Tag: internas

SineBahia oferece 35 vagas de emprego nesta quinta em Itabuna

Domingos Matos, 11/09/2019 | 17:35
Editado em 11/09/2019 | 14:07

A unidade do SineBahia, no Shopping Jequitibá, em Itabuna, estará intermediando 35 vagas de emprego nesta quinta-feira (12). Entre as muitas oportunidades está o cargo de corretor de imóveis, com 10 vagas disponíveis e cuja uma das exigências é ter o ensino médico completo. Tem vagas também para as funções de vigilante e eletricista de caminhão, além de outros cargos. 

Os interessados devem procurar o Sine, das 9 às 18 horas, portando os seguintes documentos: número do PIS, PASEP ou NIS; Carteira de Trabalho, RG, CPF, currículo, comprovante de residência e certificado de escolaridade.

Confira as vagas a seguir: 

 

OPERADOR DE TELEMARKETING (PCD)

Vaga Exclusiva Para Pessoas Com Deficiência

Ensino Médio Completo

Não exige experiência

05 VAGAS

 

INSPETOR DE DISCIPLINA (MONITOR DE RESSOCIALIZAÇÃO) (PCD)

Vaga Exclusiva Para Pessoas Com Deficiência

Ensino Médio Completo

Experiência mínima de 6 meses com vigilância

Possuir curso de vigilante ou bombeiro civil

02 VAGAS

 

AUXILIAR DE COZINHA (PCD)

Vaga Exclusiva Para Pessoas Com Deficiência

Ensino Fundamental Completo

Experiência mínima de 6 meses na carteira

01 VAGA

 

AUXILIAR DE LIMPEZA (PCD)

Vaga Exclusiva Para Pessoas Com Deficiência

Ensino Médio Completo

Experiência mínima de 6 meses na carteira

01 VAGA

 

SOLDADOR

Ensino Médio Completo

Experiência mínima de 6 meses na carteira

01 VAGA

 

VIGILANTE

Ensino Médio Completo

Experiência mínima de 6 meses na função

Possuir curso de vigilante e extensão a carro forte

01 VAGA

 

AUXILIAR DE COZINHA

Ensino Fundamental Completo

Experiência mínima de 6 meses na função

Experiência com salgados fritos e de forno

01 VAGA

 

VENDEDOR PRACISTA

Ensino Médio Completo

Experiência mínima de 6 meses com vendas

Possuir Moto

Possuir CNH ‘A’

01 VAGA

 

ENTREVISTADOR DE PESQUISA DE OPINIÃO E MÍDIA (TEMPORÁRIA)

Ensino Médio Completo

Não necessita experiência

Possuir habilidade com tablet e smartphone

03 VAGAS

 

VENDEDOR PRACISTA (VENDAS INTERNAS E EXTERNAS)

Ensino Médio Completo

Experiência mínima de 6 meses na carteira

Possuir CNH ‘AB’

01 VAGA

 

TÉCNICO EM FIBRA OPTICA

Ensino Médio Completo

Experiência mínima de 6 meses na função

Possuir CNH ‘AB’

01 VAGA

 

AUXILIAR MECÂNICO DE REFRIGERAÇÃO

Ensino Fundamental Incompleto

Experiência mínima de 6 meses na função

01 VAGA

 

VENDEDOR INTERNO (DE CARROS)

Ensino Médio Completo

Experiência mínima de 6 meses na carteira

Possuir CNH ‘B’

01 VAGA

 

COZINHEIRA

Ensino Fundamental Completo

Experiência mínima de 6 meses na carteira

01 VAGA

 

CORRETOR DE IMOVÉIS

Ensino Médio Completo

Não necessita experiência

Possuir registro no CRECI-BA

10 VAGAS

 

MECÂNICO DE CAMINHÃO A DIESEL

Não necessita escolaridade

Experiência mínima de 6 meses na carteira

02 VAGAS

 

ELETRICISTA DE CAMINHÃO

Não necessita escolaridade

Experiência mínima de 6 meses na carteira

02 VAGAS

 

Dia Nacional de Prevenção de Acidentes de Trabalho: CIPA e SESMT realizaram blitz no Calixto

Domingos Matos, 06/08/2019 | 14:28

Por conta do Dia Nacional de Prevenção de Acidentes de Trabalho, a CIPA e o SESMT realizaram no último dia 26 de julho, uma ação nas áreas externas e internas do Hospital Calixto Midlej Filho. A data, que é comemorada no dia 27 de julho, simboliza a luta de trabalhadores por melhores condições de saúde e segurança no trabalho. 

A ação aconteceu com uma blitz, em dois horários, na rotatória do hospital, onde membros da CIPA realizaram uma abordagem junto aos motoristas, para a conscientização e prevenção de acidentes no trabalho. Na área interna, a equipe fez panfletagem e colou etiquetas adesivas nos colaboradores, com o intuito de alertá-los com medidas prevencionistas no ambiente de trabalho.

De acordo com o presidente da CIPA do Calixto, Wendel Simões, tais ações ajudam na redução de acidentes. “Essas ações são muito importantes para a conscientização dos nossos colaboradores, esse é o objetivo da CIPA e do SESMT”, declarou.

Segundo ele, o saldo da ação foi positivo, o que demonstra a preocupação da Santa Casa com o bem-estar e a saúde dos seus colaboradores.

 

Batalhão Marítimo do Corpo de Bombeiros tem primeira mulher como tenente-coronel

Domingos Matos, 17/07/2019 | 18:35

Há 29 anos na corporação, Ana Fausta Araújo é a primeira mulher a chegar à patente de tenente-coronel e a ocupar o comando do Grupamento Marítimo do Corpo de Bombeiros Militar da Bahia, além de fazer parte da primeira turma de oficialas da Polícia Militar. “Lugar de mulher é onde ela quiser estar. Existe trabalho para a pessoa que tem competência. Se eu tenho aptidão, competência, não importa qual é o meu sexo”, afirmou Ana Fausta.

Atualmente, 116 bombeiros militares estão sob seu comando, responsáveis pelo salvamento aquático e também pela parte de mergulho e resgate em Salvador. A nomeação a tentente-coronel, pelo governador Rui Costa, foi publicada na última sexta-feira (12).

A tenente-coronel conta que, na prática, é exigido um esforço maior das mulheres do que dos homens para a conquista de cargos de chefia. “Enfrentei vários desafios, o primeiro por ser mulher dentro de uma instituição eminentemente masculina. A gente sabe que precisa provar um pouco mais para se firmar. Para isso a gente tem que vencer o preconceito e mostrar um pouco mais de competência do que os homens. Então eu tenho a sorte de ter um comandante que aposta nas mulheres e que tem a certeza da nossa competência”.

A tenente-coronel Ana Fausta recebeu, há três anos, o desafio de comandar o 13º Grupamento de Corpo de Bombeiros. “Só havia aqui uma mulher, que era guarda-vida, hoje são três mulheres. Então é uma atividade onde é difícil a entrada de mulheres e mais difícil ainda que a mulher chegue ao comando. O machismo existe, está enraizado, eu sou de uma geração machista, a minha vida inteira foi driblando o machismo. Com trabalho, amor à profissão e competência, a gente vai mostrando que a mulher é capaz, ocupando os espaços”, conta.

O tenente Adilson Santos fala sobre ser comandado por ela. “È uma tenente-coronel que, desde que eu cheguei aqui, tem me ajudado muito, ela labuta para melhorar o comando aqui da unidade. Eu só tenho a agradecer porque eu desenvolvi bastante a minha experiência no administrativo com a ajuda dela”. Segundo ele, Ana Fausta procura ouvir os subordinados, ajudar a superar as dificuldades e melhorar as atividades tanto internas como operacionais. “É uma mulher resolutiva e disciplinada. Ela ajuda e faz com que a gente se desenvolva”. 

Na Praia de Itapuã, a comandante chamou a atenção da comerciante Marly Bisbo, 37 anos. Ela se sentiu representada e aproveitou para cumprimentar a comandante. “Nós estamos assumindo o nosso lugar. E ver uma mulher no comando de um quartel, hoje, é um passo bem à frente que estamos dando, para adquirirmos a igualdade junto com os homens, enfrentando o machismo. Antigamente uma mulher nunca poderia assumir um cargo deste. Então, fico muito feliz com a Ana Fausta tomando conta deste lugar que eu sempre vi ser comandado por homens”.

A Operação Lava-Jato desmascarada

Domingos Matos, 10/06/2019 | 16:34
Editado em 10/06/2019 | 16:52

Por Eugênio Aragão

Quem acompanhava as conversas internas do MPF na rede @Membros sabia, desde sempre, da descarada politização do ambiente corporativo, marcado por profunda “petefobia”, expressão que usei numa entrevista em 2011, logo após tomar posse como corregedor-geral do órgão. O tom militante e de desqualificação de quem pensava diferente era ali uma constante. Nem ministros do STF saíam incólumes, sendo alvos de chacota e caçoada. Como corregedor-geral, cheguei a mandar aviso à rede, advertindo que os deveres de urbanidade e de decoro também se aplicavam às comunicações internas.

A mim não surpreendeu o teor das mensagens trocadas por personagens da famigerada Operação Lava-Jato e o juiz de piso Sérgio Moro, por mais que choca outsiders. Essas mensagens mostram claramente a promiscuidade que prevalece na fusão das atividades de investigar, acusar e julgar nos processos dessa operação. Temos ali promotores que se portam feito meganhas é um juiz que é acusador, todos articulados num projeto político de “limpar o Congresso” e de impedir que o PT fosse vitorioso nas eleições presidenciais de 2018.

Agora que o caldo derramou e ficou provado o que muita gente desconfiava – a persecução seletiva de atores políticos – os promotores desesperados se apressam em se fazer de vítimas de “uma ação criminosa” de invasão de seus celulares usados “para comunicação privada” e “no interesse do trabalho”. Mostram revolta contra o que denominam “violação da esfera privada”.

A mim não surpreendeu o teor das mensagens trocadas por personagens da famigerada Operação Lava-Jato e o juiz de piso Sérgio Moro, por mais que choca outsiders. Essas mensagens mostram claramente a promiscuidade que prevalece na fusão das atividades de investigar, acusar e julgar nos processos dessa operação. Temos ali promotores que se portam feito meganhas é um juiz que é acusador, todos articulados num projeto político de “limpar o Congresso” e de impedir que o PT fosse vitorioso nas eleições presidenciais de 2018.

Não há, pois, legitimidade no argumento da vitimização dos procuradores e do juiz de piso pelo ataque a seus celulares. Mas, além disso, o chororô da nota do ministério público em decorrência de publicação, pelo sítio do Intercept, peca contra o princípio do “ne venire contra factum proprium” e, assim, é mais uma prova de falta de boa fé da turma da Operação Lava-Jato. É que, quando criminosamente tornaram público diálogo telefônico entre a presidenta Dilma e o ex-presidente Lula, às vésperas da posse deste no cargo de ministro-chefe da Casa Civil, procuradores e magistrado – principalmente este último – se exculparam no interesse público do conteúdo para mandar a lei às favas.

E as provas sobre conspirações de Moro e Dallagnol contra o poder legislativo que queriam “limpar” ou contra as eleições presidenciais que queriam conduzir de forma a que não se elegesse Haddad, não são elas, por acaso, de interesse público? Ainda mais quando encontradas em celulares funcionais?

Não há desculpa. Pode até ser que, na prática recorrente dos tribunais, de blindarem Sérgio Moro, digam que as conversas vazadas não servem para condenar juiz e promotores na esfera penal, mas, seguramente, elas bastam para colocar em xeque a persecução penal contra Lula e a legitimidade do pleito presidencial de 2018.

No que diz respeito à promiscuidade da relação entre o ministério público e o juiz, revelada pelo vazamento de suas comunicações, passou da hora de repensar a proximidade entre acusação e magistratura no Brasil.

Quando atuava como subprocurador-geral da república junto ao STJ e, até mesmo antes, quando atuava como procurador regional no TRF da 1ª Região, incomodava-me profundamente o nosso papel, do MPF, nas sessões, sentados ao lado do presidente, com ele podendo até cochichar, a depender da empatia recíproca. Enquanto o advogado fazia sua sofrida sustentação oral da tribuna, não raros eram comentários auriculares entre juiz e procurador. Depois, o procurador era convidado a saborear o lanchinho reservado dos magistrados, em que os casos eram frequentemente comentados. Já os advogados ficavam do lado de fora, impedidos de participar dessa festa do céu. Produzia-se, assim, a mais descarada assimetria entre a defesa e a acusação.

O argumento dos colegas era de que o ministério público ali não era parte e, sim, fiscal da lei. Façam-me rir! Do ponto de vista estritamente dogmático, essa cisão entre os papéis do ministério público é ilusória, já que o órgão se rege pelos princípios institucionais da unidade e da indivisibilidade (art. 127 da Constituição). O ministério público é sempre parte e custos legis concomitantemente. Do ponto de vista prático, são pouquíssimos os procuradores que se imbuem do papel de fiscal imparcial. O punitivismo há muito tempo transformou a grande maioria em ferrabrás mecanizada. Não raro fui criticado por meus pares de dar parecer favorável à concessão de ordem de habeas corpus contra atuação de colega em primeiro grau! “Como assim? Ministério público acolhendo ordem de habeas corpus? Não pode!!!”.

Nesse contexto, é preciso barrar essa proximidade entre promotores e juízes, tirando os primeiros do pódio do magistrado, para colocá-los no nível das partes. Nos tribunais, está na hora de tirá-los do lado do presidente. Devem ocupar a tribuna para suas sustentações e voltar a seus gabinetes depois dessa tarefa, para dar andamento aos processos sob sua responsabilidade. Não faz sentido nenhum, em plena era do processo acusatório, dar destaque ao acusador, em detrimento da paridade com os advogados.

Deltan Dallagnol mostrou o quanto é deletério, para o devido processo legal e para o julgamento justo, a confraria com Sérgio Moro. Ficavam promotor e juiz trocando figurinha sem participação da defesa. O juiz se dava o direito de palpitar na estratégia investigativa sobre crimes que depois viria a julgar e o promotor deixava o juiz “à vontade” para indeferir seus pleitos, se não combinasse com a estratégia comum. Um escândalo, tout court.

Esperam-se consequências dessas revelações, pois, muito mais do que a profunda injustiça da prisão de Lula por uma condenação “arreglada” entre magistrado e acusação, estamos diante de evidências de manipulação eleitoral. Ou o país tira lições dessa atuação criminosa de atores judiciais, ou pode sepultar sua democracia representativa, porque já não haverá mais respeito pelas instituições que devem protegê-la.

Eugênio Aragão - Procurador da República aposentado e ex-ministro da Justiça do Governo Dilma

Internas do CPI discutem livro Quarto de Despejo e ganham show de grupo feminista

Domingos Matos, 20/03/2019 | 21:13

A programação do Mês da Mulher no Conjunto Penal de Itabuna (CPI) teve, na segunda-feira (18), uma importante atividade em parceria com a Universidade Federal do Sul da Bahia (UFSB-Campus Jorge Amado), por meio do Setor de Biblioteca. Cerca de 40 internas participaram de uma Roda de Leitura, para discutir trechos do livro “Quarto de Despejo – Diário de uma favelada”, de Carolina Maria de Jesus.

Após a oficina de leitura, realizada com intensa participação das mulheres, uma apresentação do grupo musical Banda Quente animou ainda mais a todas elas, interpretando um vasto repertório de canções autorais e de nomes consagrados da música popular, como Edson Gomes, e outros nomes da MPB.

“Foi uma experiência muito enriquecedora. Nunca estive num presídio, não fazia ideia de como seria a recepção. Foi uma grata surpresa, porque fomos muito bem recebidas por todas elas, que participaram ativamente das atividades propostas, muitas delas verbalizando o quanto se identificavam com a obra. Foi muito gratificante”, afirmou a bibliotecária da UFSB, Raquel da Silva Santos.

Também servidora da UFSB, lotada na biblioteca, Izadora Guedes conduziu as dinâmicas de relaxamento e integração entre as mulheres, bem como orientou uma das turmas das oficinas de leitura e ainda integrou o show da Banda Quente. “Foi maravilhoso. Espero poder participar de outras programações como essa, ver novamente o brilho no olhar dessas mulheres”, disse. O mesmo comentaram as outras integrantes da Banda Quente.

A atividade foi elogiada pelo diretor em exercício do CPI, Bernardo Cerqueira Dutra. “Só temos a agradecer à Biblioteca da UFSB e à Banda Quente, que proporcionaram momentos culturais às mulheres custodiadas. Estaremos de portas abertas outras iniciativas como essas”, afirmou.

Participaram da programação Raquel da Silva, Izadora Guedes, Katlyn Amazonas, Isadhora Veiga e Fernando Silva, pela UFSB; e Eloah Monteiro e Ticiana Belmonte (e Izadora Guedes) pela Banda Quente.

O livro

O livro Quarto de Despejo é o diário de Carolina, uma catadora de papéis, semi-analfabeta, negra, pobre e favelada. É, também, autora, personagem e narradora do livro. É um diário autobiográfico e um documento sobre a vida de uma favela. O diário registra fatos importantes da vida social e política do Brasil, iniciando-se em 1955 e terminando em janeiro de 1960. (Fonte: http://resumos.netsaber.com.br/resumo-3797/quarto-de-despejo)

Unidade de Saúde da Urbis IV será entregue em março, garante secretário

Domingos Matos, 13/02/2019 | 17:07

O Secretário de Saúde de Itabuna, Jozimar Salles, pediu celeridade nas obras de reforma da Unidade de Saúde da Família Dr. Elson Duarte, no bairro Urbis IV, a fim de que as comunidades daquele bairro e de outras áreas vizinhas possam voltar a receber o atendimento necessário. O titular da SMS acompanha o trabalho no local e acredita que até o inicio de março próximo, a unidade seja entregue às famílias. “O prédio está sendo totalmente reestruturado e oferecerá maior conforto, segurança e comodidade para os pacientes cadastrados na unidade”, reforçou.    

As obras da USF da Urbis IV foram iniciadas no ano passado e de lá pra cá foram executados diversos serviços que envolveram desde o piso, o telhado, as  instalações hidráulicas e elétricas e, por último, será feita a pintura das paredes internas e externas, além da limpeza da área ao redor do prédio.

O secretário de saúde informou que mesmo em reforma, os moradores não ficaram sem assistência à saúde básica na rede municipal. O atendimento está sendo feito no Campus I da Unime, na Avenida José Soares Pinheiro, no bairro Lomanto. Jozimar Sales disse reconhecer o transtorno que as família enfrentam em função da transferência, “mas é por uma boa causa”, garante.

A diretora do Departamento de Atenção Básica da SMS, Dhayse Gonçalves também reforça o compromisso do prefeito Fernando Gomes e do secretário de Saúde, Jozimar Salles, de promover em Itabuna, uma saúde de qualidade, dignidade e respeito aos pacientes do SUS. Ela afirma que o município tem trabalhado  no sentido de conduzir as políticas da Atenção Básica em Itabuna, “que permitam o acesso das famílias a equipamentos confortáveis e em  condições dignas de atendimento”.

A proposta da Secretaria de Saúde de Itabuna, segundo ela, é de manter o  cronograma de reforma direcionando atenção imediata para aquelas unidades de saúde que necessitam de melhoria em sua estrutura física. Dhayse justifica que as verbas não são suficientes para atender a todas as unidades ao mesmo tempo. Lembra que a demanda é grande, “mas o esforço e o desejo de melhorar também são”, assegura

 

Profissionais do Conjunto Penal realizam ação social no Albergue Bezerra de Menezes

Domingos Matos, 11/02/2019 | 13:55

Diversos profissionais que trabalham no Conjunto Penal de Itabuna participaram, na terça-feira (5), de uma ação social no Albergue Bezerra de Menezes. Foram realizados atendimentos de saúde, odontológicos e de enfermagem, salão de beleza, sessões de atividade física entre outros. O setor de alimentação e nutrição forneceu lanches saudáveis, com frutas e sucos naturais, e um bolo, para celebrar o dia.

A ação marcou a entrega dos produtos arrecadados na campanha de doação de fraldas geriátricas e leite em pó, durante a 6ª edição da Feira de Artesanato do CPI, realizada no mês de dezembro de 2018 no shopping Jequitibá. Na ocasião, quem adquirisse um artesanato confeccionado pelas internas do presídio, em vez de pagar em dinheiro, fazia a troca por fraldas geriátricas e leite em pó, que seriam doadas.

O projeto foi pensado como uma forma de retribuição à sociedade por pessoas que cometeram algum delito e que, mesmo pagando a pena pelo erro, caberia uma contrapartida social, de forma altruísta, por parte delas. Além da doação inicialmente prevista, as internas ainda confeccionaram artesanatos específicos para esse dia, que foram doados juntamente com lençóis e kits de higiene bucal.

Pelo lado da instituição, “essa é uma ação social que mostra que o CPI tem a missão da custódia daqueles homens e mulheres que ali cumprem suas penas, mas também não fecha os olhos para a realidade social do mundo exterior”, afirmou o diretor do CPI, capitão PM Adriano Valério Jácome da Silva.

As mulheres que laboraram autorizaram a doação a uma instituição filantrópica do município, abrindo mão dos produtos que eram seus, por direito – e, por extensão, de seus familiares, que também se sensibilizaram e autorizaram a doação (exceto algumas famílias, que se encontram em situação de vulnerabilidade social e ficaram com o leite, autorizando apenas a doação das fraldas).

Os artesanatos expostos no Jequitibá foram resultado dos cursos profissionalizantes e atividades terapêuticas desenvolvidos no CPI, pelos quais as internas e internos evolvidos recebem o benefício da redução da pena em um dia para cada três dias de frequência, além de aprenderem uma profissão ou um meio de subsistência ao saírem da situação de cárcere em que se encontram.

 

Mulheres do CPI participam de programa de planejamento familiar

Domingos Matos, 23/01/2019 | 22:00
Editado em 25/01/2019 | 15:26

As mulheres custodiadas no Conjunto Penal de Itabuna (CPI) participam, com orientação do Serviço de Enfermagem da unidade, do programa de planejamento familiar, preconizado pelo Ministério da Saúde e Sistema Único de Saúde (SUS). O trabalho é realizado mensalmente pela equipe e atende a todo o público feminino em idade fértil e com vida sexual ativa. O presídio é operacionalizado pela empresa Socializa - Soluções em Gestão, em regime de cogestão com o governo do Estado, por meio da Seap.

O objetivo é garantir à mulher o direito de decidir quanto à concepção ou não de filhos, uma vez que muitas delas possuem companheiros na própria unidade prisional, ou possuem visitantes externos durante o período que passam sob a custódia do Estado.

As profissionais de Enfermagem explicam às mulheres a importância de prevenir gravidezes indesejadas, bem como orientam sobre sexo protegido, discutem questões de gênero, conhecimento do corpo e sexualidade. O atendimento é feito de forma individualizada, e cada mulher opta pelo método com o qual melhor se adapta.

Os quatro métodos contraceptivos utilizados pelas reeducandas no CPI são os mesmos preconizados pelo Ministério da Saúde em toda a rede pública do país. Incluem, além da pílula, o preservativo de látex (masculino e feminino), e os injetáveis – mensais e trimestrais.

Informações

Complementando as informações passadas às internas, na segunda-feira (21), a médica do CPI, Drª Marcela Carvalho, reuniu as participantes do programa para explicar como agem os métodos contraceptivos, especialmente aqueles à base de hormônios.

A ação coletiva foi uma resposta a questionamentos de algumas pacientes, e teve objetivo de informar a cada uma os efeitos desejados, possíveis reações, bem como as características de cada medicamento.

Itabuna: serviços online agilizam atendimento no Departamento de Tributos 

Domingos Matos, 18/01/2019 | 07:08

Criado de modo a suprir as necessidades financeiras do município, de acordo com o que a lei estabelece, e ao mesmo tempo fazer frente às demandas da população itabunense, o Departamento de Tributos da Prefeitura Municipal de Itabuna tem buscado a cada dia ampliar a oferta de serviços. Atuando com três divisões internas: de Cadastro Imobiliário, de Cadastro Econômico e de Dívida Ativa, o Departamento de Tributos disponibiliza uma série de serviços online.

O Diretor do Departamento de Tributos, Emerson Carvalho, explica que a intenção é facilitar a vida do contribuinte e ao mesmo tempo desobstruir o fluxo intenso de pessoas no Departamento. “Basta acessar o site www.itabuna.ba.gov.br. lá são disponibilizadas informações sobre legislação, tributos, formulários, além de links para emissão de certidões, alvarás, boletos de 2ª via de IPTU, TFF (Taxas de Fiscalização e Funcionamento), entre outros”, informa.                                                                                                            

E aproveita para lembrar que o prazo de validade dos alvarás de funcionamento do ano de 2018 expira no próximo dia 31 de janeiro. O serviço pode ser solicitado via online. “Basta iniciar o processo de solicitação pelo site e emitir o DAM para pagamento”, informa. Mas para quem preferir atendimento físico, basta se dirigir ao Departamento de Tributos que funciona no Centro Administrativo Firmino Alves, de segunda a sexta-feira, das 09 às 15 horas.

 

 

Novo sistema de Recursos Humanos entra em operação em toda a Bahia

Domingos Matos, 04/01/2019 | 16:31

O governo baiano acaba de colocar em operação em todo o Estado o seu novo sistema informatizado de gestão de pessoas, o RH Bahia. O novo software – que irá automatizar mais de 90% dos processos de Recursos Humanos – terá impacto nas rotinas de 270 mil servidores estaduais ativos, inativos e pensionistas dos 417 municípios baianos, além de proporcionar aos cofres públicos uma economia estimada de R$ 84 milhões ao ano, em razão de um novo padrão de confiabilidade e precisão no processamento da folha de pagamento.

De acordo com o gerente de Service Desk do RH Bahia, Carlos Eduardo Carvalho, a maior parte das transações no novo sistema neste início de implantação vem sendo realizada por usuários comuns, que utilizam o Portal de Serviços do RH Bahia (www.rhbahia.ba.gov.br) para consultar documentos como contracheque e informe de rendimento, além de programar férias e solicitar virtualmente certidões, licenças e movimentações internas, entre outros serviços.

É o caso da assessora técnica da Secretaria de Administração do Estado da Bahia (Saeb), Mariana Santana, que experimentou a navegação no Portal assim que o sistema entrou em operação. “É um site intuitivo e de navegação simples, que reúne muito serviços em um só lugar e me confere autonomia para realizar procedimentos como agendamento de férias”, opina.

Salto tecnológico -  O RH Bahia  é uma versão customizada do módulo Human Capital Management (HCM) do software SAP, fabricado pela alemã SAP AG. Até pouco tempo, o sistema era utilizado no Brasil apenas por grandes empresas privadas e de economia mista como a Petrobras. Além do pioneirismo na administração pública, o projeto baiano também chama atenção pelas dimensões: segundo a própria SAP, trata-se do maior projeto de implantação do HCM na América Latina e o terceiro maior do mundo.

“É um salto tecnológico, que irá nos permitir aperfeiçoar a qualidade do nosso gasto com pessoal e a nossa capacidade de gestão, o que se reverte em melhoria na qualidade dos serviços prestados ao cidadão”, defende o superintendente de Recursos Humanos do Estado, Adriano Tambone. "O que o software irá propiciar ao Estado é um controle efetivo da sua maior despesa, garantindo que os processos sejam executados automaticamente de acordo com a norma legal”, ressalta o gestor de negócio do projeto, Wilson Freitas. A estratégia já foi testada com sucesso em oito empresas públicas e sociedades de economia mista do Estado, onde o software entrou em operação em janeiro de 2017, gerando uma economia de 0,8% na geração da folha de pagamento.

Conjunto Penal de Itabuna e Igreja Universal promovem cursos de capacitação para internos

Domingos Matos, 11/10/2018 | 22:43

Dois cursos, na modalidade capacitação profissional, estão sendo realizados no Conjunto Penal de Itabuna (CPI), e vão beneficiar dezenas de internos masculinos e femininos. O primeiro, de Artesanato em Biscuit, já teve a primeira aula realizada, na quarta-feira (10), com uma turma de seis internas.

O segundo, de Garçom, já está em fase de formação de turma, o que é feito a partir de avaliação biopsicossocial, pela equipe multidisciplinar do Centro de Ressocialização e do próprio Corpo Técnico do CPI. A avaliação leva em conta, também, as aptidões de cada indivíduo, o que é feito pela terapeuta ocupacional do presídio.

Já a Universal, que possui um ministério dedicado aos presídios e é uma das diversas denominações que atuam na assistência religiosa no CPI, entra com os profissionais e o ferramental necessário. O pastor Wilson Ernando Tavares, responsável por essa área na igreja, diz que o trabalho da Universal em presídios está sendo ampliado para ações de ressocialização, para além da evangelização.

“Esses cursos, por exemplo, são dissociados da questão religiosa, mas não deixam de ser um ato de caridade cristã. Porém, apenas passamos a parte da capacitação, e o Conjunto Penal cuida da parte terapêutica”, observa.

O curso de Biscuit é ministrado pelo professor Wendell Lima, que trabalha há 4 anos com artesanato, com foco nessa técnica, e supervisionado pela equipe técnica do Centro de Ressocialização do CPI, por meio da empresa Socializa – Soluções em Gestão, que operacionaliza a unidade.

Feira de Saúde proporciona dia especial de cidadania no Conjunto Penal de Itabuna

Domingos Matos, 28/03/2018 | 13:57

Se em quantidade elas não se comparam aos homens recolhidos, em disposição dão um verdadeiro show. As cerca de 75 mulheres custodiadas no Conjunto Penal de Itabuna participaram ativamente da 1ª Feira de Saúde da Mulher realizada na unidade prisional e, literalmente, correram todos os oito estandes disponibilizados. Tanto que a organização fez uma conta simples: foram 71 mulheres usando todos os serviços oferecidos, o que resultou na soma de 568 atendimentos.

A Feira de Saúde da Mulher foi organizada pela empresa Socializa, por meio do Corpo Técnico do CPI, em parceria com a faculdade de Enfermagem da Unime e com apoio da casa de perfumaria e cosméticos O Boticário. Estudantes do 6º semestre, junto com professores e profissionais do Conjunto Penal, proporcionaram às internas um dia diferente, com atendimentos diversos, a exemplo de exames preventivos (citologia), orientações sobre parto humanizado, prevenção às infecções sexualmente transmissíveis (ISTs) dentre outros. 

Também foram oferecidos testes rápidos para detecção de aids, sífilis e hepatite, orientações para o autoexame da mama (prevenção ao câncer de mama), além de momentos de beleza, com maquiagens e tratamentos de cabelo. Ainda foi realizada uma pequena exposição dos diversos cursos profissionalizantes e produtos, realizados e apresentados pelas próprias internas.

“Esse momento foi a culminância de um projeto desenvolvido ao longo do mês de março. Já tivemos, no dia 16, uma parte mais lúdica e reflexiva, com a participação de uma psicóloga convidada, que trabalhou a questão da autoestima. Hoje, percebemos inclusive um resultado daquele momento, com a participação quase total de nossas internas no evento”, observou o diretor do CPI, capitão PM Adriano Valério Jácome da Silva.

Mas, a programação destinada à mulher não se encerrou com o evento. Além das internas, também estão sendo beneficiadas as mulheres visitantes, com um estande de orientação sobre prevenção a doenças como câncer de mama e as chamadas ISTs.

Participaram do evento o chefe de Gabinete da Secretaria da Administração Penitenciária e Ressocialização (SEAP), Carlos Eduardo Sodré, e a representante da 7ª Diretoria Regional de Saúde (7ª Dires), Dina Lúcia de Almeida.

Defensoria Pública e Corpo Jurídico do CPI atendem a mais de 90 internos em mutirão

Domingos Matos, 01/03/2018 | 08:10

Em um esforço conjunto da Defensoria Pública Estadual (DPE) e do Conjunto Penal de Itabuna (CPI), por meio do seu Corpo Jurídico, foram atendidos, em regime de mutirão, 96 internos do Conjunto Penal de Itabuna. A ação ocorreu na segunda-feira (26), e contou ainda com a participação do Juízo da Vara de Execuções Penais (VEP), que recepcionou a quase uma centena de encaminhamentos, e que pode decidir a partir desses pedidos.

O mutirão foi uma sugestão do juiz da VEP, Antonio Carlos Maldonado Bertacco, e deve se repetir nas próximas semanas, sempre às segundas-feiras. Dos 96 atendimentos, 53 foram realizados pela Defensoria, enquanto 43 foram patrocinados pelos advogados do próprio Conjunto Penal. O trabalho consistiu em analisar, prioritariamente, as demandas dos custodiados que não possuem advogados constituídos para essa fase dos seus processos, ou seja, a execução penal.

Os serviços prestados foram, em sua maioria, de pedidos de livramento condicional, progressão de regime, cálculo de pena com vistas à progressão de regime etc, todos de acordo com a situação processual de cada interno. Foram mobilizados quatro defensoras públicas e quatro advogados do CPI, contratados permanentemente pela empresa Socializa Brasil, que faz a administração do presídio em regime de cogestão com o governo do Estado, por meio da Secretaria da Administração Penitenciária (SEAP).

O diretor do CPI, capitão PM Adriano Valério Jácome da Silva, destaca a importância desses procedimentos em regime de mutirão. “O nosso interesse, assim como o da Justiça e da Defensoria, é promover o direito dos custodiados que estão aptos à progressão de regime. Esse trabalho já é feito diariamente pelos nossos colaboradores advogados, assim como também pelos defensores públicos e por um preposto da DPE que já atua no dia a dia do presídio. Mas, o mutirão é importante porque mostra que há uma convergência de todos os órgãos para a garantia dos direitos desses internos”.

OAB

Em outra frente, além da Defensoria Pública Estadual, a Ordem dos Advogados do Brasil – Subseção Itabuna também tem colaborado com o andamento dos processos envolvendo internos do CPI. No caso da OAB, a atuação se dá por meio da Comissão de Direito Público, especificamente nos Processos Administrativos Disciplinares (PAD), que apuram, em sindicâncias internas, faltas disciplinares dos internos, quando não há advogados particulares constituídos.

“O apoio, tanto da Defensoria, que é um órgão da Execução Penal, quanto da OAB, por meio de sua Comissão de Direito Público, tem nos permitido avançar na resolução de nossos procedimentos internos. Embora muitos dos atos apurados em sindicâncias não estejam tipificados como crimes, uma pendência desse tipo pode atrasar a progressão de regime dos apenados. Daí, a importância de agilizarmos esses procedimentos e por isso agradecemos a essas duas instituições”, finaliza o diretor Adriano Jácome.

Projeto Vida Saudável no CPI foi apresentado em conferência com diversas unidades da Bahia

Domingos Matos, 11/11/2017 | 11:46

Uma prática exitosa desenvolvida pela equipe de ressocialização do Conjunto Penal de Itabuna (CPI) foi apresentada na manhã dessa quarta-feira (8), em uma videoconferência com representantes da Seap, além de diversas outras unidades prisionais do estado. A apresentação fez parte da segunda edição do projeto Práticas Exitosas no Sistema Prisional Baiano.

O projeto escolhido como uma das práticas exitosas CPI, por meio da cogestão Seap/Socializa Brasil, foi o “Vida Saudável no CPI”, que consiste em integrar e desenvolver as cerca de 60 reeducandas da unidade por meio da dança, especificamente da modalidade “Zumba Fitness”.

A apresentação foi realizada pela psicóloga Amanda Costa, que detalhou os benefícios para a saúde mental e física das alunas, com benefícios sensoriais, de memória e a elevação da autoestima e sentido de pertencimento a um grupo social para além da situação do cárcere.

O projeto foi bastante elogiado, especialmente por trabalhar a ludicidade no ambiente prisional numa perspectiva de integração social das internas, e também porque envolve toda a equipe multidisciplinar da ressocialização e de acompanhamento biopsicossocial da unidade.

Além da psicóloga Amanda Costa, participaram da videoconferência, realizada na Escola Cultural Luís Eduardo Magalhães, outros psicólogos, terapeuta ocupacional, advogada, pedagoga, assistentes sociais, além de representantes do corpo de segurança e da gerência da empresa Socializa em Itabuna.

Feira de Odontologia envolve 582 internos no Conjunto Penal de Itabuna

Domingos Matos, 27/10/2017 | 10:13

Com o objetivo principal de chamar a atenção para a importância da saúde bucal para a qualidade de vida do indivíduo, o Conjunto Penal de Itabuna (CPI) realizou, entre os dias 24 e 27, a sua 1ª Feira de Odontologia – Resgatando Sorrisos. A abertura ocorreu na terça-feira (24), às 9 horas. Ao todo, 582 internos e internas passaram pelos diversos estandes, consultórios e auditórios da feira. Esse número envolve testes rápidos para detecção de HIV e sífilis (167), ouvintes das palestras (287) e atendimentos com profissionais da odontologia (128).

A ação foi realizada pela empresa Socializa Brasil, que faz a administração do presídio em regime de cogestão com o Governo do Estado, por meio da Secretaria de Administração Prisional e Ressocialização (Seap). A unidade já oferece o atendimento odontológico no dia a dia. “Com a feira, concentramos o atendimento e as ações de prevenção, atingindo, dessa forma, um maior número de reeducandos”, afirma o diretor do CPI, Adriano Valério Jácome da Silva.

Foram realizadas ações de educação para a higiene bucal (palestras com concluintes do curso de Odontologia da Unime), atendimentos com odontólogos e com duas técnicas de saúde bucal (TSBs), que realizaram limpezas de tártaro, o que é permitido à profissão. Ao final das palestras todos receberam um kit com escova de dente, creme dental e enxaguante.

Ao longo do evento, profissionais que já trabalham no Conjunto Penal e outros convidados fizeram os atendimentos. Além do consultório da unidade prisional, foi utilizado um consultório móvel. A feira de odontologia foi também uma forma de comemorar o Dia Nacional do Dentista (25 de outubro).

Os números informados incluem os atendimentos, testes e palestra já agendados para as 73 mulheres internas, que ocorrerão na próxima segunda-feira (30), no anexo feminino. A feira também promoverá ações junto aos funcionários do Conjunto Penal de Itabuna, assim como o acesso aos testes rápidos para detecção de HIV e sífilis. O evento contou com apoio das equipes de segurança e da direção da unidade.

Acesse com seus dados:

ou
Ainda não tem acesso?
Registre-se em nosso Blog.