CMVI

Tag: governadores

Rui diz que Reforma não pode ser discutida em tom de palanque eleitoral e garante fidelidade aos mais pobres

Domingos Matos, 14/06/2019 | 15:31

"Não vamos trair o povo mais pobre por pressão ou chantagem". A frase de Rui Costa foi publicada nas redes sociais do governador, na manhã desta sexta-feira (14), em texto que responde às declarações dadas ontem pelo também governador João Doria, de São Paulo. O gestor paulista criticou a atuação dos chefes do executivo do Nordeste a respeito da Reforma da Previdência.

"Existe um ponto que precisa ficar muito claro: a Bahia trabalha e torce para que o País dê certo. E eu tenho certeza de que o Nordeste também. A reforma precisa ser boa para os estados e proteger os mais pobres. Os governadores do Nordeste participaram de várias reuniões e continuam abertos para novas discussões, mas não baixarão a cabeça ou aceitarão qualquer tipo de chantagem ou pressão. A previdência é um assunto sério e não pode ser discutida em tom de palanque eleitoral ou mesmo com preconceito. O Brasil é um só. Nossa atitude não é de traição ao povo mais pobre", disse Rui no post publicado em todas as suas redes sociais.

 

Em Fórum de Governadores, Rui deixa claro que texto atual da reforma da previdência não agrada a Bahia

Domingos Matos, 11/06/2019 | 11:42

A reforma da previdência acalorou o clima da quinta reunião do Fórum de Governadores, nesta terça-feira (11), em Brasília. O governador Rui Costa se colocou à disposição do presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, presente no encontro, no sentido de construir um acordo com os deputados para o avanço da votação, desde que sejam retirados do projeto enviado pelo governo Bolsonaro temas já explicitados pelo Consórcio de Governadores do Nordeste. Rui enfatizou que o texto atual não é bom para a Bahia e, se for mantido, defende que o estado seja excluído da reforma. “Com este texto que está aí eu fico contra, porque é prejuízo para a Bahia e com isso eu não posso concordar”, manifestou o governador baiano. 

Ele fez as contas do impacto do texto atual nas finanças da Bahia. Em seu entendimento, uma reforma da Previdência é urgente e necessária, mas deve ser justa e com ajustes que realmente ajudem os estados a sair do vermelho. A reunião do Fórum de Governadores segue até o meio-dia com a representação de todos os estados, o presidente da Câmara e também o relator da reforma da Previdência, deputado Samuel Moreira.

 

 

Rui cobra do Governo Federal apoio para PPPs e concessões nos Estados

Domingos Matos, 28/05/2019 | 13:37
Editado em 28/05/2019 | 16:01

O governador Rui Costa participou, na manhã desta terça-feira (28), em São Paulo, de um fórum sobre Parceria Público-Privada (PPP) e concessões, promovido pela revista Exame, com a participação de 11 governadores do Brasil. Rui salientou que a Bahia é exemplo de PPPs bem sucedidas, citando o metrô, hospitais do Subúrbio e Couto Maia, diagnóstico por imagem, Fonte Nova, entre outros.

O governador deixou claro que o Estado da Bahia continuará neste caminho, buscando novos investimentos privados. Ainda na mesa de debate, Rui voltou a citar o VLT do subúrbio e a ponte Salvador/Itaparica como projetos que despertam a atenção da iniciativa privada. "É importante destacar, no entanto, que os desafios enfrentados pelos Estados para alcançar esses resultados passam, principalmente, por ofertar fundos garantidores para atrair mais investimentos. Penso que o Governo Federal deve apoiar os Estados nesses projetos", ressaltou.

Em São Paulo, Rui Costa apresenta experiências em PPPs na Bahia

Domingos Matos, 27/05/2019 | 18:31

O desempenho da Bahia em Parcerias Público Privadas, as chamadas PPPs, será apresentado pelo Governador Rui Costa nesta terça-feira (28), em São Paulo. O chefe do executivo baiano é um dos convidados da terceira edição do Fórum PPPs e Concessões, realizado anualmente pela revista EXAME. Na mesa de debate com Rui estarão os governadores Ratinho Jr. (Paraná), Wellington Dias (Piauí) e Eduardo Leite (Rio Grande do Sul).

Participam do evento especialistas, empresários e governadores de outros nove estados: São Paulo, Minas Gerais, Amazonas, Pará, Maranhão, Mato Grosso do Sul, Santa Catarina, Espirito Santo e Alagoas.

Rui desembarcou na capital paulista nesta segunda (27) e concedeu entrevista à Record News. A conversa com o governador baiano será exibida pelo canal na quarta-feira (29), às 22h. Além destes compromissos, Rui ainda participa de outras reuniões e entrevistas na cidade. 

A Bahia se tornou referência nacional em PPPs após experiências bem sucedidas como o metrô de Salvador/Lauro de Freitas, Arena Fonte Nova, dois grandes hospitais (Subúrbio e Couto Maia) e exames de diagnóstico por imagem. Outros projetos a serem executados no estado também neste modelo são o VLT do Subúrbio, Ponte Salvador-Itaparica e a ampliação da Linha 1 do metrô em Salvador.

 

Governadores de 13 estados e do DF divulgam carta aberta contra decreto de armas

Domingos Matos, 21/05/2019 | 16:42

Rui Costa está entre os 13 governadores que assinaram uma carta contra o novo decreto de Regulamentação de Armas e Munições, do presidente Jair Bolsonaro. No documento, os chefes do Executivo de 12 estados e do Distrito Federal manifestam sua preocupação com a flexibilização da atual legislação do controle de armas e munições.

Para os signatários da carta, os problemas de segurança registrados no país são um entrave ao seu desenvolvimento social e econômico. Na sua avaliação, o acesso facilitado a armas e munições, que podem ser usadas de forma ilícita, impõe um desafio ainda maior ao enfrentamento e combate à violência.

A argumentação dos governadores é que, em vez de aumentar a segurança, a flexibilização no controle das armas tende a aumentar os índices de violência no país.

Além do governador baiano, também assinam o documento o chefe do Executivo dos estados do Maranhão, Piauí, Pernambuco, Ceará, Paraíba, Espírito Santo, Rio Grande do Norte, Alagoas, Sergipe, Amazonas e Tocantins, assim como o do Distrito Federal.

 

 

Rui defende aproximação Norte e Nordeste e pede apoio para Frente Parlamentar das regiões

Domingos Matos, 24/04/2019 | 07:03

O governador Rui Costa aproveitou a agenda em Brasília para estimular a aproximação do Nordeste ao Norte. Os governadores dos estados das duas regiões, em encontro na tarde de terça-feira (23), em Brasília, planejaram trabalho conjunto, a exemplo do Consórcio do Nordeste, cujo presidente é o governador da Bahia. "No Consórcio [do Nordeste], vamos trabalhar em rede. Queremos entrar com uma série de compartilhamentos e uniformidade de dados", explicou Rui. 

A largada dada pelo Nordeste tem reflexo na organização do Consórcio Interestadual da Amazônia Legal, formado pelos estados do Acre, Amapá, Maranhão, Mato Grosso, Pará, Rondônia, Amazonas, Roraima e Tocantins. A ideia é buscar soluções conjuntas e parcerias entre os dois consórcios. 

 

Frente Parlamentar de Defesa do Norte e Nordeste

A iniciativa de aproximação não está apenas no âmbito do Executivo. O governador da Bahia adiantou que o Legislativo está fazendo o mesmo. Uma das agendas de Rui na capital do país foi com os senadores que preparam o lançamento da Frente Parlamentar de Defesa do Norte e Nordeste para esta quarta-feira (24). 

O governador informou aos colegas que esteve com os senadores da regiões e que sensibilizou os parlamentares sobre a necessidade de apoio ao pacote de medidas anunciado mais cedo pelo Fórum Nacional de Governadores. "Precisamos de desenvolvimento regional e nós mesmos podemos fazer isso, juntando forças. Temos a maioria no Senado", argumentou Rui ao contabilizar 48 senadores do Norte e Nordeste. 

 

Me orgulho de ser o governador que mais investiu em Segurança Pública, diz Rui

Domingos Matos, 01/01/2019 | 21:30

Ao pontuar as ações desenvolvidas na área da Segurança Pública na Bahia, durante cerimônia de posse, nesta terça-feira (1º), o governador Rui Costa afirmou que é preciso construir um modelo de intervenção que interrompa o ingresso dos jovens no mundo do crime. “Me orgulho de ser o governador que mais contratou policias e que realizou os mais robustos investimentos em Segurança Pública, em apenas quatro anos. Estamos fazendo a nossa parte, para garantir um melhor cenário para os baianos, principalmente entre os nossos jovens. Temos um conjunto de programas e ações que ofertam educação formal, profissional e cultural, com a construção de espaços desportivos nas escolas, a valorização dos laços humanos de convivência e oportunidades concretas de ingresso no mundo do trabalho. Assim, estamos conseguindo bons resultados no combate à violência e à criminalidade”, revelou.

A redução de 28,5% da taxa dos crimes violentos letais intencionais (CVLI’s) na Bahia foi mencionada pelo governador. “Essa é uma redução bastante significativa em termos relativos de taxas. Mas ainda não estamos satisfeitos. Os patamares ainda são altos e não podem ser resolvidos apenas com esforços do Estado”, argumentou.

Rui Costa defendeu, mais uma vez, que é preciso pensar as conexões nacionais deste problema, que extrapolam as fronteiras dos estados. “O enfrentamento do crime organizado, do tráfico de drogas e das suas conseqüências obriga a uma mudança de concepção e de metodologia de ação, articulada a uma política nacional de inteligência e de segurança pública que oriente o uso da força, propriamente dita. É isso que todos nós, governadores de estado, estamos esperamos. Não posso concordar com a distribuição de armas, em um país onde morrem tantos jovens, como se isso fosse trazer a paz. A arma, infelizmente, é necessária, mas apenas para quem cumpre a função de Estado.”, concluiu.

Novos convertidos

Domingos Matos, 30/06/2017 | 00:13
Editado em 30/06/2017 | 00:29

Por Domingos Matos

Quem é protestante sabe. Mesmo quem não o seja, mas que se preocupe minimamente em observar a vida ao seu redor, ao se deparar com um chamado “evangélico” trajando vistosos ternos e portando um exemplar da Bíblia Sagrada em tamanho desproporcional à idade/acuidade visual, logo imagina: “eis um novo crente”. Como tudo que é novo tende ao extrapolo, da conversão religiosa ao namoro, a conversão política também salta aos olhos pelo exagero típico.

Isso pode ser comprovado na visita que o governador Rui Costa fez a Ilhéus e Itabuna. Na Terra de Gabriela, aonde primeiro chegou para vistoriar a ponte e entregar obras e convênios, foi recebido por uma típica comitiva de novos convertidos. À frente da missão, gravata vermelha, ninguém reconheceria o prefeito de Itabuna, fernando Gomes, se não soubesse – ou deduzisse – de sua condição de neo petista.

Prudentes dirão que é “apenas” um novo costista, um adepto do governador Rui Costa, dependente que sempre foi de governadores estaduais em seus infindáveis mandatos como prefeito de Itabuna. Mas aquela gravata vermelha não era sem motivo. Não demora será filiado – por Salvador – no Partido dos Trabalhadores.

Para reforçar esse entendimento, outro sinal, pouco discreto, emitido pela figura mais emblemática da direita itabunense – visto que Fernando tem esse lado governista que não lhe confere uma identidade ideológica permanente – Maria Alice Pereira ostentava um conjunto vermelho.  Vermelho mesmo, como muitos petistas nem vestem, justo por serem petistas, e não neo petistas. Claro, era para afirmar nas imagens, que sabia que circulariam pelas redes, a sua disposição à futura filiação. Mera formalidade, já que se considera petista (de Salvador) de primeira hora.

(Mas esse blogueiro se orgulha – humildemente – de ter feito a melhor sequência de imagens para traduzir tudo o que vai escrito até aqui. Elas podem ser conferidas ao final do texto).

Não se sabe, pela impossibilidade natural, se Deus fica contente com os novos convertidos na medida dos exageros que esses cometem, ou se prefere o low profile dos crentes antigos. Mas, em termos mundanos e políticos, esses novos fieis foram um regozijo para o líder. Tanto que Rui Costa confirmou publicamente o que muitos acreditavam ser um blefe fernandiano, como tantos outros até confessados pelo próprio: o governador vai participar do aniversário do prefeito, nessa sexta-feira.

O “culto” da quinta-feira (28) em Ilhéus teve esse enredo, senhores. Uma romaria, novos convertidos louvando fervorosamente e comportando-se de maneira exagerada na adulação. Porém, tudo movido por um sentimento nada ecumênico e pouco recomendável para espíritos superiores, como diria o papa do ateísmo (Nietzsche): a vingança.

Irmandade mais volátil, impossível.

_____________

Domingos Matos é jornalista e blogueiro, editor de O Trombone

Rui Costa participa de reunião de governadores em Brasília

Domingos Matos, 30/05/2017 | 19:27

O Governador Rui Costa e outros 17 governadores estão reunidos hoje, em Brasília, para discutir assuntos de interesse comum e buscar saídas para a crise que também afeta os Estados. Na pauta, temas como o projeto que regulariza os incentivos fiscais concedidos à empresas e que será votado hoje na Câmara dos Deputados e a situação política do país.

Participam do encontro os governadores de São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais, Espirito Santo, Pernambuco, Ceará, Alagoas, Piauí, Sergipe, Rio Grande do Norte, Paraíba, Goiás, Distrito Federal, Mato Grosso do Sul, Tocantins e Acre. Pela manhã, antes do encontro nacional, Rui e os outros oito governadores do Nordeste fizeram um encontro reservado e preparatório para o encontro nacional.

Governadores do Nordeste divulgam carta após encontro na Bahia

Domingos Matos, 11/05/2017 | 15:52

Após realização da oitava edição do Encontro de Governadores do Nordeste, nesta quinta-feira (11), em Salvador, os gestores divulgaram uma carta aberta em coletiva de imprensa. Participaram do encontro o governador da Bahia, Rui Costa; o governador de Alagoas, Renan Filho; o governador do Ceará, Camilo Santana; o governador do Maranhão, Flávio Dino; o governador da Paraíba, Ricardo Coutinho; o governador do Piauí, Wellington Dias; o governador do Rio Grande do Norte, Robinson Faria; e o vice-governador de Sergipe, Belivaldo Chagas.

Leia o conteúdo na íntegra:

Wagner: Câmara ameaça 30 anos de democracia

Domingos Matos, 17/04/2016 | 23:54

Do Brasil 247

O ministro Jaques Wagner, chefe de gabinete da presidente Dilma Rousseff, afirmou, em nota, que a aprovação do processo de impeachment pela Câmara dos Deputados, na noite deste domingo 17, "foi um retrocesso". "De modo que a decisão da Câmara dos Deputados ameaça interromper 30 anos de democracia no país".

O processo segue agora para o Senado. "Confiamos nos senadores e esperamos que seja dada maior possibilidade para que ela apresente sua defesa, e que lhe seja aplicada justiça", acrescentou o ministro. Para Wagner, a votação deste domingo "foi uma página triste virada pelos deputados".

Leia abaixo a íntegra de sua nota, divulgada logo após a decisão:

"Foi um retrocesso a instauração de processo de impeachment contra a Presidente da República, Dilma Rousseff, eleita por 54 milhões de votos e sem nenhum processo e crime de responsabilidade. De modo que a decisão da Câmara dos Deputados ameaça interromper 30 anos de democracia no país.

Caberá ao Senado processar e julgar a presidente Dilma, que continua no cargo até o final do julgamento. Confiamos nos senadores e esperamos que seja dada maior possibilidade para que ela apresente sua defesa, e que lhe seja aplicada justiça. Acreditamos que o Senado, que representa a federação, possa observar com mais nitidez as acusações contra a presidenta, uma vez que atingem também alguns governadores de estado.

Foi uma página triste virada pelos deputados que concordaram com argumentos frágeis e sem sustentação jurídica do relatório do deputado Jovair Arantes.

Digo que é um retrocesso porque se trata de um impeachment orquestrado por uma oposição que não aceitou a derrota nas últimas eleições, e que não deixou a presidenta governar, boicotando suas iniciativas e a retomada do desenvolvimento do país.

Os deputados fecharam os olhos às melhorias dos últimos 12 anos, aos avanços, à inclusão social, índices históricos de crescimento econômico e à redução da pobreza".

Jaques Wagner

Rui defende que governo federal autorize empréstimos

Domingos Matos, 22/03/2016 | 17:22
Editado em 22/03/2016 | 17:26

Diante da necessidade urgente de retomar o crescimento dos estados, o fórum de governadores se reuniu novamente em Brasília, na residência oficial do governador do Distrito Federal, Rodrigo Rollemberg, para discutir medidas que possam estimular o desenvolvimento e a geração de emprego nos estados.

De acordo com o governador da Bahia, Rui Costa, o encontro desta terça-feira (22) permitiu a rápida análise do pacote fiscal anunciado pelo ministro da Fazenda, Nelson Barbosa, na segunda (21), com ênfase nas propostas que têm reflexo direto no caixa dos estados.

A prorrogação da dívida dos estados com a União por 20 anos, com o desconto de 40% na prestação das parcelas durante dois anos, a renegociação da dívida dos estados com o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e a criação de fundo de previdência estadual foram os destaques.

Rui Costa defendeu mais uma vez a liberação de empréstimos como uma medida necessária para o desenvolvimento da Bahia e assinalou que seguirá com o pleito junto ao governo federal, a quem cabe a autorização. O Estado da Bahia tem feito as economias necessárias e possui limite de endividamento de mais de R$ 4 bilhões.

Ainda nesta terça (22), os gestores vão conversar com lideranças do Congresso Nacional, onde tramitará a maior parte das propostas anunciadas no pacote fiscal. Participam da agenda em Brasília 22 representantes dos estados, entre governadores e vices.

Presidente Dilma veta plano para reduzir homicídios

Domingos Matos, 30/12/2011 | 15:27
Editado em 30/12/2011 | 18:17

A presidente Dilma vetou por tempo indeterminado a elaboração do plano de articulação nacional para reduzir homicídios, um dos pilares da política de segurança pública anunciada pelo ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, no início do ano.

A decisão surpreendeu e irritou integrantes do Conselho Nacional de Segurança Pública (Conasp) que acompanham a escalada da violência no país. “O Brasil tem o maior índice de homicídios do mundo em termos absolutos – quase 50 mil por ano, 137 por dia – e o sexto quando o número de assassinatos anuais é comparado ao tamanho da população”.

Em janeiro, ainda embalado pelo ritmo da campanha do ano passado, Cardozo anunciou que buscaria um pacto com os governadores, inclusive com os da oposição, para preparar um grande plano de combate à violência.

Em maio, depois de longos meses de discussões internas, um representante da Secretaria Nacional de Segurança Pública chegou a apresentar o esboço do plano numa reunião do Conasp.

A proposta seria enviada ao Palácio do Planalto e depois anunciada formalmente como o plano do governo federal para auxiliar governos estaduais a reduzir crimes de sangue.

Mas, depois de passar pela Casa Civil, o plano foi discretamente engavetado. No Conasp circula a informação de que a proposta foi vetada pela presidente Dilma Rousseff.

A presidente teria orientado o Ministério da Justiça a concentrar esforços na ampliação e modernização do sistema penitenciário, no combate ao crack e no monitoramento das fronteiras, áreas em que o governo tem papel primordial, conforme a Constituição.

Planos específicos de combate a homicídios estariam a cargo dos governos estaduais. (Com informações de “O Globo”).

DE RODAPÉS E DE ACHADOS

Domingos Matos, 25/12/2011 | 18:03
Editado em 26/12/2011 | 09:41

AdylsonQuando o tema se esgota em si mesmo, um rodapé pode definir tudo e ir um pouco além.  

Adylson Machado

                                                                              

Homenagem ao baiano desconhecido

A Associação Brasileira de Imprensa promoveu ato de homenagem ao centenário de nascimento de Edmundo Moniz, no dia 12 de dezembro.

Baiano de Salvador, filho do ex-governador e senador Antônio Ferrão Moniz, professor de história e de filosofia, criador do Teatro Nacional de Comédias, naturalmente “afastado” do Brasil pela ditadura militar implantada em 1964 pelo crime de haver trabalhado com Juscelino Kubitschek e João Goulart – não fora o crime de pensar pelo marxismo – Edmundo Moniz nos deixou várias obras, das quais destacamos, em visão eminentemente pessoal, “A Guerra Social de Canudos” (Civilização Brasileira – 1978), uma desmistificação da propaganda oficial em relação ao “fanático” (nada fanático) Antônio Conselheiro.

“A Guerra Social de Canudos” inspirou e forneceu elementos históricos para “A Guerra do Fim do Mundo”, de Vargas Llosa e contribuiu, sem busca de louros, para as pesquisas que alimentaram nosso “Amendoeiras de Outono”.

Da libertação...

Há 40 anos era lançado “Teologia da Libertação. Perspectivas” (Vozes), pelo dominicano peruano Gustavo Gutiérrez, hoje com 83 anos, tido como o ato teórico de fundação do movimento teológico mais importante ocorrido na América Latina.

Fundada na opção de Deus pelos pobres, evidentemente renovou a mensagem cristã da Igreja Católica, em momento político adverso na AL. De logo recebeu o estigma de leitura marxista do cristianismo, enfrentada pelos regimes autoritários que passaram a perseguir seus defensores.

As Comunidades Eclesiais de Base, no Brasil, tornaram-se força viva e atuante na divulgação da práxis cristã, alimentando ações concretas de mostrar que o Reino de Deus também se fazia na terra (e não o fazia sob o entendimento de Max Weber). A solidariedade era a tônica.

...à alienação

Mas, hoje, para tristeza e desencanto, a Igreja Católica deixou de lado a Teologia da Libertação e passou a duelar com o pentecostalismo protestante exercitando o seu, com os carismáticos.

Que andam vendendo até areia e água do rio Jordão. Não propõem “lascas da cruz de Cristo” porque Edir Macedo esgotou o estoque.

Golpe contra a economia popular

Acesso dos Estados Unidos ao etanol produzido no Brasil, vítima de barreira alfandegária estadunidense há décadas. Festa para usineiros.

Que Deus tenha pena piedade dos que compram carro movido a etanol.

A não ser que os convertam para gasolina, os que não os tenham flex.

Profecias

Anuncia-se o fim dos tempos para 21 de dezembro de 2012, relatam intérpretes dos textos maias, denominados simplesmente “profecia maia”.

Para os tucanos, em particular a turma de José Serra, a profecia se confirmará caso a CPI da Privataria seja instalada.

O que pode acontecer justamente no ano fatídico: 2012.

Confissão

No embate CNJ x STF vai ficando claro o que representa o posicionamento da Ministra Eliane Calmon, ora Corregedora do Conselho Nacional de Justiça, no enfrentamento à corporativa expressão do Supremo Tribunal Federal na defesa de que juízes somente sejam alcançados pelas apurações do CNJ depois de exauridas as instâncias internas do Judiciário, ou seja, de suas próprias Corregedorias.

Imaginando que engana o cidadão, o Ministro Marco Aurélio deferiu liminar inviabilizando a atuação do CNJ em tal mister, atendendo a pedido de entidade classista da magistratura. Leva o Ministro, à população que lhe paga os polpudos vencimentos, o desenrolar de um filme que terá por fim a conscientização da população que levará à desmoralização do Judiciário, como um todo, em que pese os defeitos pessoais o serem de alguns, talvez não tão gatos pingados assim, tamanha a mobilização classista encampada pelo Ministro.

No frigir dos ovos, o povo dará razão à Ministra Eliane Calmon.

Credibilidade em cheque

Quando o CNJ surgiu, ainda que mutilado diante de sua proposta original, visto que a participação da sociedade civil ficou limitada e reduzida, foi tido como um sopro de esperança no sentido de que não deveria existir num Estado de Direito um superpoder, alijado de fiscalização.

E o foi justamente porque as Corregedorias locais não conseguiam traduzir sua plena função, alimentando o corporativismo em suas apurações.

O embate em andamento põe a credibilidade do Judiciário em cheque.

Espírito natalino

Ficamos comovido com o espírito natalino do comércio local. Não sabemos se reflexo da bondade do empresariado nacional. Apenas registramos.

O consumidor percebeu, de logo, nas compras em supermercados, considerável aumento nos preços. Uvas pretas, pouco antes da semana natalina, custavam pouco mais de 9 reais. No Natal, o espírito cristão do Itão, por exemplo, as elevou para 12,98 reais. Quase 4 reais de diferença.

Natal solidário

Expressão bela, redundante para o espírito que norteia o dezembro a cada ano. O mínimo que se espera é que o Menino Deus seja compreendido em tal dimensão. Que custa menos na material, e mais na ética e na moral.

E viu-se pelos cantos do comércio local o chamamento ao reclamo natural, cristão. Dentre outros, proclamado e convocado pela Justiça do Trabalho local.

Esqueceram de avisar aos advogados. Ou fazer com que eles participassem da efeméride. Concretamente.

A greve da especializada completa neste dezembro seis meses, iniciada que foi em 1º de junho do corrente.

Os advogados esperam, em 2012, que a JT lhes seja solidária. E nem se fale dos que dependem de ambos (advogado x JT): trabalhadores e empregadores.

Por sinal, a razão da existência da JT.

Outro Natal

A jovem, nascida na véspera do gregoriano nascimento de Cristo, cultiva o hábito – hoje não tão comum – de erigir o seu presépio, como ensinado pela mãe.

Longe o seu, tradicional. Buscou no comércio adquirir um que lhe permitisse manter a tradição.

Para surpresa apresentaram-lhe um, onde só havia o Menino Deus na manjedoura e os três Reis Magos.

Ferida pelo ideário que norteia o natalino hodierno – ou, talvez, vendo o que muitos não veriam – não lhe restou outra reação: “Jesus mercenário”, o desse presépio, que nasce para receber presentes.

Sem pai, sem mãe, sem anjos.

O PMDB e o Natal de Leninha

Não espere Leninha Alcântara presentes do PMDB. Para ela, a indicação do partido à majoritária em 2012, constituía-se uma certeza. Se acontecer o será pelas circunstâncias, diante da fragilidade dos concorrentes internos.

No entanto, a esperança que nutria, de chegar à eleição como candidata, pode ficar para 2016.

Óbvio

A Amélia Amado somente será concluída do imediato do aniversário da cidade em 2012. Não se cuide de apenas questões técnicas como razões para o atraso.

Quem passa pela avenida já vislumbra, em alguns trechos, como ela ficará depois de pronta. E pode imaginar o impacto no imaginário da população local e regional.

Se gerará dividendos eleitorais é outra história.

Azevedo a apresentará como a grande obra de sua gestão. Geraldo Simões (temos que será ele o candidato do PT), o seu idealizador, quando custaria pouco menos de 7 milhões de reais.

Popularidade

Quando especulam as razões por que Geraldo Simões insiste na indicação de sua mulher Juçara Feitosa para prefeita nas eleições de 2012, além da circunstância de que gostaria de permanecer deputado federal como meio de melhor apoiar Itabuna, estaria contrariando o desejo do governador Jaques Wagner de vê-lo (ele, GS) o candidato dele (governador).

Assim, Geraldo estaria enfrentando uma pretensão do governador.

Mas, a considerar a popularidade de Wagner, receber seu apoio pode não ser muito bom, se levarmos em consideração a aprovação do governador na última pesquisa IBOPE.

E Geraldo pode estar enxergando isso.

De estranhar

Não vimos qualquer alusão na blogosfera local que acessamos referências à pesquisa do IBOPE sobre o nível do prestígio do governador Jaques Wagner. Apesar de divulgada na quinta 22 pela Bandeirantes.

A pesquisa, para avaliar a aprovação dos governadores de nove estados, aponta Wagner como o sétimo menos avaliado, em que pese estar em sexto lugar em razão do empate entre Anastasia e Cid Gomes.

Com 49%, atrás de Eduardo Campos (PE), com 89%, Beto Richa (PR), com 64%, Cid Gomes (CE) e Anastasia (MG), com 55%, Geraldo Alckmin (SP), com 54% e Sérgio Cabral (RJ), com 51%.

Jaques Wagner amarga a nada invejável colocação de terceiro pior dentre nove avaliados.

Por quê?

E Ousarme Citoaian, do domingueiro Universo Paralelo no Pimenta na Muqueca, se fez nascer e morrer para o leitor que o seguia. Desfez-se o segredo e todos descobriram Antônio Lopes seu alter ego.

Para os que sabemos quão alegre o ato de escrever e encontrar leitores ficamos com a inquietante indagação: por quê?

Segredo faz sentido enquanto segredo. Não à toa ainda a indagação: por quê?

Com circunflexo ou não? Provocamos, se pudéssemos e tivéssemos o poder de fazê-lo retornar. Pelo menos para responder ao porquê!

Considerando o que vem por aí

ano novoPresente de Natal

Nosso presente de Natal: leia “A Privataria Tucana” e procure responder, através das entrelinhas, por que o PT ajudou a melar a CPI do Banestado.

Aguardando

Continuamos aguardando a divulgação, pelo jornal A Região, dos nomes de “ex-diretores” do HBLEM, “ex-secretários municipais” e “ex-diretores de fundações” itabunenses. O que não exclui os dos “empresários”.

Fazem parte daqueles “25 nomes de Itabuna e Ilhéus”.

Porque é Natal

No rescaldo de Natal, o que fazer para prender o leitor? Imaginamos envolvê-lo com o que é do Natal. E o fazemos com mensagens, como essa interpretação de Maria Bethânia, para “Boas Festas” (acima), que mais fala e interpreta o que quis dizer Assis Valente, e Mercedes Sosa e León Gieco, com um pouco da realidade latina, em “La Navidad de Luiz”, de Edson Joanni.

No mais, “Boas Festas”!

Cantinho do ABC da Noite

cabocoFina-se o expediente. Hora de contas serem levantadas. Alencar, diante de um freguês em que deposita maior confiança, indaga:

– Tomou quantas?

– Essa é a quarta – confirma o aluno.

– Daqui a pouco desce a ladeira... na banguela! – dispara o Cabôco.

_________________

Adylson Machado é escritor, professor e advogado, autor de "Amendoeiras de outono" e " O ABC do Cabôco", editados pela Via Litterarum

DE RODAPÉS E DE ACHADOS

Domingos Matos, 04/12/2011 | 19:31
Editado em 04/12/2011 | 22:17

AdylsonQuando o tema se esgota em si mesmo, um rodapé pode definir tudo e ir um pouco além.  

Adylson Machado

                                                                              

Sobre aquele cheiro estranho no mar

navio celsoEnquanto aquele cheiro estranho no mar da Bacia de Campos ainda rende notícias, acumulando multas para a Chevron (aquela do golfo do México) e que levantou em nós a suspeita de boicote, o Brasil vai (re)ocupando o espaço da construção naval, que em tempos de neoliberalismo tupiniquim – leia-se, PSDB/PFL sob o comando de FHC – fora praticamente extinta.

Com o simbólico batismo de “Celso Furtado” – o economista que tinha o desenvolvimentismo como mola mestra para o Brasil – foi lançado ao mar a primeiro petroleiro dos muitos encomendados pela Petrobrás em estaleiros nacionais.

O pensamento tucano-pefelista não via futuro em gerar empregos no Brasil.

O que divulgam

Novas sanções ao Irã, iniciativa da União européia. A imprensa divulga com todas as letras.

O que não divulgam

O Brasil na linha de frente dos que enfrentam a “ordem mundial” estadunidense-europeia. Mantendo sua histórica linha de atuação, de respeito ao ordenamento internacional e à autodeterminação dos povos. Enquanto ensaiam a invasão do Irã (coisa que Israel anda louco para que aconteça), na reunião dos denominados BRICs (Brasil, Rússia, Índia e China), ocorrida em Moscou no dia 24 consensuou, dentre outros temas, em bloquear a pretensão dos EEUU e da Europa no Oriente Médio, como registra o www.conversaafiada.com.br.

Os dados da reunião, em que pese disponíveis no http://blogs.rediff.com/mkbhadrakumar/2011/11/25/brics-blocks-the-us-on-middle-east/ não foram por aqui divulgados com a ênfase merecida.

A considerar-se o texto haverá dificuldade para a perpetração da invasão pretendida. A não ser que façam letra morta, de vez, do que resta de ordenamento mundial.

Ou seja, não respeitar o veto que a Rússia dispõe no Conselho de segurança da ONU. 

Algo não está dito I

A prisão de Marcos Valério pode estar eivada de vícios. O inquérito que a sustenta tramita desde 2005 e o próprio Valério nele já fora ouvido e, ao que parece, não há nenhum fato novo em relação ao até aqui apurado.

Caso verdadeira a informação, não há justificativa para o decreto da preventiva, mormente se considerarmos a cautela hoje vigente para tal decretação, a teor da Lei 12.403/2011. Se viola a lei Valério terá liberdade amparado em habeas corpus.

Sem ofertar defesas a assunto que não conhecemos de perto (o inquérito e a decisão judicial em si) ficamos apenas a matutar em torno do porquê da prisão.

Algo não está dito II

Não seja negado o que representa de sensacionalismo a prisão de Valério, determinada pelo juiz de São Desidério, na Bahia. No entanto algumas indagações não estão ocorrendo na imprensa, principalmente a de que Marcos Valério nunca se negou a atender intimações para depor, tem domicílio certo e profissão definida e compareceu espontaneamente às dezenas de inquéritos aos quais responde.

Algo não está dito III

Por outro lado, a demanda estaria apoiada em grilagem de terras. Bastante singular que a medida judicial venha o correr cinco/seis anos depois de iniciada a apuração.

Para nossos botões, teria algum escândalo a pipocar precisando ser acobertado ou ter a atenção desviada.

Não nos esqueçamos de que Valério foi testa de ferro de Daniel Dantas. Ou que o julgamento do chamado mensalão está próximo! E tem algo a ver com o valerioduto tucano de Minas, enquanto espoucam problemas com o governo do tucanato paulista.

Mas que tem alguma coisa, tem!

Evento internacional

O Mercado Cultural, em sua XI edição, também se fez acontecer em Itabuna, mais precisamente em Ferradas na quarta 30, uma conquista do produtor cultural Ari Rodrigues, que trabalha com o projeto em outros municípios baianos, com encerramento programado para Salvador, de 2 e 7 de dezembro.

A essência da iniciativa diz respeito à interação em vários níveis (musical, teatral e folclórico) entre culturas distintas de diferentes continentes, dando “espaço a talentos” e ampliando “o engajamento cultural, promove trabalhos artísticos, dá visibilidade à cultura e oferece oportunidades de intercâmbio artístico e cultural, além de possibilitar o desenvolvimento profissional” – assinala o catálogo 2001 do evento.

Em Ferradas, por exemplo, estiveram presentes Europa, África e América do Sul, representados por grupos e artistas da Argélia e França (Houria Aichi & I’Hijâz’Car), Guiana Francesa (Chris Combette) e Burkina Faso (Papa Zon), além de Marcelo Ganem (Brasil).

Participação

ferradas intSingular a convivência do público com códigos musicais que lhe pareceria até estranhos, como a música de Houria Aichi & I’Hijâz’Car (esq), de tradição instrumental-melódico árabe-muçulmana.

ferradas inteOu a africanidade do registro oral da história tribal da casta griot (da qual descende) traduzido por Papa Zon (dir) e seu koran.

Ou a encontrar a afinidade com a música de Chris Combette, ferradas intertransitando entre o samba e as diversas facetas do caribenho, no que denomina de “alquimia de culturas”.

Inegavelmente, o ponto alto da noite para o ferradense, foi a apresentação de Papa Zon, seguida da de Chris Combette, que levantou o público. A empatia estabelecida pode mesmo ser traduzida pela afinidade cultural entre a gente ferradense e a origem comum dos que se apresentavam.

Ferradas no mundo

ferradas internA inserção de Ferradas no catálogo do XI Mercado Cultural a torna também palco e centro de interação entre diferentes continentes, fazendo-a não só o berço de Jorge Amado, mas uma referência grapiúna no cenário internacional.

A isso o povo de Ferradas se fez presente.

Recorde!

Considerando a declaração atribuída ao presidente da OAB local, Andirlei Nascimento, referindo-se à presença de “cerca de 2 mil pessoas no ato público” contra a corrupção (Pimenta de sexta 2), a manifestação itabunense é, até o momento, a maior reunião de pessoas em atos desta natureza no Brasil.

A foto publicada na Carta ao Leitor do A Região, deste fim de semana, no entanto, ainda que refletisse a concentração, não alimenta possibilidade de 200 pessoas.

Quem lá esteve que confirme a declaração de Dr. Andirlei e desminta a fotografia do A Região.

De uma forma ou de outra, não deixa de ser recorde!

Pensando em 2012

Os ensaios de afunilamento das propostas de consolidação de forças contra o PT local (leia-se, Geraldo Simões) tomaram força esta semana. Declarações do PSDB, através do ex-deputado federal e membro do diretório nacional do partido, João Almeida, trilham para apoio à reeleição de Azevedo.

A razão está na formação de uma aliança que viabilize uma vitória da oposição. Que na Bahia também envolve o PMDB, não fora a natural presença do DEM e do PPS.

Pensando em 2014

Como já observamos em texto anterior, essa eleição de 2012 extrapola seus limites. É que a disputa municipal contribui para a formação de espaços político-eleitorais para fortalecer o processo das eleições estadual e nacional, ou seja, de governadores e presidente da república.

Prédio da Câmara

Anunciada com pompa e circunstância, a construção da sede própria do Legislativo local empacou.

Exemplo a ser seguido

“As más notícias, algumas necessárias, não podem se sobrepor às boas”. A mensagem de Ramiro Aquino no seu “Ramiro na Squina”, no Diário Bahia deste fim de semana, traz a imperiosa recomendação de que a exploração pura e simples da desgraça (o que se tornou lugar comum Brasil a fora) não pode superar a ordem natural das coisas. O que significa dizer que não só de notícia ruim deve ser feito o noticiário.

O imaginário de nossa gente está sendo construído no sangue e na desdita alheia. Há uma idéia de que isto é que dá ibope.

A proposta de Ramiro não é busca por otimismo e sim uma contribuição para uma vida melhor.

Questão de saúde

Há estudos sobre o tema – a exploração do ruim como centro do noticiário – que recomendam uma mudança neste comportamento, em razão dos malefícios que causa.

Não podemos exigir que somente sejam divulgadas as boas notícias. No entanto, centrar-se nas más é um desserviço ao semelhante: da criança, ainda em formação, ao adulto, que já sabe das coisas.

Canhoto da Paraíba

Nascido Francisco Soares de Araújo (1926-2008), a circunstância de ser canhoto lhe trouxe o nome artístico. Natural de Princesa, na Paraíba, terra da famosa “revolta” de José Pereira, nos estertores da República Velha, em 1928, o compositor e instrumentista encontra o respeito do universo musical brasileiro, recebendo homenagem pessoal do então Presidente Lula, no Palácio do Planalto, em 2004, quando da retomada do Projeto Pixinguinha.

Aqui dois momentos de sua execução: “Pisando em Brasas” (de sua autoria) e “Saxofone Por Que Choras?” (Severino Rangel de Carvalho – o Ratinho), que integram o álbum “O Violão Brasileiro Tocado Pelo Avesso” (1977), produzido por Paulinho da Viola.

Cantinho do ABC da Noite

CabocoO mestre do ABC da Noite leva tudo ao limite do riso. Há instantes em que fica observando a conversa, sem dar uma palavra, à espera de uma oportunidade para mais um improviso. Como no dia em que falavam da idade de um freqüentador, que costumava negá-la como informação, até que interrompeu:

– É, Cabôco, aquele ensinou o ABC a Matusalém!

_________________

Adylson Machado é escritor, professor e advogado, autor de "Amendoeiras de outono" e " O ABC do Cabôco", editados pela Via Litterarum

Acesse com seus dados:

ou
Ainda não tem acesso?
Registre-se em nosso Blog.