BAHIAGAS - 25 ANOS

Tag: ipva

Sefaz irá notificar 100 mil veículos com placas 9 e 0 por atraso no IPVA

Domingos Matos, 05/11/2019 | 07:01

Até o final do mês de novembro, a Secretaria da Fazenda do Estado (Sefaz-BA) irá notificar 100 mil veículos com placas de finais de 9 e 0 pela falta de pagamento do IPVA 2019. Os contribuintes que ainda não quitaram o seu imposto devem regularizar o quanto antes a situação e assim evitar a cobrança de multas e juros que passam a incidir logo após a notificação. Para quitar o IPVA, o contribuinte deve dirigir-se a uma agência ou caixa eletrônico do Banco do Brasil, do Bradesco ou do Bancoob, com o número do Renavam em mãos.

A Sefaz-BA já havia notificado 208 mil automóveis com placas de finais 1, 2, 3, 4, 5, 6, 7 e 8 pelo atraso do imposto. Por meio do site da Sefaz, os proprietários de veículos podem consultar se estão enquadrados nessa situação. Para isso, basta acessar a opção “Inspetoria Eletrônica” => “IPVA” => “Relação de Notificados” e informar o número do Renavam. Quem tiver sido notificado deve imprimir o Documento de Arrecadação Estadual (DAE) também no site da Sefaz-BA, clicando em “Inspetoria Eletrônica” =>”IPVA”=> “Relação de Notificados” => “Emissão de DAE “  e quitar o débito em qualquer banco, com desconto de até 70% sobre o valor da multa caso o pagamento seja efetuado antes do ajuizamento da execução fiscal.

Vale ressaltar que, para obter o licenciamento do veículo, é preciso, além de quitar o IPVA, realizar o pagamento da taxa de licenciamento, do seguro obrigatório e de eventuais multas de trânsito junto ao Detran. Este procedimento também deve ser realizado nos bancos do Brasil, Bradesco ou Bancoob e após o pagamento do DAE de IPVA já notificado. Mais informações podem ser consultadas no site da Sefaz ou por meio do Call Center da Sefaz-Ba, pelo 0800 071 0071.

 

Detran arrecada R$ 2,3 milhões em leilões de veículos e sucatas

Domingos Matos, 15/08/2019 | 16:29

Em três leilões realizados nesta semana, na capital e no interior, o Departamento Estadual de Trânsito da Bahia (DetranBA) comercializou 1.019 lotes de veículos e sucatas, que foram entregues livres de débitos, exceto o IPVA deste ano. A arrecadação foi de R$ 2,3 milhões. Os recursos serão usados para o pagamento das dívidas dos veículos vendidos (taxas, IPVA, seguro DPVAT, guincho e diárias de pátio), como determina a resolução 623, do Conselho Nacional de Trânsito (Contran). Se houver resíduo, o dinheiro vai para o antigo proprietário do carro ou da moto.

Ainda neste mês, o leilão do Detran acontece no dia 21, em Senhor do Bonfim, no centro norte do estado. No dia 23, o evento será em Teixeira de Freitas, no extremo sul baiano. Além da oferta de veículos e de sucatas que podem ser aproveitadas, serão comercializadas também sucatas sem utilidade, que só poderão ser arrematadas por empresas previamente cadastradas no órgão, que trabalham com reciclagem. As regras do leilão estão disponíveis no site do departamento.

"Os bens inservíveis são procurados geralmente por siderúrgicas, que realizam os processos de descontaminação, prensagem e reciclagem. Dessa forma, vamos limpando os pátios, com a retirada de material que polui o meio ambiente, de acordo com as orientações do Governo do Estado", explicou a presidente da Comissão de Leilão do Detran, Cristiane Costa. 
 

Detran torna pública relação de estampadores de placas Mercosul que atuam na Bahia

Domingos Matos, 08/08/2019 | 09:16

O Departamento Estadual de Trânsito (Detran-BA) disponibiliza no seu portal de serviços (www.detran.ba.gov.br) a relação das empresas estampadoras de placas Mercosul cadastradas no órgão. Até a manhã de ontem (7), a lista tinha 227 empresas que estão aptas a atuar no estado, porque são credenciadas ao Departamento Nacional de Trânsito (Denatran), instituição do governo federal que atualmente regulamenta também os fabricantes da matéria-prima.

"Adotamos a medida para dar mais transparência ao processo do emplacamento, seguindo uma determinação do Governo do Estado. Estamos nos adequando às mudanças na legislação, que começam a valer no final deste mês", explica o diretor-geral do Detran, Rodrigo Pimentel.

No próximo dia 28, entra em vigor a resolução 780, do Conselho Nacional de Trânsito (Contran), que mantém a regulamentação dos fabricantes da placa lisa com o Denatran, enquanto os estampadores passarão a ser credenciados aos Detrans. A partir das novas regras, a placa Mercosul deixará de ser obrigatória na transferência de propriedade do veículo. Nos casos de veículos novos, os transferidos de município ou estado e de placa cinza danificada ou furtada, foi mantida a obrigatoriedade.

Em Salvador, o primeiro emplacamento é feito na Central de Atendimento do Detran, na SAC do Shopping da Bahia, mediante o pagamento da taxa de R$ 221,95, do IPVA e seguro DPVAT proporcionais. O cidadão deve apresentar um documento de identidade, CPF, comprovante de residência, nota fiscal do veículo com o mesmo endereço informado e decalque do chassi. Em seguida, ele tem que solicitar a confecção das placas a um estampador de sua escolha e retornar à Central para concluir o procedimento e receber a documentação do registro veicular. O serviço pode ser agendado pelo site www.sacdigital.ba.gov.br.

Detran garante entrega do CRLV no SAC; comprovante do pagamento substitui o documento

Domingos Matos, 17/07/2019 | 15:31

Sobre o aumento do movimento na Central de Atendimento do Departamento Estadual de Trânsito ( Detran), no SAC do Shopping da Bahia, em Salvador, de usuários em busca do Certificado de Registro e Licenciamento do Veículo ( CRLV), o órgão esclarece que o cidadão pode circular com o comprovante do pagamento do licenciamento integrado (taxa administrativa, IPVA, DPVAT e multas). O comprovante substitui o documento por 30 dias, como determina a portaria 223/2016. O CRLV continua sendo entregue na Central, sem custo, após a quitação das dívidas.

Segundo o Detran, a entrega do documento do veículo pelos Correios está acontecendo. Se o prazo ultrapassar 30 dias, o cidadão deve se dirigir ao órgão para solicitar o CRLV gratuitamente.

O porte do CRLV não é obrigatório, se o agente de trânsito puder consultar a situação do veículo pela internet. Caso contrário, vale a obrigatoriedade. Em breve, os baianos terão à disposição a versão eletrônica do certificado de licenciamento, como já acontece com a carteira de habilitação.

Inadimplência atinge 63 milhões de consumidores em março, aponta Serasa

Domingos Matos, 25/04/2019 | 10:33
Editado em 25/04/2019 | 16:12

São Paulo – O número de consumidores inadimplentes no Brasil chegou a 63 milhões em março de 2019 e registrou recorde desde 2016, quando teve início a série histórica. Isto significa que 40,3% da população adulta do país está com dívidas atrasadas e negativadas. Na comparação com o mesmo mês do ano anterior (61,0 milhões), o aumento foi de 3,2%, ou seja, dois milhões a mais de pessoas. Na relação março x fevereiro 2018, a alta foi de 1,2%.

“O aumento do desemprego e o repique da inflação nos primeiros meses do ano resultaram em perdas da renda do consumidor, que impacta diretamente na inadimplência. Também a concentração de compromissos financeiros típicos de início de ano (IPTU, IPVA, material escolar etc.) pressionaram o orçamento da população. O recorde de pessoas com dívidas atrasadas em março mostra um patamar elevado e traz prejuízos ao crescimento da economia. Por isso, cresce a importância de ações que ajudem a mudar este cenário, como o recém aprovado Cadastro Positivo, o qual contribui para a prevenção do descontrole financeiro e para o combate ao superendividamento”, diz o economista da Serasa Experian, Luiz Rabi.

Inadimplência dos idosos apresenta a maior alta

Por faixa etária, a inadimplência é maior nas pessoas de 36 a 40 anos (48,5% delas estão inadimplentes), mas os idosos (consumidores com mais de 61 anos) apresentaram a maior alta (1,9 p.p.) em março de 2019, na comparação com o mesmo mês do ano anterior: 38,8% deles estavam inadimplentes e março/19. Já as faixas de 26 a 35 anos e de 31 a 35 anos apresentaram ligeira queda na mesma relação. 

Dívidas atrasadas com telefonia têm o maior crescimento

Mesmo com a maior representatividade de bancos e cartões (28,1% dos registros de inadimplência são provenientes deste segmento), as dívidas não pagas e negativadas no segmento de telefonia tiveram o maior crescimento (1,6 p.p.) em março de 2019, na comparação com o mesmo mês do ano anterior, representando agora 13,2% do total. 

Consumidor que comprar carro novo pode ganhar isenção de IPVA

Domingos Matos, 12/01/2012 | 08:34
Editado em 12/01/2012 | 08:35

A Secretaria de Fazenda do Distrito Federal e o Detran firmaram parceria que agiliza o processo de isenção do IPVA para veículos novos. Pelo acordo, os consumidores comuns – definidos como pessoa física – terão a isenção automática do IPVA e não precisarão ir a agência de atendimento da Secretaria de Fazenda ou o Detran para obter o benefício.

Os dois órgãos trocarão informações para checar o cumprimento dos requisitos exigidos para a isenção. No emplacamento, o Detran envia o certificado de registro do veículo para o adquirente com o IPVA não pago e informa à Secretaria de Fazenda o CNPJ da empresa revendedora do veículo, permitindo a conferência de possível dívida ativa. De posse desse dado e da confirmação de que o comprador não tem débitos, a Fazenda autoriza a concessão do benefício. O Detran expede o certificado de registro do veículo com isenção condicional por três anos.

A isenção automática do IPVA para veículos novos não será possível para carros adquiridos por empresas (pessoa jurídica). Neste caso, o acesso ao benefício deve ser obtido somente em uma agência da Secretaria de Fazenda.

Para ter direito à isenção, o consumidor (pessoa física) não pode ter qualquer dívida com a Secretaria de Fazenda. Da mesma forma, a concessionária que fez a venda não pode ter qualquer débito com a Receita.

No caso de empresas (pessoa jurídica), a isenção do IPVA também está condicionada à inexistência de débito com a Secretaria de Fazenda, tanto por parte do comprador como do vendedor. A empresa adquirente deve apresentar ainda certidões negativas do INSS e do FGTS e declaração de que não contrata mão de obra infantil, adolescente ou escrava.

O comprador – seja pessoa física ou jurídica - perde o direito à isenção se transferir o veículo para outro estado no ano da aquisição. Neste caso, o IPVA deve ser pago com correção monetária. Por isso, o certificado de registro do veículo terá a expressão “isenção condicional” no campo do IPVA.

Os veículos beneficiados com a isenção no ano de compra terão acréscimo no valor do IPVA nos três anos subseqüentes à aquisição. Os novos percentuais serão de:

- 1,25% para os veículos de carga com lotação acima de 2 mil quilos, caminhões-tratores, micro-ônibus, ônibus e tratores de esteira, de rodas ou mistos;

- 2,5% para ciclomotores, motocicletas, motonetas, quadriciclos e triciclos;

- 3,5% para automóveis, caminhonetes, utilitários e demais veículos.

Baiano tem até fevereiro para pagar IPVA com 10 % de desconto

Domingos Matos, 07/01/2012 | 08:30
Editado em 07/01/2012 | 08:33

Sem reajustes em 2012, o baiano pode pagar até o dia 29 de fevereiro, o IPVA, com desconto de 10%.

O bônus é para quem quitar o valor integral do imposto, sem parcelamento. Já quem prefere dividir o valor, o desconto é de 5% até o vencimento da primeira parcela.
O IPVA pode ser pago isoladamente ou em conjunto com o licenciamento do veículo e pode ocorrer em três parcelas mensais, vencendo de acordo com o número final da placa do veículo.

Após o vencimento é cobrada multa de 0,11% sobre o valor principal multiplicado pelo número de dias em atraso.

O pagamento pode ser feito nas agências dos bancos Bradesco e do Brasil.

DE RODAPÉS E DE ACHADOS

Domingos Matos, 02/10/2010 | 15:57
Editado em 03/10/2010 | 00:09

Adylson MachadoQuando o tema se esgota em si mesmo, um rodapé pode definir tudo e ir um pouco além.  

Adylson Machado

                                                                              

 

Baiano se antecipou a NASA

todos os olhosEmbalado na provocação “Não estamos sós no Universo” (O TROMBONE, de 25 de setembro), comentamos que “O irreverente baiano de Irará – Tom Zé – já antecipara em capa de um LP a agora inusitada revelação da NASA. Com um detalhe: fotografara o dito cujo ao vivo, abrindo nova discussão estética para uma extasiada crítica que desconhecia o fotografado sob aquele prisma. Um outro Universo”.

Tom Zé – para nós o mais precioso dos autores do Tropicalismo, pela marcante engenharia melódica e contribuição estética àquele código – imaginou, em anárquica proposta, para “Todos os Olhos” (1973, pela Continental), capa que despertou os olhares da crítica, que “descobriu” o que não via, quando o visto estava em cada um. Apenas uma bola de gude pode ter causado o frisson, fundiu os imaginários.

Do premiado trabalho, a faixa Cademar (Tom Zé /Augusto de Campos) traduz em concreto texto a influência que marcou a turma (confira no vídeo abaixo performance em show em Curitiba -PR - em 2007). Não à toa, além de Augusto, Décio Pignatari e Rogério Duprat se envolvem no projeto, que contou com participação de Heraldo do Monte.

Dizem, no entanto, que o embaixo é mais em cima. E a foto de Todos os Olhos enganou Tom Zé até pouco tempo.

Debates I

O modelo, comum a todas emissoras, esgota o eleitor/telespectador. Ainda que a Globo (com apoio da CBF) tenha transferido para o mesmo horário do debate a decisão da Libertadores, fato que influiu na audiência, o da Bandeirantes, primeiro da série, talvez tenha sido o mais interessante. Os demais, a mesma monotonia e chatice, limitando conclusões e respostas.

Aos candidatos e suas respostas elaboradas falta a competência do improviso. Para idéias e projetos de governo, uma repetição chocha do horário eleitoral.

Melhor um debate único, em rede nacional. Como está é um desestímulo.

Debates II

Não se viu ninguém provocar Dilma para falar sobre o lucro dos bancos ou Serra para defender as privatizações do governo FHC (suas falas mais demonstravam ter sido ele o presidente, tanto o “eu fiz” – o genérico, o FAT, o bolsa remédio, o combate a AIDS), tampouco Marina para tratar do polêmico asfaltamento (para os ecologistas) da rodovia  Manaus-PortoVelho ou Plínio para propor superação à experiência socialista, que até Fidel Castro reconhece que não serviria a Cuba no atual contexto histórico.

Contribuição valiosa

Evidente a contribuição do “Pimenta na Muqueca” para esclarecimento da verdade, ao editar imagem e áudio de trecho da entrevista de José Dirceu, em Salvador, que se tornou cavalo de batalha na grande imprensa, comentada em vários níveis – de jornais a revistas, de Jornal Nacional a CQC – afirmando haver o ex-ministro da Casa Civil declamado a existência de “excesso de liberdade” na imprensa brasileira.

Não se vê tal afirmativa. Ao contrário, a defesa da liberdade de imprensa. No entanto, a não-verdade tornou-se axioma na mídia.

Representação política lá e cá

A “onda verde” insinua renovação na política nacional, demonstra-o a candidata Marina Silva. Não custa o eleitor conferir, no balaio de gatos chamado partidos políticos, o que representa o Verde em si mesmo por esse Brasil a fora, analisando a renovação por suas expressões locais.

Começando por Itabuna!

Reprise ontem e hoje

A chamada esquerda não consegue escapar da bem engendrada campanha de uma parcela da grande imprensa, que a utiliza como espingarda de Satanás (encômios para minha avó Tormeza), o que não é novo: o Partidão (PCB) desancava, em 1954, Getúlio, como entreguista, enquanto Lacerda e a UDN chamavam-no de comunista. Depois do suicídio, empastelados pelo povo indignado A Voz Operária e a Tribuna da Imprensa, os jornais de cada um.

Ninguém pede renuncia a princípios e convicções. Mas, não esquecer que Heloísa não saía da mídia enquanto flagelava o Governo e o PT, somando com sua credibilidade a ação da direita.

Espera-se, hoje, que pelo menos Alagoas se lembre da combativa Heloísa para o Senado.

Academia I

Itabuna cometia um descaso com a cultura grapiuna, que detém nomes nacionais, não dispondo de uma academia que os imortalizasse no seio de suas origens. Ilhéus vive a sua há décadas.

Com regozijo vemos anunciada (DIARIO BAHIA, 28/set., Em Cartaz, 29/set) a criação da Academia Grapiúna de Letras, “cujo patrono será o falecido escritor Jorge Amado” (necrológio para o imortal JA), idéia louvável e oportuna que envolve a Fundação Itabunense de Cultura e Cidadania-FICC.

Academia II

cyroEsquisito que o anúncio do projeto não tenha o seu presidente, o escritor Cyro de Mattos, como o porta-voz, e sim Fred Domingos da Silva, diretor administrativo da FICC – que não sabemos quem seja no âmbito da FICC, além de diretor administrativo. Se a idéia não nasce dele o que ali faz o escritor Cyro de Mattos, que não serve nem para anunciar projeto de tal magnitude?

Ou Cyro não é Cyro?

A conta-gotas

Transparência nos gastos de cada gabinete da Câmara de Itabuna. Leia-se, o que consome cada vereador. Obviamente, valores variáveis, conforme o “clero” deste ou daquele edil.

Primeiramente serão divulgados – como natural às coisas nebulosas – os gastos do vereador X, do Y, preferencialmente opositores etc. Só para ver as reações. Depois...

Ah! Depois é depois!

“Tem coisa!”, uma peça em 3 atos

Ato I

Nota da Assessoria do Deputado Félix Mendonça (O TROMBONE, 30 set) divulga o tombamento do casarão do Coronel Tertuliano Guedes de Pinho pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN), que sediará o Museu de Itabuna. Uma conquista valiosa, com todos os méritos para o Deputado.

Nenhuma referência a FICC e ao seu Presidente Cyro de Mattos.

Ato II

Site da FICC, 2 de outubro: nenhuma referência ao tombamento. Entretanto, há registro de Cyro de Mattos com dirigente do IPHAN, fotografados em frente ao casarão – concluído em meados da década de 20 do século passado – e um outro transcrevendo discurso do Deputado Félix na tribuna da Câmara Federal em defesa do tombamento.

Ato III

Matéria do blog Amigão10, deste 1º de outubro: “Ficc confirma tombamento do casarão da Bananeira pelo Iphan”, com foto idêntica a publicada no sítio da FICC e conclui: “O Presidente da Fundação de Cultura e Cidadania, Cyro de Mattos, disse que sempre esteve confiante de que mais cedo ou mais tarde os órgãos financiadores da cultura teriam um olhar especial para o projeto de que irá transformar o casarão centro histórico da cultura grapiúna”.

Cyro de Mattos (o texto entre aspas não deixa dúvidas) não faz nenhuma referência ao Deputado Félix Mendonça, muito menos ao Prefeito Nilton Azevedo, que subscreveu o pedido junto ao órgão federal.

Tem coisa!

Novos tempos

maçonariaTempos houve que a práxis da filosofia maçônica se expressava pela silenciosa atuação: conhecia-se resultados, nunca os atores/benfeitores. Assim, marcaram os obreiros presença na história ocidental. No Brasil, para orgulho de todos brasileiros, muito representou para a Independência a intervenção da Maçonaria.

Mas, ou os tempos mudaram ou o trabalho silencioso perdeu valor. É o que parece demonstrar a força das modernidades, dentre elas o out door, utilizado pelas três expressões maçônicas locais pedindo ao Governo Estadual o retorno da gestão plena da Saúde para o Município.

Além do novo modelo de intervenção – a publicidade – aguarda-se para breve, dentro dos ideais que norteiam a secular instituição, um pedido das declinadas lojas para apuração das alegadas fraudes que levaram Itabuna a perder a gestão plena.

Qualidade de educação é isso aí, gente!

Quase SETENTA E SEIS MILHÕES DE REAIS (exatos 75.913.495,60) é a pequena contribuição do Estado de São Paulo, ao tempo de José Serra – tendo Paulo Renato (ex-Ministro da Educação de FHC), como Secretário de Educação – para a Editora Abril, em aquisições, por um ano, SEM LICITAÇÃO, de alguns títulos comercializados por aquela editora.

Agora (ops!) entendemos porque a VEJA defende tanto a turma.

Para maiores detalhes: http://namarianews.blogspot.com/2009/08/educaçao-em-sp-amigos-merecem-milhoes.html

Originalidade, zero!

Daniel Filho, respeitado diretor de cinema e de produções televisivas, já afirmou que também se inspira no cinema americano. A Globo tem reiterado a iniciativa, até mesmo copiando títulos de filmes. No segundo capítulo da novela das seis (Araguaia): um ataque de índios a uma fazenda, incêndio, mulher branca levada etc.

Lembra um arremedo mal composto de uma cena de “Rastros de Ódio”, clássico faroeste dirigido por John Ford. Um detalhe, apenas: o filme não é apelativo, nem medíocre a ponto de distorcer a realidade indígena brasileira, como o faz o folhetim global.

Em defesa da produtividade

Pacato cidadão, trabalhador, quase setenta anos de vida, transitando para o trabalho em sua motoneta, desobrigado por lei de exibir documento que comprove recolhimento de IPVA e mesmo CNH, foi parado por uma blitz que lhe exigiu dita documentação, nesta quinta-feira.

Argumentou que não era necessário, mas o agente/policial determinou que o veículo fosse apreendido e que aguardasse o superior chegar. Mais de uma hora perdida de trabalho. Chegada a autoridade, foi liberado.

Defesa da “produtividade” ou despreparo. Talvez um outro preparo: alimentar a receita do guincho!

Depois de tudo

Rir pra não chorar!

as traçasos traços

Adylson Machado é escritor, professor e advogado, autor de "Amendoeiras de outono" e " O ABC do Cabôco", editados pela Via Litterarum

Polos de desenvolvimento de Ilhéus indo pro mangue...

Domingos Matos, 13/07/2010 | 08:25
Editado em 13/07/2010 | 08:45

... e a cidade discute IPVA de cinco táxis

É impressionante a quantidade de artigos produzidos e publicados em alguns veículos de comunicação de Ilhéus para reclamar das tais cinco vagas para táxis cedidas pela prefeitura local para veículos de Itabuna, na praça do Atacadão, na BR-415.

Quando a questão não é abordada como uma invasão de limites capaz de gerar a tão aguardada guerra entre as duas cidades - a única possibilidade real de Itabuna vir a possuir praia, pela anexação territorial - os contendores escrevem sobre o risco de a Terra da Gabriela vir a quebrar por causa do repasse de 50% do valor não arrecadado do IPVA desses cinco veículos.

Enquanto isso, os pólos industrial e de informática vão pro mangue, e metade da cidade briga para não receber o Complexo Intermodal Porto Sul (porto, aeroporto e ferrovia).

Pelo menos, no novo aeroporto internacional será criada uma super praça de táxis, e - o melhor - sem nenhuma possibilidade de dúvida de que ela pertencerá exclusivamente a Ilhéus.

Então, por falta de argumentos mais convincentes, este blog se rende: ó, desconfiado povo ilheense, apoiai o Porto Sul! Ele gerará pelo menos 20 vagas de táxi, e sem fuga das divisas do IPVA!

Disputa desigual pelos votos dos irregulares

Domingos Matos, 24/05/2010 | 11:50
Editado em 23/03/2010 | 09:39

Certo candidato a deputado estadual, cheio de condecorações e estrelas gemadas nos ombros, está passando dos limites. Carros com IPVA atrasado, motoristas sem habilitação, facilidades para tirar a CNH, tudo é resolvido com vistas a aumentar seu baú de votos.

Era comum, há até pouco tempo, o traseunte se deparar com verdadeiras arabacas, afilhadas do tal candidato, dessas que se arrastam pelas ruas, exibindo o adesivo que é a senha para a 'sua' paz no trânsito: "Estou com Fulano". Estando com ele, tá tranquilo. Mas o rapaz quer votos, muios votos. Tanto que agora é possível ver até carroças, que não pagam IPVA, exibindo o tal adesivo.

Mas essa é apenas a parte leve e até pitoresca de sua campanha. O pesado está nos bastidores: sua esposa, soldado PM, por exemplo, já não pisa no trabalho faz tempo. Outra Pfem, seu braço direito na campanha, também ganhou salvo-conduto, e não faz questão de ir ver como anda o Comando de Polícia Regional Sul.

Outro militar que também não dá muito as caras no trabalho é lotado na 5ª Ciretran. Prefere visitar as cidades da jurisdição, como Itajuípe, Coaraci, Almadina Camacan, Buerarema, São José da Vitória... Atua como famoso ex-chefe da mesma Ciretran, que acabou prefeito: é um 'facilitador'. Enfim, todos recebendo, mas fazendo trabalhos por fora para o militar-candidato.

Concorrentes do esperto oficial, que também disputam uma vaga na Assembleia Legislativa, já identificaram a mina e reclamam da desigualdade na disputa pelos votos dos motoristas inabilitados, dos proprietários de veículos sem licenciamento e até de carroceiros que não querem ser pertubados.

Mas esses podem tirar o cavalinho da chuva - ainda mais se esse estiver parado em local proibido. Como diria o Caboco Alencar, filósofo maior do Beco do Fuxico, "a luta é sempre desigual, companheiro".

Acesse com seus dados:

ou
Ainda não tem acesso?
Registre-se em nosso Blog.