Tag: futebol

Conjunto Penal de Itabuna promove Torneio de Futebol

Domingos Matos, 11/02/2019 | 13:16

Com objetivo de promover uma oportunidade de interação entre reeducandos, foi realizado, no domingo (3), um torneio de futebol no Centro de Educação e Ressocialização do Conjunto Penal de Itabuna. Participaram 26 internos, do regime semiaberto.

O evento ocorreu em clima de congraçamento, e cumpriu plenamente os objetivos de promover uma maior oportunidade de convívio social, possibilitando o desenvolvimento de laços de amizade e estimulando o prazer da prática esportiva.

Houve premiação para os participantes, sendo que a equipe que ficou com o primeiro lugar recebeu troféu e medalhas; a segunda colocada ganhou troféu; e a terceira, medalhas. Ainda foram premiados destaques como “artilheiro”, “jogador revelação” e o “craque do torneio”.

Ao final todos participaram de uma deliciosa feijoada, quando aproveitaram para as “análises” do próprio desempenho, verbalizando a felicidade da gestão do CPI, junto com a equipe de ressocialização, por promoverem ações como essas entre os internos.

Estádio Mário Pessoa em Ilhéus será reformado

Domingos Matos, 01/02/2019 | 14:30

O Estádio Mário Pessoa em Ilhéus, cenário de diversas apresentações esportivas que atende ao Colo Colo Clube de Futebol e Regatas, ao longo dos seus 79 anos de inauguração, terá os serviços de melhorias em seu gramado sob a responsabilidade do estado. Com o cancelamento da emenda impositiva do deputado federal, Davidson Magalhães, o Governo do Estado passa a assumir todas as melhorias necessárias ao Estádio que, segundo os especialistas, se igualam aos da Arena Fonte Nova, em Salvador.

Sob responsabilidade do Estado, a reposição e benfeitorias do gramado no campo do Estádio Mário Pessoa aguardam realização de uma nova licitação para que as obras recomecem. Os serviços contemplam desde o plantio de sementes da grama tipo bermuda, que possui alta capacidade de regeneração e rapidez ao desgaste excessivo, além de um moderno sistema de irrigação.

Serviços - A Secretaria de Infraestrutura Transporte e Trânsito (Seintra), esteve no estádio e fez o levantamento dos serviços necessários em suas dependências para a realização de reparos e benefícios para o local. “O que for de obrigação do município não nos furtaremos em fazê-lo. A ordem do prefeito, Mário Alexandre, é de que atendamos a todas as normas e determinações necessárias para o bom funcionamento do Mário Pessoa”, informa Danilo Rabat, diretor de Esportes de Ilhéus.

Os serviços a serem realizados pelo município incluem a reforma dos vestiários e da casa de árbitros, reimplantação do banco dos jogadores de reserva, com a realização de pintura em geral, além da abertura de um novo portão ao lado da geral, visando cumprimento do projeto de combate a incêndio, que obedece às exigências do Corpo de Bombeiros no prazo estabelecido pelo órgão de dois anos, para adequação no local, também exigidos dentro das normas técnicas pela Confederação Baiana de Futebol.

 

Torneio de futebol de areia entre funcionários do Presídio comemorou Dia do Trabalhador

Domingos Matos, 01/05/2018 | 12:30

Um dia para aliviar as tensões do normalmente estressante trabalho em uma unidade prisional. Essa foi a ideia para a realização de mais um torneio inter-equipes dos funcionários da empresa Socializa, que operacionaliza em cogestão com o Estado o Conjunto Penal de Itabuna (CPI). O evento foi realizado na sede do Clube dos Comerciários, no bairro Conceição, em Itabuna.

A abertura do torneio, realizado com apoio de diversos parceiros, teve a participação do presidente da OAB-Itabuna, Edmilton Carneiro, que destacou a importância da integração entre os funcionários para o perfeito andamento das ações no ambiente de trabalho. 

O diretor do CPI, capitão PM Adriano Valério Jácome da Silva, também destacou a importância desse tipo de evento, a fim de construir e reforçar laços de respeito mútuo, comunicação e colaboração entre funcionários, gestores e até instituições. “A própria OAB-Itabuna tem contribuído para esse objetivo, como fizemos recentemente, ao apoiar um trabalho de relacionamento interpessoal entre os colaboradores”, destacou.

De todo o dia, o que menos importou foi o resultado da competição. Mas ela ocorreu, e merece ser registrada. O time campeão foi o defendido pelos agentes da Cinofilia (operações com cães). Houve premiação para o segundo colocado (troféu e medalhas), para o terceiro (medalhas) e troféus para o goleiro menos vazado e o artilheiro.

Rui destaca futebol no interior ao anunciar transmissões pela TVE

Domingos Matos, 12/06/2017 | 17:19

Os baianos poderão acompanhar pela TV Educativa (TVE) as partidas dos campeonatos de futebol Intermunicipal, Série B do Campeonato Baiano, Campeonato Estadual Feminino, copas Governador do Estado e 2 de Julho e Campeonato Estadual Sub-20. A transmissão foi anunciada pelo governador Rui Costa nesta segunda-feira (12), na Arena Fonte Nova, em Salvador. 

Os jogos, realizados até dezembro, totalizam 30 partidas e mais de 60 horas de transmissão. Eles serão exibidos ao vivo no canal 10.1 e pelo portal da emissora (www.tve.ba.gov.br/tveonline). Para Rui, as transmissões mostram a força e a importância do esporte para a vida das pessoas. "O objetivo é que todo mundo possa se reconhecer na tela da TV pública, o baiano do Oeste, da Chapada Diamantina, do norte do estado, do Nordeste, enfim, a Bahia precisa se ver na tela da Bahia", afirmou. 

O governador destacou também a visibilidade dos atletas. "É da maior relevância que as nossa juventude ganhe visibilidade. Se uma TV comercial, eventualmente, não tem interesse de transmitir esses jogos, pela falta de patrocinadores, a TV pública dá visibilidade à nossa juventude e quem sabe podemos promover daí diversos craques que vão ajudar o futebol baiano a melhorar o seu desempenho no futebol nacional". 

No mesmo evento, o governador lançou o Projeto de Qualificação de Gestores de Ligas de Futebol, uma parceria entre a Federação Bahiana de Futebol e a Superintendência dos Desportos da Bahia (Sudesb), autarquia vinculada à Secretaria do Trabalho, Emprego, Renda e Esporte (Setre).

Foto: Mateus Pereira/GOVBA

Ceplac e a síndrome da Gabriela

Editorial do Jornal Agora, publicado nessa sexta-feira (24)

Domingos Matos, 24/02/2017 | 07:13
Editado em 28/02/2017 | 10:06

Se nada tivesse dito além de admoestar os dirigentes da Ceplac na Bahia quanto à síndrome da Gabriela que acomete aquele órgão federal, o secretário estadual da Ciência, Tecnologia e Inovação, José Vivaldo Mendonça, já teria cumprido um bom papel durante a solenidade de comemoração dos 60 anos do departamento que cuida do cacau no Brasil, registrados na segunda-feira (20).

Disse Vivaldo (não literalmente): “A Ceplac precisa deixar a síndrome da Gabriela – ‘eu nasci assim, eu cresci assim, vou ser sempre assim’”. A citação à icônica personagem de Jorge Amado é uma referência à “Modinha para Gabriela” (1975), composição de outro gênio baiano, Dorival Caymmi, imortalizada na voz da diva Gal Costa.

Pois bem. Nunca antes na história da Ceplac houve uma reação tão forte contra um diretor, como o ataque que se verifica contra Juvenal Maynart nas últimas semanas. Em apenas uma ação, pelo menos três interesses estão em jogo: o do presidente do PMDB, Pedro Arnaldo, por motivos pessoais – segundo o próprio confidencia a interlocutores. O de um grupo de ceplaqueanos, notadamente de alguns auditores fiscais federais – os que antes eram identificados apenas como “os agrônomos” e eram os “donos” do órgão. E, por último, aquela conhecida reserva de mercado do corpo diretivo da Ceplac, que, ao contrário do servidor comum, rejeita tudo o que não é ele mesmo. Nesse caso, a síndrome é outra, de Narciso.

O pano de fundo é a manutenção de um espaço físico, o prédio do Centro de Extensão (Cenex), que os auditores fiscais federais estimulam servidores e dirigentes sindicais e representantes de entidades de funcionários, a “defenderem” contra a “sanha” de Juvenal. Afirmam que o diretor é insensível ao sentimento de pertencimento que eles têm ao prédio, a casa a partir de onde a Ceplac expandiu suas fronteiras, nos idos dos anos 1960, levando a tecnologia produzida pelo Centro de Pesquisas do Cacau (Cepec).

O prédio em questão tem quatro mil metros quadrados – usando a “medida-padrão” da Rede Globo, seria equivalente a quatro campos de futebol – e ali já trabalharam 200 servidores, nos tempos áureos. Hoje são 71. Desses, porém, apenas 32 são ligados à atividade-fim. Os demais são do setor burocrático, agentes de portaria, de transportes etc., e serão todos remanejados para outros postos, a partir da centralização administrativa promovida pelo Ministério da Agricultura – lembremos que a Ceplac foi transformada em um departamento, na gestão do último diretor, Sérgio Murilo, por sinal um grande opositor de Maynart nesse processo.

Calma que ainda reduz mais: dessas 32 almas, duas estão de saída. Uma será cedida à Justiça Eleitoral e outra está assumindo um cargo no governo estadual. Ficaria, portanto, o prédio do Cenex, habitado por apenas 30 bravos extensionistas – auditores fiscais federais e agentes de atividades agropecuárias, os antigos técnicos agrícolas.

Ora, num momento em que o país clama por boas práticas e que sejam observados ao máximo os princípios da economicidade, da eficiência e da razoabilidade na administração pública, é no mínimo uma demonstração de bom-senso apoiar a transferência desses guerreiros de outrora a um novo espaço, menos dispendioso para os bolsos do cidadão-contribuinte. Deem-se-lhes as medalhas e comendas merecidas. Mas, não estimulem essa grave síndrome que acomete a nossa velha senhora da cacauicultura.

(Publicado originalmente no jornal Agora, edição de 24.02)

___________

Atualização: Diferente do que foi publicado no texto original (no Agora), a medida de 4.000 m² não corresponde a quatro campos de futebol. A confusão se deu pela comparação do campo de futebol (algo em torno de 10.800 m²) ao hectare, sendo que um hectare tem 10.000 m² - daí a referência, equivocada, à "medida-padrão da Rede Globo", que sempre faz essa associação. Por outro lado, a OIT preconiza 6 metros quadrados como necessários e suficientes para cada trabalhador de escritório. Quando ficarem os 32 guerreiros previstos, seriam necessários 192 metros quadrados para acomodá-los com o devido conforto. Como a Ceplac sempre foi generosa com espaços, admitamos o dobro, 400 m², prevendo salas de reuniões, sanitários, áreas de convivência etc. Os atuais 4.000 m² parecem, sim, um desperdício de dinheiro público.

Saúde e esporte beneficiam moradores de Aurelino Leal

Domingos Matos, 27/05/2016 | 22:35
Editado em 27/05/2016 | 22:35

As mulheres entre 50 e 69 anos, moradoras de Aurelino Leal, no Sul da Bahia, têm até a próxima quinta-feira (02/06) para fazer gratuitamente o exame de mamografia. O governador Rui Costa visitou, nesta sexta-feira (27), a unidade móvel do programa Saúde sem Fronteiras de rastreamento de câncer de mama, entregou uma quadra poliesportiva para os moradores, construída com recursos estaduais, dois tratores com implementos agrícolas, e visitou uma creche e o hospital regional no município.

Rui afirmou que são entregas e visitas a equipamentos que visam melhorar a vida das pessoas. “A quadra poliesportiva é um investimento de mais de R$ 400 mil. Nós temos outro convênio para a recuperação do estádio de futebol, que está recebendo investimentos de R$ 547 mil do Estado. Quero voltar ainda este ano para inaugurá-lo”.

O governador chamou todas as mulheres entre 50 e 69 anos, que moram em Aurelino Leal, para que façam o seu exame preventivo do câncer de mama. “É um exame que todas as mulheres têm que fazer. O nosso serviço móvel ajuda para que elas possam fazer seus exames nos municípios onde moram. A maioria dessas mulheres não vai ter nada. Mas algumas, que vão poder descobrir cedo, terão a oportunidade de tratar”.

Sobre os tratores, Rui disse que vão ajudar os agricultores a produzir mais e melhor. Ele comentou que a Bahia é o estado brasileiro com maior número de pessoas vivendo da agricultura. São quase 700 mil famílias, cerca de 2,8 milhões de baianos. “Agricultura familiar não é mais plantar apenas com enxada, estamos mecanizando a agricultura familiar, para que o agricultor produza mais e aumente sua renda, gastando dinheiro nas cidades e aquecendo a economia. Ao cuidar do campo, ajudamos a melhorar a renda também na cidade”.

DE RODAPÉS E DE ACHADOS

Domingos Matos, 08/01/2012 | 18:57
Editado em 08/01/2012 | 20:38

AdylsonQuando o tema se esgota em si mesmo, um rodapé pode definir tudo e ir um pouco além.  

Adylson Machado

                                                                              

Coisas de 2011

Tião para poucos

Sebastião Néry esteve em Itabuna, no final de 2011. Ouvir Néry é uma festa.
Para os poucos que o esconderam para fotos pessoais.

Tião para muitos

Eduardo Anunciação não foi convidado. Ele que, como presidente da ABI regional, foi o primeiro a trazê-lo para palestra no auditório do extinto Instituto de Cacau da Bahia-ICB, em Ilhéus, para uma concorridíssima plateia de jornalistas, políticos e lideranças regionais.

Mas, o jornalismo de Eduardo não tinha projetos individualistas. 

Tempo de aguardar

Uns poucos ainda esperam a dirigente bailarina, advogada, pedagoga e poeta apresentar-se. Dançando, advogando ou poetando. Pelo menos 2011 se foi, e nada.
É que nas artes e na cultura local, de inovador e revolucionário somente os “nossos” malabaristas de sinaleira.

Quase em branco

2011 se foi com um pouco da mesquinhez grapiúna. Que não enxergou: 1. A luta da ACATE pelo Zélia Lessa; 2. A XI Semana Cultural em Ferradas, evento internacional; 3. A luta da ACCODEC, de Ferradas, para inserir o centenário de nascimento de Jorge Amado no calendário de Itabuna.

Ao lado do melhor presente do ano

“A Privataria Tucana” já ultrapassa os 120 mil exemplares vendidos – desmistificando certos santos-de-pau-oco. E a criatividade pátria exercida, como nesses 3:53min do excelente trabalho do http://cloacanews.blogspot.com sobre cena de “A Queda! – As Últimas Horas de Hitler” (2004), de Olivier Hirschbiegel.

O “Calma, Verônica, a gente arranja outro laranja” é simplesmente fantástico, assim como os “agradecimentos” aos defensores de Serra no PiG.

Para Lopes

Sílvio Caldas ficou famoso por tantas retiradas de cena e igual quantidade de retornos. Havia sempre um espetáculo de despedida. Não tardava o retorno.

De Adelindo Kfouri, conhecemos, pelo menos, três anúncios de saída de cena nos últimos dez anos, duas delas com retorno, faltando o recente, já que anunciado no A Região mais uma despedida.

Esperamos que Antônio Lopes contraia tal síndrome – a do retorno – ainda que não o seja com(o) Ousarme Citoaian.

Dos tempos de outras brilhantinas

chitaDomingueiras de antanho alimentavam a expectativa infante: ir ao cinema. Matinées, na vespertina do domingo no poeira que a cidade oferecia, onde Tarzan, Jane e Chita faziam parte da festa.
A longeva chimpanzé se foi recentemente, aos oitenta anos. Não quis conferir a profecia maia.

Imaginação

Projeto de um vereador deste Brasil de mil brasis proíbe noivas de participarem da cerimônia sem calcinha. Descobre-se a existência de tão inusitada moda. Não sabemos se em terras grapiúnas o fato é ou tornou-se corriqueiro.

Certo que nunca se chegara a tanto em termos de intimidade!

Tampouco sabemos quem, no projeto do vereador, está incumbido de fiscalizar o cumprimento da lei.

O porquê de cochilos

Nem Jorge Amado declinou para gabrielas, tietas e terezas batistas tanta liberdade e autonomia feminina.
Doravante, imagina-se as mentes masculinas em cerimônias tais. Mentes fecundas e criativas.

Não à toa alguns noivos e convidados dormem. Agora sabemos que pode não ser sono diante da prédica celebrante, mas concentração para aprimorar a visão raio X.

2012

diogenesQue não se faça a luz, afinal o fiat lux só para o Criador. Apenas acendamos nossas lanternas neste ano eleitoral.

Como Diógenes, de Sínope, o Cínico (404-323 a.C.).

Utilidade pública

Ou, como propõe o Bessinha

alagamentos

Para entender o mundo

Na Europa a dívida bruta governamental em percentagem do PIB está prevista, para 2012, em 183% na Grécia, 121% na Itália, 15% na Irlanda, 112% em Portugal, 89% na França, 82% na Alemanha, 70% na Espanha. A dos EEUU, em torno de 100%. A Grécia precisa de quase dois PIBs para honrar a dívida e a Alemanha (maior economia européia) de quase um.

O desemprego em alta supera 20% na Espanha e 9% nos EEUU.

Para entender o Brasil no mundo

Por estas plagas governadas pelo PT (não significa gostar dele, o que ocorre com muitos) a relação dívida/PIB ficou em 36,6% (a menor desde 1998), devendo cair para 35,7% em 2012, segundo o Banco Central.

Em 1994 estava em 14% e chegou a 55,5% em 2002, alcançando 57,2% em 2003.

Reservas de 38 bilhões de dólares em 2002 (incluindo a parcela 15,9 bi emprestada pelo FMI para garantia de pagamentos) alcançaram 352 bilhões em 2011 (sem dinheiro do FMI).

O desemprego ficou abaixo de 6%, caindo dos 12,6% de 2002.

Para entender o Brasil internamente

Este mínimo de 622 reais, em vigor, detém o maior poder de compra desde 1979, segundo o DIEESE. Comprando o equivalente a 2,25 cestas básicas de São Paulo (com valor unitário estimado em 276,31 reais) configura um reajuste de 14,13% sobre o anterior e atinge um aumento real de 9,2%.

Injetará 47 bilhões de reais na economia no curso de 2012, com efeitos a serem mais percebidos especialmente no Norte e Nordeste. São dados da Carta Maior no Luis Nassif Online no www.advivo.com.br de 29 de dezembro.

Obsoletismo à vista

Quando imaginávamos que o HDTV/LED e quejandos esgotavam a qualidade (1920x1080 pixels/píxeis) “os engenheiros produzem um televisor Quad HD/4K pronto para entrar no mercado, dando aos telespectadores uma resolução quatro vezes maior que a alta definição normal”, elevando-o para espantosos 8000x4300. (“O Mundo em 2012”, no The Economist). Para cinéfilos será a “reprodução em celulose”.

Como o obsoletismo programado alimenta o capitalismo consumista, preparemos o bolso e o lixo.

Huuum!

Esta disputa de quem é quem no PT local para definir “quem” promoveu a exoneração de Jonas Nascimento de cargo no Governo Estadual anda mal contada. Para uns, Miralva Moitinho seria a articuladora da façanha e realçam a “barbaridade” da exoneração em razão do expressivo trabalho de Jonas à frente de órgãos estaduais de educação.

Nossa dedução é de que estão ampliando tudo, começando pelo poder de Miralva, para justificar a saída de Jonas. Exoneração de tal quilate (indicação política) não ocorre por indicado político (Miralva).

Por outro lado, é possível que o expressivo trabalho de Jonas Nascimento não seja tão expressivo assim. Afinal, competência quando demonstrada conquista admiradores.

Para nossa avaliação tudo não passa de ti-ti-ti transformado em tempestade... em copo d’ água. Para marcar posição de alguma dessas tantas tendências que tornam o PT um partido muito especial.

Na blogosfera

O “Cinzas e diamantes”, www.cinzasdiamantes.blogspot.com, do poeta e escritor Antônio Nahud Junior, repercutiu denúncia deste DE RODAPÉS E DE ACHADOS de 18 de dezembro – “E por falar em corrupção (VER) – acrescentando preciosas informações.

Nitroglicerina pura! Em pleno ano eleitoral!

Nomes

Antônio Junior, no texto publicado na quarta 4, oferece detalhes do que aconteceu no Centro de Cultura Adonias Filho, sob batuta de Aldo Bastos, enquanto (ANJ) lá trabalhou, dando nomes e detalhando fatos. Inclusive a origem do caixa dois, as razões por que de sua existência e o instante em que ocorreu (VER):
“...Durante a campanha de Juçara Feitosa para a prefeitura de Itabuna, desejando provar a todo custo sua fidelidade partidária, criou um caixa dois, financiando santinhos da candidata e cafés da manhã para artistas com finalidade eleitoreira”.

Insustentável

Considerando que o caixa dois de Aldo Bastos no CCAF serviu para campanha de Juçara Feitosa/2008, desviado atualmente – imagina-se – para as particularidades de Aldo, pode voltar a atender à campanha petista em 2012.

Cremos que nem Juçara nem Geraldo têm conhecimento das estripulias de Aldo. No entanto, caso o rapaz, indicação de GS, seja mantido...

Protegido

Se GS assumir a permanência de Aldo Bastos à frente do Adonias Filho também assumirá a corrupção denunciada, que macula o governo Jaques Wagner, além de oferecer prato feito à oposição.

Caso não assuma e o ilustre indicado venha a ser defenestrado – coisa que a Secretaria de Cultura vem tentando há algum tempo, diante das denúncias e da lamentável administração constatada pelos superiores – e como sua indicação é pedido materno, não faltará oportunidade: eleito Geraldo ou Juçara, Aldo poderá assumir a Fundação Itabunense de Cultura e Cidadania-FICC.

Pedido de mãe é coisa séria!

Abandonado

No ano do centenário de nascimento de Jorge Amado a administração municipal de Itabuna nem mesmo promoverá um Carnaval, que poderia ter como temática a figura do ilustre ferradense. Anuncia fazê-lo às vésperas da efeméride.

O mundo comemora Jorge Amado a cada dia; Itabuna não aproveita a oportunidade.

Minas é Pierre!

Estivemos recentemente em Montes Claros-MG. Se tomarmos como amostragem o que ouvimos de torcedores do Atlético Mineiro e o que dizem todos do quanto noticiado (rádio e TV) em Minas, os torcedores estão exigindo a manutenção de Pierre no Galo.

Que tirem todos, menos Pierre, é a palavra da torcida.

O que está em jogo

O Palmeiras quer tê-lo de volta, certamente para também faturar com a partida número 200 de Pierre, frustrada por Felipe Escolari, apesar do esforço da diretoria e da torcida para ver o baiano de Itororó jogar envergando a camisa histórica.

Pierre quer permanecer em Minas. No entanto, quando fatos alheios estão em jogo, os desejos pessoais pesam menos.

Itororó

A bomba político-eleitoral é a candidatura de Padre Moisés a Prefeito, que já estaria em campanha.

Luzimares ferveu

Na quarta 4 muita coisa aconteceu em Luzimares. Na pauta, de Jonas Nascimento à pré-definição de um vice para o PT em Itabuna. PT de Ilhéus também discutido... por itabunenses.

Conquista já fervera

No final de 2011 ficou definido o apoio de Fernando Gomes a Roberto Minas Aço Barbosa. A destacar a capacidade e o volume de argumentos de Roberto para convencer Fernando, que já afirmou disposição de apoiar até o PT para evitar a reeleição de Azevedo.

Roberto entra na mídia, orientado por FG, para ver se alcança 10% a 12% de intenções de voto até março. Três meses de espera, para quem já o faz há pelo menos seis anos.

Com o risco de enveredar por campanha alheia. Ou correr sozinho.

De ano eleitoral...

Consumar-se-ão todas as iniciativas para consolidar, retomar ou conquistar o poder. Nessa esteira, Azevedo e Geraldo Simões encontram-se nas primeiras referências; Roberto Barbosa, Wenceslau, Vane do Renascer, Leninha Alcântara e Acácia Pinho na última.

Alguns mais assentados, outros patinando na esperança de se verem homologados em convenções.

...tudo se espera

Que não se duvide de algumas possibilidades, que podem já estar concretas. Geraldo Simões/Juçara tendo como vice o major Serpa, em Itabuna, e Josias Gomes vice de Jabes Ribeiro, em Ilhéus.

Neste caso particular, festa para Geraldo Simões, que veria a possibilidade de o PP em Itabuna apoiar o seu PT.

O que pode estar definido

Para nós, defensor da teoria do “tiro ao pombo” – todos contra GS – Azevedo terá apoio do PMDB/PSDB/PR.
Tudo porque não acreditamos que Geddel Vieira Lima, Jutahy Jr (por razões naturais, em nível nacional) e César Borges possam contribuir para o fortalecimento de Geraldo Simões.

Uns, lembram de vaias; outros, a perda de exploração portuária.

Perguntinha ingênua

A Ciretran há muito tornou-se cobiçada pelos dividendos políticos que pode oferecer. Azevedo que o diga. A atual chefia está com sargento Gilson.

Dividendos para o PT ou PCdoB?

Cobrando

Redigíamos esta coluna aguardando a divulgação, pelo jornal A Região, dos nomes de “ex-diretores” do HBLEM, “ex-secretários municipais” e “ex-diretores de fundações” itabunenses. O que não exclui os dos “empresários” que fazem parte daqueles “25 nomes de Itabuna e Ilhéus” denunciados pelo combativo hebdomadário.

Porque é tempo dos Santos Reis

Tradição em várias regiões brasileiras o “reisado” se faz vivo visitando casas entre o Natal e a festa de São Sebastião. Vestidos a caráter, chapéus e gorros enfeitados de espelhos e fitas coloridas, seus integrantes transitam da catira (com viola, sanfona e violão) à moda baiana (flautas de bambu em dueto, violão/viola e percussão).

Uma tradição que anda esquecida. Aqui em Itabuna, no Cerrado e Itamaracá há grupos que não mais saem. Faltam-lhes portas para recebê-los e a dupla sertaneja tradicional Miúdo e Miudinha – residente no Bairro Lomanto –, que já manteve um grupo de reisado, nem mais a lembra, desde a venda de suas flautas.

E os que fazem a cultura local pensam em outras coisas.

Nem mesmo copiamos Una, onde há um trabalho de resgate admirável, incluindo da burrinha e do bumba-meu-boi.

Oferecemos aqui duas expressões da tradição, próximas de nossa realidade. Uma delas originária de Itambé (acima). 

Cantinho do ABC da Noite

cabocoConsiderando ser este 2012 não só especial ano no calendário maia, antes que qualquer mudança ocorra, propomos ser ele o ANO DO ABC DA NOITE, a ser oficialmente lançado no dia 2 de fevereiro (aniversário de Cabôco Alencar). Afinal no dia 28 de julho a razão de existência do Beco do Fuxico completará 50 anos de existência.

E para não perder o mote, mais uma de seu filósofo, quando a freguesia alimentava os temas comida e futebol:

– Prefiro comer frango a ser goleiro – leciona o mestre do Beco. E justifica:

– Pelo menos ninguém me xinga a mãe.

 

_________________

Adylson Machado é escritor, professor e advogado, autor de "Amendoeiras de outono" e " O ABC do Cabôco", editados pela Via Litterarum

Coisas de 2011
Tião para poucos
Sebastião Néry esteve em Itabuna, no final de 2011. Ouvir Néry é uma festa.
Para os poucos que o esconderam para fotos pessoais.
Tião para muitos
Eduardo Anunciação não foi convidado. Ele que, como presidente da ABI regional, foi o primeiro a trazê-lo para palestra no auditório do extinto Instituto de Cacau da Bahia-ICB, em Ilhéus, para uma concorridíssima plateia de jornalistas, políticos e lideranças regionais.
Mas, o jornalismo de Eduardo não tinha projetos individualistas. 
Tempo de aguardar
Uns poucos ainda esperam a dirigente bailarina, advogada, pedagoga e poeta apresentar-se. Dançando, advogando ou poetando. Pelo menos 2011 se foi, e nada.
É que nas artes e na cultura local, de inovador e revolucionário somente os “nossos” malabaristas de sinaleira.
Quase em branco
2011 se foi com um pouco da mesquinhez grapiúna. Que não enxergou: 1. A luta da ACATE pelo Zélia Lessa; 2. A XI Semana Cultural em Ferradas, evento internacional; 3. A luta da ACCODEC, de Ferradas, para inserir o centenário de nascimento de Jorge Amado no calendário de Itabuna. 
Ao lado do melhor presente do ano
“A Privataria Tucana” já ultrapassa os 120 mil exemplares vendidos – desmistificando certos santos-de-pau-oco. E a criatividade pátria exercida, como nesses 3:53min do excelente trabalho do http://cloacanews.blogspot.com sobre cena de “A Queda! – As Últimas Horas de Hitler” (2004), de Olivier Hirschbiegel.
O “Calma, Verônica, a gente arranja outro laranja” é simplesmente fantástico, assim como os “agradecimentos” aos defensores de Serra no PiG.
Para Lopes
Sílvio Caldas ficou famoso por tantas retiradas de cena e igual quantidade de retornos. Havia sempre um espetáculo de despedida. Não tardava o retorno.
De Adelindo Kfouri, conhecemos, pelo menos, três anúncios de saída de cena nos últimos dez anos, duas delas com retorno, faltando o recente, já que anunciado no A Região mais uma despedida.
Esperamos que Antônio Lopes contraia tal síndrome – a do retorno – ainda que não o seja com(o) Ousarme Citoaian.
Dos tempos de outras brilhantinas
Domingueiras de antanho alimentavam a expectativa infante: ir ao cinema. Matinées, na vespertina do domingo no poeira que a cidade oferecia, onde Tarzan, Jane e Chita faziam parte da festa.
A longeva chimpanzé se foi recentemente, aos oitenta anos. Não quis conferir a profecia maia.

Construtora Módulo entrega primeiro condomínio-clube de Itabuna

Domingos Matos, 23/12/2011 | 06:43
Editado em 23/12/2011 | 06:54

Por Vera Rabelo, da Assessoria

Uma festa de confraternização realizada pela Construtora Módulo, terça-feira (20), na área de lazer do Real Ville Residence, no bairro São Judas, às margens do Rio Cachoeira, marcou a entrega do primeiro condomínio-clube de Itabuna. Clientes, autoridades municipais e parceiros do empreendimento se reuniram para comemorar o sucesso da obra, entregue em tempo hábil e com padrões de qualidade inovadores.

Com 208 apartamentos de dois quartos, varanda e garagem individualizada, o Real Ville Residence destaca-se pelo conforto, segurança e qualidade de vida que oferece aos moradores. “Este é o terceiro empreendimento entregue pela nossa construtora na região, todos com a preocupação de garantir a maior qualidade de vida possível”, enfatiza o diretor da Módulo, Mário Pimentel Filho.

O primeiro condomínio-clube de Itabuna é considerado um marco na construção civil local pelo gerente empresarial da Caixa Econômica (Agência Grapiúna), Gerson Bernardo. “O empreendimento tem um conceito de qualidade pioneiro”, diz ele, referindo-se à ampla área de lazer, composta de piscina, parque infantil, gazebo, campo de futebol gramado e espaço gourmet. “Desde o lançamento, os apartamentos já valorizaram cerca de 50%”, completa.

realA confraternização animou visitantes e investidores, como a Caixa

A este complexo de lazer somam-se itens extremamente valorizados pelos 80 moradores que já ocuparam seus apartamentos. Para o terapeuta Gilmar Dórea, a segurança e tranqüilidade do condomínio são os mais importantes. “Saio para trabalhar tranqüilo, sabendo que as crianças podem brincar protegidas”, ressalva.

Os noivos Daniela Palmeira e Gueir Dourado contam os dias para se instalarem no apartamento, logo após o casamento marcado para o início de janeiro próximo. “Escolhemos o Real Ville pela credibilidade da Construtora Módulo, localização e pelo projeto arquitetônico moderno e arrojado”, diz a jovem proprietária, acrescentando ainda a vantagem da taxa de condomínio bem reduzida.

O secretário de Comércio, Indústria e Turismo de Itabuna, Carlos Leahy, representando o prefeito Capitão Azevedo no evento, destacou a excelência do material utilizado na construção. “É um padrão incomum em empreendimentos desta categoria, o que mostra o compromisso da Construtora Módulo com a qualidade de vida dos seus clientes”.

O vice-prefeito de Itabuna, Antônio Vieira, assinalou a contribuição que o Real Ville traz para Itabuna. “É uma moradia de primeira linha para uma faixa salarial que ainda não tinha acesso a esse tipo de patrimônio”. Geraldo Briglia, presidente da Emasa, acrescenta a valorização do bairro São Judas com a construção. “É um estímulo à expansão urbana da cidade, numa área que será muito valorizada com a duplicação da rodovia Ilhéus-Itabuna”, assinala.

PT de Itabuna vai para o 'racha'

Domingos Matos, 17/12/2011 | 22:49
Editado em 17/12/2011 | 23:25

O racha do PT de Itabuna tem dia e hora marcados. Será nesse domingo, às 11 horas. Inicialmente, falou-se em Geraldo de um lado, e Miralva - e até Juçara! - de outro, mas no fim, esses três se acertaram e ficarão juntos. Um alívio.

Mas, calma lá.

Fala-se aqui do rachão, um baba de confraternização do Partido dos Trabalhadores, que ocorre nesse domingo, no gramado do Itabunão.

Geraldo Simões estava escalado para o ataque - ficaria na banheira, tipo um Romário - mas alegou um incômodo no joelho e ficará na torcida, junto com Miralva e Juçara.

Depois do jogo, uma sagrada loura geladíssima vai selar a paz entre os marmanjos do Estrela Vermelha e Socialistas Futebol(?) Clube. E garantir o espírito renovado para enfrentar outras batalhas, essas no campo político, em 2012.

Ricardo Gomes tem AVC e corre risco de morte

Domingos Matos, 28/08/2011 | 21:27
Editado em 28/08/2011 | 21:34

ricardo gomesO técnico do Vasco da Gama, Ricardo Gomes, está sendo submetido a uma cirurgia para drenagem de um coágulo formado no lado direito do cerébro após um acidente vascular cerebral (AVC) com hemorragia na noite deste domingo, durante a partida entre Vasco e Flamengo.

A operação, que é realizada pelo médico José Antônio Guasti, deve durar cerca de três horas e tem o objetivo de controlar a hipertensão craniana para não danificar o tecido cerebral, o que poderia causar sequelas motoras.

Segundo a assessoria do hospital em que o treinador é operado, o caso é gravíssmo. Clóvis Munhoz, médico do Vasco, admite que há risco de morte. Mas aposta na recuperação de Ricardo, que tem 46 anos.

- Creio que ele vai suportar bem. É uma pessoa forte. Só o fato de ter me reconhecido enquanto pôde e ter tido condições de falar sobre o que estava sentido é muito positivo - afirmou.

Clóvis explicou que a hemorragia provocou um grande coágulo no cérebro. A cirurgia está sendo feita para retirada deste sangue coagulado, reduzindo a pressão cerebral. No momento em que aconteceu a hemorragia, a pressão arterial do treinador era de 19 por 12. O normal é 12 por 8.

Informações Globo.com

Se escola fosse estádio e educação fosse Copa

Domingos Matos, 14/08/2011 | 20:05
Editado em 14/08/2011 | 20:06

Jorge Portugal

Passei, nesses últimos dias, meu olhar pelo noticiário nacional e não dá outra: copa do mundo, construção de estádios, ampliação de aeroportos, modernização dos meios de transportes, um frenesi em torno do tema que domina mentes e corações de dez entre dez brasileiros.

Há semanas, o todo-poderoso do futebol mundial ousou desconfiar de nossa capacidade de entregar o “circo da copa” em tempo hábil para a realização do evento, e deve ter recebido pancada de todos os lados pois, imediatamente, retratou-se e até elogiou publicamente o ritmo das obras.

Fiquei pensando: já imaginaram se um terço desse vigor cívico-esportivo fosse canalizado para melhorar nosso ensino público? É… pois se todo mundo acha que reside aí nossa falha fundamental, nosso pecado social de fundo, que compromete todo o futuro e a própria sustentabilidade de nossa condição de BRIC, por que não um esforço nacional pela educação pública de qualidade igual ao que despendemos para preparar a Copa do Mundo?

E olhe que nem precisaria ser tanto! Lembrei-me, incontinenti, que o educador Cristovam Buarque, ex-ministro da Educação e hoje senador da República, encaminhou ao Senado dois projetos com o condão de fazer as coisas nessa área ganharem velocidade de lebre: um deles prevê simplesmente a federalização do ensino público, ou seja, nosso ensino básico passaria a ser responsabilidade da União, com professores, coordenadores e corpo administrativo tendo seus planos de carreira e recebendo salários compatíveis com os de funcionários do Banco do Brasil ou da Caixa Econômica Federal. Que tal? Não é valorizar essa classe estratégica ao nosso crescimento o desejo de todos que amamos o Brasil? O projeto está lá… parado, quieto, na gaveta de algum relator.

O outro projeto, do mesmo Cristovam, é uma verdadeira “bomba do bem”. Leiam com atenção: ele, o projeto, prevê que “daqui a sete anos, todos os detentores de cargo público, do vereador ao presidente da República serão obrigados a matricular seus filhos na rede pública de ensino”. E então? Já imaginaram o esforço que deputados (estaduais e federais), senadores e governadores não fariam para melhorar nossas escolas, sabendo que seus filhos, netos, iriam estudar nelas daqui a sete anos? Pois bem, esse projeto está adormecido na gaveta do senador Antônio Carlos Valladares, de Sergipe, seu relator. E não anda. E ninguém sabe dele.

Desafio ao leitor: você é capaz de, daí do seu conforto, concordando com os projetos, pegar o seu computador e passar um e-mail para o senador Valadares (antoniocarlosvaladares@senador.gov.br) pedindo que ele desengavete essa “bomba do bem”? É um ato cívico simples. Pela educação. Porque pela Copa já estamos fazendo muito mais.

Jorge Portugal é educador, poeta e apresentador de TV. Idealizou e apresenta o programa “Tô Sabendo”, da TV Brasil (Reprodução. Publicado inicialmente no Terra Magazine)

DE RODAPÉS E DE ACHADOS

Domingos Matos, 31/07/2011 | 19:02
Editado em 31/07/2011 | 19:47

AdylsonQuando o tema se esgota em si mesmo, um rodapé pode definir tudo e ir um pouco além.  

Adylson Machado

                                                                              

Uma chama que morre

João Falcão, fundador do Jornal da Bahia, morreu esta semana. Encontramos a informação na leitura diária do Tribuna da Imprensa on line, no texto enxuto de Sebastião Néry deste sábado 30, “E a chama se apagou”.

Para ser acessado e lido.

Solução

sauloA Presidente Dilma Rousseff espera contar com competência técnica e honestidade para compor o “novo” DNIT.

Sem excluir, sempre que possível, indicação partidária.

Como ao Partido da República não faltam quadros, apenas felizes indicações, poderia a Presidente se valer de um nome do próprio PR: o do baiano Saulo Pontes.

Pelé

O maior jogador de futebol de todos os tempos é o embaixador do Governo do Brasil para a Copa de 2014.

Não sabemos se recado de Dilma Rousseff a Ricardo Teixeira. Ou inibição a quem costuma falar despropósitos.

Exigência descabida

Essa de a FIFA exigir a paralisação das atividades de um aeroporto como o Santos Dumont, durante quatro horas, cheira a abuso de mocinho em terra de ninguém. 36 pousos e decolagens desviados no período. Tudo para que pudesse ser realizado o regabofe do sorteio para as eliminatórias da Copa do Mundo.

Como não bastasse a politicagem com que age, em conluio com a CBF, em relação aos estádios, em típica interferência na autonomia de um país. Um abuso.

E tudo isso com o dinheiro do contribuinte brasileiro.

Coisas desta Itabuna

Nos 101 anos esta terra de todos nós desaprendeu lições primárias, elementares. Não só lhe deve ser atribuída uma não-organização espacial no plano da mobilidade urbana, mas a de tornar-se digna de ingresso nos compêndios do caótico.

O número de veículos em muito aumentou, circulando no mesmo espaço, o que ocorre há pelo menos cinco anos, exigindo planejamento e investimentos.

E não se houve, no entanto, a municipalidade em atender à demanda anunciada.

Proeza

Não bastasse o desordenado trânsito, costuma cuidar a administração de cortar fluxos de tráfego para atender a eventos. Como fechar o complexo Aziz Maron-Mário Padre, um dos mais tradicionais corredores, a partir do Conceição, acesso à ponte do Marabá. Já na manhã da quarta 27 uma parte da avenida estava bloqueada e no final da tarde viabilizava engarrafamento que repercutia em outras artérias, inclusive na Juraci Magalhães.

Tudo porque não se planeja. Executa-se ao arrepio da técnica e da lógica.

Cooperação

Na página 6 da edição do Diário Bahia de terça 26 um informe publicitário da EMASA, titulado “Aditivo de Contratos”, chamou a atenção: 12 os contratos, de locação de veículos, celebrados todos com a Cooperativa Regional dos Proprietários de Veículos Alugados.

Os aditivos diziam respeito a prazos. Nenhuma referência a valores.

Transparência é isso: remeter o leitor-cidadão-consumidor a buscar o original que nunca encontrará.

Muito interessante descobrir essa cooperativa destes inusitados “Proprietários de Veículos Alugados”. Que dá a entender existir só para alugar veículos à EMASA.

Ou seja, uma singular cooperação...

Pela Paz

O Estado Palestino é um imperativo, negado por uma gama de interesses de poucos que em nada contribuem para a paz mundial, que bem podia começar ali, naquele quinhão do Oriente Médio.

Se nosso leitor quiser integrar-se à campanha mundial pelo reconhecimento do Estado Palestino pela Organização das Nações Unidas integre-se ao apelo através de http://www.avaaz.org/po/independence_for_palestine_9/?copy

Golpe mortal

Para o projeto pessoal de Geraldo Simões a sua anunciada (ainda que não oficialmente) candidatura a Prefeito em 2012, menos que a perspectiva de sucesso, se constitui vitória de Pirro, considerando o que sempre pretendeu: consolidar Juçara como candidata.

Para Itabuna, cremos particularmente, se vitorioso Geraldo – como o seria com Juçara – poderá ser a retomada de um processo de administração e planejamento, interrompidos a partir de 2005.

Planejada consolação

Juçara será candidata a deputada estadual em 2014, com apoio de Geraldo Prefeito. Prêmio de consolação.

Cabe também verificar o domicílio eleitoral de Tiago Feitosa. Caso seja o de Itabuna, depois de setembro, pode sair candidato a vereador por aqui.

A não ser que para convencer GS a “abandonar” Juçara o Governador tenha assegurado meios de eleição de Thiago em Salvador.

Quase 100 anos

A Leste-Oeste, projetada para desaguar no Atlântico ilheense, hoje integrando um complexo intermodal, é projeto governamental de 1917. Partiria de um trecho da Central do Brasil e alcançaria Leopoldina (hoje Aruanã) em Goiás. A reação do Sudeste-Sul a inviabilizou para favorecer a Cuiabá-Santos. Detalhes em www.advivivo.com.br de sexta 29, da lavra de Alberto Porém Júnior (“Ferrovias: Uma questão geográfica e política”).

Como visto, antigo é o padecimento por que passamos, por nos situarmos no Nordeste.

Hoje, considerando a reação de “ambientalistas” locais, o atraso de nossa região não mais precisa de apoio do eixo Rio-São Paulo-Paraná.

Itororó

O advogado José Vitalino afirma ser candidato a prefeito em 2012. Histórico aliado de Edineu Oliveira descola da liderança por considerar-se alijado de qualquer projeto do antigo parceiro.

Espera contar com a dissidência dos que não aceitam a aliança Edineu-Marco Brito, já desfeita, o que, segundo lhe parece, afastou correligionários dos dois políticos.

Também imagina que nem Edineu nem Marco Brito terão condições de se candidatar, uma vez que estariam inelegíveis.

Enfrentará Adroaldo Almeida, que também estaria desgastado em setores conservadores da sociedade.

Tirando o corpo fora

A promessa de Wagner aos deficientes visuais que buscam transporte gratuito, a considerar-se o divulgado (observamos do texto do Pimenta na quinta 28), está eivado de demagogia. Afinal se reconhece a inexistência de lei estadual autorizativa para a concessão do benefício não teria ele como exigir que uma empresa privada exerça “bom senso” se esta tão somente está adstrita à legislação existente.

Como a iniciativa de projeto para dita legislação é de competência do Executivo, cabe ao próprio governador subscrevê-la e não recomendar a AGERBA que converse com a empresa.

Por outro lado, não tardará um “pai” para a criança assim que tal projeto for encaminhado à Assembleia Legislativa..

Cai a máscara I

Os EEUU construíram no imaginário do planeta a ideia de serem o paradigma da justiça, da igualdade, da riqueza. Através do cinema, Capitão América, Homem Aranha, Super Homem, Batman, entre dezenas de super heróis, espelhavam a “América.

Os outros não passavam de “bandidos”, violadores de direitos etc. Japoneses, chineses, russos eram a força do mal a quem incumbia enfrentar para salvar a Humanidade.

De uma hora para outra até um antes inimaginável risco de calote acontece.

Cai a máscara II

E o presidente do “Yes, we can” já não pode tanto, seu país não suporta a crise para a qual contribuiu, sacrificando historicamente os que lhes prestavam vassalagem.

E como tentativa extrema propôs Obama a taxação dos ricos em 2%. A reação conservadora foi imediata: cortem-se programas sociais, aposentadorias, postos de trabalho, salários. Nunca o dinheirinho de um punhado de milionários, que isso é crime de lesa pátria.

Caiu a máscara. Espera-se o poder que ainda detêm.

Piti

O Pimenta na quinta 28 testemunhou, e publicou, o piti do Secretário de Agricultura de Itabuna, Marcelino Oliveira, que teria até chamado o Governador de mentiroso por não confirmar a duplicação do Paulo Souto a Ferradas. A contrariedade do Secretário não encontraria motivo se houvesse escutado o que ouvimos do próprio Prefeito José Nilton Azevedo.

Segundo o alcaide, a Prefeitura de Itabuna elaborou o projeto de duplicação da rodovia, naquele trecho, entregando-o ao Governador, tendo este afirmado ao mandatário itabunense que por falta de recursos estaduais o incluiria no PAC 2 do Governo Federal.

Como o Governador anunciou a recuperação da rodovia entre Ilhéus e Ferradas (recursos do Estado) com certeza a duplicação ansiada estará a cargo de recursos federais.

No entanto, não culpemos o Secretário Marcelino por desconhecer o fato e não compreender o anúncio oficial. Sua secretaria é a de Agricultura.

E o muxoxo ficou despropositado.

Em caráter de editorial I

A missão a que nos propusemos neste espaço foi a de achar e rodapear, que longe está da vocação para oráculo. Muitos esperam de um articulista que envereda pelas searas da avaliação do instante político a exatidão matemática para as conclusões. Preferimos trabalhar naquilo que não está expresso.

Razão por que buscamos um pouco além, por considerar que o tema que insinua se esgotar em si mesmo oferece um achado sobre o qual rodapear traz à luz a essência dos fatos.

E assim o fazemos justamente porque nem sempre o político expressa o que quer objetivamente. E a política, não sendo Ciência e sim Arte, se faz no palco de nuances interpretativas, escondendo o ator na coxia a realidade que não interessa ao público e sim a ele, tão somente a ele.

Em caráter editorial II

Desta forma, mais a versão que o fato, a interpretação que o texto. Daí porque a precisa e preciosa definição ofertada como sapiência mineira por Magalhães Pinto: a política é como nuvem; quando se olha parece algo; logo depois será outra imagem e em mais um instante tornar-se-á inteiramente diferente de tudo que víamos.

Diante desse compreender lemos os que articulam sobre política e políticos com as cautelas de estilo, debulhando o milho para ver como o sabugo se apresenta.

Até porque dificilmente os provincianos deixamos de nos apaixonar por um ponto de vista, um interesse, um compromisso, uma bandeira, um acreditar.

Daí o imaginar

Estão escrevendo, falando, dizendo montanhas de besteiras com respeito, com relação a Geraldo & Fernando, porque faltam constatações, esclarecimentos, definições, já que Geraldo nem Fernando assumem publicamente a paternidade das especulações, notícias, notas publicadas”. Quem o diz, escreve, é o decano dos analistas políticos desta terra, Eduardo Anunciação, na sua conceituada Política, Gente, Poder, de quarta 27, no Diário Bahia.

Aquilo que, para Eduardo, “só existe na imaginação de Raimundo Vieira” e não passa de “encenação, fantasia, ilusão”,desinformação”, o leva a passar ao largo da possibilidade de Geraldo até mesmo acender “vela para Deus e o Diabo”, como já o disse GS em círculos fechados.

As nuvens daqui

Como as nuvens de Magalhães Pinto, estão acontecendo em Itabuna coisas que beiram o surrealismo, a ponto de espantar experientes avaliadores. Uma delas é a percepção de Geraldo de que Fernando Gomes não é o Tinhoso, o Gramulhão. Mesmo porque, afinal, milenar é a expressão de que “o Diabo não é tão feio como se pinta”.

E que tudo é possível quando se tem um anjo para estabelecer canais, chamado Raimundo Vieira.

Olhando para o céu

Cabe, observando as nuvens, constatando que ambos encomendaram a criança, conferir se a cegonha aceitará a inusitada obrigação.

Mas, aí “a Deus pertence”.

Uma bomba e duas vertentes I

fernandoEvidente surpresa o fato de que “FG não é filiado ao PMDB”, como o afirmou o Pimenta na segunda 25. O que nos permite rodapear e achar em torno, considerando as tratativas entre Geraldo e Fernando intermediadas por Raimundo Vieira. Teria GS conhecimento do fato?

Se não o sabia poder-se-ia atribuir que buscava através de FG apenas reforçar seu projeto junto ao PMDB.

Caso contrário, pretenderia efetivamente compor-se de alguma forma com Fernando para reforçar a candidatura do PT em 2012, para compensar o eleitor que perdeu entre históricos aliados.

Uma bomba e duas vertentes II

Na segunda hipótese, seria a demonstração de que o estoque de “velas” de Geraldo vai ser ampliado. Como ampliando conquistas em setores antes distantes de seu terreiro.

À direita e à esquerda.

Constatação

Em mesa de uma churrascaria da cidade a “Contudo” circulava de mão em mão, folheada e comentada. O sonho de Valdenor se concretiza e o torna hoje o expoente empresarial da imprensa local.

O que é fato não se discute, se reconhece.

Trio Amaranto

A tecnologia contemporânea nos permite descobrir maravilhas, como essa pérola que reúne talentosas e afinadas intérpretes mineiras belorizontinas, em plena interação com o público, a ponto de torná-lo vocal para acompanhamento.

Grata surpresa também a homenagem a Caymmi (“É doce morrer no mar” e “Travessia”).

A desenvoltura harmônica das irmãs que constituem o Trio Amaranto nos remete ao Quarteto em Cy.

Cantinho do ABC da Noite

cabocoO assunto concentrava a atenção dos que se encontravam no balcão sabatino: alguém assistira a uma cena de erotismo explícito na madrugada televisiva, saboreando a plateia ávida por detalhes. Um não se conteve em escutar e já pretendia informações “ao vivo”:

- Em que canal, amigo?

A verve cabôca matou a charada:

- Vaginal, Cabôco – consolidou a informação o filósofo do Beco.

_________________

Adylson Machado é escritor, professor e advogado, autor de "Amendoeiras de outono" e " O ABC do Cabôco", editados pela Via Litterarum

DE RODAPÉS E DE ACHADOS

Domingos Matos, 24/07/2011 | 18:30
Editado em 24/07/2011 | 20:40

AdylsonQuando o tema se esgota em si mesmo, um rodapé pode definir tudo e ir um pouco além.  

Adylson Machado

                                                                              

Dendê no Haicai I

O projeto Dendê no Haicai, da Via Litterarum, coordenado por Gustavo Felicíssimo, tecnicamente aprovado no valor de R$ 70.000,00, depois de dois anos de tramitação, acaba abortado pela Fundação Pedro Calmon na sua etapa de finalização do processo. Motivo: na constituição societária da empresa, o sócio fundador da empresa, Agenor Gasparetto, constava como possuidor de cotas da mesma, ainda que sem função de direção.

Quem manda Gasparetto abrir editora, difundir literatura? Esqueceu o gaúcho que está Bahia!

Dendê no Haicai II

Mas, apesar disto, a Via Litterarum continuará seguindo seu curso, trazendo novos selos, para melhor atender ao mercado. São eles: Sertões, para novos autores e o nosso vasto interior; Jus Litterarum, para obras na área jurídica; AutoEditor, em que prevalecerá o desejo do autor em ter sua obra reconhecida; Caminhos, para os campos da espiritualidade e conexos.

E, seguramente, o Dendê no Haicai, em momento oportuno, deverá chegar ao público. Ainda que sem os auspícios do Governo da Bahia.

Estranha moralização

A legislação baiana veda a participação de servidores em projetos culturais, o que estende “aos parentes até segundo grau, bem como cônjuges e companheiros...” (Lei Estadual 9.431/2005, art. 14, IV e § 1º).

Ou seja, Jorge de Souza Araujo – e parentes, cônjuge ou companheira – premiado Brasil afora, nome referido e referenciado, está impossibilitado de participar de qualquer promoção com recursos públicos na Bahia por ser mestre, doutor e pós doutor ensinando em universidade estadual (UEFS).

Como a lei é de 2005, o governo petista dá a entender que servidor tem que “servir” e não entrar por essa coisa de escrever e pesquisar para concorrer a prêmios promovidos pelo Estado.

Ó glória!

Por essas e outras...

Mangabeira permanece com razão: “Pense num absurdo e na Bahia já há precedente”. A alegada moralidade como objetivo remete ao absurdo de entendermos que é incompatível a convivência da pratica da pesquisa intelectual com a de servidor da rede pública estadual.

Com o detalhe de ser objeto de uma insinuação nada sutil: os avaliadores de projetos não traduzem a ilibada autonomia, independência intelectual e honestidade, tampouco servidor público carece de motivação para pesquisar.

Para simplificar, considerando que a punição ultrapassa a pessoa do “delinqüente”: até nossos parentes, cônjuges e companheiros estão fadados ao anonimato pelo crime de o serem de um “abastado” servidor estadual.

Só mesmo rede e água de coco!

Nova arma no front

 “Um comprimido para disfunção erétil com sabor de menta e que se dissolve na boca acaba de ser lançado no mercado brasileiro”, em www.advivo.com.br (A nova pílula contra a impotência), de sexta 22.

Que alegria!

Bolo sem cereja

Para quem imagina que Ubaldo Dantas teria se afastado da política não custa observar outdoor subscrito pelo ilustre ex-prefeito para o aniversário de Itabuna: “Dias melhores virão”.

Que, certamente, não o são com Juçara, Azevedo, Geraldo Simões?

O recado está dado.

Caso a cúpula do PMDB não se entenda com GS – o que não vemos tão facilmente como alguns imaginam – Ubaldo pode contribuir para melar a dobradinha sonhada pelo PT local.

Dois pesos

Zé Elias, ex-jogador do Coríntians, foi recolhido ao xadrez, com direito à exposição de sua imagem, porque não honrou a pensão alimentícia que diz não poder pagar, diante da insuficiência de renda, depois que a Justiça lhe negou a redução. (Não esquecer que o Zé Elias não mais joga futebol e não se sabe de nenhum contrato milionário que o sustente).

Já a turma do Ministério dos Transportes – acusada de desvio de milhões dos cofres públicos – alvo da limpeza promovida por Dilma, anda flanando em céu de brigadeiro.

Estilos confluentes

Há uma insistência da grande mídia em sinalizar para um rompimento entre Dilma e Lula, partindo da premissa (que enxergam) de que os estilos são diferentes e que a Presidente combate a corrupção enquanto o ex dizia não saber de nada ou mesmo que não existia.

Engana-se, no entanto, quem assim imagina. Até porque o voo da criatura seria curto sem apoio do criador. Não fora o fato, concreto, de que a circunstâncias que alimentam o primeiro governo Dilma são inteiramente distintas do de Lula. Se o ex-metalúrgico não fizesse as concessões que fez – amparadas na Carta aos Brasileiros – não teria sido eleito, tampouco governado. Sabiamente aceitou dar dedos para não perder anéis e conquistou a maioria da Nação.

O que não querem perceber é a sintonia de uma ação que simplesmente deixa a oposição acuada para o projeto 2014: reeleição de Dilma ou retorno de Lula.

Os estilos, estrategicamente, confluem para o objetivo comum: continuidade de um projeto de poder que, criticado ou não, entendem ser propulsor do futuro para o Brasil.

Escândalo alcança o PCdoB

A denúncia da ÉPOCA (“Agência Nacional da Propina”), ainda que amparada em revista de tradição contra o governo e em perícia de Ricardo Molina para um vídeo que a prova, pode abrir outra frente de faxina para Dilma Rousseff.

O detalhe, até que esclarecimentos ocorram, insere um partido que parecia estar à margem de tais quejandos; o PCdoB.

Detalhes em www.advivo.com.br de sábado 23 (“Inquérito da PF sobre a Agência Nacional de Petróleo”).

Aula

Aderbal Duarte no Aprovado da TVE de sábado 23, falando sobre João Gilberto – objeto de sua pesquisa há trinta anos. E Jackson Costa mostrando o que temos e não conhecemos: um excelente instrumentista, não fora o compositor e arranjador que é.

Indignação

A mobilização nas ruas européias, da Grécia a Espanha, da Irlanda a França traduzem a reação das massas excluídas, humilhadas e jogadas às traças por um sistema cruel e desumano, onde a concentração da riqueza é a tônica, ainda que ao custo da miséria, para privilegiar elites e ricos, sejam pessoas ou países.

No entanto, ainda têm forças esses excluídos... para protestar. Pelo menos, alguma ração diária os alimenta.

Indignação só não basta

fomeEnquanto bilhões de dólares são gastos em guerras cada vez mais incentivadas alguns milhões que poderiam salvar milhares de crianças não acorrem. E ainda chamam a isso de Civilização.

Esse genocídio tem responsável: as nações ricas que exploraram e exploram o continente africano.

Eis o estado em que se encontram 780 mil crianças na Somália (foto), que somadas às da Etiópia e Quênia alcançam 2,3 milhões.

Surpresa?

bessinhaQuem votou em Dilma nem mesmo imaginou a postura ética que gera insatisfações em vários escalões da política nos coroados partidos da base. A varredura que faz a Presidente no PR “dos Transportes” pode alcançar qualquer partido que não se comporte com a dignidade que o exercício do cargo exija.

Não temos em nossa lembrança uma vassourada na dimensão que ocorre no Ministério dos Transportes. Dilma Rousseff põe a nu a dimensão e a sanha de certos partidos quando ocupam o poder. Já eram 13 na terça – número cabalístico – os nomes alcançados pela caneta presidencial. Não é algo de pouca monta, mormente se atentarmos para as funções exercidas.

Que o povo compreenda e contribua para que a Presidente avance na limpeza que o país espera e tanto exige.

E as empreiteiras?

E se Dilma, na cátedra da Presidência, resolver avançar sobre as empreiteiras financiadoras da corrupção/ Conseguirá? Ou não o fará?

Pode estar sinalizando que pode fazê-lo, esperando, de forma pedagógica, que percebam as insinuações.

Afirmações

eduardoO PT define a impossibilidade – a não ser com anuência da Executiva Estadual – de alianças com o PMDB, o PSDB e o DEM, colocando-os todos no mesmo saco. Observados os fatos sob esse prisma coberto de razão estaria Eduardo Anunciação ao afirmar a inexistência de tratativas entre Geraldo Simões e Fernando Gomes com vistas a 2012.

O destacado colunista político também duvida da participação de Raimundo Vieira como intermediador entre GS e FG, a ponto de taxativamente expressar, em POLÍTICA, GENTE, PODER, no Diário Bahia de quarta 20: “só existe na imaginação de Raimundo Vieira”.

Não queremos crer que Eduardo não esteja suficiente informado.

Contra-afirmações...

Estabelece o colunista uma vertente distorcida do que está acontecendo, ao imaginar que a atuação de Raimundo Vieira se encontraria no plano de sua densidade político-eleitoral. É o que se pode deduzir do seguinte texto, publicado naquela oportunidade: “Isso é encenação, fantasia, ilusão...” “Fernando Gomes, principalmente e especialmente Fernando Gomes, com representação democrática, sem mandato, PMDB, depois Geraldo Simões, com representação democrática, deputado federal, com mandato, PT, têm compreensão suficiente, lucidez, sabe que eleitoralmente-politicamente Raimundo Vieira em nada contribui, não multiplica, não soma, não une”.

Na edição de fim de semana do Diário Bahia Eduardo volta ao tema, debruçado e preocupado, para afirmar que “Isso é desinformação... esse encontro não aconteceu”.

...Por acontecer

Ainda, caro Eduardo, ainda. E pode mesmo nunca ocorrer. No entanto já aconteceram os contatos entre Geraldo Simões e Fernando Gomes, através de Raimundo Vieira. Isso é tão verdadeiro como acreditar em Deus para o crente.

Por outro lado, ninguém comenta que Raimundo Vieira seja apoio eleitoral para quaisquer dos políticos. Mas, como intermediário Raimundo é peça concreta e atualmente o único caminho que une os dois inimigos, já não tão “inimigos” assim.

Se alguém admite ou não que se materialize a união de jacaré com cobra d’água – isso em passado não tão distante – comece a mudar de pensamento. Só não se materializará se a cúpula do PMDB não deixar. E isso é possível. Basta que Gedel perceba – e certamente já o percebeu – que a união GS-FG fortalece Geraldo e não ele, que esperava encontrar mais apoio de seu coordenador regional na campanha de 2010.

Ou seja, a estranha unidade política beneficia mesmo somente aos dois protagonistas. Fernando encontrando o sonhado apoio do Estado para a implantação de equipamentos públicos em seu loteamento; Geraldo, buscando consolidar a candidatura de Juçara. Caminho para que ele permaneça nos limites federais, como deputado.

Eis a análise fria do momento.

Sofre o observador

Para Eduardo, com sua experiência, não custa compreender que briga mesmo fica para o andar de baixo, que se engalfinha na defesa de seus líderes/ídolos enquanto estes se esfalfam em jantares e brindes na cobertura.

Caso o Governador Wagner, em visita que fará a Itabuna, sinalize com a possibilidade de conclusão do teatro e centro de convenções e Gedel não concorde com as tratativas de Geraldo-Fernando não seria absurdo imaginar que FG deixe o PMDB. A filiação partidária é possível até um ano antes de eleições.

Quando em jogo interesses e não o idealismo tudo é possível.

E “o futuro a Deus pertence”.

Até despacho em encruzilhada

Geraldo luta para dar uma volta por cima diante na atual situação, buscando fazer com que o governo do Estado “aceite” seu projeto eleitoral.

Para ver consolidado o nome de Juçara Geraldo “acende vela até para o Diabo”, como já o disse em círculos fechados. E, obviamente, se o Diabo não é tão feio como se pensa, Fernando não é o Gramulhão.

Afinal, perder ele não quer. Em todos os sentidos.

Brasileiros mundo a fora

Uma correção se impõe: John Williams não executou Heitor Villa-Lobos e seu Estudo Para Violão n  1, na edição passada, e sim “Prelúdio nº 1.

Disponibilizamos nesta edição o famoso “Estudo”, com Narciso Yepes, que com ele inicia um recital no Teatro Real de Madrid, em 1979.

Zé Rodrix

O solo aqui revelado traduz, mais que o tradicional sucesso, a introspecção do canto, de quem cantou. E como nos faz falta! E se acontece com Elis Regina sonhando na cadeira de balanço!

Os que só pensam ter uma casa na praia dificilmente entenderão o verso e a canção.

Cantinho do ABC da Noite

cabocoClássicas são as observações de Cabôco Alencar e a denominação circunstancial que a elas oferta, como a que fez definindo o cliente rarefeito no ambiente, que acabava de entrar:

– Esse está igual a paletó de maçonaria. Só circula na rua em dia enterro de maçom.

_________________

Adylson Machado é escritor, professor e advogado, autor de "Amendoeiras de outono" e " O ABC do Cabôco", editados pela Via Litterarum

Polícia baiana intensifica ação contra cambistas

Domingos Matos, 09/07/2011 | 10:15
Editado em 09/07/2011 | 10:15

Com o objetivo de combater a venda ilegal de ingressos em estádios de futebol, crime previsto na lei 12. 299/2010 e no Estatuto do Torcedor, as delegacias de Defesa do Consumidor (Decon), e de Crimes Econômicos e Contra a Administração Pública (Dececap), ambas do Departamento de Crimes Contra o Patrimônio (DCCP), prosseguem com a "Operação Brasileirão 2011", deflagrada no mês passado.

De acordo com o delegado titular da Decon, Oscar Araújo, a operação contará com mais de 20 investigadores para coibir o crime de distribuição de ingressos por valor superior ao estampado no bilhete, para o jogo Bahia x Botafogo, que acontecerá no próximo domingo (10), no Estádio de Pituaçu. "Por enquanto destinada a eventos esportivos, esta operação deverá ser estendida em breve a eventos culturais, como shows e espetáculos teatrais", informa o delegado.

No lançamento da operação, em 29 de junho, mais de 40 de cambistas foram abordados antes do jogo Bahia x Corinthians, e tiveram os ingressos que pretendiam comercializar apreendidos. Os investigadores constaram que os ingressos estavam sendo vendidos pelos cambistas por até R$ 120,00, valor 400 por cento acima do cobrado na bilheteria do estádio de Pituaçu.

Com a proximidade da realização de eventos esportivos internacionais na Bahia, como a Copa das Confederações, a Copa do Mundo e as Olimpíadas, a "Operação Brasileirão 2011", foi elaborada especificamente para coibir a prática do cambismo nos estádios de futebol.

"Nosso objetivo não é apenas prender o cambista, mas também atingir a organização criminosa que existe por trás da venda ilegal de ingressos. É direito do torcedor, que também é consumidor, comprar seu ingresso pelo preço real", declarou Oscar Araújo.

DE RODAPÉS E DE ACHADOS

Domingos Matos, 19/06/2011 | 16:58
Editado em 19/06/2011 | 18:00

Quando o tema se esgota em si mesmo, um rodapé pode definir tudo e ir um pouco além.  

Adylson Machado

                                                                              

Tocante e simbólico

protestoA foto de Ari Rodrigues traduz o melancólico da cultura itabunense. Um teatro sendo destruído enquanto o artista solitário pede que não o façam.

Na luta entre o poder estúpido e a arte a atitude do artista é o poema da esperança.

“Objeto do desejo”

Matéria deste O TROMBONE transita por meandros singulares: o “desejo” de Geraldo Simões “ter como vice, na chapa de Juçara, o tucano Ronald Kalid”. A reedição, difícil, da eleição de 2000 com GS-Ubaldo.

Um ponto cruciante as distingue: o projeto individual de poder que ora alimenta GS.

Não o de Itabuna como centro de atenção como o deseja Ronald Kalid, voz de esparsos utopistas.

Uns investem, outros destroem

Enquanto São Paulo gasta 28 milhões na reforma do Teatro Municipal e o Rio de Janeiro 68, Itabuna destrói um de seus tradicionais templos, o Zélia Lessa.

Claro que São Paulo e Rio reconhecem a importância dos espaços. Em Itabuna, por sua vez, as preocupações com a Cultura mais estão no plano da alcova. Esquecidas no estertor do orgasmo. Como segredo dos tempos em que o clímax era a vitória do macho sobre a fêmea.

Respingos incômodos I

Respinga em Geraldo Simões a presença de Nanda Galvão como dirigente máxima do SAC-Itabuna, cargo que seria da cota de GS. Atacado por correligionários que veem a “indicação” como instrumento de ampliação de poder – na busca de alianças para o projeto 2012 – GS se defende através de anônimo petista com trânsito no governo estadual para dizer que apenas foi formalizada uma situação que pendia desde janeiro com a saída de Ariadne, como revela O TROMBONE de quinta 16 (“Sem Digitais”).

Respingos incômodos II

Estranha é que Ariadne deixou o cargo em janeiro e o Governo levou seis meses para “legitimar” uma função que já era respondida por quem de direito na estrutura do órgão.

E nesse meio tempo, se a indicação era ou é de Geraldo por que não fez ou faz?

Detalhe: a versão de que Nanda assumiria o SAC não é recente.

Limpando as gavetas

Militante de coturno, referência de geraldista, Nildinha deixa a DIREC-Itabuna para abrir espaço ao PCdoB. Visando desmontar diretamente o PCdoB, Geraldo Simões sacrifica amigos e correligionários até a última gota de sangue.

A participação no bolo da conquista, no entanto, só a ele pertence.

Abrindo armários

A caça ao PCdoB encetada por Geraldo Simões se aprofunda, natural e legítima. O método para o “assédio” não traduz, no entanto, a tradição petista. Jogando pesado, com propostas às vezes indecorosas. Dinheiro não seria problema, talvez transportado em “caixas de sapato” para lembrar o que dele disse certo político local, hoje íntimo do deputado.

GS traduz nesse instante da existência uma paródia do rei Midas. Aquele desejou e conseguiu transformar o que tocasse em dinheiro; Geraldo, o que tocar com o dinheiro.

O fim de Midas o sabemos; o de Geraldo, ainda não. A fonte do “toque” de Midas, o deus Baco, agradecido pelo que fizera a Sileno, seu pai; a de Geraldo só Deus o sabe!

E certamente não será a punição de Apolo.

Abrindo gavetas

A ser mantida a linha de promessas, todos os que pretendam uma vaga na Câmara Municipal e descobrirem em Geraldo o “caminho” de Compostela, terão campanha custeada. A mímica de seus intermediários argumenta e se faz esfregando polegares e indicadores nervosos. Parece que o político “descobriu” que dinheiro é tudo, não mais o discurso e a coerência.

Caso cumpra o prometido cabe descobrir a fonte milagrosa. Caso não o cumpra, a punição de Apolo a Midas.

Lastimável

O precaríssimo atendimento cartorial em Itabuna, emblematizado no vexame por que passam os que buscam reconhecer firmas e autenticar no Tabelionato de Notas faz das comarcas próximas o alvo da procura por um mais rápido atendimento. Algumas se desdobram em qualidade. Outras lutam para aproximar-se da caótica itabunense. Caso de Itajuípe. Cartazes espalhados pelo fórum até regulamentam a prestação dos serviços forenses.

Testemunhamos a indignação e mesmo o choro dos mais necessitados, quando procuram o que lhes é assegurado em lei. Uma senhora, por exemplo, na quinta 16, carecia do original de uma certidão de nascimento para viabilizar programa social e depois de esperar fora-lhe recomendado retornar na terça-feira, dia fixo programado (pelo cartório) para tal desiderato. Vendo o risco de perder ou retardar o benefício brotaram-lhe as lágrimas do desespero. O pranto sofrido – doloroso quadro de quem vive a via crucis da insensibilidade custeada pelo dinheiro do povo – foi agraciado com a possibilidade de ser atendida, desde que aguardasse.

Por volta das 10h40min, ainda enxugava as lágrimas e... aguardava.

Escárnio I

Para sentirmos a dimensão da prestação de serviços naquele fórum em várias paredes estão afixados os dizeres: “Aqui nada é urgente, porque urgente é tudo aquilo que você deixou pra (SIC) última hora, e não é o cartório que deve compensar o seu atraso”.

A pérola remete ao anedótico de imaginar-se que alguém avisasse que morreria proximamente para não deixar “pra última hora” o registro do óbito, como reservar senha para reconhecer a firma de um contrato que ainda não celebrado.

Não podemos imaginar é que ditos dizeres não sejam do conhecimento dos magistrados que respondem pela comarca.

Escárnio II

Da a entender que em Itajuípe o “cartório” não é serviço público, é FAVOR. Não descuramos de, no futuro, a manter-se a aberração, ser afixado o seguinte cartaz: Óbito, nascimento, registro, autenticação e reconhecimento de firma: AGENDE COM ANTECEDÊNCIA.

Celeridade

A propósito, a pessoa que denuncia os fatos, para registrar e reconhecer uma firma, ainda que portadora da senha n. 11, deixou as dependências do fórum às 10h38min.

E deu sorte. Como determinado em Portaria o expediente para o público só vai das 8 às 12 horas.

Resgate

O registro de Manoel Bomfim Fogueira a Oscar Ribeiro Gonçalves – “O Jequitibá da Taboca – 1849 a 1960” – sai em 2ª, pela Editus, com revisão, atualização, introdução e notas de Janete Ruiz de Macedo e João Cordeiro de Andrade.

O relançamento da Editus, em parceria com a FICC, correu na sexta 17, na Biblioteca Municipal Plínio de Almeida, em Itabuna.

Lá e cá

Rosemberg Pinto entrega a DIREC-14 (Itapetinga) ao PDT de Itarantim. Geraldo Simões – ainda que não tenha “digitais” na nomeação/designação de Nanda Galvão – agracia carlistas, soutistas, borgistas em Itabuna.

Lá como cá, o poder pelo poder. E a militância às favas!

A turma do Barão de Drumond em alta

Geraldo Simões, em Itabuna, quer um quadro do bicho para vereador; Lenildo, em Ibicaraí, pretende-o para vice.

Interessante que, em passado não tão distante, GS recusava contribuição para a campanha se tivesse como fonte o jogo do bicho.

O tempora o mores.

Itororó

A cidade é referência em festejos juninos há 23 anos, amparada na inigualável carne de sol, o motivo central do evento.

Esse primor tem uma referência histórica: Quincão. Que desenvolveu o formato de fazê-la e servi-la, há 36 anos.

“Geraldo Simões mira o PP”

A matéria no “Políticos do Sul da Bahia” de segunda 13 fala da aproximação/negociação entre PT e PP, em tratativa para sacrifícios mútuos envolvendo as eleições de 2012. No fundo, uma solução que atende mais aos interesses de GS em Itabuna, leia-se, candidatura de Juçara Feitosa, esposa do deputado.

Mas, a propósito da matéria, considerando o lide, o que ali faz Ruy Machado, com foto e tudo? 

Falta acordar

gs ppsNo anedotário futebolístico envolvendo Garrincha há o registro de uma indagação do craque ao técnico Feola, durante preleção antes de um jogo, na Copa de 1958, na Suécia: “já combinou com os gringos, ‘seu’ Feola?”

Nessa história de Geraldo Simões tentar sacrificar o PT de Ilhéus para beneficiar o itabunense, leia-se GS/Juçara, está faltando saber se a turma de Josias Gomes concorda.

Talvez GS controle o Diretório ilheense, como em Itabuna.

Se for por aí tudo certo!

Dize-me com quem andas

Essa de Marina Silva deixar o PV e filiar-se ao PPS mais parece ilação para “Samba do Crioulo Doido”. Stanislaw baixando em centro espírita para ditar novo sucesso.

Sérgio Brito

O deputado Sérgio Brito pode ocupar os holofotes muito brevemente. Como relator dos casos que envolvem denúncia contra Jair Bolsonaro no Conselho de Ética da Câmara dos Deputados.

Bolsonaro utilizará a repercussão do processo e será atração na mídia nacional.

Sérgio na cola de Bolsonaro, que segundinho de televisão não é para qualquer um!

Entrelinhas I

Eduardo Anunciação, no estilo que o caracteriza, escreveu no Diário Bahia: “Wenceslau Júnior é um dos pretendentes a Prefeitura de Itabuna, prefeiturável, como está vereando, é vereador, PCdoB. Ele (Wenceslau Júnior), vitaminado de muita habilidade, de muita capacidade, de muita astúcia, vai descobrindo que neste chão não existe esquerda, direita, centro, mas prisioneiros, escravos de interesses financeiros, de um projeto de poder. Sob este ângulo, direção, só saudades da coerência de Nelito Carvalho, Hélio Pitanga e outros”. 

Dura lição do mestre, água fria na fervura dos idealistas. Não pela juventude de Wenceslau (que já compreendeu, como o diz Eduardo), mas dos meninos que anseiam ou sonham ingressar na política para servir.

Entrelinhas II

Na lúcida lição do decano do colunismo político de Itabuna a dolorosa e cruel realidade: quando diz que “neste chão não existe esquerda, direita, centro, mas prisioneiros, escravos de interesses financeiros, de um projeto de poder” Eduardo afirma que muitos de seus ex-amigos e amigos tornaram-se iguais.

De Fernando Gomes a Geraldo Simões.

Niemayer

De estarrecer: a casa construída por Gileno Amado, onde residiu, à margem direita da Itabuna-Ilhéus, recentemente derrubada, era um projeto de Oscar Niemayer.

Como sói acontecer com as coisas do capitalismo, derrubar é sempre melhor que preservar.

Escândalo

Não sabemos a quantas anda o escândalo denunciado neste O TROMBONE envolvendo a FICC e o escabroso e amador expediente utilizado para privilegiar pessoa previamente escolhida para receber mensalmente 1.500 reais enquanto os demais vis mortais terão 650 reais. (VER)

Temos informação de que o presidente Cyro de Mattos já afirmou que não subscreveu o Edital e que estaria buscando junto a Procuradoria-Geral do Município apurar o crime praticado.

Confissão

A edição do “Cultura em Ação nas Terras do Sem Fim”, ano I – nº 01, datado de abril de 2011 e circulando em junho, é uma confissão não só da vaidade e da apropriação da instituição para o projeto individual de Cyro de Mattos, como denunciam muitos (dezenas de citações de seu nome e quase duas dezenas de fotos): é típica confissão do muito pouco realizado pela FICC.

Dois anos e meio de administração para o que ali está registrado. Expediente, marca e fotos ocupam cerca de 5 de suas 12 paginas. E dentre as “realizações” o lugar comum da instituição, como cursos etc. Muitas das atividades mostradas como de iniciativa da FICC na realidade o são de particulares que dela recebem migalhas sob a condição de inserir o nome daquela que deveria ser o centro de incentivo da cultura itabunense. Tanto que trabalhos densos como o realizado pela ACODECC, de Ferradas, não são relacionados.

Muito pouco de realização para muito de fotografia do “premiado no Brasil e no Exterior”.

Battisti

Temos assumido posição em relação ao caso Battisti que contraria o lugar comum do noticiário. Sem proselitismos o fazemos, amparado apenas em não aceitar como verdade axiomática a versão e os interesses defendidos por uma parcela da imprensa nacional. Particularmente, a de atribuir ao ex-presidente Lula a (ir)responsabilidade por sua permanência no País, desfocando a juridicidade que alimentou a decisão política do governo brasileiro, legitimamente amparada no Tratado de Extradição entre o Brasil e a Itália.

Disponibilizamos algumas fontes: no Luis Nassifi OnLine no www.advivo.com.br de quarta 15, sob o título “O Caso Cesare Battisti na Revista Piauí” o texto de Mario Sérgio Conti “À Espera”, que aliaríamos a outros, dentre eles “A Farsa Italiana”, de Sebastião Néry, no www.tribunadaimprensa.com.br de segunda 13.

Também oferecemos um resumo de “Os Cenários Invisíveis do Caso Battisti – Por que a Extradição de Battisti Seria um Crime de Lesa Humanidade”, de Carlos Alberto Lungazzo, membro da Anistia Internacional dos Estados Unidos, em https://sites.google.com/site/lungarbattisti/resumo-do-livr e/ou  cenarioinviscasobattisti.pdf

Uma contribuição para a formação de um juízo de valor sobre o caso, com mais racionalidade e menos informação apaixonada ou político-partidarizada.

Viola em dois tempos

A viola de 10 cordas, alcunhada “caipira” – há na expressão certa carga de preconceito – muitas vezes não é encarada em dimensão erudita. Em que pese mestres como Tião Carreiro, Almir Satter e Renato Teixeira expressarem o que há do melhor que chega ao público, em contribuição para a construção de um salutar código apriorístico.

Oferecemos hoje dois instantes ímpares pelas circunstâncias: o primeiro, o erudito trabalho de Sidnei Oliveira em “Esplendor”; o outro, do conjunto “Os Incríveis”, em plena efervescência da Jovem Guarda, em 1967, com “Vendi os Bois”. (Os Incríveis fizeram com essa peça, sem proselitismos, o que Caetano fez com “Alegria, Alegria”: ruptura para contribuir com uma nova dimensão estética para música brasileira. Caetano repercutiu, Os Incríveis, não).

Dois instantes, distintos e significativos, para a “viola caipira”, não tão caipira assim.

Cantinho do ABC da Noite

cabocoImaculada manhã de sábado amplia o motivo da obrigação. De todas as vertentes acorre a freguesia fiel insinuando dia muito especial. Conversas variadas, assuntos atropelando-se. Cabôco Alencar, atento e diligente, desdobra-se.

Um tema concentrou maior atenção: a cidade de Itabuna e o amor dos que ali estavam pela terra que os acolhera ou os fizera nascer, o que motiva vaidoso comentário:

– Eu moro aqui há mais de vinte anos!

A verve alencarina não perde a deixa:

– Não tarda completar a pena máxima, Cabôco.

_________________

Adylson Machado é escritor, professor e advogado, autor de "Amendoeiras de outono" e " O ABC do Cabôco", editados pela Via Litterarum

Acesse com seus dados:

ou
Ainda não tem acesso?
Registre-se em nosso Blog.