CMVI

Tag: greve

Justiça determina que município restabeleça funcionamento do transporte coletivo em Itabuna

Domingos Matos, 15/07/2019 | 15:05
Editado em 15/07/2019 | 15:00

A pedido do Ministério Público estadual, a Justiça determinou na tarde da última sexta-feira (12), que o município de Itabuna adote imediatamente todas as medidas legais e contratuais para restabelecer o funcionamento do serviço de transporte coletivo de ônibus e impedir nova paralisação na cidade.

Segundo o promotor de Justiça, Patrick Pires, autor do novo pedido de tutela de urgência, desde o dia 9 de julho, nenhum ônibus do sistema de transporte coletivo urbano circulou em Itabuna, “gerando uma situação de caos no transporte público, com o aparecimento, inclusive, de transportes clandestinos e aplicação de valores abusivos”. A Justiça determinou ainda a imediata implantação do valor de R$ 3,12 para a tarifa de ônibus, como consequência da aplicação da fórmula paramétrica prevista nos contratos de concessão e estudo tarifário realizado pela Agência de Regulação, Controle e Fiscalização dos Serviços Públicos (Arsepi). Na decisão, o juiz Ulysses Maynard Salgado intimou o Município para informar, no prazo de 48 horas, as medidas que tem adotado para a regularização do serviço no município.

Até o fechamento dessa matéria, a greve dos rodoviários continuava com 100% da frota. 

Menos de um mês após retomarem serviço, rodoviários de Itabuna iniciam nova greve

Domingos Matos, 09/07/2019 | 16:31
Editado em 09/07/2019 | 17:43

Os rodoviários de Itabuna iniciaram uma nova greve nesta terça-feira (9), menos de um mês após encerrarem paralisação de 10 dias, ocorrida em junho.

A decisão foi tomada em assembleia geral ocorrida na manhã desta terça. A categoria alega que não recebeu o reajuste salarial proposto pelas empresas durante a greve anterior.

“A greve é por conta do descumprimento do acordo coletivo. O ajuste que foi acordando com as empresas ainda não foi cumprido. O prazo seria o próximo pagamento, que seria na segunda-feira (8). Tivemos o pagamento , mas não veio reajustado", disse Arlesen Nascimento, presidente do Sindicato dos Rodoviários de Itabuna (Sindirob).

Arlesen ainda falou que a Associação das Empresas de Transportes Urbanos afirmou que não teria como cumprir o acordo, porque não houve reajuste na tarifa do transporte coletivo por parte da prefeitura.

"Eles me procuraram e afirmaram que não teriam condições de reajustar os salários dos trabalhadores, uma vez que não houve reajuste de tarifa pelo município", acrescentou o presidente.

Ao todo, 92 ônibus deixaram de circular pelas ruas da cidade. Cerca de quinhentos motoristas e cobradores aderiram ao movimento. Os coletivos costumam rodar em Itabuna das 4h20 até 0h10.

 

Reajuste nas tarifas

O aumento das passagens foi proposto depois que os rodoviários entraram em greve por aumento de salário, no início de junho.

Atualmente, a tarifa dos coletivos da cidade é de R$ 3. O aumento previsto pela prefeitura era de R$ 3,50. No entanto, pelos estudos de contrato de concessão, o valor máximo da tarifa deveria ser de R$ 3,12.

Apesar disso, não houve o aumento porque a Justiça da cidade de Itabuna concedeu uma liminar que impediu o aumento da tarifa do ônibus urbano. A ação foi atendida a pedido do Ministério Publico do Estado da Bahia (MP-BA).

 

* Com informações do G1

Com liminar, Justiça impede aumento de R$ 0,50 em tarifa dos coletivos de Itabuna

Domingos Matos, 08/07/2019 | 17:55

A Justiça da cidade de Itabuna, no sul da Bahia, concedeu uma liminar impedindo o aumento da tarifa do ônibus urbano. A ação foi atendida a pedido do Ministério Publico do Estado da Bahia (MP-BA).

Atualmente, a tarifa dos coletivos da cidade é de R$ 3. O aumento previsto pela prefeitura era de R$ 3,50. No entanto, pelos estudos de contrato de concessão, o valor máximo da tarifa deveria ser de R$ 3,12.

A liminar de impedimento foi concedida pelo juiz Ulysses Maynard. O aumento das passagens foi proposto depois que os rodoviários entraram em greve por aumento de salário, no início de junho.

A paralisação da categoria durou 10 dias e uma liminar determinou que 30% da frota de ônibus estivesse nas ruas durante a greve.

As empresas de ônibus alegaram que só poderiam conceder aumento se houvesse reajuste na tarifa. Sem o reajuste, volta o impasse entre as empresas e rodoviários. A Procuradoria Geral do Município de Itabuna informou que está analisando a situação. (Com informações do G1)

 

Itabuna: sem acordo, rodoviários ameaçam entrar em greve novamente

Domingos Matos, 08/07/2019 | 17:07

Itabuna poderá amanhecer sem ônibus nesta terça-feira (9). Caso não sejam feitos os pagamentos dos rodoviários, junto com os reajustes de 5,1% no salário e 10% no ticket, haverá uma nova paralisação da classe.

“A possibilidade de paralisação é de 99%, caso não seja efetuado os pagamentos junto com os reajustes hoje”, disse Arlensen Antero. (Com informações do iPolítica)

Aulas de graduação na UESC serão retomadas no próximo dia 03 julho

Domingos Matos, 21/06/2019 | 09:15

O Conselho Superior de Ensino, Pesquisa e Extensão (Consepe) da Universidade Estadual de Santa Cruz (UESC) aprovou, na quarta-feira (19), a recomposição do Calendário Acadêmico Universitário, face ao movimento de greve dos docentes das universidades estaduais da Bahia. Com o fim da paralisação, no dia 17, as atividades acadêmicas nos cursos de graduação foram retomadas na segunda-feira (19), mas devido aos feriados e festejos regionais até o dia 02 de julho, as aulas retornam, efetivamente, no dia 03 de julho.

Diante da situação de excepcionalidade, aliada à conjuntura de afastamento de estudantes para os seus locais de residência acrescida a inexistência de transportes de prefeituras ou associações e, ainda a limitação econômica de parcela de estudantes que dificultam ou impedem seu comparecimento ao Campus da UESC, os Conselheiros fixaram e mantém atividades avaliativas no período de 17 de junho e 01 de julho e levando, também, em consideração a mobilização estudantil.

A Resolução nº 37/2019 aprovada na 43ª. Reunião Extraordinária do Consepe altera a Resolução nº 49/2018. No artigo 1º da Resolução ficou definido que “eventuais avaliações realizadas na graduação nos dias 17, 18 e 19 de junho de 2019 serão objeto automático de realização de segunda chamada.” O novo calendário deverá ser divulgado na próxima semana, após as devidas alterações.

Vereadores dizem estar preocupados com aumento da passagem em Itabuna

Domingos Matos, 14/06/2019 | 16:29

Os vereadores Enderson Guinho e Charliane Sousa mostraram-se preocupados com a possibilidade de um aumento no valor da tarifa do transporte coletivo urbano de Itabuna, no próximo mês de julho. “Na manhã de quinta-feira (13), eu e a vereadora Charliane estivemos presentes à audiência, via vídeo conferência com a Desembargadora Maria de Lourdes Linhares, na Justiça do Trabalho, que culminou com o fim da greve dos rodoviários, iniciada no último dia 03. Ao mesmo tempo que ficamos satisfeitos com o acordo firmado entre empresários e trabalhadores, estamos preocupados com o possível aumento da passagem’, disse Enderson Guinho.

Representando o Legislativo itabunense, os dois vereadores acompanharam as negociações. “No acordo firmado durante a audiência, os rodoviários terão um reajuste de 5% no salário e 10% no valor do tíquete alimentação. Ocorre que os empresários do setor de transporte condicionaram dar esse aumento se o Executivo reajustasse o valor da passagem. Entendemos que o valor de R$ 3,50, que deverá entrar em vigor no próximo mês, penalizará a população, principalmente os trabalhadores e os mais carentes” disse Charliane Sousa.

Enderson Guinho afirmou que “A Câmara de Vereadores esteve presente, ouvindo a população e acompanhando de perto essa situação. A função nossa é defender o que for melhor para o conjunto da sociedade”. Segundo o vereador, “existe a denúncia de que as empresas de transporte de Itabuna pretendem demitir 250 cobradores como alternativa para reduzir custos operacionais".

Greve Geral: Itabuna tem manifestações no Centro

Populares relatam que manifestantes furaram pneus de ônibus do transporte público

Domingos Matos, 14/06/2019 | 11:25
Editado em 14/06/2019 | 11:27

Apesar da baixa adesão dos trabalhadores do setor privado em Itabuna, atos públicos das centrais sindicais, partidos e coletivos de esquerda que apoiam a Greve Geral estão conseguindo dar sentido de paralisação dos serviços públicos, como bancos e escolas, e forçando outros setores, como o trasporte urbano - concessão pública -, a paralisarem as atividades.

Os atos estão concentrados no centro da cidade, especialmente na praça Adami e na praça Camacan. Há relatos de pneus de ônibus furados na praça Camacan, coração do sistema viário do transporte coletivo. A paralisação dos bancários também ajuda a aumentar a sensação de movimento paredista e deve interferir na vida dos cidadãos de maneira significativa.

Contra a reforma

A Greve Geral é um movimento nacional de luta contra a proposta de reforma da Previdência, que afetará a aposentadoria de milhões de brasileiros, bem como os benefícios sociais, como BPC e auxílio-doença. 

Pela proposta do governo Jair Bolsonaro, o trabalhador deverá trabalhar mais tempo - em alguns casos chegando aos 70 anos -, combinando tempo de serviço e tempo de contribuição, para ter direito à integralidade do salário.

A mesma coisa em relação aos beneficiários e pensionistas: apenas com o passar dos anos o  benefício vai sendo reajustado até atingir o valor integral do salário mínimo. 

Após 10 dias, rodoviários de Itabuna encerram greve

Domingos Matos, 13/06/2019 | 12:45
Editado em 13/06/2019 | 12:48

A greve dos rodoviários de Itabuna, cidade no sul da Bahia, foi encerrada na manhã desta quinta-feira (13), após negociação intermediada pelo Tribunal Regional do Trabalho (TRT). A paralisação durou 10 dias.

Conforme o órgão, no acordo feito entre o sindicato da categoria e as empresas ficou definido um reajuste salarial de 5,1% e de 10% no ticket alimentação. Ainda segundo o TRT, os salários atrasados serão pagos na sexta-feira (14).

Na sessão, realizada na 3ª Vara do Trabalho de Itabuna, conduzida pela juíza Cristiane Lima, com a presença do prefeito da cidade, representantes das empresas e dos rodoviários, ficou definido também que a administração municipal vai instalar mais banheiros para os motoristas.

 

A greve

A paralisação dos rodoviários de Itabuna começou no dia 3 de junho e deixou cerca de 50 mil pessoas sem ônibus na cidade. Trinta por cento da frota chegou a circular durante a greve após uma determinação judicial.

No entanto, no dia 6, a categoria suspendeu 100% das atividades novamente porquê os salários do mês de maio não foram pagos. (Com imformações do G1)

Vereadores buscam acordo entre empresários e Sindicato para acabar a greve dos rodoviários

Domingos Matos, 13/06/2019 | 10:13
Editado em 13/06/2019 | 10:37

A Câmara de Itabuna passou a intermediar as negociações entre o Sindicato dos Rodoviários e as empresas de transporte urbano do município. Os vereadores buscam uma solução para o fim da greve da categoria, iniciada no último dia 03.

"Queremos ouvir todas as partes envolvidas. Na tarde de terça-feira, dia 11, tivemos uma reunião com os dirigentes e os assessores jurídicos do Sindicato dos Rodoviários", disse a vereadora Charliane Sousa, vice-presidente da Câmara que, juntamente com o vereador Enderson Guinho, representou o Legislativo itabunense.

Enderson Guinho acrescentou que "nós ouvimos a posição do Sindicato e nos colocamos à disposição, enquanto Poder Legislativo, para intermediar e buscar um acordo visando fim da paralisação para que a população, em especial os mais carentes, não seja penalizada com a falta do transporte público".

Charliane Souza e Enderson Guinho informaram que na próxima quinta-feira, dia 13, está prevista uma audiência na Justiça do Trabalho, entre empresários e representantes da categoria. O objetivo é buscar uma solução para resolver o impasse.

"O prefeito foi convidado para participar do encontro. Nós vereadores também estaremos presentes, considerando que existe a denúncia de que as empresas de transporte querem demitir 250 cobradores como alternativa para reduzir custos operacionais", disse Enderson Guinho.

Estado e universidades assinam termo de compromisso para o fim da greve

Domingos Matos, 11/06/2019 | 10:32
Editado em 11/06/2019 | 09:55

O Governo do Estado, por meio da Secretaria de Relações Institucionais e da Secretaria da Educação do Estado, assinou com representantes do Fórum das Associação dos Docentes das Universidades Estaduais (Fórum das AD's – UNEB, UEFS e UESB), na noite de ontem (10), um termo de compromisso objetivando o fim da greve nas universidades estaduais. Também participaram da mesa de negociação, membros da Comissão de Educação e o líder do governo na Assembleia Legislativa da Bahia (ALBA).

No documento, ficaram pactuados, de forma consensual, que o Governo do Estado, após o fim da greve, enviará Projeto de Lei para a ALBA com proposta de reestruturação do quadro de vagas da carreira de professor, permitindo até 900 promoções. Também serão garantidos recursos da ordem de R$ 36 milhões para que as quatro universidades apliquem em Investimentos.

Outro ponto acordado foi o pagamento dos salários mediante reposição das aulas, devendo o plano de reposição ser submetido a Reitoria da Instituição de Ensino e à Secretaria da Administração do Estado (SAEB). A proposta é que se a greve acabar até dia 14 de junho, o Estado garantirá o pagamento integral do salário do mês de junho/2019 e mediante execução do plano de reposição das aulas, será pago o mês de maio junto com o mês de julho, e, em sequência, os dias de greve do mês de abril serão pagos no mês de agosto mediante execução do plano de reposição de aulas.

Além disso, até 72 horas após o encerramento da greve, será instalada uma nova mesa para negociação de outros pontos colocados pelas AD'S envolvendo as outras secretarias de Estado, a exemplo da Fazenda (SEFAZ) e Administração (SAEB).

O secretário da Educação do Estado, Jerônimo Rodrigues, destaca os avanços da negociação. “A intermediação da ALBA foi muito importante desde o início, com a presença do líder do governo e da Comissão de Educação nesta mediação para o acordo assinado aqui. E longe da gente querer extrapolar o nosso papel, nós sabemos que as AD´s irão para as assembleias e, com toda a autonomia, irão pautar e negociar isso com seus pares. Mas, avaliamos este momento de hoje como muito positivo. Acreditamos que este período serviu para ponderar aquilo que a gente acha importante, mas não abrimos mão de reconhecer a importância das universidades para o desenvolvimento da Bahia. Em momento algum, o governador ou qualquer órgão de governo duvidou disso. E estamos confiantes com os pontos pactuados”.

 

Exportações baianas crescem 27,4% no mês de maio

Domingos Matos, 11/06/2019 | 09:31

As vendas externas da Bahia se recuperaram em maio, alcançando US$ 758,2 milhões, o que representa um aumento de 27,4% ante o mesmo período de 2018. De acordo com a Superintendência de Estudos Econômicos e Sociais (SEI), autarquia da Secretaria de Planejamento do Estado (Seplan), considerando o acumulado de janeiro a maio, as exportações cresceram 2,5%, indo a US$ 3,15 bilhões.

“O crescimento das exportações na Bahia é resultado de políticas públicas do Governo do Estado, que não tem poupado esforços para atrair novos empreendimentos que resultam no alargamento da base exportadora baiana”, analisa o secretário do Planejamento do Estado, Walter Pinheiro.

O bom desempenho das exportações em 2019 reflete a melhora dos volumes exportados, com alta de 22,3%, puxada por itens como petróleo, celulose, petroquímicos, metalúrgicos, algodão e derivados de cacau. No mês, as exportações para os Estados Unidos cresceram 35% e avançaram 46% para a Ásia, com a China registrando aumento de 9,1%. 

 

Importações

O crescimento de 38,6% das importações reflete o efeito da greve dos caminhoneiros no ano passado, já que a maior contribuição para o crescimento foi de produtos intermediários (cobre, trigo, fertilizantes, borracha e insumos químicos) que cresceram 81,7%, e que foram duramente atingidos na paralisação de maio do ano passado. Normalmente, as importações em 2019 vêm registrando maior aumento na categoria combustível, que lidera ainda com folga o crescimento no acumulado do ano com incremento de 159% (GNL, nafta, petróleo).

Com os resultados até maio, a Bahia voltou a acumular um superávit de US$ 116,1 milhões em sua balança comercial, resultado de US$ 3,15 bilhões em exportações com incremento de 2,5% e US$ 3,03 bilhões em importações com um aumento de 22,3%, comparado a igual período do ano anterior. A corrente de comércio (soma das exportações e importações) chegou a US$ 6,18 bilhões, com crescimento de 11,4% no período.  

 

Fernando Gomes não descarta possibilidade de aumentar passagem para R$ 3,50

Domingos Matos, 10/06/2019 | 20:31

Como a greve deixou Itabuna sem ônibus por uma semana e as empresas alegaram só poder reajustar os salários dos motoristas e cobradores se a passagem aumentasse, o Diário Bahiaperguntou ao prefeito Fernando Gomes nesta tarde: O itabunense vai dançar o forró de São Pedro pagando mais caro pela passagem de ônibus?

Ao que o prefeito respondeu: “Não sei se vai ter aumento de passagem, ainda vou decidir isso. A realidade é que ônibus em Itabuna não pode rodar como está rodando. Porque tem três anos que tá rodando por 3 reais. Conquista é R$ 3,80, Ilhéus é R$ 3,80, Feira é 4 reais…”, comparou.

Fernando Gomes mencionou, também, o número de gratuidades. São 360 mil por mês. Sempre de forma, digamos, espirituosa, ele alfinetou um contrato firmado no governo anterior. “Primeiro, Correio não paga, funcionário da Prefeitura não paga, policial não paga, aposentado não paga, deficiente físico não paga… por isso está essa situação. Segundo, as empresas dizem que pagando R$ 3,30 ficam sem lucro. Por que? Fizeram um contrato mal feito com a Prefeitura no governo de Vane! Eles mandaram vir de lá um incompetente e acho que assinaram sem nem ler”.

“Assinou sem ler”…

Após essa argumentação, sinalizou: “O que a gente pode dar hoje… a passagem é 3 reais… é ir para R$ 3,30 só”. E seguiu narrando o que colocou em reunião com empresários do transporte. Em Itabuna, operam as empresas São Miguel e Sorriso da Bahia. De certa forma, até deu bronca na parte envolvida.

“Não pode, porque é o que eles fizeram. Culpa de quem foi? Deles! Não é minha culpa. Aí eles saíram correndo. Vai assinar as coisas sem ler? O advogado fez a burrice e eles assinaram sem ler. E aí está o caos que há. Cabe à Justiça decidir; eu sei que não dá pra rodar, eu tô sabendo disso. Teve aumento de óleo diesel, pneu, tem salário de funcionário, que é natural aumentar … tudo! ”.

O prefeito, por fim, referiu-se à greve e a necessidade de uma solução para o impasse. “Pior que a cidade tá sem transporte e eu tô apertando isso aí. Está no Tribunal pra se definir. Acho que tem que ser … que não aumente demais. No mínimo R$, 3,30, R$ 3,50. Não vou botar R$ 3,80, mas R$ 3,50 pra resolver o problema deles aí ”.

Segundo ele, se o TRT (Tribunal Regional do Trabalho) resolvesse a situação, daria o aumento. Se não… “Não posso fazer coisa que a Justiça não permite”, afirmou, ainda antes de um veredicto na audiência entre empresários e funcionários na sede TRT, em Salvador. (Com informações do Diário Bahia)

 

Semana da Conciliação: TRT da Bahia movimenta quase R$ 100 milhões com 3.304 acordos

Domingos Matos, 04/06/2019 | 17:37

O TRT da Bahia realizou expressivos 3.304 acordos na 5ª Semana Nacional da Conciliação Trabalhista, movimentando quase 100 milhões (R$ 98,106,012.03) durante os 5 dias do mutirão, que ocorreu no período 27 a 31 de maio. Segundo a Coordenadoria de Estatística e Pesquisa do TRT5, o Regional baiano promoveu 4.602 audiências e beneficiou diretamente 8.553 pessoas em todo o estado. O evento é coordenado pelo Conselho Superior da Justiça do Trabalho (CSJT) e contou com a participação dos 24 TRTs do país.

Nos processos de 1º Grau foram realizadas 1.033 conciliações (R$ 24.101.444,67), e, nos de 2º Grau, 2.271 (R$ 74.004.567,36). No Tribunal baiano, participaram do evento as Varas de Trabalho da capital e do interior, a Central de Execução e os Centros de Conciliações da 1ª e da 2ª instância (Cejuscs 1 e 2).

A presidente do TRT5, desembargadora Maria de Lourdes Linhares, agradeceu o empenho de todos os envolvidos e destacou que a conciliação é uma das prioridades da sua gestão. A magistrada ainda frisou “o importante papel do Cejusc 1 e do Cejusc 2, instalados em 2018, na resolução de conflitos de maneira mais ágil e eficiente”, destacando ainda o lançamento em maio da mediação pré-processual em dissídios coletivos, para os casos de greves e paralisações.

IBIRAPITANGA – Um dos destaques da 5ª Semana Nacional da Conciliação Trabalhista foi o acordo, no valor de mais de R$ 5,8 milhões, realizado na manhã do dia 29, pelo município de Ibirapitanga, no sul da Bahia, com a negociação de 285 precatórios. De acordo com o Juízo de Conciliação de 2ª Instância (JC2/Cejusc2), o bloqueio de 5% do Fundo de Participação dos Municípios (FPM) para o pagamento dos credores se dará todo dia 10 de cada mês, a partir de julho deste ano, com reajuste de 0,5% a cada 12 meses. Em janeiro de 2022, essa taxa será de 7% do FPM até a quitação total da dívida.

Os precatórios são pagos mediante um ofício expedido pelo juiz do Trabalho com o bloqueio da porcentagem determinada no acordo, direto no Fundo de Participação dos Municípios (FPM). Através de uma conta judicial aberta no Banco do Brasil, a Justiça do Trabalho encaminha aos credores os valores determinados em audiência.

TANQUE NOVO - Também no JC2/Cejusc2, um acordo celebrado entre o município de Tanque Novo, localizado no centro-sul baiano, e os credores de precatórios do município, aconteceu no dia 30 de maio. O débito total do ente público totaliza mais de R$ 8,5 milhões, com 257 precatórios. Segundo o acordo firmado, fica ajustado entre as partes que o pagamento será feito com a liberação de valores eventualmente depositados em conta judicial administrada pelo JC2, além de bloqueios, realizados no dia 10 de cada mês, sobre a quota-parte do valor bruto do FPM, com o seguinte critério: 6% do Fundo, de julho a dezembro de 2019; 6,25% de janeiro a junho de 2020; 6,5% de julho a dezembro de 2020; 6,75% de janeiro a junho de 2021; 7% de julho a dezembro de 2021; 7,25% janeiro a junho de 2022; 7,5% de julho a dezembro 2022; 7,75% de janeiro a junho 2023 e 8% de julho de 2023 até a quitação.

Também está previsto que o bloqueio judicial será mantido até o pagamento integral dos precatórios conciliados. Se o valor referente ao FPM dos meses indicados não for suficiente para cobrir o montante a ser bloqueado, o município autoriza o desconto na quota-parte subsequente. Caso se torne inviável o cumprimento do acordo, seja por suspensão, extinção ou redução de repasse do FPM, as parcelas serão bloqueadas em contas-correntes de mesma titularidade, exceto nas utilizadas exclusivamente para administração de verbas destinadas a finalidades específicas ou convênios.

ANO PASSADO – Uma comparação entre os desempenho de 2018 e 2019 do próprio Regional baiano mostra que agora foram feitas mais audiências (4.579 em 2018 e 4.602 em 2019), mais acordos (3.265 em 2018 e 3.304 em 2019) e mais pessoas foram atendidas (5.798 e 8.553). Já os valores totais movimentados foram muito próximos (R$ 98.885.831,57 em 2018 e R$ 98.106.012,03 em 2019).

 

 

Liminar determina que 30% da frota de ônibus esteja nas ruas durante greve de rodoviários em Itabuna

Domingos Matos, 04/06/2019 | 14:01
Editado em 04/06/2019 | 14:01

A Justiça concedeu uma liminar determinando que 30% da frota de ônibus esteja nas ruas durante a greve de rodoviários em Itabuna. A paralisação teve início na segunda-feira (3).

Conforme a liminar, a decisão deve ser cumprida pelos rodoviários entre 5h30 e 8h da manhã e entre 16h30 e 20h, que são considerados horários de pico. Nos demais horários, 20% da frota deve estar disponível.

Nesta terça-feira (4), os pontos de ônibus amanheceram lotados na cidade, por conta da pouca quantidade de veículos nas ruas, e os passageiros precisaram ter muita paciência.

Paralisação

Os rodoviários decidiram entrar em greve após assembleia geral da categoria, no dia 31 de abril.

Ao todo, 92 ônibus que deixaram de circular pelas ruas da cidade. Quatrocentos e quarenta motoristas e cobradores aderiram ao movimento. Na cidade, os coletivos costumam rodar das 3h20 até 0h40.

Os trabalhadores querem reajuste salarial de 9% e 15% no ticket-alimentação. Durante a assembleia, a categoria chegou a apresentar uma proposta inferior, solicitando um reajuste de 5% no salário e 9% nos tickets, mas, ainda assim, os patrões não aceitaram.

De acordo com a Associação das Empresas de Transportes Urbanos, os patrões fizeram uma proposta de reajuste salarial para a categoria no valor de 2%, mas os representantes dos trabalhadores eles não aceitaram. (Com informações do G1)

Anac suspende todas as operações da Avianca Brasil

Domingos Matos, 24/05/2019 | 15:31

A Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) informou hoje (24) que suspendeu cautelarmente todas as operações da empresa aérea Avianca Brasil.

“Com a medida, estão suspensos todos os voos até que a empresa comprove capacidade operacional para manter as operações com segurança. A decisão foi tomada com base em informações prestadas à área responsável por segurança operacional da Agência”, diz a nota da Anac.

A Anac recomenda que os passageiros com voos marcados para os próximos dias na Avianca entrem em contato com a empresa e evitem se descolar até o aeroporto antes de terem informações sobre sua situação. A empresa aérea segue obrigada a oferecer aos passageiros opções como reembolso e reacomodação.

Recuperação judicial

A Avianca Brasil entrou em processo de recuperação judicial. A empresa aérea tem cancelado voos e em abril devolveu aeronaves em cumprimento a decisões judiciais, atendendo pedido de empresas de leasing.

No último dia 17 os tripulantes da Avianca Brasil entraram em greve, que foi suspensa temporariamente no dia 19. Os trabalhadores disseram que paralisaram as atividades porque estão com salários e benefícios atrasados. (Com informações do G1)

Acesse com seus dados:

ou
Ainda não tem acesso?
Registre-se em nosso Blog.