, completaria 100 anos neste 12 de agosto.

Localizar em alguma locadora filmes deste mexicano hilário, um dos mestres da comédia de erros latino-americana, é descobrir uma veia rara de um cinema que anda esquecido. Lembrado apenas em redes públicas.

Recomendaríamos seu “O embaixador” (Su Excelencia), de 1966, sátira à guerra fria, lição talvez inspirada em “O ditador” de Chaplin.

Lucidez

Aplausos ao “anjo da guarda” de Kokó, do Lordão. Sua confidência retratada no Políticos do Sul da Bahia de que não mais será candidato a vereador sinaliza maturidade. Candidatura nestes tempos bicudos – especialmente se alimentada em afirmações de que “será o mais votado” – costuma redundar em decepção. E o álibi encontrado pelo músico é perfeito: os 50 anos do Lordão.

No desfecho, lamentará apenas quem o andava motivando. Que não pensava em Kokó.

Genial

cartaz 1 pra 100Não pode ser considerada de outra forma a idéia “1 pra 100”, desenvolvida pela turma de Ferradas – que inclui os que enxergam naquela terra não só primórdios da ocupação grapiúna mas a redenção turística para Itabuna, assim que houver alguém efetivamente comprometido em tornar esse rincão o centro e a sede da obra amadiana.

Em vez do bordão “99 anos” de Jorge Amado, o excelente “1 pra 100”.

Quem quer faz

peçaA programação da turma (foto) não só lembrou o filho ilustre. Trouxe depoimentos do próprio Jorge, afirmando haver nascido em fazenda de cacau em Ferradas, sem esquecer Mutuns e Pirangi, palco das lutas das “terras-do-sem-fim”.

Poesia, música, leitura de textos e uma “Gabriela” (Larissa Profeta, atriz premiada no último Multiarte) atentamente observada por Tonico Bastos/Nassib (Marquinhos Nô) enquanto buscava retirar uma pipa de um telhado.

Sob o olhar atento de Maria “Babinha” Machadão.  

Lembrando

jaO DIÁRIO BAHIA tem veiculado em sua edição on line, vídeos da terra ferradense, onde se destaca o Projeto da ACODECC “Irmão JORGE, 100 anos AMADO”, lançado há um ano. Nestes dias em que Itabuna lembra de Jorge Amado, o filho ilustre nascido em terras do cacau de Ferradas a iniciativa do DIÁRIO BAHIA deve ser enaltecida.

E, mais que isso, imitada.

Ensaiando Saint-Säens

“Enquanto cidades do mundo inteiro gostariam de ter um filho ilustre como Jorge Amado, aqui entre nós grapiúnas preferimos ignorá-lo, sem que se faça um reconhecimento digno de sua memória”. As palavras, lamentáveis e desprovidas de respeito à cultura itabunense não saem de inimigo desta terra.

Lamentáveis se tornam por nascerem de Cyro de Mattos, ainda presidente da Fundação Itabunense de Cultura e Cidadania-FICC, expressadas em matéria do Jornal AGORA de terça 8 (Deputado quer apoio para Ecomuseu Jorge Amado). Coronel Santana teria recebido o projeto das próprias mãos de Cyro..

Infeliz declaração, de quem deveria cumprir com pelo menos seu desiderato de fomentador e resgatador da cultura itabunense.

Dos palcos para Itabuna

A pergunta elementar, considerando que o deputado Gilberto Santana assumiu o mandato a partir de fevereiro de 2011, é no sentido de saber onde se encontrava dito projeto da FICC desde que Cyro assumiu o órgão. Num primeiro instante, cabe também indagar sobre o que fazia o presidente ao tempo das comemorações do centenário, importante instante para lançar o projeto.

Claro que suas idiossincrasias não deixaram. Afinal, a comunidade de Ferradas, através da ACODECC, lançava em 2010 o projeto “Irmão JORGE, 100 anos AMADO”, antecipando o processo de comemoração do centenário do escritor – onde também o prefeito José Nilton Azevedo, que com ele se comprometeu diante da comunidade. Nenhuma iniciativa tomou Cyro de Mattos.

E não queremos aqui atribuir tão somente à sua patológica vaidade e individualismo. Preferimos mais tributar à incompetência para gerir uma instituição de tal porte.

O 13º ato

Cyro de Mattos, com sua declaração, atesta a incompetência que assinalamos acima. Em que pese assessorado por pessoas experientes sua ação gerencial é castradora, porque para ele tudo era Cyro, por Cyro e para Cyro, e sua filosofia de trabalho deveria ser ditada apenas para “o escritor premiado no Brasil e no exterior”.

Há dias (ver neste O TROMBONE) uma criminosa licitação. Voltada para beneficiar determinada pessoa, diretamente (porque indiretamente quem pretenda fazer política às custas da FICC pode ser o beneficiado). Onde estava, indagariam os cidadãos desta terra: ausente e mesmo teria assinado(?) sem saber o contido no edital.

Descompasso com a administração, leia-se com a competência para gerir.

Não deu outra; o cisne finou-se

Depois de tudo isso – e não apenas isso – o prefeito José Nilton Azevedo exonerou Cyro de Mattos na quinta 11. NA sexta, Cyro se despedia dos funcionários na FICC.

Fechou-se o pano.

Cabe apenas ver o 13º andamento da suíte “O Carnaval dos Animais”, do francês Camille Saint-Säens, denominada “A Morte do Cisne”.

UFSULBA

Geraldo Simões iniciou em sua segunda gestão a viabilização de estudos para a implantação de uma Universidade Federal com sede em Itabuna. Que se iniciaria com uma extensão da UFBA e contava com o apoio do então Reitor Naomar Monteiro. Foi atropelado pelas circunstâncias eleitorais adversas em 2004.

Ainda que Félix Mendonça tenha tido projeto para implantação de uma Federal sediada em Itabuna temos em Geraldo o mais comprometido com a iniciativa. E Alice Portugal como uma entusiasta.

Nossos votos de agradecimento ficam para Geraldo, pela proposição no início da década passada. E a todos os demais integrantes da bancada baiana que apoiaram a criação e especialmente àqueles 21 que defendem a Reitoria em Itabuna.

Impasse a ser superado

Itabuna perdeu o IFET para Ilhéus por falta de acompanhamento de sua representação política. Raimundo Veloso “chantageou” na hora certa e levou a instituição para o meio da estrada Ilhéus-Itabuna, dificultando o acesso de estudantes mais interioranos, que encontrariam em Itabuna um ponto natural de convergência.

Surge a conversa de que Porto Seguro poderia sediar a Reitoria da futura Universidade Federal do Sul da Bahia. Seria resultado de conclusões do Ministério da Educação. Decisão precipitada e fruto da “competência de gabinete”, aquilo a que chamamos de analise da realidade brasileira olhando o mapa a partir da burocracia de um gabinete, quando muito usando GPS ou livros de História. O que muitas vezes, como no caso concreto, destoa da realidade.

Risco de vitória de Pirro

É inteiramente sem sentido deslocar para Porto Seguro a centralização das decisões universitárias que terão expressão física em Itabuna. Dizemos Itabuna porque este é um lugar privilegiado pela circunstância elementar de ser pólo de convergência de uma malha rodoviária.

Porto Seguro é destino isolado, como o é Ilhéus, com vocação turística. Tanto que queremos confrontar essa realidade presumindo que tal fato seja apenas especulação.

Caso contrário, uma derrota da classe política itabunense.

De olho no movimento cultural

Geraldo reuniu amigos em torno de um projeto para a cultura local. Sem mistérios: passa pelo Centro de Convenções. Alguém já de olho em cargos. Como Cyro de Mattos perdeu a FICC pode até ser aproveitado para dirigir o futuro espaço.

Especulação? Que seja!

Cartas na mesa I

Boa fonte nos afirma haver Geraldo Simões assegurado que Juçara é a candidata do PT para 2012. Com apoio do Governador Wagner.

Quando se afirma peremptoriamente em torno do apoio do governo do Estado tão antecipadamente alguma coisa pode não estar batendo.

Privilegiado

Fernando Gomes continua na arquibancada da sucessão. Geraldo Simões lutando para viabilizar a conclusão do Centro de Convenções. Tanto que ensaia apoio da classe artística. Sugestão de algum conselheiro.

O detalhe está em dividir a turma. Até o momento conta com os mesmos. Insatisfeitos com a cultura local em mãos incompetentes. Inclusive no Centro de Cultura Adonias Filho.

Esse, por escolha de Geraldo.

Para nossos pais

Nossa homenagem aos pais, com essa pungente página do cancioneiro latino-americano. Apenas ouvir. O original (Mi Viejo), com Piero José, e a versão de Nazareno de Brito (Meu Velho), para Altemar Dutra.

caboco

Cantinho do ABC da Noite

Encontraram-no no supermercado. Carretel de conversa desenrolado, com o tradicional “que faz por aqui”, encontra a explicação de Cabôco:

– Depois de aposentado só venho aqui comprar leite longa vida.

_________________

Adylson Machado é escritor, professor e advogado, autor de "Amendoeiras de outono" e " O ABC do Cabôco", editados pela Via Litterarum

Acesse com seus dados:

ou
Ainda não tem acesso?
Registre-se em nosso Blog.